of 12 /12
21 Revista Processus de Estudos de Gestão, Jurídicos e Financeiros – Ano 3 – Edição Nº 07 ISSN 2178-2008 A APLICABILIDADE DOS PRINCÍPIOS E DAS GARANTIAS DO PROCESSO PENAL AO DIREITO PROCESSUAL PENAL JUVENIL Dalilian Luiz Serro Dulce Teresinha Barros Mendes de Morais Maria Fernanda Rodrigues Ventura Alves Robson Ribeiro Vicente Alves RESUMO O presente trabalho tem a finalidade de analisar os Princípios e Garanas do Processo Penal aplicados ao Direito Processual Penal Juvenil, por meio de pesquisa bibliográfica realizada em obras de doutrinadores e especialistas na aplicabilidade dos princípios e das garanas do processo penal ao direito processual penal juvenil, além de consultas a jurisprudências e à legislação correlata. Os resultados são apresentados à Coordenação do Núcleo de Pesquisa Jurídica (NPJUR) do curso de Bacharelado em Direito da Faculdade Processus, como parte integrante dos trabalhos dos grupos de iniciação cienfica. A pesquisa e a elaboração do argo foram realizadas sob a orientação da Professora Doutora Dulce Teresinha Barros Mendes de Morais. Palavras-chave: Direito Infanto-Juvenil. Adolescente infrator. Direito Processual Penal. Princípios Processuais. Garanas Fundamentais. INTRODUÇÃO Este argo tem como escopo analisar a aplicabilidade dos princípios e garanas do Processo Penal ao Processual Penal Juvenil. As reflexões apresentadas buscarão enriquecer o debate acerca de quais princípios e garanas constucionais referentes ao Processo Penal são aplicáveis ao Processo Penal Juvenil, normazado em legislação especial . Durante toda a pesquisa, procurar-se-á o confronto entre a realidade da condução 1 Dispõe o art. 228 da Constituição Federal: “São penalmente inimputáveis os menores de dezoito anos, sujeitos às normas da legislação especial”.

Direito Processual Penal Juvenil

Embed Size (px)

Text of Direito Processual Penal Juvenil

  • 21

    Revista Processus de Estudos de Gesto, Jurdicos e Financeiros Ano 3 Edio N 07ISSN 2178-2008

    A APLICABILIDADE DOS PRINCPIOS E DAS GARANTIAS DO PROCESSO PENAL AO DIREITO PROCESSUAL PENAL JUVENIL

    Dalilian Luiz SerroDulce Teresinha Barros Mendes de Morais

    Maria Fernanda Rodrigues Ventura AlvesRobson Ribeiro Vicente Alves

    RESUMO

    O presente trabalho tem a finalidade de analisar os Princpios e Garantias do Processo Penal aplicados ao Direito Processual Penal Juvenil, por meio de pesquisa bibliogrfica realizada em obras de doutrinadores e especialistas na aplicabilidade dos princpios e das garantias do processo penal ao direito processual penal juvenil, alm de consultas a jurisprudncias e legislao correlata. Os resultados so apresentados Coordenao do Ncleo de Pesquisa Jurdica (NPJUR) do curso de Bacharelado em Direito da Faculdade Processus, como parte integrante dos trabalhos dos grupos de iniciao cientfica. A pesquisa e a elaborao do artigo foram realizadas sob a orientao da Professora Doutora Dulce Teresinha Barros Mendes de Morais.

    Palavras-chave: Direito Infanto-Juvenil. Adolescente infrator. Direito Processual Penal. Princpios Processuais. Garantias Fundamentais.

    INTRODUO

    Este artigo tem como escopo analisar a aplicabilidade dos princpios e garantias do Processo Penal ao Processual Penal Juvenil. As reflexes apresentadas buscaro enriquecer o debate acerca de quais princpios e garantias constitucionais referentes ao Processo Penal so aplicveis ao Processo Penal Juvenil, normatizado em legislao especial.

    Durante toda a pesquisa, procurar-se- o confronto entre a realidade da conduo 1 Dispe o art. 228 da Constituio Federal: So penalmente inimputveis os menores de dezoito anos, sujeitos s normas da legislao especial.

  • 22

    Revista Processus de Estudos de Gesto, Jurdicos e Financeiros Ano 3 Edio N 07ISSN 2178-2008

    do processo infracional na atualidade e o dever ser do processo jurdico infracional concebido segundo as regras de um modelo garantista. Ser realizada uma breve avaliao da doutrina, legislao e jurisprudncia afeta ao tema.

    O reconhecimento do inegvel carter sancionatrio das medidas socioeducativas aplicadas ao adolescente, autor de ato infracional, trouxe enormes ganhos aos adolescentes infratores, uma vez que se permitiu aplicar a estes os direitos outorgados aos adultos que se encontrem respondendo ao penal.

    O ato infracional no crime e no redunda em pena. Entretanto, o adolescente ser responsabilizado pelo ato e socioeducado em razo deste, surgindo, portanto, a necessidade de process-lo para apurar a tipicidade, autoria e materialidade do fato. Esse processo dever cumprir procedimentos cujos princpios e garantias esto previstos na Carta Magna e em legislao prpria, a Lei 8069/90 Estatuto da Criana e do Adolescente (ECA).

    O Estatuto da Criana e do Adolescente dedicou um captulo inteiro a disciplinar as garantias processuais que devem ser observadas nos processos judiciais da infncia e da juventude. A lei, atendendo aos princpios constitucionais da ampla defesa, do contraditrio e do processo legal, estipulou mecanismos que possibilitem ao adolescente alegar e comprovar sua inocncia.

    A prtica jurdica deve ser eficiente e exigente. Para tanto, faz-se mister aplicar os princpios e as garantias processuais ao socioeducativa e respeitar a condio peculiar do adolescente em desenvolvimento. Este artigo pretende contribuir para esta reflexo e a prtica saudvel do Direito da Infncia e da Juventude.

    O artigo estruturou-se da seguinte forma: inicialmente, discutiu-se a pessoa do adolescente em face da prtica de atos de violncia. Na sequncia, tratou-se do histrico do direito infanto-juvenil, do ordenamento jurdico brasileiro e dos princpios e garantias constitucionais do processo penal. Finalmente, refletiu-se sobre os princpios processuais penais e as garantias penais aplicados ao direito penal juvenil.

    1. ADOLESCENTE E VIOLNCIA

    O legislador brasileiro fixou a adolescncia, fenmeno estudado pela Psicologia do Desenvolvimento, como sendo o perodo compreendido entre zero hora do dia em que a criana completa 12 anos at o instante antecedente hora zero do dia em que o adolescente completa 18 anos2. Muito se questiona o fato de, na legislao brasileira, a idade ser o fator determinante para a fixao de quem criana, adolescente e adulto, no havendo nenhuma meno condio psicolgica, biolgica ou psquica do indivduo. No entanto, esse critrio cronolgico encontra-se em perfeita consonncia com o ordenamento jurdico internacional e supera o critrio biopsicolgico que, de certa forma, pode se mostrar inadequado e arbitrrio, uma vez que dificultaria identificar em que fase de seu desenvolvimento o indivduo se encontra.

    A adolescncia considerada uma fase de transio entre a infncia e a vida adulta. Mesmo havendo uma diversidade de concepes acerca da definio do que seria a adolescncia, muitos psiclogos, pedagogos e educadores afirmam que, nessa fase, o desrespeito a regras e normas relativamente comum. Entretanto, pesquisas apontam que, atualmente, h um exagero nessa conduta antissocial e na consequente prtica de atos violentos pelos adolescentes. Para muitos doutrinadores, fato que esses acontecimentos 2 SARAIVA, Joo Batista Costa. Compndio de Direito Penal Juvenil: Adolescente e Ato Infracional. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2010, p. 31. ROSSATO, Luciano Alves; LPORE, Paulo Eduardo; CUNHA, Rogrio Sanches. Estatuto da Criana e do Adoles-cente Comentado. So Paulo: Revista dos Tribunais, 2011, p. 85. Op. cit., p. 31.

  • 2

    Revista Processus de Estudos de Gesto, Jurdicos e Financeiros Ano 3 Edio N 07ISSN 2178-2008

    estejam intimamente atrelados existncia de gritantes desigualdades e injustias sociais e privao de uma vida com respeito dignidade humana. Somados a tais fatores a falta de limites e a transmisso de valores sociais a crianas e adolescentes tambm contribuem para a prtica de atos de violncia.

    Frear essa crescente onda de violncia na qual se encontram inseridos inmeros adolescentes brasileiros compete, em grande parte, ao Estado. O fortalecimento da rede pblica hospitalar para dar apoio ao crescimento saudvel de crianas e adolescentes e tambm da rede pblica de ensino seriam boas medidas a serem adotadas, uma vez que, consoante Sotto Maior Neto: o sucesso no sistema educacional comparece como antdoto marginalizao social que encaminha crianas e adolescentes marginalizao, trabalho precoce, prostituio e delinqncia5.

    2. HISTRIA DO DIREITO INFANTO JUVENIL

    Ao se analisar a legislao afeta ao Direito da Infncia e da Juventude produzido no Brasil, desde o Cdigo Menorista de 1979 at os dias de hoje, pode-se afirmar, sem dvida alguma, que o ECA Lei 8069/90 representou uma ruptura no tratamento dispensado s crianas e aos adolescentes brasileiros. Os legisladores brasileiros elaboraram uma lei que buscasse garantir de forma mais eficiente os direitos fundamentais das crianas e dos adolescentes6 influenciados por diplomas internacionais e atentos insatisfao da sociedade brasileira com o tratamento dispensado aos menores internados em instituies como as antigas Fundao Nacional do Bem-Estar do Menor (FUNABEM) e Fundao Estadual para o Bem-Estar do Menor (FEBEM), alm de estarem cientes da ineficincia dessas prticas.

    Os diplomas supracitados, como a Conveno das Naes Unidas de Direitos da Criana, Regras de Beijing, Diretrizes de Riad e Regras Mnimas das Naes Unidas para a Proteo dos Jovens Privados de Liberdade serviram de base para a legislao ptria. Assim, assegurou-se s crianas e aos adolescentes que esses seriam tratados como pessoas em desenvolvimento e que as peculiaridades dessa condio seriam respeitadas e atendidas com absoluta prioridade7 pelo Estado Brasileiro, alm de lhes garantir o gozo de todos os direitos assegurados aos demais cidados somados aos direitos a eles previstos em legislao especfica.

    Diante desse novo panorama legal, h de se acreditar que a realidade das crianas e dos adolescentes brasileiros mudou por completo, o que no corresponde verdade. Embora o Estatuto da Criana e do Adolescente tenha sido sancionado em 1990, at os dias de hoje, o Estado Brasileiro no se encontra devidamente aparelhado e estruturado para, na prtica, efetivar as inovaes trazidas pelo Estatuto.

    3. O ORDENAMENTO JURDICO BRASILEIRO

    Segundo Saraiva8, a Constituio Federal Brasileira de 1988, visando a adequar-

    SOTTO MAIOR NETO, Olympio de S. Garantias Penais do Adolescente Autor de Ato Infracional. In: Justia, Adolescente e Ato Infracional: socioeducao e responsabilizao. So Paulo: Associao Brasileira de Magistra-dos e Promotores da Justia da Infncia e da Juventude (ABMB), 2006, p. 126. SARAIVA, Joo Batista Costa. Compndio de Direito Penal Juvenil: Adolescente e Ato Infracional. 4 Ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2010, p. 23. Dispe o Art. 227 da Constituio Federal: dever da famlia, da sociedade e do Estado assegurar criana, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, o direito vida, sade, alimentao, educao, ao lazer, profissionalizao, cultura, dignidade, ao respeito, liberdade e convivncia familiar e comunitria, alm de coloc-los a salvo de toda forma de negligncia, discriminao, explorao, violncia, crueldade e opresso. [...].8 SARAIVA, Joo Batista Costa. Adolescente com conflito com a lei: da indiferena proteo integral:

  • 2

    Revista Processus de Estudos de Gesto, Jurdicos e Financeiros Ano 3 Edio N 07ISSN 2178-2008

    se aos termos da Conveno das Naes Unidas de Direito da Criana, incorporou ao ordenamento jurdico nacional os princpios fundantes da Doutrina da Proteo Integral, expressos essencialmente em seus artigos 227 e 2289. Com efeito, o Estatuto da Criana e do Adolescente foi elaborado em consonncia com o inciso I do pargrafo 8 do artigo 227 da Carta Magna, que se assenta no princpio de que todas as crianas e adolescentes brasileiros desfrutam dos direitos e sujeitam-se aos deveres compatveis com sua situao de pessoa em desenvolvimento.

    Na lio de Machado, o referido Estatuto vem concretizando grande parte das garantias penais e processuais penais introduzidas pela Constituio de 1988. Esse fato representou significativa ruptura com o sistema anterior que se pautava pela sombria perspectiva da segurana social mxima, da criminologia positivista mais autoritria10.

    Muitos doutrinadores afirmam que as crianas e os adolescentes gozam de todos os direitos dos demais cidados. No h que se cogitar em discriminao negativa, em razo da proteo especial que a Constituio lhes reservou e, sim, em discriminao positiva, ou protetiva. Em razo dessa discriminao positiva, crianas e adolescentes gozam de princpios e garantias aplicadas exclusivamente a crianas e adolescentes, tais como as garantias da excepcionabilidade e brevidade da privao de liberdade constantes do Estatuto, somadas a todas as garantias e princpios previstos em sede de norma constitucional aos indivduos.

    4. PRINCPIOS CONSTITUCIONAIS DO PROCESSO PENAL

    A Constituio Brasileira de 1988 incluiu em seu texto uma srie de princpios e garantias que so aplicados ao processo penal juvenil. Alguns esto explicitados, outros se deduzem do contexto das normas constitucionais nela implcitas. Dentre tais princpios, alguns merecem especial destaque. o que se ver adiante.

    4.1 Devido Processo LegalO Princpio do Constitucional Geral do Processo Penal ou Princpio do Devido

    Processo Legal , sem dvida, o aglutinador dos inmeros princpios processuais penais. Consiste na garantia de que algum somente poder ser privado de sua liberdade ou de seus bens, por meio de um julgamento, conforme o ordenamento jurdico brasileiro. Ele garante ao acusado a plenitude da defesa. Esse princpio encontra-se expresso no inciso LIV do artigo 5 da Constituio Federal: ningum ser privado da liberdade ou de seus bens sem o devido processo legal.

    4.2 IgualdadeSegundo Feitoza, vrios institutos processuais penais so incompreensveis se

    no forem analisados luz do Princpio Constitucional da Igualdade12. Esse um princpio que

    uma abordagem sobre a responsabilidade penal juvenil. 3 ed. rev. atual. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2009. Dispe o art. 228 da Constituio Federal: So penalmente inimputveis os menores de dezoito anos, sujeitos s normas da legislao especial.10 MACHADO, Martha de Toledo. Sistema Especial de proteo da Liberdade do Adolescente na Constituio Brasileira de 1988 e no estado da Criana e do Adolescente. In: Justia, Adolescente e Ato Infracional: socioedu-cao e responsabilizao. So Paulo: Associao Brasileira de Magistrados e Promotores da Justia da Infncia e da Juventude (ABMP), 2006, p. 119. 11 NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de processo penal e execuo penal. 5 ed. rev. atual. e ampl. So Paulo: Revista dos Tribunais, 2009, p. 95.12 FEITOZA, Denlson. Direito processual penal: teoria, crtica e prxis. 6 ed. rev., ampl. e atual. Com a Reforma Processual Penal (Leis 11.689/2008, 11.690/2008 e 11.719/2008) e Videoconferncia (Lei 11.900/2009). Niteri, RJ: Impetus. 2009, p. 146.

  • 2

    Revista Processus de Estudos de Gesto, Jurdicos e Financeiros Ano 3 Edio N 07ISSN 2178-2008

    garante a igualdade perante a lei, ou seja, a igualdade processual, na qual as partes devem ter, em juzo, as mesmas oportunidades de fazer valer suas razes, igualmente, nas medidas de suas igualdades e desigualdades. Assim, de acordo com a Constituio, em seu art. 5, caput: Todos so iguais perante a lei, sem distino de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no Pas a inviolabilidade do direito vida, liberdade, igualdade, segurana e propriedade, nos termos seguintes [...].

    4.3 Contraditrio e Ampla DefesaO Princpio do Contraditrio se insere no Princpio da Ampla Defesa e com ele quase

    se confunde. O contraditrio a exteriorizao da ampla defesa. Em todos os atos da acusao ser garantido ao ru contraditar, contradizer e contraproduzir, ou seja, o ru tem igualdade de possibilidades para replicar o que o autor da ao imputa a ele, embora essa igualdade no seja absoluta. Este princpio encontra-se previsto no inciso LV do artigo 5 da Constituio Federal: aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em geral so assegurados o contraditrio e ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes.

    4.4 Juiz NaturalA Carta Magna, em seu artigo 5, incisos XXXVII e LIII, probe os tribunais de exceo

    e garante o processamento e julgamento da ao por um juiz competente, segundo as regras previstas em lei. O princpio do juiz natural busca assegurar a imparcialidade do juzo, evitando que sejam concedidos privilgios prejudiciais aplicabilidade do princpio da igualdade.

    4.5 Motivao de Atos DecisriosO inciso IX do artigo 93 da Constituio Federal Brasileira tornou obrigatria a

    motivao nas decises processuais sob pena de nulidade do ato. Isso porque o princpio da motivao determina que a autoridade administrativa deve apresentar as razes que a levaram a tomar uma determinada deciso.

    4.6 PublicidadeEncontra-se previso deste princpio nos Art. 5, incisos XXXIII e LX, e 93, inciso

    IX da Constituio Federal. De acordo com as palavras de Nucci, este princpio quer dizer que todos os atos processuais devem ser realizados publicamente, na vista de quem queira acompanh-lo, sem segredos e sem sigilo. justamente o que permite o controle social dos atos e decises do Poder Judicirio.

    Porm, o Poder Judicirio poder, quando achar necessrio, guardar segredo sobre a intimidade das partes, o que far com que as decises e os atos processuais tramitem em segredo de justia, por exemplo, nos processos de famlia e da infncia e da juventude.

    4.7 LegalidadeSegundo a doutrina mais contempornea, este princpio se desdobra em trs

    postulados: um quanto s fontes das normas penais incriminadoras; outro concernente enunciao dessas normas; e um terceiro relativo validade das disposies penais no tempo. Esses postulados so os seguintes:

    4.7.1 Reserva LegalO postulado da Reserva Legal est prescrito no inciso XXXIX do artigo 5 da

    Constituio Federal vigente e consiste em afirmar que no h crime sem lei anterior que o defina nem pena sem prvia cominao legal.1 NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de processo penal e execuo penal. 5 ed. rev. atual. e ampl. So Paulo: Revista dos Tribunais, 2009, p. 95.

  • 2

    Revista Processus de Estudos de Gesto, Jurdicos e Financeiros Ano 3 Edio N 07ISSN 2178-2008

    4.7.2 Determinao TaxativaO segundo postulado, que se desdobra do princpio da legalidade, o da determinao

    ou da taxatividade chamado por muitos doutrinadores de Princpio da Determinao Taxativa. A doutrina contempornea afirma que o Princpio da Determinao Taxativa est presente em todo o texto constitucional, uma vez que a indeterminao da lei penal, com a utilizao de termos vagos ou ambguos pelo legislador, impossibilita o cumprimento do disposto na norma, a ratio legis, podendo gerar entendimentos diversos e, por vezes, contrastantes.

    4.7.3 IrretroatividadeA Irretroatividade da lei penal, sem dvidas, complementa o Princpio da Legalidade,

    exigindo a atualidade da lei e impondo que a ela s discipline os fatos cometidos aps o incio da sua vigncia. S se abre uma exceo irretroatividade da lei, se essa ocorrer para beneficiar o ru. Tal princpio encontra-se disposto no inciso XL do artigo 5 da Constituio Federal: a lei penal no retroagir, salvo para beneficiar o ru.

    4.8 Humanidade:A Constituio Federal de 1988 consagrou em diversos dispositivos o princpio da

    humanidade. No inciso XLIX do art. 5, est disposto que assegurado aos presos o respeito integridade fsica e moral; e o inciso seguinte prev que s presidirias sero asseguradas condies para que possam permanecer com seus filhos durante o perodo da amamentao. Mas o princpio em questo assume relevncia no inciso XLVII do artigo 5, onde se ordena que no haver penas: de morte, salvo em caso de guerra declarada; de carter perptuo; de trabalhos forados; de banimento e cruis.

    4.9 Duplo Grau de JurisdioNa Constituio Brasileira no existe norma que determine explicitamente o

    princpio do duplo grau de jurisdio. No entanto, h referncias expressas competncia recursal dos tribunais. O referido princpio prev a possibilidade de reviso de deciso prolatada em juzo de primeiro grau, uma vez que podero ocorrer discordncias e equvocos ao se aplicar uma norma jurdica ao caso concreto.

    4.10 No CulpabilidadeEste princpio tem previso no inciso LVII do artigo 5 da Constituio Federal:

    ningum ser considerado culpado at o trnsito em julgado de sentena penal condenatria. Conhecido tambm como princpio da presuno de inocncia, constata-se que a Constituio Federal atribuiu um status de inocncia que somente pode ser alterado com a sentena penal condenatria transitada em julgado.

    4.11 Inadmissibilidade de Provas Ilcitas:No inciso LVI do artigo 5 da Constituio Federal, est contido, expressamente, o

    princpio que determina serem inadmissveis, no processo, as provas obtidas por meios ilcitos. Esse mandamento est descrito no ttulo que trata dos direitos e das garantias fundamentais e trata-se de importante garantia contra a vulnerao dos direitos individuais e ainda uma limitao atividade persecutria do Estado. Em conformidade com esse entendimento, encontra-se Eugnio Pacelli de Oliveira, segundo o qual

    Em ordem jurdica fundada no reconhecimento, afirmao e proteo dos direitos fundamentais, no h como recusar a estatura fundante do princpio

  • 2

    Revista Processus de Estudos de Gesto, Jurdicos e Financeiros Ano 3 Edio N 07ISSN 2178-2008

    da inadmissibilidade das provas ilcitas, sobretudo porque destinado a proteger os jurisdicionados contra investidas do Poder Pblico.

    4.12 Individualizao da PenaA Carta Poltica de 1988 determina que deve haver uma proporo entre os motivos

    que levaram aplicao da pena e a pena efetivamente aplicada, buscando-se, assim, garantir o equilbrio na aplicao da lei penal em relao ao ato praticado. Este princpio est expresso no inciso XLVI do artigo 5 da Constituio Federal:

    XLVI - a lei regular a individualizao da pena e adotar, entre outras, as seguintes:a) privao ou restrio da liberdade;b) perda de bens;c) multa;d) prestao social alternativa;e) suspenso ou interdio de direitos.

    4.13 Interveno MnimaO Direito Penal deve ser a ltima opo para resolver os conflitos que emergem

    na sociedade, devendo recorrer-se a ele apenas em casos nos quais o bem jurdico tutelado efetivamente relevante. Este princpio no se encontra expresso no texto constitucional. No entanto, o princpio da interveno mnima uma premissa bsica, um dos pilares do Direito Moderno.

    5. PRINCPIOS PROCESSUAIS PENAIS E GARANTIAS PENAIS APLICADOS AO DIREITO PENAL JUVENIL

    O tema dos princpios processuais penais e garantias penais aplicveis ao processo penal juvenil de fundamental importncia na operacionalidade do microssistema jurdico responsvel pelos procedimentos correlatos rea do Direito da Infncia e da Juventude15.

    De acordo com o disposto no art. 227 da Constituio Federal Brasileira, atribui-se a condio de sujeitos de direito s crianas e aos adolescentes. A Lei Suprema Nacional reconhece a tais pessoas os mesmos privilgios arrolados no art. 5 da Constituio Federal Brasileira. Portanto, as crianas e os adolescentes tm todos os direitos previstos para os adultos que forem compatveis com a sua condio de pessoa em situao peculiar de desenvolvimento, acrescidos dos direitos previstos em legislao especial. Alis, no prprio Estatuto, encontra-se expresso no art. 3 que

    A criana e o adolescente gozam de todos os direitos fundamentais inerentes pessoa humana, sem prejuzo da proteo integral de que trata esta Lei, assegurando-se-lhes, por lei ou por outros meios, todas as oportunidades e facilidades, a fim de lhes facultar o desenvolvimento fsico, mental, moral, espiritual e social, em condies de liberdade e de dignidade.

    1 OLIVEIRA, Eugnio Pacelli de. Curso de processo penal. 10 ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Lmen Jris. 2008, p. 59.1 SARAIVA, Joo Batista Costa.. As garantias Processuais e o Adolescente a que se Atribua a Prtica de Ato Infracional. In: Justia Adolescente e Ato Infracional: socioeducao e responsabilizao. ILANUD; ABMO; SEDH; UNFPA (orgs). So Paulo: ILANUD, 2009, p. 176.

  • 28

    Revista Processus de Estudos de Gesto, Jurdicos e Financeiros Ano 3 Edio N 07ISSN 2178-2008

    Diante do exposto na legislao especial, correto afirmar que a aplicao ao Processo Penal Juvenil dos princpios e garantias processuais penais, arrolados no tpico anterior do presente artigo, funciona como um plus condio peculiar de pessoa em desenvolvimento na qual os adolescentes se inserem. E, por bvio, este plus h de ser sempre favorvel a esses.

    Este tema est, indubitavelmente, ligado ideia da existncia de um Direito Penal Juvenil. Uma vez que no se admita a existncia desse e se considere que a apurao da prtica de ato infracional e a aplicao de uma medida socioeducativa ao adolescente so, em verdade, aes pedaggicas e protetivas, apenas, direitos so minimizados e garantias so suprimidas. Desse erro resultam prticas ainda condizentes com a Doutrina Menorista e, portanto, totalmente contraditrias ao modelo garantista adotado pela Constituio Brasileira16.

    Tomando-se por base o disposto no art. 3 do Estatuto e a expressa previso da aplicao, em carter subsidirio, das regras gerais contidas na Lei Processual Penal, no art 152 do mesmo diploma17, no possvel, lgica e penalmente, negar ao adolescente acusado da prtica de ato infracional qualquer dos direitos e garantias assegurados tanto pela Lei Processual Penal quanto pela Constituio Federal aos imputveis acusados da prtica de crimes18. O prprio Estatuto da Criana e do Adolescente, em seu texto, aponta expressamente a aplicabilidade de alguns princpios, tal como o Devido Processo Penal que a pedra angular sobre a qual foi erigida a legislao especial afeta ao Direito Penal Juvenil. No artigo 110 do Estatuto da Criana e do Adolescente, encontra-se disposto: Nenhum adolescente ser privado de sua liberdade sem o devido processo legal. No art. 106 do mesmo diploma, tambm foi observado este princpio: nenhum adolescente ser privado de sua liberdade seno em flagrante de ato infracional ou por ordem escrita e fundamentada da autoridade judiciria competente. A respeito, veja-se deciso proferida pelo Tribunal de Justia de So Paulo:

    Nenhum adolescente ser privado de sua liberdade sem o devido processo legal. Do contrrio admitir-se- a aplicao de uma medida to grave como a internao, ou mesmo, simples reavaliao, sem o pressuposto da verificao da existncia do prprio fato que h de configurar, nos termos do artigo 102 do estatuto da criana e do Adolescente, crime ou contraveno.19

    Em reiteradas decises, o Superior Tribunal de Justia imps a obrigao de se observar o cumprimento do devido processo legal nos processos infracionais de adolescente, principalmente naqueles em que h imposio de medida socioeducativa privativa de liberdade. Nesse sentido, foi editada a smula 342, que afirma: No procedimento para aplicao de medida socioeducativa, nula a desistncia de outras provas em face da confisso do adolescente. Em caso contrrio, haveria violao ao Princpio do Devido Processo Legal.20 Outrossim, tem-se o Princpio da Igualdade na Relao Processual sendo analisado conforme o inciso II do artigo 111 do Estatuto que prev serem asseguradas ao adolescente,

    1 Op. cit., p. 204.1 Caput do Art. 152 do ECA: Os procedimentos regulados nessa Lei aplicam-se subsidiariamente as normas gerais previstas na legislao processual pertinente.18 DIGICOMO, Murillo Jos e DIGICOMO, Ildeara Amorim. Estatuto da Criana e do Adolescente: Anotado e Interpretado. Braslia: Ministrio Pblico do Distrito Federal e Territrios, 2012, p. 214.1 TJSP C. Esp. AI 16.652 Rel. Lair Loureiro j. 4-3-93.20 ROSSATO, Luciano Alves; LPORE, Paulo Eduardo; CUNHA, Rogrio Sanches. Estatuto da Criana e do Adoles-cente Comentado. 2 ed. rev., atual. e ampl. So Paulo: Revista dos Tribunais, 2011, p. 324.

  • 2

    Revista Processus de Estudos de Gesto, Jurdicos e Financeiros Ano 3 Edio N 07ISSN 2178-2008

    entre outras, as seguintes garantias: igualdade na relao processual podendo confrontar-se com vtimas e testemunhas e produzir todas as provas necessrias a sua defesa. Da leitura deste artigo, resta clara a previso legal do Princpio do Contraditrio e da Ampla Defesa.

    A decretao de nulidade de processo infracional ilustra bem a aplicabilidade deste princpio. Com base nele, o defensor do representado pode postular pela aplicao da medida socioeducativa de internao ao adolescente. O defensor, por mais que entenda ser grave a conduta do adolescente, deve contraditar os fatos alegados pela acusao. A propsito, veja-se jurisprudncia do Supremo Tribunal Federal:

    Nulidade do processo por ato infracional imputado a adolescentes, no qual o defensor dativo aceita a verso dos fatos a eles mais desfavorvel e pugna para que se aplique por que se aplique aos menores medida de internao, a mais grave admitida pelo estatuto legal pertinente. 2. As garantias processuais da ampla defesa e do devido processo legal como corretamente disposto no ECA (arts. 106 e 111) no podem ser subtradas ao adolescente acusado de ato infracional de cuja sentena podem decorrer graves restries a direitos individuais bsicos, includa a privao de liberdade [...]21

    Acresce-se ao rol das garantias processuais o direito que o adolescente acusado da prtica de ato infracional tem de ser ouvido pessoalmente pela autoridade competente magistrado, promotor, delegado de polcia, defensor pblico , conforme inciso V do artigo 111 do Estatuto que faz clara meno ao Princpio do Juiz Natural22. Referida garantia confere ao adolescente a certeza de que o processo a que responder no ser julgado por tribunal distinto daquele que tenha sido reconhecido como competente poca da prtica do ato infracional23.

    De acordo com o art. 103 do Estatuto, ato infracional a conduta prevista na lei penal como crime ou contraveno. No texto deste artigo, notvel o respeito ao Princpio da Legalidade (Reserva Legal). Verifica-se que a estrutura do ato infracional segue a do delito, portanto o adolescente somente responder por seu ato se demonstrada a existncia de conduta tpica, antijurdica e culpvel24.

    CONCLUSO

    O Estatuto da Criana e do Adolescente garantiu, em boa medida, a aplicabilidade dos princpios e das garantias penais ao adolescente que responde pela prtica de ato infracional. Esse fato representou radical ruptura com o anterior entendimento expresso no Cdigo de Menores, de 1979, que se pautava por uma criminologia mais positiva e autoritria.

    Diante do contexto de violncia e marginalizao no qual grande parte dos adolescentes brasileiros encontra-se inserido, considera-se imperativo que tais regras asseguradas em lei no permaneam apenas no papel. Espera-se que o sistema de garantias penais do adolescente infrator contribua efetivamente para o real posicionamento do adolescente como sujeito de direitos.

    O aprofundamento das garantias do adolescente cidado busca frear a crescente 21 STF RE 285571/PR 1 Turma Rel. Min. Seplveda Pertence Recte.: Ministrio Pblico Estadual Recdos.:J.P. e outro.22 LIBERATI, Wilson Donizeti Processo Penal Juvenil: a garantia da legalidade na execuo da medida socioe-ducativa, 200, p. 11.2 Op. cit., p. 11.2 ROSSATO, Luciano Alves; LPORE, Paulo Eduardo; CUNHA, Rogrio Sanches. Estatuto da Criana e do Adolescente Comentado. 2 ed. rev., atual. e ampl. So Paulo: Revista dos Tribunais, 2011, p. 0.

  • 0

    Revista Processus de Estudos de Gesto, Jurdicos e Financeiros Ano 3 Edio N 07ISSN 2178-2008

    onda de violncia e de excluso que vitimiza inmeros adolescentes. Qualquer entendimento contrrio pode significar um perigoso retrocesso. Conclui-se que, neste debate acerca do reconhecimento da existncia de um Direito Penal Juvenil, o adolescente infrator ganha ao ter reconhecida a sua existncia. Em razo disso, o processo a que responder ser pautado pelas garantias previstas na Carta Magna, acrescidas s exclusivamente previstas na legislao especial.

    Desconhecer esse Direito Penal Juvenil implicaria a prpria negativa das regras introduzidas pelo Estatuto. No sem razo que, atualmente, encontra-se enfraquecida a defesa do seu no reconhecimento. Na verdade, o reconhecimento da existncia de um Direito Penal Juvenil e do carter retributivo das medidas socioeducativas tambm contribui para encerrar de vez discusses miditicas acerca da impunidade atribuda as adolescentes que praticam ato infracional. Alm de protegerem adolescentes de aes protetivas que acabem desencadeando aes arbitrrias, tal como a aplicao de medidas socioeducativas sem a observncia do devido processo legal.

    REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS

    DIGICOMO, Murillo Jos e DIGICOMO, Ildeara Amorim. Estatuto da Criana e do Adolescente: Anotado e Interpretado. Braslia: Ministrio Pblico do Distrito Federal e Territrios, 2012.

    FEITOZA, Denlson. Direito processual penal: teoria, crtica e prxis. 6 ed. rev., ampl. e atual. Com a Reforma Processual Penal (Leis 11.689/2008, 11.690/2008 e 11.719/2008) e Videoconferncia (Lei 11.900/2009). Niteri, RJ: Impetus. 2009.

    LIBERATI, Wilson Donizeti Processo Penal Juvenil: a garantia da legalidade na execuo da medida socioeducativa, 2006.

    MACHADO, Martha de Toledo. Sistema Especial de proteo da Liberdade do Adolescente na Constituio Brasileira de 1988 e no estado da Criana e do Adolescente. In: Justia, Adolescente e Ato Infracional: socioeducao e responsabilizao. So Paulo: Associao Brasileira de Magistrados e Promotores da Justia da Infncia e da Juventude (ABMP), 2006

    NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de processo penal e execuo penal. 5 ed. rev. atual. e ampl. So Paulo: Revista dos Tribunais, 2009.

    OLIVEIRA, Eugnio Pacelli de. Curso de processo penal. 10 ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Lmen Jris. 2008.

    ROSSATO, Luciano Alves; LPORE, Paulo Eduardo; CUNHA, Rogrio Sanches. Estatuto da Criana e do Adolescente Comentado. 2 ed. rev., atual. e ampl. So Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.

    SARAIVA, Joo Batista Costa. Adolescente com conflito com a lei: da indiferena proteo integral: uma abordagem sobre a responsabilidade penal juvenil. 3 ed. rev. atual. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2009.

    _______. As garantias Processuais e o Adolescente a que se Atribua a Prtica de Ato Infracional. In: Justia Adolescente e Ato Infracional: socioeducao e responsabilizao. ILANUD; ABMO; SEDH; UNFPA (orgs). So Paulo: ILANUD, 2009.

  • 1

    Revista Processus de Estudos de Gesto, Jurdicos e Financeiros Ano 3 Edio N 07ISSN 2178-2008

    _______. Compndio de Direito Penal Juvenil: Adolescente e Ato Infracional. 4. Ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2010.

    SOTTO MAIOR NETO, Olympio de S. Garantias Penais do Adolescente Autor de Ato Infracional. In: Justia, Adolescente e Ato Infracional: socioeducao e responsabilizao. So Paulo: Associao Brasileira de Magistrados e Promotores da Justia da Infncia e da Juventude (ABMB), 2006.

    REFERNCIA BIBLIOGRFICA COMPLEMENTAR

    BONFIM, Edilson Mougenot. Curso de Processo Penal. 5 ed. rev. e atual. de acordo com as Leis 11.900, 12.016 e 12.037. So Paulo: Saraiva, 2010.

    CAPEZ, Fernando. Curso de Processo Penal. 17 ed. So Paulo: Saraiva, 2010.

    COSTA, Ana Paula Motta. As garantias processuais e o Direito Penal Juvenil: como limite na aplicao da medida socioeducativa de internao. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2005.

    FACULDADE PROCESSUS. Curso de Direito. Manual de trabalho de concluso de curso. Braslia, 2011.

    FERRANDIN, Mauro. Ato penal juvenil aplicabilidade dos princpios e garantias do ato penal. Curitiba: Juru, 2009.

    ISHIDA, Valter Kenji. Estatuto da criana e do adolescente: doutrina e jurisprudncia. 12 ed. So Paulo: Atlas, 2010.

    KONZEN, Afonso Armando. Pertinncia socioeducativa: reflexes sobre a natureza jurdica das medidas. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2005.

    ______. Justia restaurativa e ato infracional: desvelando sentidos no itinerrio da alteridade. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2007.

    MACEDO, Renata Cechin Melfi de. O adolescente infrator e a imputabilidade penal. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008.

    MACIEL, Ktia Regina Ferreira Lobo Andrade (Coord.). Curso de direito da criana e do adolescente: aspectos tericos e prticos. 3 ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008.

    MICHEL, Maria Helena. Metodologia e pesquisa cientfica em cincias sociais. So Paulo: Atlas, 2009.

    OLIVEIRA, Maria Marly de. Como fazer projetos, relatrios, monografias, dissertaes e teses. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

    RAMIDOFF, Mrio Luiz. Lies de direito da criana e do adolescente. 2 ed. (ano 2008), 2 reimpr. Curitiba: Juru, 2010.

    RANGEL, Paulo. Direito Processual Penal. 18 ed. rev., ampl. e atual. Rio de Janeiro: Lmen Jris, 2010.

  • 2

    Revista Processus de Estudos de Gesto, Jurdicos e Financeiros Ano 3 Edio N 07ISSN 2178-2008

    TOURINHO FILHO, Fernando da Costa. Manual de processo penal. 11 ed. rev. e atual. So Paulo: Saraiva, 2009.

    VIANNA, Guaraci de Campos. Direito infanto-juvenil: teoria, prtica e aspectos multidisciplinares. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2004.