DOM - 27/07/2011

  • View
    217

  • Download
    1

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Diário Oficial do Município

Text of DOM - 27/07/2011

  • BELO HORIZONTEP R E F E I T U R ABELO HORIZONTEDirio Oficial do Municpio - DOMAno XVII N. 3.876 R$ 0,80 Tiragem: 2.500 27/7/2011

    Formao do conselho marca participao efetiva da sociedade civil naelaborao e na execuo das polticas pblicas para o setor

    Conselho Municipal de Cultura serconstitudo pela primeira vez na cidade

    Em setembro, a Fundao Municipal de Cultura (FMC) vai realizar, pela primeira vez, a eleio do Conselho Munici-pal de Cultura. Trata-se de um processo muito aguardado pelos profissionais do setor cultural e pela populao de BeloHorizonte de modo geral. A constituio desse rgo representativo significa que a sociedade civil ter participao efetivana elaborao e na execuo das polticas pblicas para a rea cultural no municpio.

    No dia 11 de setembro sero eleitos em assembleia setorial seis membros titulares e suplentes do setor cultural e,no dia 18, sero realizadas assembleias regionais para a eleio dos nove membros titulares e suplentes, representantesde cada regio da cidade. Os cidados interessados em participar da eleio do conselho tm at o dia 7 de agosto paraapresentar o formulrio de inscrio preenchido e os documentos listados em edital disponvel no site da FMC:www.pbh.gov.br/cultura

    OrigemDe acordo com o diretor de Ao Cultural da FMC,

    Rodrigo Barroso, os trs nveis de governo, desde 2003, pre-param-se para a implantao dos sistemas nacional, estaduaise municipais de cultura. Ele explica que Belo Horizonte as-sinou, em 2005, protocolo de inteno, aderindo ao siste-ma preconizado pelo Ministrio da Cultura. Esse foi o pas-so mais importante das polticas pblicas de cultura desde a

    promulgao da Constituio Federal de 1988, que consa-grou a cultura como direito de todos, afirma.

    Em 2008, foi sancionada a lei de criao do ConselhoMunicipal de Cultura, mecanismo que deu ao setor culturala oportunidade de participar das decises sobre os rumosda poltica cultural do municpio.

    Os primeiros passos para a constituio do conselhoem Belo Horizonte aconteceram em abril deste ano. Napoca, a Fundao Municipal de Cultura realizou uma reu-nio pblica, na qual foi formada uma comisso tcnicaparitria constituda por membros da sociedade civil orga-nizada e representantes da FMC. Seu objetivo era rever osdispositivos legais do Conselho Municipal de Cultura.

    Os trabalhos dessa comisso culminaram em uma se-gunda reunio pblica que definiu, por votao, a minutado novo decreto de criao do conselho, sancionada peloprefeito Marcio Lacerda em 18 de maio de 2011. Estavaaberto, assim, o caminho para a realizao das eleies doConselho Municipal de Cultura. Em junho, a Fundao Mu-nicipal de Cultura disponibilizou em seu site a minuta doedital do processo de eleio do Conselho Municipal deCultura de Belo Horizonte para uma consulta pblica. Osinteressados tiveram a chance de analis-la e sugerir mu-danas por e-mail. As contribuies resultantes da consul-ta pblica foram sistematizadas por um grupo de trabalho,sendo utilizados critrios legais para incorporar as suges-tes recebidas. O resultado desse trabalho foi apresenta-do sociedade civil durante reunio pblica, em 28 dejunho, no Teatro Marlia.

    Na mesma reunio foi designada uma comisso elei-toral formada por representantes do setor cultural e funcio-nrios da FMC para coordenar e fiscalizar o processo deeleio dos conselheiros representantes da sociedade civil.Para Marco Aurlio Ribeiro, integrante dessa comisso, o

    fato de ser um grupo paritrio d credibilidade eleio.Enquanto o poder pblico tem uma viso, a classe artsticas vezes enxerga de outra forma. Juntar esses dois pontosde vista nas discusses fundamental, afirma. Marco Au-rlio acredita que a formao do Conselho Municipal deCultura ser um ganho para a sociedade. Apesar de estar-mos apenas no incio deste processo, ele j um avanohistrico para a rea cultural, afirma.

    Entenda o ConselhoO Conselho Municipal de Cultura tem como princi-

    pal caracterstica o poder de controle sobre as aes pbli-cas, seus planos e oramentos. um rgo colegiado, decarter deliberativo e consultivo, vinculado Fundao Mu-nicipal de Cultura. Ele constitudo por 30 membros titu-lares e seus respectivos suplentes, sendo 15 representan-tes eleitos pela sociedade civil e 15 membros designadospelo poder executivo municipal. Os integrantes do conse-lho tm mandato de dois anos, sendo permitida uma ni-ca reconduo pelo mesmo perodo.

    Esse rgo tem competncia para deliberar so-bre as diretrizes gerais da poltica cultural do munic-pio, atuar em colaborao com a Fundao Municipalde Cultura na convocao e na organizao da Confe-rncia Municipal de Cultura, fiscalizar e avaliar a exe-cuo do Plano Municipal de Cultura, fiscalizar e ava-liar o cumprimento das diretrizes e dos instrumentosde financiamento da cultura, apreciar e aprovar as di-retrizes do Fundo de Projetos Culturais, bem como ela-borar e aprovar seu regimento interno.

    Gle

    nio

    Cam

    preg

    her

    Nat

    hlia

    Tur

    chet

    i

    Nat

    hlia

    Tur

    chet

    i

    Nat

    hlia

    Tur

    chet

    i

    Nat

    hlia

    Tur

    chet

    i

    Para Rodrigo Barroso, os trs nveis de governo se preparamdesde de 2003 para o sistema

    Marco Aurlio Ribeiro ressalta a credibilidade da eleiopelo fato de existirem grupos paritrios

  • BELO HORIZONTEQuarta-feira, 27 de julho de 2011Dirio Oficial do Municpio2

    Poder Executivo

    Acontece amanh mais umaapresentao do projeto Quintasda Dana. As intervenes, reali-zadas s 18h30 nos espaos aber-tos do Palcio das Artes, fazemparte das comemoraes dos 40anos da Cia. De Dana Palcio dasArtes e, desde a estreia em outu-bro do ano passado, j foram vis-tas por mais de 2.500 pessoas. Naapresentao de amanh, a baila-rina alem Christina Wohlfahrt sejunta aos integrantes da Cia. deDana Palcio das Artes em umaperformance de danas meditati-vas. O evento acontece no hall deentrada do Palcio das Artes (ave-nida Afonso Pena, 1.537, Centro),tem entrada gratuita e dura apro-ximadamente 20 minutos.

    Entre os destaques da inter-veno est a interao com o p-

    At o dia 10 de agosto a rodoviria de Belo Horizonte rece-be a exposio de pinturas tteis Anjos Mensageiros de Paz e doAmor, da artista educadora Eni DCarvalho. A mostra, que est nagaleria de arte do terminal diariamente (Praa Rio Branco, 100,Centro), das 7h s 20h, composta por obras que utilizam textu-ras, formas e relevos para estimular os sentidos dos visitantes.

    Com o lema tocar e sentir, Eni DCarvalho quebra oparadigma do no toque ao criar telas que traduzem a lingua-gem visual para a linguagem ttil. Alm disso, a mostra traz textosexplicativos em braile e oferece vendas aos visitantes visuais paraque eles possam vivenciar a experincia de um cego.

    A marca do trabalho da artista a valorizao do aspecto hu-mano atravs da incluso social dos deficientes visuais nas artes pls-ticas. Em seu currculo, constam 164 exposies individuais, no Bra-sil e no exterior. Cada obra promove um verdadeiro encontro como anjo de luz que levamos na alma e ilumina nossos passos na buscada felicidade. Olhar um anjo como comear a abrir as asas daliberdade, abraar a vida em toda a sua plenitude e semear um novotempo para a vida e para a paz em nosso planeta, disse Eni.

    A artistaEni DCarvalho nasceu em Ub, Minas Geais. Em 1996, decidiu

    dedicar-se arte e dois anos depois reafirmou seu desejo de focalizarsua obra em uma tica de respostas s necessidades detectadas nocontexto dos deficientes visuais. A grande marca do projeto da artistaeducadora a valorizao do aspecto humanstico, mediante a inclu-so social dos cegos nas artes plsticas. Dessa forma, ela reinventa acomunicao, quebra paradigmas e provoca a incluso social.

    Premiada vrias vezes no Brasil, recebeu inmeras medalhas,como a dos 80 anos de Educao em Alto Relevo do Instituto SoRafael e da Loja Manica Umbral Sagrado, entre outras. Em Portugal,na cidade de Santarm, em 2008, Eni ficou conhecida como pintorados cegos. Em novembro do mesmo ano, em Nova York, a exposiofoi instalada na entrada das delegaes das Naes Unidas (ONU).

    Bailarina alem convidadaespecial do projeto Quintas da Dana

    Mostra na rodoviriaretrata incluso social

    Exposies Outras formas, de 1 a 31 de agosto, no Cento Cultu-

    ral Jardim Guanabara (Rua Joo lvares Cabral, 277, Floramar),de tera a sexta, das 9h s 17h, e aos sbados, das 9h s 13h- Exposio do artista Joo Batista Neves que apresenta a caba-a, elemento da natureza em sua forma original, e mostra apossibilidade de transformao deste material em arte.

    Tudo Gira em Torno do Nosso Universo, de 1 a31 de agosto, no Centro Cultural Jardim Guanabara (RuaJoo lvares Cabral, 277, Floramar), de tera a sexta, das9h s 17h, e aos sbados, as 9h s 13h - Mostra de objetosproduzidos por jovens artistas, alunos do Projovem, commediao da educadora Rosy da Silva. Entre as obras estocadeiras com colagem, foto latas, camisas, planetrio, fotocolagens e caixa de som personalizadas.

    Poesia das Sombras, de 3 a 20 de agosto, no Cen-tro Cultural Padre Eustquio (Rua Jacutinga, 821, PadreEustquio), de tera a sexta, das 8h s 17h, e aos sba-dos, das 9h s 12h - Mostra da artista plstica Regina Melloque rene fotografias e vdeo, nos quais imagens de som-bras so harmonizadas com textos poticos.

    Cinema Filme no Baile, de 6 a 27 de agosto, na Casa do

    Baile (Av. Otaclio Negro de Lima, 751, Pampulha) - Dia 6 Macunama (BRA, Joaquim Pedro de Andrade, 1969),dia 13 O Homem Nu (BRA, Hugo Carvana, 1997), dia20 Lngua Vidas em Portugus (Victor Lopes) e dia 27 Literatura e Cinema Curtas-metragens.

    Confira os destaques da programao cultural de Belo Horizonte Cinema de Bolso, de 3 a 31 de agosto, no Centro

    de Cultura Belo Horizonte (Rua da Bahia, 1.149, Centro) -Dia 3 A rvore da Misria (Marcus Vilar, 1998), Vestgio(Karla Holanda, 2002) - dia 10 Cabaceiras (Ana B. Ra-mos, 200