of 7 /7
Dor pós-operatória em dentes com infecções ORIGINAL | ORIGINAL RESUMO Objetivo: Analisar a presença de dor após o tratamento endodôntico em dentes com infecções primárias, por meio de revisão sistemática. Método: Realizou-se pesquisa em fontes de catalogação bibliográfica identificadas eletronicamente por MEDLINE, a partir de 1966 até 23 de fevereiro de 2007. Como estratégia de busca, utilizaram-se os seguintes termos: endodontic(s) and pulpal pain, endodontic(s) and periapical pain, endodontic(s) and symptom, endodontic(s) and flare-ups, endodontic(s) pain and post-treatment e endodontic(s) and inter-appointment/interappointment. Resultados: Foram encontrados 351 artigos. Destes, 6 envolviam estudos epidemiológicos, 16 revisões de literatura e 55 casos clínicos. Sobre dor relacionada ao limite apical foram encontrados 10 artigos; a soluções irrigantes, 12 artigos; a medicação intracanal, 29 artigos; a obturação do canal radicular, 9 artigos; ao número de sessões, 24 artigos. Do total de estudos analisados, 9 satisfizeram aos critérios de inclusão. Conclusão: A estimativa de sucesso clínico a partir dos trabalhos avaliados evidencia que o processo de sanificação e o apropriado empre- go de medicamentos intracanal conduzem a elevada taxa de ausência de dor pós-operatória em infecções endodônticas primárias. Termos de indexação: dor; periodontite periapical; odontalgia; infecção. ABSTRACT Objective: The purpose of this assay was to evaluate longitudinal studies about the pain after endodontic treatment, with primary infection, using a systematic review. Methods: A MEDLINE search strategy was developed to identify articles using the following uniterms: endodontic(s) and pulpal pain, endodontic(s) and periapical pain, endodontic(s) and symptom, endodontic(s) and flare-ups, endodontic(s) pain and post-treatment, endodontic(s) and inter-appointment/interappointment. The search included articles from the MEDLINE (http://www.ncbi.nlm.nih.gov/ PubMed), from 1966 to 23rd February 2007. Results: 351 articles were selected (6 articles involved epidemiological studies, 16 were literature reviews; 55 case reports. Pain associated with apical limit was found in 10 articles; reference to irrigants solutions, 12 articles; to intracanal dressing, 29 articles; to root canal filling, 9 articles and to interappointment pain, 24 articles. Only 9 studies satisfied the inclusion criteria. Conclusion: From the studies evaluated, the estimated clinical success shows evidences that the sanitization process and rational use of intracanal medicaments lead to high rates of absence of post-treatment pain in primary endodontic infections. Indexing terms: pain; periapical periodontitis; toothache; infection. Post-treatment pain in teeth with primary infections Carlos ESTRELA 1 Orlando Aguirre GUEDES 2 Aldo BRUGNERA JUNIOR 3 Cyntia Rodrigues de Araújo ESTRELA 1 Jesus Djalma PÉCORA 4 RGO, Porto Alegre, v. 56, n.4, p. 353-359, out./dez. 2008 1 Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Odontologia. R. C-245, quadra 546, lote 9, Jd. América, 74290-200, Goiânia, GO, Brasil. Correspondência para / Correspondence to: C ESTRELA ([email protected]). 2 Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Odontologia. Uberlândia, MG, Brasil. 3 Universidade do Vale do Paraíba, Faculdade de Odontologia. São José dos Campos, SP, Brasil. 4 Universidade de São Paulo, Faculdade de Odontologia. Ribeirão Preto, SP, Brasil. INTRODUÇÃO A contaminação microbiana da polpa dentária é a principal responsável por agressões à região periapical. O caráter infeccioso envolvido na alteração desta região modula o diagnóstico e a opção de tratamento. Uma vez instalado o processo infeccioso, verifica-se mobilização de microrganismos em direção apical, invasão e colonização nos tecidos periapicais. Os microrganismos, com suas distintas características (estruturais, metabólicas e patogênicas), quando chegam à região periapical estimulam a resposta

Dor pós-operatória em dentes com infecções

Embed Size (px)

Text of Dor pós-operatória em dentes com infecções

  • Dor ps-operatria em dentes com infeces

    ORIGINAL | ORIGINAL

    RESUMOObjetivo: Analisar a presena de dor aps o tratamento endodntico em dentes com infeces primrias, por meio de reviso sistemtica. Mtodo: Realizou-se pesquisa em fontes de catalogao bibliogrfica identificadas eletronicamente por MEDLINE, a partir de 1966 at 23 de fevereiro de 2007. Como estratgia de busca, utilizaram-se os seguintes termos: endodontic(s) and pulpal pain, endodontic(s) and periapical pain, endodontic(s) and symptom, endodontic(s) and flare-ups, endodontic(s) pain and post-treatment e endodontic(s) and inter-appointment/interappointment. Resultados: Foram encontrados 351 artigos. Destes, 6 envolviam estudos epidemiolgicos, 16 revises de literatura e 55 casos clnicos. Sobre dor relacionada ao limite apical foram encontrados 10 artigos; a solues irrigantes, 12 artigos; a medicao intracanal, 29 artigos; a obturao do canal radicular, 9 artigos; ao nmero de sesses, 24 artigos. Do total de estudos analisados, 9 satisfizeram aos critrios de incluso.Concluso: A estimativa de sucesso clnico a partir dos trabalhos avaliados evidencia que o processo de sanificao e o apropriado empre-go de medicamentos intracanal conduzem a elevada taxa de ausncia de dor ps-operatria em infeces endodnticas primrias. Termos de indexao: dor; periodontite periapical; odontalgia; infeco.

    ABSTRACTObjective: The purpose of this assay was to evaluate longitudinal studies about the pain after endodontic treatment, with primary infection, using a systematic review. Methods: A MEDLINE search strategy was developed to identify articles using the following uniterms: endodontic(s) and pulpal pain, endodontic(s) and periapical pain, endodontic(s) and symptom, endodontic(s) and flare-ups, endodontic(s) pain and post-treatment, endodontic(s) and inter-appointment/interappointment. The search included articles from the MEDLINE (http://www.ncbi.nlm.nih.gov/PubMed), from 1966 to 23rd February 2007. Results: 351 articles were selected (6 articles involved epidemiological studies, 16 were literature reviews; 55 case reports. Pain associated with apical limit was found in 10 articles; reference to irrigants solutions, 12 articles; to intracanal dressing, 29 articles; to root canal filling, 9 articles and to interappointment pain, 24 articles. Only 9 studies satisfied the inclusion criteria.Conclusion: From the studies evaluated, the estimated clinical success shows evidences that the sanitization process and rational use of intracanal medicaments lead to high rates of absence of post-treatment pain in primary endodontic infections.Indexing terms: pain; periapical periodontitis; toothache; infection.

    Post-treatment pain in teeth with primary infections

    Carlos ESTRELA1

    Orlando Aguirre GUEDES2

    Aldo BRUGNERA JUNIOR3

    Cyntia Rodrigues de Arajo ESTRELA1

    Jesus Djalma PCORA4

    RGO, Porto Alegre, v. 56, n.4, p. 353-359, out./dez. 2008

    1 Universidade Federal de Gois, Faculdade de Odontologia. R. C-245, quadra 546, lote 9, Jd. Amrica, 74290-200, Goinia, GO, Brasil. Correspondncia para / Correspondence to: C ESTRELA ([email protected]).2 Universidade Federal de Uberlndia, Faculdade de Odontologia. Uberlndia, MG, Brasil.3 Universidade do Vale do Paraba, Faculdade de Odontologia. So Jos dos Campos, SP, Brasil.4 Universidade de So Paulo, Faculdade de Odontologia. Ribeiro Preto, SP, Brasil.

    INTRODUO

    A contaminao microbiana da polpa dentria a principal responsvel por agresses regio periapical. O carter infeccioso envolvido na alterao desta regio

    modula o diagnstico e a opo de tratamento. Uma vez instalado o processo infeccioso, verifica-se mobilizao de microrganismos em direo apical, invaso e colonizao nos tecidos periapicais. Os microrganismos, com suas distintas caractersticas (estruturais, metablicas e patognicas), quando chegam regio periapical estimulam a resposta

  • 354

    inflamatria e imunolgica. As defesas orgnicas e o grau de virulncia destes microrganismos estabelecem diversos tipos de alteraes periapicais. O desencadeamento do processo infeccioso pode estar ou no associado sintomatologia e destruio ssea apical1.

    A necrose pulpar, associada ou no rarefao ssea periapical no submetida ao tratamento endodntico, denominada infeco primria. Por sua vez, caracteriza-se por ser uma infeco polimicrobiana, com prevalncia de bactrias anaerbias Gram-negativas.

    A microbiota em dentes necrosados foi estudada por Sundqvist2 em 32 dentes originrios de traumatismos dentrios, dos quais 19 apresentavam leses periapicais de dimetros variados. O perodo entre o traumatismo dentrio e o incio do tratamento era conhecido em 28 dentes; em 18, o tempo foi de at um ano (oito dentes apresentavam leso periapical). Microrganismos foram isolados em 18 dos 19 dentes com leso periapical, e nenhum foi encontrado nos dentes que no apresentavam este tipo de leso. Um total de 88 cepas bacterianas foi isolado; quanto maior era a leso periapical, maior o nmero de microrganismos encontrados. Observou-se presena de dor periapical em sete pacientes durante o tratamento, nos quais foram isoladas seis ou mais cepas. Nos dentes assintomticos, menos cepas foram isoladas durante o tratamento. Nos dentes com quadros agudos havia maior nmero de bactrias que nos outros casos. A identificao dos microrganismos evidenciou as seguintes presenas: Eubacteriumalactolyticum,Propioniacterium acne, Bacteroidesmelaninogenicus, Campylobactersp., Fusobacterium nucleatum,Veillonela parvulla, Arachniapropionica, Peptostreptococcus anaerobius e Peptostreptococcus micros. O Bacteroidesmelaninogenicusesteve presente em todos os casos em que houve processo agudo.

    Assim, torna-se oportuno realar a participao de determinados microrganismos em distintas condies clnico-patolgicas. Em infeces associadas a necrose pulpar, a microbiota endodntica que predomina em mais de 90% de bactrias anaerbias, destacando-se os gneros Fusobacterium sp., Porphyromonas sp., Prevotella sp., Eubacterium sp. e Peptostreptococcus sp. 2-6.

    Vrios agentes injuriantes tm sido responsveis por processos de dor ps-operatria em dentes com infeces endodnticas: alterao da sndrome de adaptao local, mudanas na presso tecidual periapical, fatores microbianos, efeitos de mediadores qumicos, manifestaes nos nucleotdeos cclicos, fenmenos imunolgicos e fatores psicolgicos7.

    C. ESTRELA et al.

    Em acrscimo aos fatores microbianos inerentes s infeces endodnticas, cabe buscar respostas a questes clnicas, com base em evidncias relativas eficcia do tratamento endodntico em dentes com infeces primrias. O direcionamento est voltado efetivao de tomada de deciso em busca de um protocolo clnico. O processo de reparao tecidual tambm envolve o bem estar no transcorrer do ps-operatrio. O requerimento para sua efetivao envolve estudos longitudinais em humanos, sendo que a maior fora de evidncia vincula-se aos estudos randomizados, capazes de contextualizar uma anlise crtica dos artigos publicados.

    Um questionamento possvel determinar a freqncia de dor aps o tratamento de dentes com infeces endodnticas primrias.

    MTODOS

    A investigao foi estruturada a partir de estudos longitudinais por meio de uma reviso sistemtica quantitativa. Foram escolhidos estudos prospectivos relativos presena de dor aps o tratamento de dentes com infeces endodnticas primrias. Empregaram-se fontes de catalogao bibliogrfica identificadas eletronicamente a partir de um banco de dados, MEDLINE8, a partir de 1966 at 23 de fevereiro de 2007, e do Cochrane Library. A estratgia de busca foi o emprego dos seguintes unitermos, em vrias combinaes: endodontic(s) and pulpal pain, endodontic(s) and periapical pain, endodontic(s) and symptom, endodontic(s) and flare-ups, endodontic(s) pain and post-treatment e endodontic(s) and inter-appointment/interappointment.

    Os trabalhos selecionados foram identificados a partir dos ttulos e resumos, considerando os critrios de incluso tabulados, independentemente, por dois revisores (Quadro 1). Os artigos completos foram selecionados pelos mesmos revisores. Em casos de dvidas buscou-se o consenso.

    Para cada estudo selecionado, individualmente, foram calculadas as amostras, tabulados os dados sobre a poca do tratamento endodntico inicial, o tipo de dente utilizado no estudo, o tipo de infeco presente (estado pr-operatrio da polpa dental), o limite lateral de instrumentao, o preparo do canal radicular, as substncias qumicas auxiliares empregadas no processo de sanificao, o tempo de manuteno da medicao intracanal anterior obturao, o nmero de sesses, a tcnica, o cimento obturador e o ps-operatrio. A avaliao destes fatores combinados proporcionou um novo conjunto associado de dados.

    RGO, Porto Alegre, v. 56, n.4, p. 353-359, out./dez. 2008

  • 355

    Dor ps-tratamento endodntico

    RESULTADOS

    Foram encontrados 351 artigos; destes, 6 envolviam estudos epidemiolgicos, 16 revises de literatura e 55 casos clnicos. Dor relacionada ao limite apical foi encontrada em

    10 artigos; a solues irrigantes, em 12 artigos; a medicao intracanal, em 29 artigos; a obturao do canal radicular, em 9 artigos; ao nmero de sesses, em 24 artigos. Deste total de estudos, 9 satisfizeram aos critrios de incluso (Figura 1). Verificou-se elevado percentual de ausncia de dor ps-operatria nas infeces endodnticas primrias (> 60%).

    A Tabela 1 apresenta os estudos includos que permitiram determinar o percentual de dor aps o tratamento de dentes com infeces endodnticas primrias. Alguns aspectos essenciais ao estudo foram ponderados, entre eles: o modelo de estudo, o tamanho da amostra, o tempo decorrido do tratamento endodntico inicial at o momento da pesquisa, as condies sistmicas dos indivduos estudados, os agentes antimicrobianos avaliados e os estados ps-operatrios.

    DISCUSSO

    A manifestao de sintomas ps-operatrios pode estar relacionada a diferentes fatores de risco naturais: condies locais e sistmicas do indivduo, preparo do canal radicular, limite apical de instrumentao e de obturao, agente de irrigao, medicao intracanal, material de obturao e nmero de sesses1. A ausncia de sintomas ps-operatrios implica em importante parmetro de qualidade do tratamento endodntico, alm de vincular positivamente o nvel de conhecimento e manejo clnico profissional.

    A reviso sistemtica constitui um exemplo de estudo destinado a reunir e examinar evidncias de qualidade, dentro de um contexto ordenado e sistemtico. Um aspecto importante vincula-se a evitar distores cientficas, o que certamente influencia as tomadas de decises clnicas. O requerimento para sua efetivao inclui estudos em humanos, que buscam investigar respostas a questionamentos clnicos. A resposta dentro do contexto clnico aceitvel pode ser formulada a partir de algumas questes que envolvem um problema, a interveno (busca), a comparao e um possvel resultado.

    Indivduos diferentes submetidos a injria de mesma intensidade ou caracterstica podem exibir padres distintos de experincias de dor. O processo de dor envolve trs referenciais, entre os quais se incluem os aspectos somtico, neuroptico e psicognico1. O processo de dor complexo, de difcil tabulao. Diferentes estudos esto procura de alternativas para sedimentar condutas clnicas9-17.

    RGO, Porto Alegre, v. 56, n.4, p. 353-359, out./dez. 2008

    Quadro 1. Critrios de incluso dos estudos selecionados.

    Figura 1. Delineamento do processo de distribuio dos artigos para a reviso sistemtica.

  • 356

    Estrela et al.18 avaliaram a prevalncia de dor frente ao tratamento da inflamao periapical aguda e crnica. Foram avaliados 176 indivduos com dentes portadores de necrose pulpar, que ao exame radiogrfico apresentaram ausncia de rarefao ssea periapical, rarefao ssea difusa ou rarefao ssea circunscrita. Dos dentes analisados, 62 apresentaram-se sintomticos (dor leve, moderada ou severa), sem edema aparente, e 114 assintomticos (ausncia total de dor). Os resultados indicaram que, nas situaes de necrose pulpar com rarefao difusa e circunscrita e sintomatologia prvia, houve ausncia total de dor ps-operatria em 64,3%, 68,2% e 61,5%, respectivamente. Quando o pr-operatrio foi assintomtico, a manuteno do ps-operatrio assintomtico foi de 87%, 82,4% e 84%. O aparecimento de dor severa apresentou-se com percentual de 2%, 13,6% e 15,4%, respectivamente, de acordo

    com os aspectos radiogrficos. A prevalncia de periodontite apical sintomtica frente ao tratamento da infeco primria foi baixa; em ordem decrescente, observou-se: necrose com rarefao difusa em 8%, necrose pulpar sem rarefao em 6,5% e necrose com rarefao circunscrita em 6%.

    Os resultados desta reviso sistemtica mantm um padro de respostas similar ao obtido no estudo anteriormente descrito. Considerando a elevada estimativa de sucesso clnico, pde-se observar a partir dos trabalhos avaliados um percentual mdio de 88% de ausncia de dor ps-operatria em infeces endodnticas primrias.

    A prevalncia e os fatores de risco da periodontite apical em dentes com tratamentos endodnticos em uma subpopulao adulta do Brasil, realizados por especialistas, mostrou-se baixa (16,5%)19. Este nmero foi reduzido

    RGO, Porto Alegre, v. 56, n.4, p. 353-359, out./dez. 2008

    C. ESTRELA et al.

    Tabela 1. Estudos includos que permitiram a anlise do ndice de dor aps tratamento endodntico de dentes com infeco primria.

  • 357RGO, Porto Alegre, v. 56, n.4, p. 353-359, out./dez. 2008

    Dor ps-tratamento endodntico

    para 12,1% quando se considerou obturao e restaurao coronria adequadas. Os dentes com tratamento endodntico adequado, porm com restaurao coronria inadequada, apresentaram prevalncia de periodontite apical igual a 27,9%. A periodontite apical aumentou para 71,7% nos dentes com tratamento endodntico e restaurao coronria inadequados.

    Estrela et al.20 analisaram em 1 508 imagens a acurcia de tomografias computadorizadas cone beam (Accuitomo 3D), radiografias periapicais e panormicas na deteco da periodontite apical. Os resultados mostraram que as imagens da tomografia computadorizada cone beam apresentaram elevada acurcia, quando comparadas aos mtodos convencionais. A periodontite apical foi corretamente identificada em 54,5% dos casos usando radiografias periapicais e em 27,8% usando radiografia panormica. A acurcia das radiografias periapicais foi mais significativa do que das panormicas. A periodontite apical foi corretamente identificada com mtodos convencionais quando uma condio severa foi observada. A partir destes resultados, surge a necessidade de reviso e reflexo dos estudos epidemiolgicos que empregaram radiografias periapicais como mtodo de deteco de periodontite apical.

    A partir do total de 351 artigos identificados eletronicamente pelo MEDLINE, 9 satisfizeram os critrios de incluso9-17.

    Morse et al.17 compararam em 106 indivduos a sobre-instrumentao com a instrumentao at o limite canal-dentina-cemento em pacientes assintomticos, com necrose pulpar associada a leses periapicais. A terapia endodntica foi realizada em sesso nica. Dos 106 casos tratados, 7 (6,6%) desenvolveram flare-ups, e no foi observada diferena entre a sobre-instrumentao (7,5%) e a instrumentao intracanal (5,7%). Diferenas relacionadas idade, dentes e presena ou ausncia de doena sistmica no foram estatisticamente significativas. Em relao ao gnero, observou-se maior tendncia de flare-ups em pacientes do sexo feminino (9,8%). Em relao s diferentes categorias de radioluscncia periapical, a incidncia de flare-up esteve diretamente associada ao aumento do dimetro das leses, porm sem significncia estatstica. Edema ocorreu em 27,4% dos casos, e dor, em 43,7%. Em 21,7% dos casos, dor moderada esteve associada dor severa e 41,5% dos pacientes no apresentaram qualquer tipo de problema ps-operatrio. Exacerbaes no relacionadas a flare-ups associadas a dor leve foram observadas em 63,2% dos casos.

    Trope16 comparou a efetividade de trs medicaes intracanal sobre a incidncia de flare-ups aps a instrumentao de dentes necrosados sem sinais radiogrficos de periodontite apical. A soluo irrigadora empregada foi o hipoclorito de sdio a 0,5%. As medicaes intracanal estudadas foram: Formocresol (156 dentes), Ledermix (160 dentes) e hidrxido de clcio (158 dentes). Os pacientes receberam instrues ps-operatrias e foi prescrito 600mg de ibuprofeno para uso somente na ocorrncia de dor leve a moderada. Na presena de dor severa e/ou edema, os pacientes foram instrudos a retornar ao consultrio odontolgico. Do total da amostra, 12 flare-ups (2,53%) foram relatados; desses, 6 aconteceram em casos de retratamento endodntico e os outros 6 em dentes sem tratamento endodntico prvio. No se verificou ocorrncia de flare-up em dentes com ausncia de sinais radiogrficos de periodontite apical. Nenhuma diferena foi observada com relao aos nveis de flare-up e as trs medicaes estudadas.

    Walton & Fouad15 determinaram a incidncia total de flare-ups correlacionando-a com idade, gnero dos pacientes, diagnstico pulpar e periapical, presena de dor e seu nvel, presena e natureza do edema, uso de medicaes, condies sistmicas, teraputica endodntica adotada e grupo executor do tratamento. Os dados foram recolhidos das consultas de 946 pacientes. Identificaram-se 30 pacientes (3,17%) com flare-up. A ocorrncia dos flare-ups esteve relacionada presena de sinais e sintomas pr-operatrios, ao diagnstico do dente envolvido e dos tecidos adjacentes. As modalidades teraputicas utilizadas no influenciaram o aumento ou a diminuio dos flare-ups entre as sesses. O nico fator demogrfico relacionado ao aumento do nmero de flare-ups foi a grande ocorrncia em pacientes do gnero feminino.

    Albashaireh & Alnegrish14 observaram a existncia de diferenas nas incidncias de dores ps-operatrias aps tratamentos endodnticos em sesso nica ou em mltiplas sesses. A soluo irrigadora empregada durante o preparo foi o hipoclorito de sdio a 2,6%; nenhuma medicao intracanal foi utilizada entre as sesses. Dor entre as sesses foi registrada como ausente, leve ou moderada a severa. Dos 102 pacientes que apresentavam polpas no vitais e que receberam tratamento endodntico em sesso nica, apenas 33 apresentaram dor aps as obturaes; 113 pacientes com o mesmo status pulpar foram tratados em mltiplas sesses, e destes, 55 apresentaram dor.

    Alaam & Tinaz13 investigaram a incidncia de flare-up entre sesses em dentes sintomticos e assintomticos com polpa necrtica e avaliaram a severidade das

  • 358

    emergncias por um mtodo quantitativo, usando o ndice de flare-up. A amostra constitua-se de 474 pacientes. Nenhuma diferena significativa foi observada na incidncia de flare-ups, atribuda ao gnero e idade, dimetro da leso, uso de analgsicos e placebos e diagnstico pr-operatrio dos dentes (sintomtico ou assintomtico). Houve uma incidncia maior de flare-ups nos dentes inferiores quando comparados aos superiores.

    Siqueira et al.12 avaliaram a incidncia de dor ps-operatria aps procedimentos operatrios baseados em uma estratgia antimicrobiana em pacientes que necessitavam de retratamentos endodnticos. Os dentes foram medicados com uma pasta contendo paramonoclorofenol canforado associado ao hidrxido de clcio. Dor leve ocorreu em 10% dos casos, enquanto dor moderada ocorreu em 3,3%, e severa (flare-up), em 1,9%. Dor ps-operatria esteve significativamente associada ao tratamento de dentes com sintomatologia prvia sem leso periapical. No houve tambm diferena no que diz respeito aos ndices de dor ps-operatria entre os casos em que no havia tratamento endodntico prvio e os casos de retratamento. Dor severa ocorreu em 2% dos casos sem tratamento endodntico anterior e em 1,6% dos casos de retratamento.

    Ehrmann et al.11 investigaram a relao entre a dor ps-operatria e trs diferentes medicamentos colocados no canal radicular aps o completo preparo biomecnico do sistema de canais radiculares. A amostra do estudo foi composta de 223 dentes de 221 indivduos, diagnosticados com necrose pulpar ou periodontite apical. Todos os dentes receberam terapia endodntica convencional. Nenhuma diferena entre os grupos foi observada em relao s condies pr-operatrias (presena ou ausncia de edema, sensibilidade percusso, presena de leso periapical, tratamento prvio, presena ou ausncia de selamento coronrio e uso de medicaes sistmicas). No foi observada diferena significativa entre o grupo 2 (hidrxido de clcio) e o grupo 3 (ausncia de medicao).

    Ghoddusi et al.10 avaliaram a influncia da medicao intracanal no aumento da incidncia e da severidade da dor e edema aps tratamento endodntico em dentes com necrose pulpar em 60 pacientes. O emprego do hidrxido de clcio como medicao intracanal diminuiu a freqncia de edema, mas no afetou sua severidade. Al-Negrish & Habahbeh9 determinaram a taxa de flare-up relacionada ao tratamento endodntico de incisivos centrais superiores no-vitais assintomticos, realizado em uma ou duas sesses,

    e a possvel relao entre a dor e o nmero de sesses de tratamento. Nenhuma diferena estatstica significativa na incidncia e grau da dor ps-operatria foi encontrada entre procedimentos endodnticos de uma ou duas sesses. As taxas de flare-up ps-obturao em incisivos centrais superiores no-vitais tratados endodonticamente foram de 11,6% e 3,6% aps dois e sete dias, respectivamente.

    A determinao dos sintomas dolorosos ps-tratamento endodntico constitui um atual questionamento clnico. Em conjunto com desconforto ps-operatrio, dife-rentes conseqncias e complicaes podem estar associadas, desde uma bacteremia ou septicemia at a evoluo para quadros infecciosos mais srios, como a angina de Ludwig.

    Nos estudos includos foram identificadas diferenas apreciveis entre as metodologias empregadas, com destaque para os seguintes aspectos: os irrigantes selecionados e suas concentraes, as medicaes intracanal, a realizao ou no de patncia, o tempo de manuteno da medicao intracanal, a certificao de colocao e controle de qualidade dos medicamentos endodnticos usados. Soma-se a estes fatores que um dos elementos essenciais e determinantes em todos os estudos analisados refere-se valorizao da anamnese e exame clnico que, frente anlise crtica, mereceria maiores cuidados, especialmente quanto s condies sistmicas dos pacientes, as quais certamente poderiam influenciar nos resultados.

    CONCLUSO

    Considerando os trabalhos que satisfizeram aos critrios de incluso, verificou-se que a mdia de ausncia de dor ps-operatria em infeces endodnticas primrias foi de 88%.

    Colaboradores

    C. ESTRELA, O.A. GUEDES, A. BRUGNERA JUNIOR, C.R.A. ESTRELA e J.D. PCORA participaram do estudo na anlise dos trabalhos para a reviso sistemtica, descrio do estudo e redao final do artigo.

    RGO, Porto Alegre, v. 56, n.4, p. 353-359, out./dez. 2008

    C. ESTRELA et al.

  • 359RGO, Porto Alegre, v. 56, n.4, p. 353-359, out./dez. 2008

    Dor ps-tratamento endodntico

    REFERNCIAS

    Estrela C. Dor odontognica. So Paulo: Artes Mdicas; 1. 2001.

    Sundqvist G. Bacteriological studies of necrotic dental pulps 2. [dissertation]. Umea: University of Umea, Sweden; 1976.

    Griffee MB, Patterson SS, Miller CH, Kafrawy AH, Newton 3. CW. The relationship of Bacteroides melaninogenicus to symptoms associated with pulpal necrosis. Oral Surg Oral Med Oral Pathol. 1980; 50(5): 457-61.

    Hashioka K, Suzuki K, Yoshida T, Nakane A, Horiba N, 4. Nakamura H. Relationship between clinical symptoms and enzyme-producing bacteria isolated from infected root canals. J Endod. 1994; 20(2): 75-7.

    Sundqvist G. Associations between microbial species in 5. dental root canal infections. Oral Microbiol Immunol. 1992; 7(5): 257-62.

    Yoshida M, Fukushima H, Yamamoto K, Ogawa K, Toda 6. T, Sagawa H. Correlation between clinical symptoms and microorganisms isolated from root canals of teeth with periapical pathosis. J Endod. 1987; 13(1): 24-8.

    Seltzer S, Naidorf IJ. Flare-ups in endodontics: I. Etiological 7. factors. J Endod. 1985; 11(11): 472-8.

    Medline [homepage on the Internet]. [cited 2007 Feb 10]. 8. Available from: .

    Al-Negrish AR, Habahbeh R. Flare up rate related to root canal 9. treatment of asymptomatic pulpally necrotic central incisor teeth in patients attending a military hospital. J Dent. 2006; 34(9): 635-40.

    Ghoddusi J, Javidi M, Zarrabi MH, Bagheri H. Flare-ups 10. incidence and severity after using calcium hydroxide as intracanal dressing. N Y State Dent J. 2006; 72(4): 24-8.

    Ehrmann EH, Messer HH, Adams GG. The relationship of 11. intracanal medicaments to postoperative pain in endodontics. Int Endod J. 2003; 36(12): 868-75.

    Siqueira Jr JF, Ras IN, Favieri, Machado AG, Gahyva, Oliveira 12. JCM, et al. Incidence of postoperative pain after intracanal procedures based on an antimicrobial strategy. J Endod. 2002; 28(6): 457-60.

    Alaam T, Tinaz AC. Interappointment emergencies in teeth 13. with necrotic pulps. J Endod. 2002; 28(5): 375-7.

    Albashaireh ZS, Alnegrish AS. Postobturation pain after single- 14. and multiple-visit endodontic therapy. A prospective study. J Dent. 1998; 26(3): 227-32.

    Walton R, Fouad A. Endodontic interappointment flare-ups: 15. a prospective study of incidence and related factors. J Endod. 1992; 18(4): 172-7.

    Trope M. Relationship of intracanal medicaments to endodontic 16. flare-ups. Endod Dent Traumatol. 1990; 6(5): 226-9.

    Morse DR. Endodontic flare-ups: prevention and treatment. 17. Hawaii Dent J. 1987; 18(11): 10-3, 24, 26.

    Estrela C, Csar OVS, Sydney GB, Lopes HP, Pesce HF. 18. Incidncia de dor frente ao tratamento da inflamao periapical aguda e crnica. Rev Bras Odontol. 1996; 53(4): 1-25.

    Estrela C, Leles CR, Hollanda ACB, Moura MS, Pcora 19. JD. Prevalence and risk factors of apical periodontitis in endodontically treated teeth in a selected population of brazilian adults. Braz Dent J. 2008; 19(1): 34-9.

    Estrela C, Bueno MR, Leles CR, Azevedo BC, Azevedo JR. 20. Accuracy of cone beam computed tomography and panoramic and periapical radiographiy for detection of apical periodontitis. J Endod. 2008; 34(3): 273-9.

    Recebido em: 28/1/2008Aprovado em: 16/4/2008