ECO Curitiba 157

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Confira as notícias desta sexta-feira!

Text of ECO Curitiba 157

  • ECO CuritibaCuritiba, 31 de outubro a 03 de novembro de 2014 | Ano II | Edio 157 | www.leiaeco.com.br facebook.com/leiaeco

    Paloma Bernardi: no acho que sou uma mulher fatal, mas posso ser

    no escuro loja inova e faz promoo muito diferente

    modaPatchwork das passarelas ao designde interiores

    Pg. 14

    Pg. 15

    Pg. 04

    Cruzeiros temticos so atrao da

    temporadaPg. 07

    Jos Cruz/ABr

    Vacinao contra plio e sarampo comea dia 8A estimativa vacinar 10,9 milhes de crianas. Sero distribudas 12,5 milhes de doses da vacina trplice viral, que protege tambm contra a caxumba e a rubola. E outra vacina contra a poliomielite. Confira na pg. 06

  • paran02 Curitiba, 31 de outubro a 03 de novembro de 2014www.leiaeco.com.brEco Curitiba

    Eco Curitiba

    Circulao de 18.000 exemplares todas as

    teras e sextas-feiras.

    DEPARTAMENTO COMERCIAL

    Pierpaolo Nota - Curitiba e Regio MetropolitanaFone: 41 9974-3311 / E-mail: pier@leiaeco.com.br

    Flavio Machado - Costa Esmeralda/SCFone: 47 9942 0128 / E-mail: flaviomach@gmail.com

    Tiragem e circulao auditadas.

    Nelson Ferrinelson@ferriadutoria.com.brF

    Diretor-ExecutivoPierpaolo Nota | pier@leiaeco.com.br

    Editor-ChefeEliseu Tisato | pauta@leiaeco.com.br

    Os artigos, colunas e espaos assinados no refletem necessariamente a opinio do jornal.

    Correspondncias:Rua Pres. Epitcio Pessoa, 158, Tarum - Curitiba - PR - CEP 82.530-270

    Eco Central uma publicao da Editora Eco Central Ltda.

    EDUCAO Rodoviria deve ter26,5 mil embarques

    Cidades do interior do Paran so o principal destino dos cerca de 26,5 mil passageiros que devero viajar para o Dia de Finados. A expectativa da Urbs Urbanizao de Curitiba S/A, que administra o terminal. A previso de que nos dois dias, 900 nibus deixem a rodoviria.

    O nmero de coletivos e passagei-ros 20% maior que o registrado no feriado de Finados de 2013, quando 22 mil pessoas deixaram a cidade em 927 nibus

    Alm do interior paranaense, Santa Catarina o endereo mais procurado por at 20% dos viajantes, enquanto as

    praias do Paran recebero em mdia 15% de quem viaja. J a capital pau-lista e cidades prximas so destino de 12% dos passageiros. Em menor nmero, os destinos so o Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro.

    MENOREsAo viajar na companhia de menores,

    o passageiro deve se informar e obte a autorizao para viagens na Vara da Infncia e da Juventude, que fica na Avenida Iguau, 750, entre as ruas Alferes ngelo Sampaio e Desembar-gador Westphalen, no Rebouas, O telefone 3223-4672.

    Famlias testam novo sistema construtivo em casas na Cidade Industrial

    Quatro famlias que viviam em si-tuao de risco receberam as chaves de suas novas casas ontem, na Cidade Industrial de Curitiba. So moradias construdas com um novo sistema construtivo que garante maior agi-lidade na produo. As casas foram doadas por uma empresa privada para avaliao da aplicao do novo mtodo no setor de habitao de in-teresse social. A entrega das unidades contou com a presena do prefeito Gustavo Fruet.

    Estamos em busca de novas tec-nologias que possam aumentar a agilidade na construo de casas populares. Pelo que podemos ver so casas construdas rapidamente e com pouca gerao de impactos ambientais. Aps a ocupao por parte das fam-lias, faremos uma avaliao sobre a

    habitabilidade das moradias, afirma o prefeito.

    Sem utilizar tijolos nem cimento, as casas erguidas pelo novo sistema so compostas por painis feitos de fibra de vidro, resinas epxicas e polisocia-nurato, confeccionados na indstria e levados prontos para o canteiro de obras. De acordo com a equipe da em-presa, a combinao dos materiais foi amplamente testada, com aprovao da sua eficincia. A tecnologia, indita no Brasil, permite que uma casa seja contruda em 48 horas. As famlias no pagaro pelas construes, apenas pelos terrenos.

    As moradias foram doadas pela IT Sistemas Construtivos, que a deten-tora da patente da tecnlogia. A empre-sa ficar responsvel por acompanhar de perto a situao das casas aps a

    mudana das famlias.Os moradores atendidos faziam

    parte do chamado cadastro emergen-cial do servio social da Companhia de Habitao Popular de Curitiba (Cohab), que abrange situaes de risco fsico ou social em que neces-srio atendimento mais gil. Os casos emergenciais podem ser encaminha-dos por outros rgos da Prefeitura, como as Administraes Regionais e a Fundao de Ao Social, ou o que muito comum pelo Ministrio Pblico.

    A famlia de Mayra Silva de Amaral, de 24 anos, vai deixar de morar de favor no terreno cedido pela me, no Alto Boqueiro. Mayra, o marido Ever-ton, de 27 anos, e a filha Mayane, de 3 anos, estavam contando as horas para realizar o sonho da casa prpria.

    Restrio pesca de espcies nativas comea neste sbado

    A partir desse s-bado (1), at 28 de fevereiro de 2015, a pesca de todas as espcies nativas fica restrita nos rios e re-servatrios do Paran. A restrio acontece porque nesse pero-do, conhecido como piracema, ocorre a reproduo e desova dos peixes em rios e reservatrios.

    A restrio instru-da pelo Instituto Brasi-leiro de Meio Ambien-te e Recursos Hdricos (Ibama), por meio da Instruo Normativa n 25/2009 e refor-ada no estado pela portaria n242/2011, do Instituto Ambiental do Paran (IAP).

    Entre as espcies

    que esto protegidas por essa restrio es-to: Bagre, o Pintado, o Lambari, o Dourado e o Ja. A pesca fica permitida apenas para as espcies exticas, como por exemplo a Carpa, a Tilpia, o Tu-cunar, o Apaiari e entre outras.

    Durante esse pe-rodo, fiscais do IAP e a Polcia Ambiental reforaro as aes de fiscalizao em locais onde historicamente h concentrao de pescadores e registros de pesca predatria e infraes ambientais.

    Alm desses locais, o transporte e a co-mercializao de pes-cados tambm sero fiscalizados.

  • !

    "

    #$$%"&&'%

    ()*++,-$./0)*-0+.)*)+

    111

    Curitiba, 31 de outubro a 03 de novembro de 2014www.leiaeco.com.br Eco Curitiba03

    economia

    Vacinao contra a pliomielite comea no dia 8 de novembroA campanha de vacinao contra a poliomielite e o sa-rampo comea no prximo dia 8 e segue at 28 de novembro. Os sbados 8 e 22 sero os dias de mobilizao nacional, quando postos de todo pas ficam abertos para intensificar a campanha.

    No caso da poliomielite, tam-bm conhecida como paralisia infantil, a populao-alvo inclui crianas a partir de 6 meses at 5 anos incompletos. A expectati-va do governo vacinar mais de 12,7 milhes de crianas em todo o pas. Sero distribudas 17,8 milhes de doses orais (vacina em gotas). O ministrio, no entanto, recomenda a vacina injetvel para as crianas acima de 6 meses que esto com o esquema de vacina-

    o atrasado.J na imunizao contra

    o sarampo, a faixa etria do pblico-alvo a partir de 1 ano at 5 anos incompletos. A esti-mativa vacinar 10,9 milhes de crianas. Sero distribudas 12,5 milhes de doses da vacina trplice viral, que protege tam-bm contra a caxumba e a rub-ola. A campanha, considerada de seguimento, realizada a cada cinco anos e foi antecipada este ano no Cear e em Pernambuco em razo de casos identificados em ambos os estados em 2013 e 2014.

    O secretrio de Vigilncia em Sade, Jarbas Barbosa, destacou que as vacinas so seguras e recomendadas pela Organizao

    Mundial da Sade. No caso da vacina oral e da vacina injetvel contra o sarampo, as reaes so consideradas raras e, no caso da dose contra a plio, as reaes incluem febre ou dor no local da aplicao.

    No podemos ter nenhuma dvida sobre a necessidade de se manter a populao protegida, disse Jarbas. Mais de 100 mil postos de sade, 350 mil profis-sionais e 42 mil veculos (terres-tres, martimos e fluviais) devem integrar a campanha este ano.

    O Brasil considerado livre da poliomielite desde 1990. Em 1994, recebeu da Organizao Pan-americana de Sade a certi-ficao de rea livre de circulao do vrus.

    Muitas pessoas gostariam de ajudar a salvar animais ameaados de extino e no sabem exatamente o que fazer. O Projeto Onafari encontrou uma soluo bem simples e til. Para auxiliar a conservar a ona pintada, o terceiro maior felino do mundo (somente tigre e leo a superam) foi criado esse trabalho que tem como ob-jetivo principal habituar as onas pintadas do Pantanal a veculos com turistas.

    Com essa proximidade, sempre acompanhada por guias e bilogos especializa-dos, o animal valorizado e passa a valer mais vivo do que morto. No Pantanal a ona pintada muitas vezes vista com maus olhos pelos proprietrios de terra, que vez por outra, decidem ca-la em retaliao perda do rebanho apesar de sua caa ser proibida no Brasil. Ao

    se estimular o ecoturismo, ganha a conservao, ganha a natureza, que v esses belssimos animais ajudando no equilbrio ambiental, os proprietrios de terras, que exploram o ecoturismo e tem nele uma fonte alternativa de renda, e as comunidades que moram nas redondezas, pois acabam por conseguir trabalhos, para homens e mulheres, mais bem remune-rados e especializados do que na pecuria.

    O apoio ao Projeto Ona-fari pode ser feito atravs do http://www.kickante.com.br/oncafari e d direito de receber em casa um calendrio de 2015 com fotos de vrios animais habituados ao redor do mundo. Animais esses que serviram de inspirao para criar o Projeto Onafari. O calendrio de 28 pginas feito com papel de embalagens recicladas Tetra Pak e mede 22 x 15cm.

    Apoie o Projeto Onafarie receba calendrios

  • 04 Curitiba, 31 de outubro a 03 de novembro de 2014www.leiaeco.com.brEco Curitiba moda

    Fabola MonteiroE-mail: contato@fabiolamonteiro.com.br

    Fabola Monteiro consultora de Imagem e Moda, sendo formada em Consultoria de Imagem e Marketing de Moda. Guaduada em Direito, Fabola redescobriu seu amor de infncia pela moda e passou a se dedicar exclusivamente esse universo