DIRIO OFICIAL DE BAURU 1 Diário Oficial de .QUINTA, 08 DE DEZEMBRO DE 2.011Diário Oficial de Bauru

  • View
    259

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of DIRIO OFICIAL DE BAURU 1 Diário Oficial de .QUINTA, 08 DE DEZEMBRO DE 2.011Diário Oficial de Bauru

1DIRIO OFICIAL DE BAURU QUINTA, 08 DE DEZEMBRO DE 2.011Dirio Oficial de BauruANO XVI - Edio 2.038 www.bauru.sp.gov.br QUINTA, 08 DE DEZEMBRO DE 2.011 DISTRIBUIO GRATUITA

PODER EXECUTIVORodrigo Antonio de Agostinho Mendona

Prefeito Municipal

Seo IGabinete do Prefeito

Giasone Albuquerque CandiaChefe de Gabinete

LEIS MUNICIPAISLEI N 6.152, DE 05 DE DEZEMBRO DE 2.011

P. 32.601/07 Dispe sobre a regularizao de construes perante a Prefeitura Municipal de Bauru. O PREFEITO MUNICIPAL DE BAURU, nos termos do art. 51 da Lei Orgnica do Municpio de Bauru, faz saber que a Cmara Municipal aprovou e ele sanciona e promulga a seguinte lei:Art. 1 Fica estipulado o prazo de 12 (doze) meses, a partir do recebimento de notificao por

fiscais da Secretaria Municipal de Planejamento, para que as construes clandestinas concludas, regulares e irregulares, sejam regularizadas junto Prefeitura Municipal, mediante a apresentao do projeto para a sua aprovao, sem a imposio das penalidades previstas nesta legislao.

Art. 2 Consideram-se concludas as construes que se apresentarem com as condies mnimas de habitabilidade, (com relao iluminao e ventilao) com a existncia e funcionamento das instalaes eltricas, hidrulicas, sanitrias, colocao de portas e janelas externas e execuo da barra impermevel.

Pargrafo nico. O proprietrio dever anexar junto ao pedido de regularizao uma declarao, elaborada por um profissional da rea de engenharia, arquitetura ou tcnico em edificaes, devidamente habilitados, acompanhada de A.R.T. (Anotao de Responsabilidade Tcnica), atestando a habitabilidade da edificao.

Art. 3 Construes clandestinas regulares so aquelas executadas de acordo com a Lei Municipal n 2.371, de 18 de agosto de 1.982 e Lei Municipal n 2.339, de 15 de fevereiro de 1.982, bem como as demais leis e decretos que as alteraram ou regulamentaram, porm, sem a devida aprovao por parte da Prefeitura.

Art. 4 Construes clandestinas irregulares so aquelas que no atendem as leis citadas no artigo anterior.

Art. 5 Para a aprovao de construes irregulares, dentro do perodo citado no artigo 1, sero desconsiderados os ndices urbansticos, tais como taxas de ocupao e coeficiente de aproveitamento, previstos na Lei Municipal n 2.339, de 15 de fevereiro de 1.982.

1 Durante a vigncia dos efeitos desta lei, somente para construes irregulares com rea superior a 300 m (trezentos metros quadrados), ser exigida como compensao financeira ao Municpio, paga pelo beneficiado, uma importncia a ser recolhida ao Fundo Municipal de Habitao.

2 O clculo da compensao financeira ter como base o excedente da rea construda que ultrapassar o coeficiente de aproveitamento bsico, sendo aplicada a seguinte frmula: CF = AE X 2 X VRM, onde CF significa Compensao Financeira, AE significa rea Excedente e VRM significa Valor Real do Metro Quadrado atualizado.

3 O pagamento do valor referente a compensao financeira poder ser parcelado em at 12 (doze) meses, nos termos do Cdigo Tributrio Municipal e demais normas que regem a matria.

Art. 6 No sero aprovadas ou regularizadas as construes que:I - estejam edificadas sobre logradouros, terrenos pblicos e faixas destinadas

a alargamentos das vias pblicas ou que avancem sobre eles;II - constiturem objeto de ao judicial relacionada execuo de construes

irregulares;III - no haja previso legal de seu uso na zona em que se encontra inserida a

edificao;IV - estejam situadas em faixas no edificveis junto s reas de preservao

permanente (APP), de represas, lagos, lagoas, rios e crregos, reas de proteo ambiental, fundos de vale, faixas de escoamento de guas pluviais, galerias, canalizaes, faixas no edificantes que estejam em processo de desapropriao, linhas de transmisso de energia de alta tenso ou em reas atingidas por melhoramentos virios previstos em lei;

V - no atendam o disposto na Lei Municipal n 3.996, de 18 de dezembro de 1.995 e suas alteraes, que dispem sobre a aplicao de normas de proteo e combate a incndios;

VI - no atendam s leis, decretos e suas alteraes sobre acessibilidade;VII - estejam localizadas em reas de segurana dos aeroportos ou que estejam

desrespeitando quaisquer normas referentes a altura ou rudos;VIII - estejam situadas em reas de risco;IX - estejam em desacordo com as restries de condomnios ou loteamentos

aprovados pela Prefeitura Municipal e registrados no Cartrio de Registro de Imveis.

Art. 7 As construes irregulares no tero seus projetos regularizados, caso estejam em desacordo com as normas que tratam de recuos de divisa com relao a terceiros, previstas no Cdigo de Obras, bem como aquelas que desobedecerem aos recuos especiais previstos na legislao federal, estadual e municipal.

Art. 8 As construes que contenham paredes com janelas ou aberturas edificadas com recuo em relao a imveis de terceiros inferior a 1,50 metros s podero ser aprovados se atenderem as exigncias previstas no Cdigo Civil.

Pargrafo nico. Ser exigida a apresentao de documentos comprobatrios, conforme prev o Cdigo Civil.

Art. 9 Os projetos cujos compartimentos da construo irregular, bem como poos de iluminao e ventilao com reas inferiores mnina exigida podero ser aprovados desde que a diferena no ultrapasse a 30% (trinta por cento).

Art. 10 Aps o prazo citado no artigo 1, somente sero aprovadas as construes clandestinas regulares, sendo que as irregulares devero se adequar s normas edilcias vigentes.

Art. 11 Esgotado o prazo estipulado no art. 1, qualquer imvel que no possuir projeto de regularizao, construo ou ampliao, nos termos da Lei n 2.371, de 18 deagosto de 1.982 e Lei n 2.339, de 15 de fevereiro de 1.982, bem como seus Decretos regulamentadores, legislaes especficas e suas alteraes, estar sujeita multa correspondente a 5% (cinco por cento) sobre o valor venal predial do imvel, referente ao exerccio de sua aplicao, incidindo em dobro, se, aps 90 (noventa) dias, contados da primeira autuao, no apresentar o projeto.

1 Independente do clculo do valor venal, o valor mnimo da multa no poder ser inferior a R$ 300,00 (trezentos reais) e o valor mximo no superior a R$ 2.500,00 (dois mil e quinhentos reais) devendo esses valores serem reajustados anualmente pelo ndice oficial adotado pelo Municpio.

2 Compete Secretaria Municipal de Planejamento a fiscalizao do cumprimento dos prazos e a aplicao das penalidades previstas nessa legislao.

Art. 12 O lanamento de ofcio da rea construda, efetuada pela Diviso de Cadastro Fsico do Municpio, cujo projeto no tenha sido aprovado, no implica em reconhecimento da legalidade da obra.

Art. 13 As construes j aprovadas, bem como as que sero regularizadas, edificadas sobre mais de um lote, somente podero receber o Habite-se aps a unificao dos mesmos na matrcula do imvel.

Art. 14 Os casos omissos e os recursos sero decididos por uma Comisso Tcnica, composta de no mnimo 03 (trs) membros indicados pelo Secretrio Municipal de Planejamento, dentre servidores tcnicos da Secretaria e nomeados pelo Prefeito Municipal, para anlise e deciso sobre o pedido e a aprovao dos projetos.

Pargrafo nico. A critrio da Comisso Tcnica, podero ser aprovados projetos de obras irregulares, com irregularidades no previstas nesta legislao, ou em grau de recurso, com a apresentao de fundamentao tcnica e documentos pertinentes, desde que no

2 DIRIO OFICIAL DE BAURU QUINTA, 08 DE DEZEMBRO DE 2.011

prejudiquem as condies de habitabilidade ou direito de terceiros. Art. 15 A regularizao das edificaes nos termos desta lei no implica no reconhecimento

do uso irregular da edificao, que dever obedecer s normas vigentes para o licenciamento do uso praticado de acordo com a legislao de uso e ocupao do solo vigente.

Art. 16 As regularizaes dos projetos de construo, reforma com ampliao ou de regularizao pela Prefeitura Municipal no implicam:I - no reconhecimento de direitos de propriedade do imvel, nem na

transferncia do domnio para o nome do Requerente;II - na comprovao das dimenses ou na regularidade dos lotes;III - na responsabilidade de funcionrios que aprovaram o projeto ou vistoriaram

a construo sobre quaisquer danos ou prejuzos causados a edificao.Art. 17 Para aprovao de projetos de regularizao de imveis residenciais sero concedidos

os seguintes benefcios:I - Imveis com rea total inferior 140,00 m, sendo ampliao ou no,

pagaro valor nico de R$ 50,00 (cinqenta reais);II - Imveis com rea entre 140,00 m e 180,00 m recebero descontos de 50%

tanto na taxa de aprovao como no ISSQN.Art. 18 As disposies da Lei Municipal n 5.791, de 21 de outubro de 2.009, que dispensa

a exigncia de apresentao de planta interna em edificaes unifamiliares, se aplica para a regularizao de imveis clandestinos no que couber.

Art. 19 Sero beneficiadas todas as construes cujas irregularidades foram comprovadas pelo processo de recadastramento, bem como aquelas concludas e habitadas na data de publicao dessa lei.

Pargrafo nico. Todos os processos protocolados no prazo do art. 1 tero os benefcios desta lei, desde que estejam com todos os documentos exigidos completos.

Art. 20 Fica a Secretaria Municipal de Planejamento SEPLAN autorizada a disponibilizar aos interessados as plantas aerofotogramtricas para subsidiar os laudos tcnicos de comprovao de rea e tempo de existncia de imveis.

Art. 21 A administrao municipal, pelos seus rgos, isentar de quaisquer taxas ou outros nus de natureza financeira, aqueles que comprovarem ter rendimento mensal familiar de at 01 (um) salrio mnimo.

Art. 22 Aps a regularizao dos imveis objetos da presente lei, por requisio do proprietrio do imvel, ser emitida pela Prefeitura Munici

Recommended

View more >