of 14 /14
AGRARIAN ACADEMY, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.5, n.10; p. 2018 52 DINÂMICA DO USO E COBERTURA DO SOLO NA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE NO MUNICÍPIO DE CASTELO, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Caio Henrique Ungarato Fiorese 1 , Vinícius Rocha Leite². 1 Graduando em Engenharia Ambiental no Centro Universitário São Camilo, Cachoeiro de Itapemirim, Espírito Santo, Brasil. ([email protected]). 2 Professor Assistente do Centro Universitário São Camilo, Cachoeiro de Itapemirim, Espírito Santo, Brasil. Recebido em: 19/11/2018 – Aprovado em: 14/12/2018 – Publicado em: 25/12/2018 DOI: 10.18677/Agrarian_Academy_2018B6 RESUMO Os estudos sobre o uso e cobertura do solo são relevantes para planejar a ocupação territorial em determinada região, tendo em vista que o manejo incorreto da terra pode ter consequências danosas à qualidade ambiental dos serviços ecossistêmicos. O objetivo deste estudo foi avaliar as alterações no uso e cobertura do solo na sub-bacia hidrográfica do Ribeirão Estrela do Norte, localizada no município de Castelo-ES, e propor medidas de ordenamento territorial na paisagem. Os procedimentos analíticos foram realizados com base na implementação de um Sistema de Informações Geográficas (SIG). Mapeamentos do uso e cobertura do solo realizados para o estado, nos períodos entre 2007-2008 e 2012-2015, foram utilizados para analisar a dinâmica espaço-temporal na sub-bacia e no interior de áreas de preservação permanente (APPs) modeladas. As pastagens predominaram na paisagem, embora tenham sofrido ligeira redução no período de análise, diferentemente das áreas de cultivo de cafezais que aumentaram na sub-bacia hidrográfica analisada que pode ser caracterizada pelo forte desenvolvimento agropecuário. A vegetação florestal representou pouco mais de 20% da área total, com aumento de 0,67%, embora esteja fadada ao alto grau de fragmentação. Nas APPs, a pastagem recobre aproximadamente 50% da área total em detrimento da cobertura vegetal representada por aproximadamente 13%, sendo este padrão um fator preocupante quanto à manutenção hídrica na bacia. Programas de reflorestamento e de orientação técnica aos agropecuaristas locais e os trabalhos de educação ambiental são medidas que devem ser ampliadas para tornar viável o aumento paulatino da sustentabilidade ambiental na sub-bacia estudada. PALAVRAS-CHAVE: Manejo de Solo; Ordenamento Territorial; Sistemas de Informação Geográfica. DYNAMICS OF LAND-USE AND LAND-COVER CHANGE IN THE HYDROGRAPHIC SUB-BASIN OF RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE IN THE MUNICIPALITY OF CASTELO, STATE OF ESPÍRITO SANTO ABSTRACT Studies on land use and land cover are relevant to planning territorial occupation in a given region, since incorrect land management can have harmful consequences on

DINÂMICA DO USO E COBERTURA DO SOLO NA SUB-BACIA ... Academy/2018B/dinamica.pdf · versão 10.2.2. Inicialmente, a área da sub-bacia hidrográfica do Ribeirão Estrela do Norte

  • Author
    lamkhue

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of DINÂMICA DO USO E COBERTURA DO SOLO NA SUB-BACIA ... Academy/2018B/dinamica.pdf · versão 10.2.2....

AGRARIAN ACADEMY, Centro Cientfico Conhecer - Goinia, v.5, n.10; p. 201852

DINMICA DO USO E COBERTURA DO SOLO NA SUB-BACIA HIDROGRFICADO RIBEIRO ESTRELA DO NORTE NO MUNICPIO DE CASTELO, ESTADO DO

ESPRITO SANTO

Caio Henrique Ungarato Fiorese1, Vincius Rocha Leite.1 Graduando em Engenharia Ambiental no Centro Universitrio So Camilo, Cachoeiro de

Itapemirim, Esprito Santo, Brasil. ([email protected]).2 Professor Assistente do Centro Universitrio So Camilo, Cachoeiro de Itapemirim, Esprito

Santo, Brasil.

Recebido em: 19/11/2018 Aprovado em: 14/12/2018 Publicado em: 25/12/2018DOI: 10.18677/Agrarian_Academy_2018B6

RESUMOOs estudos sobre o uso e cobertura do solo so relevantes para planejar a ocupaoterritorial em determinada regio, tendo em vista que o manejo incorreto da terrapode ter consequncias danosas qualidade ambiental dos serviosecossistmicos. O objetivo deste estudo foi avaliar as alteraes no uso e coberturado solo na sub-bacia hidrogrfica do Ribeiro Estrela do Norte, localizada nomunicpio de Castelo-ES, e propor medidas de ordenamento territorial na paisagem.Os procedimentos analticos foram realizados com base na implementao de umSistema de Informaes Geogrficas (SIG). Mapeamentos do uso e cobertura dosolo realizados para o estado, nos perodos entre 2007-2008 e 2012-2015, foramutilizados para analisar a dinmica espao-temporal na sub-bacia e no interior dereas de preservao permanente (APPs) modeladas. As pastagens predominaramna paisagem, embora tenham sofrido ligeira reduo no perodo de anlise,diferentemente das reas de cultivo de cafezais que aumentaram na sub-baciahidrogrfica analisada que pode ser caracterizada pelo forte desenvolvimentoagropecurio. A vegetao florestal representou pouco mais de 20% da rea total,com aumento de 0,67%, embora esteja fadada ao alto grau de fragmentao. NasAPPs, a pastagem recobre aproximadamente 50% da rea total em detrimento dacobertura vegetal representada por aproximadamente 13%, sendo este padro umfator preocupante quanto manuteno hdrica na bacia. Programas dereflorestamento e de orientao tcnica aos agropecuaristas locais e os trabalhos deeducao ambiental so medidas que devem ser ampliadas para tornar vivel oaumento paulatino da sustentabilidade ambiental na sub-bacia estudada.PALAVRAS-CHAVE: Manejo de Solo; Ordenamento Territorial; Sistemas deInformao Geogrfica.

DYNAMICS OF LAND-USE AND LAND-COVER CHANGE IN THEHYDROGRAPHIC SUB-BASIN OF RIBEIRO ESTRELA DO NORTE IN THE

MUNICIPALITY OF CASTELO, STATE OF ESPRITO SANTO

ABSTRACTStudies on land use and land cover are relevant to planning territorial occupation in agiven region, since incorrect land management can have harmful consequences on

mailto:[email protected]

AGRARIAN ACADEMY, Centro Cientfico Conhecer - Goinia, v.5, n.10; p. 201853

the environmental quality of ecosystem services. The objective of this study was toevaluate the changes in soil use and cover in the sub-basin of Ribeiro Estrela doNorte, located in the municipality of Castelo (ES), and propose measures of land usein the landscape. The analytical procedures were performed based on theimplementation of a Geographic Information System (GIS). Land use and land covermapping for the state, between 2007-2008 and 2012-2015, was used to analyzespatial-temporal dynamics in the sub-basin and within permanent preservation areas(PPAs). Grasslands predominated in the landscape, although they decreased slightlyduring the analysis period, differently from coffee growing areas that increased in thesub-basin analyzed, which can be characterized by strong agricultural development.Forest vegetation represented little more than 20% of the total area, with an increaseof 0.67%, although it is doomed to the high degree of fragmentation. In the PPAs, thepastures covers approximately 50% of the total area to the detriment of the forestcover represented by approximately 13%, being this standard a worrisome factorregarding the water maintenance in basin. Reforestation programs and technicalguidance to local farmers and environmental education work are measures thatshould be expanded to make feasible the gradual increase of environmentalsustainability in the studied sub-basin.KEYWORDS: Soil Management; Land Use Planning; Geographical InformationSystems.

INTRODUOOs diferentes impactos ambientais sobre os recursos terrestres que resultam

na escassez hdrica pela elevao das taxas de desmatamento, eroso e manejoinadequado dos solos, so temas abordados com frequncia pela comunidadecientfica, com intuito de estabelecer medidas de diagnstico e planejamento paraatenuar e/ou mitigar a deteriorao da qualidade dos recursos naturais(NASCIMENTO; FERNANDES, 2017).

Na zona rural, fatores como a grande demanda por alimentos para suprir apopulao com a crescente urbanizao provocam mudanas significativas nasformas de produo rural (SILVA; SILVA, 2017), influenciando consequentemente nautilizao dos solos. Em consonncia, as atividades socioeconmicas resultantesdesses processos produtivos exercem contnua presso sobre os recursos naturaisassociados s reas naturais remanescentes (SILVA et al., 2009).

O uso de solo conceituado como o tipo de utilizao de parcelas de solopara algumas atividades em determinadas reas, e a ocupao de solo significa amaneira como as edificaes humanas ocupam estas reas (MARCELLO et al.,2016). Lopes et al. (2015) enfatizam que o uso de solo o principal elemento dentreos elementos operacionais a serem considerados no planejamento de uma baciahidrogrfica ou de um municpio. Coutinho et al. (2013) debatem a importncia dacaracterizao do meio fsico de uma bacia hidrogrfica, para que haja umplanejamento bem-sucedido para aliar produo e conservao hdrica.

O fato que quando uma rea no possui manejo e planejamento adequadopara o uso e a ocupao de solo, problemas como inundaes, poluio hdrica e dosolo e a acelerao de processos erosivos podem ocorrer (HENDGES et al., 2017).Diante desse cenrio, nas zonas rurais, as formas de produo tambm evidenciama necessidade de um ordenamento do uso e ocupao do solo, objetivando oemprego equilibrado dos recursos e o correto manejo socioambiental e econmico(ALBUQUERQUE; ALBUQUERQUE, 2017).

AGRARIAN ACADEMY, Centro Cientfico Conhecer - Goinia, v.5, n.10; p. 201854

Nesse sentido, o conhecimento da dinmica da distribuio temporal do usode solo til para a compreenso do funcionamento das atividades econmicas deuma regio, permitindo avaliar a dinmica das aes antrpicas sobre o ambientefsico (TRINDADE; RODRIGUES, 2016). Oliveira et al. (2018) enfatizam que o uso emanejo inadequado do solo podem gerar problemas como, por exemplo,degradao do solo; destruio das matas ciliares; contaminao, perda denutrientes e arraste de sedimentos do solo com consequente perda da qualidadehdrica de uma bacia hidrogrfica.

O mapeamento do uso e ocupao de solo, de acordo com Alves e Conceio(2015), tornou-se um recurso relevante na interpretao da dinmica do espao que,por sua vez, possui como maior fator de influncia a ao antrpica. Para que talatividade seja possvel de ser realizada com xito, Almeida et al. (2017) destacam oemprego de tcnicas de Sensoriamento Remoto, que so relevantes em estudosambientais, por meio da classificao digital de imagens de sensores remotos. Pormeio do Sensoriamento Remoto e de Sistemas de Informao Geogrfica (SIG), possvel, a partir de cartas digitais planialtimtricas e de imagens de satlite,delimitar a localizao de uma bacia hidrogrfica e classificar as formas de uso eocupao e outros elementos do local considerado (LIMA et al., 2015).

O objetivo deste estudo foi mapear e avaliar a dinmica temporal do uso ecobertura do solo na sub-bacia hidrogrfica do Ribeiro Estrela do Norte, bem comopropor sugestes para melhorias no manejo do territrio que possam influenciar naqualidade ambiental da rea.

MATERIAL E MTODOSA sub-bacia hidrogrfica do Ribeiro Estrela do Norte est localizada entre os

municpios de Castelo e Cachoeiro de Itapemirim, na regio Sul do estado doEsprito Santo, e abrange reas de interesse ambiental, como o caso da ReservaParticular do Patrimnio Natural (RPPN) de Cafund. A sub-bacia est localizadaentre as coordenadas geogrficas de 203129 a 204502 de latitude Sul e411237 a 412450 de longitude oeste, em um territrio de 230,64 km de rea(FREIRE et al., 2009) (Figura 1).

Junto ao Sistema Integrado de Bases Geoespaciais do estado do EspritoSanto (GEOBASES, 2018), foram adquiridos dois arquivos compactados comshapefile (shp) de uso e cobertura do solo para todo o estado, no contexto dosmapeamentos realizados entre os anos 2007-2008 e 2012-2015. De acordo com oGEOBASES, os mapeamentos foram realizados utilizando escala igual ou maisrefinada que 1:25000 e basearam-se na interpretao do Ortofotomosaico obtidopara cada perodo.

No stio eletrnico do Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN), foi adquiridoum arquivo em formato shapefile (.shp) referente as reas urbanizadas do estado doEsprito Santo, nesse caso considerando apenas a rea urbana do distrito de Estrelado Norte.

Os procedimentos foram realizados no aplicativo computacional ArcGIS naverso 10.2.2. Inicialmente, a rea da sub-bacia hidrogrfica do Ribeiro Estrela doNorte foi delimitada por meio da metodologia descrita em Santos et al. (2010), pelautilizao de um Modelo Digital de Elevao (MDE) gerado, que foi corrigido pormeio da remoo de depresses fechadas, que bloqueiam o escoamento na redehidrogrfica.

Em seguida, a direo dos fluxos de escoamento e acumulado de gua foideterminada, para posteriormente permitir a delimitao automtica das sub-bacias

AGRARIAN ACADEMY, Centro Cientfico Conhecer - Goinia, v.5, n.10; p. 201855

hidrogrficas, destacando por fim a sub-bacia do Ribeiro Estrela do Norte por meioda delimitao individual de seus divisores topogrficos.

FIGURA 1. Localizao da sub-bacia hidrogrfica do Ribeiro Estrela do Norte. Fonte:Geobases; Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN). Editado pelos Autores(2018).

AGRARIAN ACADEMY, Centro Cientfico Conhecer - Goinia, v.5, n.10; p. 201856

Em seguida, os arquivos de uso de solo foram adicionados, trabalhando-osem dois layouts diferentes. No componente ArcMap, o procedimento foi realizadocom auxlio do recurso clip e com intuito de delimitar as feies somente para ointerior da sub-bacia hidrogrfica de interesse, com os arquivos referentes ao uso ecobertura do solo sendo recortados para obter as classes finais. A classificaoutilizada pelo GEOBASES foi compreendida e caracterizada com base no Quadro 1.

QUADRO 1. Classes de uso e cobertura do solo que foram consideradas para opresente estudo. Fonte: Ferri (1974); Freire et al. (2009); Marion(2014); Brancalion et al. (2015); Instituto R-Bugio. Adaptado pelosautores (2018).

Classe Descriorea edificada Presena de casas, edifcios e demais construeshumanas

Agricultura: caf, banana,cana-de-acar e coco-da-

baaCultivos de caf, hortalias e demais frutos

Outros cultivos permanentes Ex.: cafeicultura, frutas arbreas (laranja, acerola,limo, etc) e oleiculturaOutros cultivos temporrios Ex.: soja, feijo e milho

Brejo Solos midos / encharcados, com ocorrncia emplancies onde possvel o acmulo de gua

Vegetao rupestre Vegetao rasteira, de altitude, com presena degramneas

Pastagem Vegetao composta por gramneas, onde rvorese arbustos so ausentes

Mata nativa reas de florestas em estgio avanado deregeneraoMata nativa em estgio inicial

de regeneraoPredominncia de espcies pioneiras e tolerantes sombra, dando incio sucesso ecolgica local

Eucalipto; Seringueira reas com cultivo das duas culturas, tanto parareflorestamento como para corte da madeira

Solo exposto rea desprovida de vegetao e construeshumanas

Extrao mineralExtrao de rochas e minerais, sobretudo o

mrmore e granito, setor com forte predominncianas regies do entorno da sub-bacia hidrogrfica

Formao rochosa Rochas expostas

Outras classes Formas de uso de solo (ex.: massa dgua, pistasasfaltadas) no abrangidas pelas classes citadas

Aps o trmino desse processo, as classes de uso e cobertura do solo foramquantificadas atravs da ferramenta de edio da tabela de atributos, com base nacriao de um novo campo e considerando a resoluo de cada imagem de satlitee o nmero de pixels.

Com intuito de analisar a distribuio das classes de uso e ocupao do solonas reas de preservao permanente (APPs) da sub-bacia hidrogrfica, um arquivoem formato shapefile (.shp) foi adquirido, junto ao Instituto Jones dos Santos Neves(IJSN), com todos os cursos hdricos do estado do Esprito Santo. Porm, para a

AGRARIAN ACADEMY, Centro Cientfico Conhecer - Goinia, v.5, n.10; p. 201857

presente pesquisa, apenas os cursos hdricos da sub-bacia foram considerados. Emseguida, as APPs no local foram delimitadas com auxlio do recurso buffer. Para tal,o valor da largura de cursos dgua equivalente a 30 metros foi consideradoconforme o Cdigo Florestal Brasileiro (BRASIL, 2012), que define que cursoshdricos com at cinco metros de largura devem ter 30 metros de largura de APP emtoda sua extenso. Para cada uma das nascentes, um raio de APP de 50 metros foidelimitado. Atravs da edio dos arquivos em formato shapefile sobre uso de solo(gerados no mapeamento), para cada mapeamento realizado, as classes de uso desolo nas APPs da sub-bacia foram quantificadas para, posteriormente, comparar osquantitativos da variao temporal das classes de uso e cobertura do solo em seuinterior.

RESULTADOS E DISCUSSOPor meio dos resultados obtidos demonstrados na Tabela 1, possvel avaliar

as porcentagens de uso e cobertura do solo para cada classe nos mapeamentosentre os anos 2007-2008 e 2012-2015 na sub-bacia hidrogrfica estudada.

TABELA 1. Classes existentes e percentuais de uso e cobertura do solo na sub-bacia hidrogrfica do Ribeiro Estrela do Norte para os mapeamentosdos anos 2007-2008 e 2012-2015.

Classes 2007-2008 2012-2015Afloramento rochoso 13,88% 13,30%

rea edificada 0,01% 0,02%Brejo 0,25% 0,29%

Vegetao rupestre 0,14% 0,18%Banana 0,20% 0,03%

Caf 16,69% 17,81%Cana-de-acar 0,23% 0,08%Coco-da-baa 0,02% 0,01%

Outros cultivos permanentes 0,33% 0,48%Outros cultivos temporrios 0,53% 0,46%

Extrao mineral 0,02% 0,02%Macega 3,49% 3,00%

Mata nativa 20,29% 20,96%Mata nativa em estgio inicial

de regenerao 5,50% 5,38%

Pastagem 35,74% 33,72%Eucalipto 0,15% 1,20%

Seringueira 0,14% 0,22%Solo exposto 0,43% 0,57%

Outras classes 1,95% 2,24%

H uma grande ocorrncia de formaes rochosas na sub-bacia hidrogrficado Ribeiro Estrela do Norte, que apresentou um pequeno decrscimo ao longo doperodo analisado. Carneiro et al. (2009) destacam o chamado Ciclo das Rochas,que gera como produto materiais deslocados, como as rochas, os sedimentos e ossolos, em funo de agentes externos (sol, precipitaes e ventos), reduzindo,assim, a amplitude dos relevos. Por outro lado, possvel que tais diferenas declassificao estejam relacionadas tambm a explorao mineral de rochas

AGRARIAN ACADEMY, Centro Cientfico Conhecer - Goinia, v.5, n.10; p. 201858

ornamentais, uma atividade reconhecida regionalmente pela expressividade daproduo.

No que concerne cobertura do solo dada pelas reas vegetadas eflorestadas, as reas de brejo e vegetao rupestre aumentaram em torno de 0,04%,mas tem baixa expressividade em relao extenso da sub-bacia hidrogrfica.Blinder (2005) reafirma sobre a heterogeneidade do bioma Mata Atlntica,predominante na regio estudada, sendo constitudo de formaes florestais e porecossistemas associados (vegetao rupestre e brejo, por exemplo) e alerta que apreservao desses ecossistemas de suma importncia para conservar amicrofauna e as floras locais.

J as reas de mata nativa tiveram um aumento pouco maior que 0,5%, aopasso que os locais de mata nativa em estgio inicial de regenerao apresentaramuma pequena reduo, em funo da mudana de estgio do nvel de regeneraocom a sucesso ecolgica. Na rea em estudo, essa informao relevante, pois nodecorrer do perodo analisado, as reas de cobertura vegetal no apresentaramreduo, indicando que no houve devastao desses espaos pelos agentesantrpicos locais. As porcentagens de mata nativa em estgio avanado e emestgio inicial de regenerao quando somadas apresentaram um aumento em0,55% e representaram pouco mais de 25% do total da cobertura do solo da baciaem ambos os mapeamentos (2007-2008 e 2012-2015).

A preservao de uma bacia hidrogrfica est atrelada a vrios fatores deusos e atividades desenvolvidas na sua rea de abrangncia, pois a m distribuiodos vrios usos pode acarretar srios problemas ambientais como o desmatamento(facilitando a eroso e, consequentemente, assoreando rios) alm daimpermeabilizao de solos aumentando o escoamento superficial e diminuindo asreas de recarga dos aquferos (SILVA, 2010).

Houve um pequeno aumento de rea edificada que, por sua vez, est maisconcentrada na pequena rea urbana do distrito de Estrela do Norte, no municpiode Castelo-ES. A sub-bacia hidrogrfica do Ribeiro Estrela do Norte no influenciada por grandes processos de urbanizao por no abranger a zona urbanaadensada dos municpios ocupados (Castelo e Cachoeiro de Itapemirim),apresentando ocupao por pequenas casas e demais construes civis de apoio asatividades rurais e industriais.

A agricultura (cultivos de banana, caf, cana-de-acar, coco, etc.) representaaproximadamente 18,5% da rea total da sub-bacia. Entre os cultivos, importantedestacar o caf, que apresentou um crescimento de 1,12%, com altarepresentatividade local. O caf se destaca por ser uma cultura de tradio, tendoparticipao ativa no crescimento socioeconmico em relao s mais variadascaractersticas nas formas de produo e distribuio. O Brasil o maior produtor eexportador de caf do mundo, tendo como destaque alguns estados, entre eles esto estado do Esprito Santo (COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO, 2016),O que facilmente notado na regio estudada.

Pequenas variaes no uso de solo para culturas de banana, coco-da-baa ecana-de-acar podem estar atreladas, de acordo com Galeano e Ferro (2017), avariao das condies climticas no decorrer dos anos. Ainda segundo os autores,esse fator tem afetado a produo de maneira diferente conforme a regio e osistema de produo, provocando perdas significativas, sobretudo em sistemas noirrigados de produo.

Os cultivos permanentes na regio em estudo tiveram um pequeno aumento,ao passo que as culturas temporrias perderam parte do espao. Faber et al. (2014)

AGRARIAN ACADEMY, Centro Cientfico Conhecer - Goinia, v.5, n.10; p. 201859

destacam que cultura permanente aquela que oferece mais de uma colheita, comtempo de durao superior a um ano. Para Marion (2014), a cultura permanente estvinculada ao solo, com tempo mnimo de quatro anos, possibilitando vriascolheitas. Dependendo das caractersticas locais e da sazonalidade, traz maiorrentabilidade para o produtor rural em detrimento s culturas temporrias, sendoesta uma das hipteses para o aumento de cultivos permanentes na sub-baciahidrogrfica. A cultura temporria, segundo Marion (2014), possui tempo de vidacurto, vulnervel ao replantio aps a colheita. Para os agricultores, esse tipo decultura pode ser trabalhado como uma renda extra associada aos cultivospermanentes, conforme a sazonalidade local e as reas de terras.

A pecuria a atividade de maior predominncia na regio, atingindo poucomais de 33% compreendendo as reas de pastagem em relao sub-baciahidrogrfica estudada, com presena marcante principalmente em reas menosdeclivosas e plancies da regio. No contexto dos impactos causados pelos agentesantrpicos, os setores agrcolas e pecurios so considerados geradores deresduos slidos e efluentes, tornando-os potencialmente impactantes ao meioambiente e causando a degradao do solo e dos ecossistemas em longo prazo(WST et al., 2015), essencialmente quando prticas conservacionistas deintegrao e de cultivo mnimo no so aplicadas ao manejo dos solos explorados.

Com relao s culturas de eucalipto e seringueira, ambos apresentaram umaumento, sobretudo as reas de plantio de eucaliptos. No ramo da economia, ocultivo de eucalipto est em todas as regies brasileiras, com destaque para aproduo madeireira (biomassa) como matriz energtica. O eucalipto serve comofonte para o abastecimento em caldeiras, alm de evitar o corte de rvores nativas(VECHI; MAGALHES JUNIOR, 2018). Porm, no aspecto ambiental, Silva e Marin(2010) destacam que, na maioria das vezes, o cultivo de eucalipto no acompanhado por um correto estudo de solos e clima, sendo que florestas dessacultura com crescimento rpido exigem maior ateno quanto espcie cultivadapara que no traga prejuzos ambientais em longo prazo. Para a rea estudada, oprocesso de implantao dessas duas culturas deveria requerer estudos ambientaisaprofundados para permitir um planejamento adequado do uso de solo na baciahidrogrfica.

As reas de solo exposto, em ambos os mapeamentos, foram inferiores a1%, dispostas em obras de terraplanagem e nos terreiros no pavimentados. Apesardisso, vale destacar a exigncia de um bom planejamento nas estradas locais pormeio da construo de caixas secas e demais estruturas para diminuir ocarreamento de sedimentos para os corpos hdricos locais, em decorrncia doescoamento superficial quando h precipitaes pluviomtricas.

Os resultados deste trabalho so semelhantes s informaes obtidas porCoutinho et al. (2013) e Vieira et al. (2016). Em estudos acerca do uso de solo nasub-bacia hidrogrfica do rio da Prata, prxima sub-bacia do Ribeiro Estrela doNorte, Coutinho et al. (2013) observaram que as reas de pastagem representarampouco mais de 30%, ao passo que as reas de floresta representam 24,68% damicrobacia local por estes autores estudadas. Vieira et al. (2016) observaram que,em uma sub-bacia hidrogrfica do estado de Minas Gerais, a mata nativarepresentou apenas 16,31%; j as reas de pastagem e solo expostorepresentaram, respectivamente, 41,38% e 5,77%.

As figuras 2 e 3 demonstram o mapeamento do uso e cobertura do soloanalisado na sub-bacia hidrogrfica do Ribeiro Estrela do Norte para os anos de2007-2008 e 2012-2015, respectivamente.

AGRARIAN ACADEMY, Centro Cientfico Conhecer - Goinia, v.5, n.10; p. 201860

FIGURA 2. Uso e cobertura do solo nos anos 2007-2008. Fonte: Os Autores (2018).

FIGURA 3. Uso e cobertura do solo nos anos 2012-2015. Fonte: Os Autores (2018).

AGRARIAN ACADEMY, Centro Cientfico Conhecer - Goinia, v.5, n.10; p. 201861

A predominncia das pastagens facilmente percebida com maior detalhe naporo Sul da sub-bacia. Isso pode estar atrelado s condies de relevo local,diferente da maior aglomerao de afloramento rochoso no trecho mais central dasub-bacia. No Esprito Santo, ainda h carncia de polticas pblicas voltadas assistncia tcnica e extenso rural aos produtores, sendo que a pecuria possuium importante papel social atualmente. Apesar de demandar grandes reas, o gadode corte uma das atividades que pode contribuir na manuteno do homem nocampo (DADALTO et al., 2016). O melhor aproveitamento das reas de pastagens,como o caso da formao de piquetes, um dos fatores que podem possibilitarresguardar mais reas para preservao de florestas nas propriedades rurais.

As reas florestadas se encontram mais concentradas na poro sudeste dasub-bacia, no entorno da RPPN Cafund. Segundo Pirovani et al. (2015), a RPPNCafund possui um dos maiores remanescentes da Mata Atlntica da baciahidrogrfica do Rio Itapemirim, protegendo grande diversidade de espcies edisseminando atividades de pesquisa, educao ambiental e turismo na regio. Poroutro lado, nas demais reas, as florestas nativas encontram-se fragmentadas,distribudas em topos de morro, reas ciliares e de Reserva Legal, e em maiorconcentrao em proximidade ao limite da sub-bacia, na sua poro norte. SegundoPerondi et al. (2018), o estudo da fragmentao um recurso fundamental paraanalisar a viabilidade do fluxo de espcies animais, j que um fragmento florestal entendido como uma rea de vegetao natural que foi interrompida pela aonatural ou antrpica. Portanto, na sub-bacia hidrogrfica estudada, a fortefragmentao da mata nativa deve provocar danos principalmente biodiversidadeanimal, o que denota a importncia da manuteno de unidades de conservao eda regulao dos usos do solo no entorno. A tabela 2 mostra as porcentagens deuso de solo nas reas de preservao permanente da sub-bacia hidrogrficaestudada.

TABELA 2. Classes e porcentagens de uso e cobertura do solo nas reas depreservao permanente da sub-bacia para os mapeamentos dos anos2007-2008 e 2012-2015.

Classes 2007-2008 2012-2015Afloramento rochoso 1,23% 1,17%

rea edificada 0,01% 0,01%Brejo 1,06% 1,71%

Banana 0,24% 0,05%Caf 14,52% 17,70%

Cana-de-acar 0,25% 0,30%Coco-da-baa 0,01% 0,00%

Outros cultivos permanentes 0,29% 0,30%Outros cultivos temporrios 0,80% 1,01%

Macega 1,31% 1,20%Mata nativa 12,12% 13,11%

Mata nativa em estgio inicial de regenerao 8,87% 6,83%Pastagem 53,06% 49,75%Eucalipto 0,00% 0,14%

Seringueira 0,12% 0,09%Solo exposto 0,24% 0,43%

Outras classes 5,87% 6,21%

AGRARIAN ACADEMY, Centro Cientfico Conhecer - Goinia, v.5, n.10; p. 201862

Com relao anlise das reas de preservao permanente, houve umpequeno crescimento da vegetao nativa nas APPs. No entanto, as reas decafeicultura aumentaram em pouco mais de 3%, ao passo que o cultivo de eucaliptopassou a predominar em pequenas reas.

As pastagens, em ambos os perodos, representam classe de uso de solomais predominante em ambos os mapeamentos, atingindo aproximadamente ametade da rea de APP total da sub-bacia, o que representa um fator preocupantequanto manuteno das matas ciliares locais. Contudo, foi classe queapresentou maior decrscimo apesar dos conflitos de uso do solo. Coutinho et al.(2013) salientam que o processo histrico de ocupao das reas brasileiras passoupela substituio da cobertura florestal por prticas agropecurias, com base naexplorao direta de recursos naturais. Assim, esse processo contribuiu para areduo significativa da qualidade dos solos e o aumento da eroso hdrica.

As reas de preservao permanente, quando com a cobertura vegetalconservada, promovem uma srie de benefcios, que segundo Skorupa (2003) estorelacionados estabilidade de solos em encostas, reduo dos processos erosivose formao de quebra-ventos na agricultura. J nas nascentes, permite amanuteno da porosidade do solo para que haja absoro da gua das chuvas,abastecendo o lenol fretico. Finalmente, o processo de preservao e ampliaodas reas de floresta no interior das APPs de suma importncia, tendo em vista oforte desenvolvimento da agropecuria na regio.

CONCLUSONa sub-bacia hidrogrfica do Ribeiro Estrela do Norte predominam as reas

de pastagem, embora tenha havido um decrscimo dessa classe no perodoanalisado. O desenvolvimento de vegetao nativa consolidada o principal fatorpositivo que aponta para melhoria da conservao ambiental, o que pode indicaruma influncia da disseminao de prticas e polticas de melhoria no manejo deuso de solo, mesmo com aumento de reas de cultivo agrcola. Contudo, para osanos de anlise, a mata nativa demonstrou possuir alto grau de fragmentao namaior parte da sub-bacia. No interior das reas de preservao permanente, atambm predominncia de pastagens um fator preocupante manuteno daqualidade e quantidade hdrica local. Portanto, a continuidade do monitoramentoconstante das transformaes ocorridas no uso e cobertura do solo uminstrumento efetivo para o planejamento do ordenamento territorial. Somado a isso, preciso que haja o desenvolvimento de atividades de educao ambiental com osagropecuaristas e na comunidade local, bem como a recuperao paulatina dematas ciliares, medidas estas fundamentais para ampliar a qualidade ambiental nasub-bacia com base em uma produo agropecuria permeada as prticassustentveis de uso do solo.

REFERNCIASALBUQUERQUE, P. C.; ALBUQUERQUE, M. P. de. A ocupao na zona rural comfins urbanos, o ordenamento territorial pelo municpio e a cidade sustentvel.Revista de Direito Urbanstico, Cidade e Alteridade, Braslia, v. 3, n. 1, p. 36-57,2017.

ALVES, A. C.; CONCEIO, P. E. de A. Levantamento do uso e ocupao do solopor meio de imagens TM-Landsat-5 e ADS-80 para o municpio de Manaus/AM. In:

AGRARIAN ACADEMY, Centro Cientfico Conhecer - Goinia, v.5, n.10; p. 201863

Simpsio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 17., 2015, Manaus. Anais...Manaus: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, 2015.

ALMEIDA, R. P.; FRAZO, L. A.; LEITE, M. E.; FERNANDES, L. A. Uso e ocupaode solo em reas de assentamentos rurais no norte de Minas Gerais. RevistaCaminhos de Geografia, Uberlndia, v. 18, n. 62, p. 13-31, 2017. Disponvel em:.

BLINDER, D. Anlise da fragmentao da mata atlntica na regio Sul da Bahia:uma contribuio da geotecnologia para o estudo da dinmica da paisagem. In:Encontro de Gegrafos da Amrica da Latina, 5., 2015, So Paulo. Anais... SoPaulo: USP, 2005.

BRANCALION, P. H. S.; GANDOLFI, S.; RODRIGUES, R. R. Restauraoflorestal. So Paulo: Oficina de Textos, 2015. 432 p.

BRASIL. Lei n 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispe sobre a proteo davegetao nativa e d outras providncias. Braslia, DF, 25 mai. 2012.

CARNEIRO, C. D. R.; GONALVES, P. W.; LOPES, O. R. O ciclo das rochas nanatureza. Revista Terra Didtica, v. 5, n. 1, p. 50-62, 2009. Disponvel em:.

COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO. A cultura de caf: anlise doscustos de produo e da rentabilidade nos anos-safra 2008 a 2017. Braslia: Conab,2016. 54 p.

COUTINHO, L. M.; ZANETTI, S. S.; CECLIO, R. A.; GARCIA, G. de O.; XAVIER, A.C. Uso da terra e reas de preservao permanente (APP) na bacia do rio da Prata,Castelo-ES. Revista Floresta e Ambiente, v. 20, n. 4, p. 425-434, 2013. Disponvelem: .

DADALTO, G. G.; SILVA, A. E. S. da.; COSTA, E. B. da.; GALVAS, P. A. O.;LOSS, W. R. Transformaes da agricultura capixaba: 50 anos. Vitria: Cedagro,2016. 128 p.

FABER, J. C.; LUZ, M. F.; QUEIROZ, F. C.; MUNHOZ, W. A.; SOUZA, I. C.Adequao dos custos na cultura permanente. Revista Ampla de GestoEmpresarial, Registro, v. 3, n. 1, p. 179-194, 2014. Disponvel em: .

FERRI, M. G. Ecologia: temas e problemas brasileiros. So Paulo:Itatiaia/Universidade de So Paulo, 1974.

FREIRE, A. P.; LOUZADA, F. L. R. O.; PIROVANI, D. B.; OLIVEIRA, F. B. de.Mapeamento das classes de uso e ocupao do solo da sub-bacia hidrogrfica doRibeiro Estrela do Norte-ES. In: Encontro Latino Americano de Iniciao Cientfica,13., 2009, So Jos dos Campos. Anais... So Jos dos Campos: Univap, 2009.

http://www.seerwww.ige.unicamp.br/terraedidatica/v5/pdf-v5/TD_V-a5.pdfhttp://floram.org/doi/10.4322/http://www.revi

AGRARIAN ACADEMY, Centro Cientfico Conhecer - Goinia, v.5, n.10; p. 201864

GALEANO, E. A. V.; FERRO, L. M. V. Produo agrcola dos municpioscapixabas 2015-2016. Vitria: Incaper, 2017. 103 p.

GEOBASES Sistema Integrado de Bases Geoespaciais do Estado do EspritoSanto. Iema mapeamento ES 2012-2015. Disponvel em: .

HENDGES, L. T.; REINHER, R. C. R.; LEICHTWEIS, J.; FERNANDES, E. J.Planejamento do uso do solo em bacias hidrogrficas: reas agrcolas; reasurbanas e reas de preservao permanente. In: Seminrio de Iniciao Cientfica,25.; 2017, Iju. Anais... Iju: UNIJU, 2017.

INSTITUTO R-BUGIO. Mata atlntica. Disponvel em: .

LIMA, A. A. de.; MOTA, N. J. da.; MATOS, A. O.; GARCIA, Y. M. Mapeamento douso e ocupao do solo na microbacia do crrego do Karamacy Itapeva/SP.Frum Ambiental da Alta Paulista, v. 11, n. 5, p. 198-203, 2015. Disponvel em: . doi: 10.17271/19800827

LOPES, B. O.; BOSSIO, D.; MERIQUE, F. G. A.; BIANCHINI, G. M.; MATSUTANE,T. Y. N. et al. Uso e ocupao do solo urbano Jardim das Rosas PresidentePrudente/SP. Colloquium Humanarum, v. 12, n. Especial, p. 392-398, 2015.Disponvel em: . doi: 10.5747/ch.2015.v12.nesp.000640

MARCELLO, T.; TAVEIRA, A. do V. A.; CROTTI, P. C. Zoneamento municipal comoinstrumento regularizador do uso e ocupao do solo: uma anlise da legislaomunicipal de Francisco Beltro. Gesto e Desenvolvimento em Pesquisa, v. 2, n.1, p. 41-55, 2016. Disponvel em: .

MARION, J. C. Contabilidade rural: contabilidade agrcola, contabilidade dapecuria. 14.ed. So Paulo: Atlas, 2014.

NASCIMENTO, T. V. do.; FERNANDES, L. L. Mapeamento do uso e ocupao desolo em uma pequena bacia hidrogrfica da Amaznia. Cincia e Natura, SantaMaria, v. 39, n. 1, p. 170-178, 2017. Disponvel em: . doi:10.5902/2179460X21737

OLIVEIRA, J. D. de.; SOUSA, J. B. de.; SOUZA, C. A. de. Caracterizao ambientalda bacia hidrogrfica do rio Branco, contribuinte do pantanal mato-grossense.Revista Equador (UFPI), v. 7, n. 1, p. 53-71, 2018. Disponvel em: .

PERONDI, C.; ROSA, K. K. da.; MURARA, P. G. dos S. Fragmentao florestal emudanas na distribuio biogeogrfica na microbacia do rio Mo Curta, Sananduva,

http://www.ra-bugio.org.br/http://www.amigosdanatureza.org.br/publicacoes/index.php/http://www.unoeste.br/site/enepe/2015/suplementos/area/Humanaruhttp://e-revista.unioeste.br/index.php/http://www.ojs

AGRARIAN ACADEMY, Centro Cientfico Conhecer - Goinia, v.5, n.10; p. 201865

RS. Revista Eletrnica Para Onde!?, Porto Alegre, v. 9, n. 1, p. 51-74, 2018.Disponvel em: .

PIROVANI, D. B.; SILVA, A. G. da.; SANTOS, A. R. dos. Anlise da paisagem emudanas no uso da terra no entorno da RPPN Cafund, ES. Revista Cerne,Lavras, v. 21, n. 1, p. 27-35, 2015.

SANTOS, A. R. dos.; LOUZADA, F. L. R. de O.; EUGNIO, F. C. ArcGis 9.3 total:aplicaes para dados espaciais. Alegre: CAUFES, 2010. 184 p.

SKORUPA, L. A. reas de proteo permanente e desenvolvimento sustentvel.Jaguarina: Embrapa Meio Ambiente, 2003. 4 f.

SILVA, L. C. do N.; FERNANDES, A. L. V.; IZIPPATO, F. J.; OLIVEIRA, W. de. Usodo solo no manejo de bacias hidrogrficas: o caso da microbacia Crrego Prata,Trs Lagoas MS. Revista Brasileira de Geografia Fsica, v. 2, n. 1, p. 01-13, 2009.Disponvel em: < https://periodicos.ufpe.br/revistas/rbgfe/article/view/232606>.

SILVA, K. L.; Mapeamento e anlise do uso e ocupao do solo da bacia do rio Cuia partir de imagem de satlite quickbird. In: Congresso Norte-Nordeste de Pesquisae Inovao, 5, 2010, Macei. Anais eletrnicos... Macei: CONNEPI, 2010.

SILVA, J. O. M. da.; MARIN, M. Z. Os impactos socioeconmicos do cultivo deeucalipto: o caso do municpio de Aratiba-RS. Revista Perspectiva, Erechim, v. 34,n. 127, p. 113-122, 2010. Disponvel em: .

SILVA, P. L. F.; SILVA, A. J. Avaliao do uso e ocupao do solo no municpio dePilezinhos-PB, de 1984-2016 utilizando o geoprocessamento. Revista deGeocincias do Nordeste, v. 3, n. 1, p. 48-63, 2017. Disponvel em: .

TRINDADE, S. P.; RODRIGUES, R. de A. Uso do solo na microbacia do RibeiroSamambaia e sua relao com a suscetibilidade eroso laminar. RevistaGeogrfica Acadmica, v. 10, n. 1, p. 163-181, 2016.

VECHI, A. D.; MAGALHES JUNIOR, C. A. de O. Aspectos positivos e negativos dacultura do eucalipto e os efeitos ambientais do seu cultivo. Revista Valore, VoltaRedonda, v. 3, n. 1, p. 495-507, 2018. Disponvel em: .

VIEIRA, T. J.; SILVA, A. G. de S. B.; SILVA, W. G. da.; ALCNTARA, L. S. P.PEREIRA, D. B. et al. Mapeamento do uso e ocupao de solo da sub-bacia docrrego do Sap. In: Frum Latino de Engenharia e Sustentabilidade, 4.; 2016,Braslia. Anais... Braslia: Universidade de Braslia, 2016.

WST, C.; TAGLIANI, N.; CONCATO, A. C. A pecuria e sua influncia impactanteao meio ambiente. In: Congresso Brasileiro de Gesto Ambiental, 6., 2015, PortoAlegre. Anais... Porto Alegre: IBEAS, 2015.

http://www.uricer.edu.br/site/pdfs/perspec