Dissertação - Constitucionalismo

  • View
    237

  • Download
    1

Embed Size (px)

DESCRIPTION

XXX

Text of Dissertação - Constitucionalismo

  • FACULDADES INTEGRADAS DO BRASIL

    ADRIANA INOMATA

    MUTAO CONSTITUCIONAL E A DEFESA DA FORA NORMATIVA DA

    CONSTITUIO: UM ESTUDO NO CONTEXTO DO CONSTITUCIONALISMO

    MODERNO E DO CONSTITUCIONALISMO CONTEMPORNEO.

    CURITIBA

    2012

  • ADRIANA INOMATA

    MUTAO CONSTITUCIONAL E A DEFESA DA FORA NORMATIVA DA CONSTITUIO: UM ESTUDO NO CONTEXTO DO CONSTITUCIONALISMO

    MODERNO E DO CONSTITUCIONALISMO CONTEMPORNEO. Dissertao apresentada ao Curso de Ps-Graduao stricto sensu (Mestrado) em Direitos Fundamentais e Democracia, Faculdades Integradas do Brasil, como requisito parcial obteno do ttulo de Mestre em Direito. Orientador: Prof. Dr. Paulo Ricardo Schier.

    CURITIBA 2012

  • TERMO DE APROVAO

    ADRIANA INOMATA

    MUTAO CONSTITUCIONAL E A DEFESA DA FORA NORMATIVA DA CONSTITUIO: UM ESTUDO NO CONTEXTO DO CONSTITUCIONALISMO

    MODERNO E DO CONSTITUCIONALISMO CONTEMPORNEO.

    Dissertao apresentada como requisito parcial para a obteno do grau de Mestre no curso de Ps-Graduao Stricto Sensu (Mestrado) da Faculdades Integradas do Brasil (UniBrasil), pela seguinte banca examinadora: Orientador: Prof. Dr. Paulo Ricardo Schier Faculdades Integradas do Brasil UniBrasil Membros: Prof. Dr. Gerardo Pisarello

    Universidade de Buenos Aires - UBA Prof. Dr. Philip Gil Frana Pontifcia Universidade do Rio Grande do Sul - PUCRS Profa. Dra. Estefnia Maria de Queiroz Barbosa

    Faculdades Integradas do Brasil UniBrasil Curitiba, 02 de agosto de 2012.

  • Aqueles que fizeram com que todo esforo, sofrimento e tempo dedicados a este trabalho fossem amenizados com palavras e gestos de amor, compreenso e

    cumplicidade: Rafael e Yasmin.

  • AGRADECIMENTOS

    Inicio meus agradecimentos com, na verdade, um desabafo. Conforme as sbias palavras de minha querida colega e professora Claudia Regina Moreira: a gente no termina a dissertao, a gente desiste. Eu desisti. Desisti com a certeza de que sempre haver muito a se fazer, e que o trabalho nunca restar acabado. Porm, reconheo que muitos no desistiram de mim. Estes merecem muito mais do que minhas sinceras palavras, merecem meu carinho e minha gratido eterna. Primeiramente, agradeo s pessoas mais importantes de minha vida, aquelas que fazem tudo valer a pena: meu companheiro Rafael e minha amada filha Yasmin. Agradeo a pacincia e a compreenso pelos finais de semana de afastamento, pelas noites mal dormidas e o consequente mau humor, enfim, por estarem ao meu lado sempre e com muita ternura e muita maturidade. Agradeo aos meus poucos, mas valiosos amigos, que sempre me incentivaram e acreditaram em mim muito mais do que eu mesma. Safira Oratto Merelles do Prado, minha irm de alma que durante esses ltimos dez anos sempre esteve ao meu lado, muitas vezes me carregando, nos momentos em que mais precisei. Joelma Cavalheiro, pelo incentivo, pela pacincia em me ouvir e me ajudar e, como no poderia esquecer, pelas timas risadas compartilhadas. Gisele Echterhoff pela amizade sincera e acolhedora. Daniela Musskopf pela amizade e companheirismo acadmico de anos. Carolina de Freitas Paladino, pela amizade, pelo incentivo, pela orientao acadmica e pela preciosa ajuda no emprstimo de livros na PUC/RS. Enfim, a todos aqueles que me ajudaram com suas palavras de conforto e nimo. Agradeo s queridas secretrias do Mestrado da UniBrasil, Jacira Silva e Rafaela Abreu por todos os galhos quebrados. Agradeo tambm profa. Carol Proner, pelo trato sempre humano e amvel. Enfim, agradeo aos professores do Mestrado em Direito da UniBrasil, pelo timo, produtivo e engrandecedor convvio, por todos, profa. Estefnia Barbosa, pelas belas contribuies em suas aulas, por todas as orientaes no corredor e pelas palavras de conforto; Profa. Eneida Desiree Salgado, por todas as orientaes e, por ltimo, um especial agradecimento ao meu querido orientador prof. Paulo Ricardo Schier, a quem cabe a culpa por hoje eu ser uma professora apaixonada pelo Direito Constitucional. Humano, inteligente, dedicado e acessvel.

  • RESUMO

    As constituies tem pretenso de permanncia, mas ao mesmo tempo no podem pretender ser eternas, uma vez que, como um organismo vivo, esto em constante transformao, devido a interao com a realidade. Classicamente, as constituies escritas podem ser atualizadas de duas formas: via um procedimento formal e solene ou via um processo informal, conceituado como mutao constitucional por representar as mudanas no contedo da Constituio sem alterar o texto. As mutaes constitucionais j foram identificadas, pela doutrina alem, desde a vigncia da Constituio do Imprio alemo de 1871. Inicialmente, as mutaes foram justificadas pela fora incontrastvel dos fatos, no havendo, portanto, limites a essas mudanas. O presente trabalho tem como objetivo principal a anlise das teorias alems que se formaram no final do sculo XIX e desenvolveram-se no decorrer do sculo XX, dando ateno questo referente fora normativa da Constituio. A existncia de limites s mutaes constitucionais importa na defesa da supremacia da Constituio, do compromisso com sua realizao. Deste modo, o estudo sobre as mutaes ganha relevo no atual contexto do constitucionalismo, caracterizado por constituies com amplo rol de princpios e de direitos fundamentais; pela abertura do Direito para a moral; pela forte atuao do Poder Judicirio na concretizao dos direitos fundamentais; e pela constitucionalizao do direito. Palavras-chave: Mutaes constitucionais. Constitucionalismo. Fora normativa da Constituio.

  • RESUMEN

    Las constituciones tienen intencin de quedarse, pero al mismo tiempo, no pueden pretender ser eterno, ya que, como un organismo vivo est en constante cambio debido a la interaccin con la realidad. Clsicamente, las constituciones escritas se pueden actualizar de dos formas: a travs de un proceso formal y solemne o informal, conceptualizado como un mutacin constitucional para representar los cambios en el contenido de la Constitucin, sin alterar el texto. Las mutaciones constitucionales han sido identificados por la doctrina alemana, ya que la vigencia de la Constitucin del Imperio Alemn en 1871. Inicialmente, los cambios se justifican por la fuerza de los hechos irrefutables, sin embargo, lmites a estos cambios. El presente trabajo tiene como principal objetivo el anlisis de las teoras alemanas que se formaron en el siglo XIX y desarrolladas durante el siglo XX, prestando especial atencin a la cuestin de la fuerza normativa de la Constitucin. La existencia de lmites a las mutaciones de los asuntos constitucionales en la defensa de la supremaca de la Constitucin el compromiso de su realizacin. As, el estudio de las mutaciones se vuelve relevante en el contexto actual del constitucionalismo, que se caracteriza por las constituciones con extensa lista de principios y derechos fundamentales, mediante la apertura a la ley moral, por el fuerte desempeo de la judicatura en la aplicacin de los derechos fundamentales, y constitucionalizacin del derecho. Palabras clave: Mutacin constitucional. El constitucionalismo. La fuerza normativa de la Constitucin.

  • LISTA DE SIGLAS

    CF/88 Constituio Federal de 1988 STF Supremo Tribunal Federal UERJ Universidade Estadual do Rio de Janeiro USP Universidade de So Paulo

  • LISTA DE ABREVIATURAS

    Art. - artigo Ed. edio Cf. conforme Ibid. ibidem Id. idem Rev. revista Atual. - atualizada Sc. sculo V. ver Vol. volume p. pgina

  • SUMRIO

    1. INTRODUO ...................................................................................................11 2.ANTECEDENTES AO CONSTITUCIONALISMO CONTEMPORNEO: CONSTITUCIONALISMO MODERNO, ESTADO DE DIREITO E POSITIVISMO JURDICO ...............................................................................................................14 2.1 Constitucionalismo Moderno .............................................................................15 2.2 Paradigma do Estado de Direito ........................................................................31 2.3 Positivismo Jurdico Normativista .....................................................................39 3. CONSTITUCIONALISMO CONTEMPORNEO ..............................................56 3.1 PONTO DE PARTIDA: UMA NOO INICIAL DO CONSTITUCIONALISMO CONTEMPORNEO ..............................................................................................57 3.2 MARCOS HISTRICOS PARA A FORMAO DO CONSTITUCIONALISMO CONTEMPORNEO ..............................................................................................59 3.3 CONSTITUCIONALISMO CONTEMPORNEO ENQUANTO PARADIGMA DE ESTADO E DE DIREITO ........................................................................................62 3.3.1 Constitucionalismo enquanto proposta de um novo paradigma de Estado: o Estado constitucional ..............................................................................................63 3.3.2 Constitucionalismo contemporneo enquanto proposta de um novo paradigma de Direito: caractersticas .......................................................................................69 4. PROCESSO INFORMAL DE MUDANA DA CONSTITUIO: A DOUTRINA TRADICIONAL SOBRE MUTAO CONSTITUCIONAL .....................................75 4.1 PODER CONSTITUINTE: CONCEITO, FORMAS DE MANIFESTAO, REFORMA CONSTITUCIONAL E MUTAO CONSTITUCIONAL ......................75 4.2 MUTAO CONSTITUCIONAL: A VELHA DOUTRINA ALEM ...................92 5. MUTAO CONSTITUCIONAL E A DEFESA DA FORA NORMATIVA DA CONSTITUIO ....................................................................................................119 5.1 CONDICIONAMENTO RECPROCO ENT