Edição 199

  • Published on
    26-Mar-2016

  • View
    250

  • Download
    22

Embed Size (px)

DESCRIPTION

De 09 a 15 de setembro de 2011

Transcript

<ul><li><p>09 a 15 de setembro de 20112 - /GERAL</p><p>Diretor: Srgio Dal Gallo</p><p>Jornalista Responsvel: Dimas Rodrigues DRT 3023-PR</p><p>Departamento Jurdico: Dra. Daniele Silvia de Oliveira - OAB-PR 44453</p><p>Jornal A Semana MetropolitanaAv. Brasil, 1890 - Sobrado 01</p><p>Eucaliptos - Fazenda Rio GrandeFone: (41) 3627-1997 / 9162-6192</p><p>jornal@asemananews.com.brasemanametropolitana@gmail.com</p><p>www.asemananews.com.br</p><p>Os artigos assinados no expressam necessariamente a opinio do jornal, sendo de total responsabilidade de seus autores.O jornal no se responsabiliza pelo contedo publicitrio dos anncios veiculados.</p><p>Fonte: www.simepar.br</p><p>Jornal A SEMANA LtdaCNPJ: 08.707.885/0001-75</p><p>Tiragem: 20 mil/ms</p><p>Impresso: Editora O Estado do Paran S/A</p><p>O jornal distribudo na RMC</p><p>Disse Jesus: Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ningum vai ao Pai seno por Mim. (Joo 14:6)</p><p> Sexta Sbado Domingo Segunda Tera</p><p>Fazenda Rio Grande, Curitiba, Araucria, So Jos dos Pinhais,Piraquara, Pinhais, Quatro Barras, Mandirituba, Quitandinha, Campo do</p><p>Tenente, Agudos do Sul, Pin, Tijucas do Sul, Campo Largo, CampoMagro, Rio Branco do Sul, Itaperuu, Almirante Tamandar e Colombo</p><p>DATAS E FATOS</p><p>EXPEDIENTE</p><p>www.asemananews.com.br</p><p>Muitas nuvens</p><p>Mx.19 - Mn. 12</p><p>Nublado passando aparcialmente nublado</p><p>Mx.18 - Mn. 11</p><p>Pancadas de chuvas</p><p>Mx.22 - Mn. 12</p><p>Pancadas de chuvas</p><p>Mx.20 - Mn. 11</p><p>A visita</p><p>REFLEXO</p><p>Participe desta pgina, enviando sua piada ou meditao</p><p>para o e-mail: asemanametropolitana@gmail.com</p><p>PIADAS</p><p>Ser que valeu a pena?EDITORIAL</p><p>09/09/1945 - Foi encontrado o primeiro bug de computador.Neste caso, tratava-se de um inseto de verdade: uma mariposaque entrou nos circuitos de um computador da Universidade deHarvard.</p><p>10/09/1935 - A rdio americana NBC passou a transmitir oprograma Popeye, inspirado nos quadrinhos do personagem.</p><p>11/09/2001 - Quatro avies foram seqestrados por terroris-tas afegos nos Estados Unidos. Dois deles foram lanados contraas torres gmeas do World Trade Center, em Nova York, queacabou desabando. Morreram 2.801 pessoas.</p><p>12/09/1997 - O cantor sertanejo Joo Paulo, que fazia duplacom Daniel, morreu aos 37 anos em um acidente na Rodovia dosBandeirantes.</p><p>13/09/1966 - O Fundo de Garantia por Tempo de Servio(FGTS) foi institudo por Roberto Campos, ministro do Planeja-mento do governo militar.</p><p>14/09/1927 - A bailarina americana Isadora Duncan morreuaos 50 anos em Nice, na Frana. Ela foi enforcada por um vu queenroscou no pneu do carro conversvel.</p><p>15/09/1971 - Hippies fundaram o Greenpeace, no Canad.No mesmo dia, partiram para a primeira misso: impedir testesnucleares em Amchitka.</p><p>Um argentino e um brasileiro encontraram uma lmpadamgica no deserto e a esfregaram, at aparecer o gnio. Ele disse:</p><p>- Vocs agora so os meus amos! Cada um de vocs temdireito a um pedido.</p><p>O argentino disse:- Eu quero que voc faa aparecer um muro bem alto em</p><p>volta da Argentina, para que nada possa entrar, nem sair. A Argen-tina vai se tornar o pas mais rico do mundo, pois ningum vaipoder entrar para cobrar a dvida, e o povo argentino nunca maisvai passar fome!</p><p>E o gnio:-Que assim seja!E, ento, apareceu o muro.- a sua vez, brasileiro! - Disse o gnio.O brasileiro perguntou:- Tem certeza que ningum pode sair de l?- Absoluta! - Responde o gnio.- Ento enche aquilo de gua!</p><p>***O caipira chega do interior diz ao taxista para lev-lo, da esta-</p><p>o da luz at a Lapa. O taxista muito educado, pergunta ao caipira:O senhor quer que pegue o minhoco? O caipira prontamenteresponde: Se conseguir dirigir com uma mo s pode pegar.</p><p>*** Manuel, eu estou com uma vontade enorme de comer</p><p>essa manga! Sobe ali no p e veja se ela esta madura!-Esta certo!O portugus subiu e apalpou:-Sim, esta madura!-Agora desce para ns tentarmos derrub-la com uma</p><p>pedra!</p><p>Ruth olhou em sua caixa de correio, mas s havia uma carta.Pegou-a e olhou-a antes de abri-la. Observando-a percebeu queno havia selo nem marcas do correio, somente seu nome eendereo. Ela decidiu ler a carta:</p><p>Querida Ruth. Estarei prximo de sua casa, no sbado tarde, e passarei para visit-la. Com amor, Jesus.</p><p>As mos da mulher tremiam quando colocou a carta sobre a mesa.- Por que o Senhor vai querer visitar-me? No sou ningum</p><p>especial, no tenho nada para oferecer-lhe... Preocupada, Ruthrecordou o vazio reinante nas estantes de sua cozinha.</p><p>- Ai, no! No tenho nada para oferecer-lhe. Terei que ir aomercado e comprar alguma coisa para o jantar.</p><p>Ruth tinha apenas US 5,40, mas resolveu comprar po e maisalguma coisa para receber o Senhor. Colocou um abrigo e se apres-sou em sair. Um po francs, um pouco de peru e uma caixa deleite... Ruth ficou somente com US 0,12 que deveriam durar at asegunda-feira. Mesmo assim sentiu-se bem e saiu a caminho decasa, com sua humilde compra debaixo de um dos braos.</p><p>- Ol, senhora, pode nos ajudar?Ruth estava to distrada pensando no jantar, que no viu as</p><p>duas pessoas que estavam em p no corredor. Um homem euma mulher, os dois vestidos com pouco mais que farrapos.</p><p>- Olhe senhora, no tenho emprego. Minha mulher e eu temosvivido ali fora na rua. Est fazendo frio e estamos sentindo fome. Sea senhora pudesse nos ajudar, ficaramos muito agradecidos...</p><p>Ruth olhou para eles com mais cuidado. Estavam sujos etinham mau cheiro e, francamente, ela estava segura de que elespoderiam conseguir algum emprego se realmente quisessem.</p><p>- Senhor, eu queria ajudar, mas eu mesma sou uma mulherpobre. Tudo que tenho so umas fatias de po, mas receberei umhspede importante esta noite e planejava servir isso a Ele.</p><p>- Sim senhora, entendo... De qualquer maneira, obrigado -respondeu o homem.</p><p>O pobre homem colocou o brao em volta dos ombros damulher e os dois se dirigiram para a sada quando Ruth sentiu umforte pulsar em seu corao.</p><p>- Senhor, espere!O casal parou e voltou a medida que Ruth corria para eles e</p><p>os alcanava na rua.- Olhem, querem aceitar este lanche? Conseguirei algo para</p><p>servir ao meu convidado - dizia Ruth, enquanto estendia a mo,com o pacote do lanche.</p><p>Foi a que Ruth pde perceber que a mulher tremia de frio.- Sabe, tenho outro casaco em minha casa, tome este - ofere-</p><p>ceu Ruth desabotoando o prprio casaco e colocando sobre osombros da mulher.</p><p>- Obrigado, senhora, muito obrigado - despediu-se, agradeci-do, o casal.</p><p>Ruth sorrindo, voltou a caminho de casa. Estava tremendo defrio quando chegou porta de casa. Agora no tinha nada paraoferecer ao Senhor.</p><p>Procurou a chave rapidamente na bolsa, enquanto notavaoutra carta na caixa de correio.</p><p>- Que raro, o carteiro nunca vem duas vezes em um dia -pensou. Ela ento apanhou a carta e abriu-a:</p><p>Querida Ruth. Foi bom v-la novamente. Obrigado pelo deli-cioso lanche e pelo esplndido casaco. Com amor, Jesus."</p><p>Nem sempre Deus chega aos momentos em que a gentequer, mas ELE nunca chega atrasado!</p><p>Um dia voc ver que no valeu a pena tanta correria paraganhar dinheiro e no usufruir. No usufruir onde? Curtindoseus familiares, que aps Deus quem voc deve amar mais eno queles que se dizem seus amigos, que ao invs de lheoferecerem descanso por muitas vezes lhe do dor de cabea.</p><p>Diariamente vemos pessoas correndo de um lado para ooutro, a p, de carro, buscando cumprir horrios sabe-se lpara que finalidade. s vezes a correria passa a fazer parte denossas vidas e a incorporamos sem necessidade. Andamos de-pressa, dirigimos correndo, comemos correndo, no desfruta-mos da companhia das pessoas que amamos porque estamosmuito ocupados. Mas ser que vale a pena a vida da forma quetens a levado, com tantas correrias? Logo observars que otempo passou e o cansao tomou conta do seu corpo. Logo verque, mesmo rodeado de muita gente se sentir s, isto se omotivo de sua fadiga no for isso.</p><p> Um dia desses voc se recolher em seu quarto e tervontade de abraar o travesseiro, porque no sobrou ningumpara abraar nem mesmo os seus, pois enquanto os trocou pelacorreria, nesta mesma roda da vida eles arrumaram outros afa-zeres, outras correrias. Oxal a vida deles no diferente dasua.</p><p>Nobrssimo leitor, em pouco voc no ser mais dono dotempo que dizem ser seu.</p><p> impressionante como as coisas no mundo voam, mudam ea cada dia que passa ns paramos para pensar se valeu apena. E eu fico pensando: ser que ao invs de ter aplicadotanto tempo a um trabalho no poderia ter arriscado mais? Apro-veitado mais os minutos, segundos da minha vida! So pergun-tas como estas que ao final de cada dia encontramos nos lbiosdaqueles que do o seu tudo em troca muitas vezes do nada. tempo de parar e refletir se tudo isso que vivemos realmente valea pena. E isto muito comum acontecer quando estamos em umvelrio de um amigo que perdemos muitas vezes por motivosbanais. Nestes momentos perguntamos se a correria do dia a diavale realmente a pena. Nos dias subseqentes a eventos comotal passamos por uma verdadeira reflexo. Ser que vale tudoque eu tenho feito? A maneira em que tenho vivido tem valido apena?</p><p>Norteio estas palavras novamente a vocs especiais leito-res de todas as semanas. Logo voc mesmo ver que o seucarro to sonhado j deixou de ser um conforto e se tornou umproblema. O telefone lhe chateia, a gravata incomoda, aquilo queera um adereo necessrio para a sua vestimenta do seu dia adia hoje j insuportvel. Por mais que voc tente se livrar detudo isso ver que ainda um escravo e continua sendo inveja-do por muitos.</p><p>Espero que obtenha a glria de alcanar o dia em que dirque no valeu a pena os anos sem frias, sem descanso. Vai verque no tem mais iluses e a esperana anda com vontade dedormir. No quero que como muitos vejam um dia que passoupela vida sem viver, freqentou o mundo sem saber por que,rodou, rodou, rodou e no saiu do lugar. Pensou que havia ido,porm ficou no mesmo lugar. Teve tudo e no sentiu o verdadei-ro valor de nada. Espero, ainda, que nesta vida voc observeque o tempo escoa to rpido como a areia fina pelos seusdedos. Espero que voc veja que resta apenas gritar: "Chega-aaaaa!"</p><p>A sim ver que hora de sorrir, de amar, de se dar a famlia,de misturar-se com as crianas e dar a mo ao prximo, antesque seja tarde demais. Digo lhe mais: disponibilize tempo para ospresentes que Deus lhe deu, tais como a sua mulher, seus filhos,seus parentes e ainda seus amigos...</p><p>Neste momento ver que no vale a pena voc ter dinheiro,sucesso, riquezas se no tiver pessoas para compartilhar desuas alegrias. D valor e respeite as coisas mais queridas aoseu corao, apegue-se a elas como a prpria vida, pois semelas a vida carece de sentido. Enfim, viva um dia de cada vez.Viva como se fosse o ltimo, como se Jesus fosse voltar amanhe lembre-se que o tempo algo que no volta mais...</p><p>Antes mesmo da nossa existncia Deus j havia dito: Poisque aproveitar o homem se ganhar o mundo inteiro e perder asua alma? Ou que dar o homem em troca da sua alma? Porqueo Filho do Homem h de vir na glria de seu Pai, com os seusanjos, e, ento, retribuir a cada um conforme as suas obras.(Mateus 16:24-27 RA).</p><p>Pense nisso, mas pense agora!Ainda h tempo, DEUS est contigo neste momento. No</p><p>caminhe sozinho, no vale a pena...</p><p>Nublado</p><p>Mx.19 - Mn. 11</p></li><li><p>09 a 15 de setembro de 2011 DESTAQUE / - 3www.asemananews.com.br</p><p>Alerta a populao sobre a poltica de resduos slidos</p><p>Fernando Camargo - VicePresidente do PartidoVerde de Fazenda Rio</p><p>Grande/Pr.</p><p>Como de costume, esempre tratando aqui nesteespao sobre o meio ambi-ente ecologicamente susten-tvel no poderamos de dei-xar de alertar a populao fa-zendense da importncia dotema, como devemos agirpara minimizar e sobretudo,de quem devemos cobrartais medidas.</p><p>Em se tratando de aterrosanitrio existe um Plano deRegionalizao dos ResduosSlidos no Paran. A Poltica</p><p>Nacional de Resduos Slidos(PNRS) rene o conjunto deprincpios, objetivos, instru-mentos, diretrizes, metas eaes adotados pelo GovernoFederal, isoladamente ou emregime de cooperao comEstados, Distrito Federal, mu-nicpios ou particulares, comvistas gesto integrada e aogerenciamento ambientalmen-te adequado.</p><p>A Lei Federal n 12.305, deagosto de 2010, instituiu a Polti-ca Nacional de Resduos Sli-</p><p>dos. Tal poltica trata de temasvariados como rea contami-nada, ciclo de vida do produto,coleta seletiva, destinao finalambientalmente adequada, ge-renciamento de resduos, reci-clagem, responsabilidade com-partilhada, reutilizao e servi-o pblico de limpeza urbana.E um dos principais focos gerar trabalho, emprego e ren-da, por meio da incluso socialde catadores de materiais reuti-lizveis e reciclveis nas aesque envolvam a responsabili-</p><p>Infarto Agudo do Miocrdio: fatalidade ou escolha?</p><p>dade compartilhada, assimcomo minimizar os impactosprovocados pela disposioinadequada dos resduos.</p><p>No Paran, a Poltica Es-tadual de Resduos Slidos tercomo base a legislao nacio-nal, promulgada em 2010, queestabelece a logstica reversa eresponsabiliza o poder pblicopela realizao de planos parao gerenciamento do lixo.</p><p>A elaborao de um PlanoMunicipal de Gesto Integradade Resduos Slidos condi-</p><p>o para os municpios teremacesso recursos da Unio,ou por ela controlados destina-dos a empreendimentos e ser-vios relacionados limpezaurbana e ao manejo de resdu-os slidos, ou para serem be-neficiados por incentivos ou fi-nanciamentos de entidades fe-derais de crdito ou fomentopara tal finalidade. O homempagar um alto preo, casono aplique esses planos paracom o meio ambiente de suasregies.</p><p>Dr. Paulo Paim</p><p>Os sintomas nem sempreso avisos de que algo graveest acontecendo. Uma dorzi-nha no peito, leve dormncia nobrao, uma tosse seca, o hlitoestranho e de repente, tudo ficaescuro... Esses, entre outrossinais, avisam que a pessoapode estar sofrendo de um malque ocorre no Brasil, aproxima-damente 400 mil vezes duranteo ano: o infarto. Infelizmente, htodos os dias relatos de conhe-cidos, ou mesmo de pessoasmuito prximas, familiares, ami-gos que tiveram um "enfarte".Alguns no tiveram sorte, outrospassaram a beira do abismodevido a esta terrvel e temidapatologia e voltaram para contarsuas amargas experincias depavor nos leitos de UTI (Unida-de de Terapia Intensiva) de hos-pitais especializados. Esta expe-rincia acontece todos os dias,e com certeza no estamos isen-tos de tal "azar". Azar?</p><p> O Infarto Agudo de Mio-crdio (IAM) representa umgrande problema de sade pu-blica nas ultimas dcadas emtodo o mundo. Nos EstadosUnidos, ocorrem cerca de 1,5milho de infartos ao ano, empessoas com mais de 45 anose menos de 65 anos. Cerca de500 mil destas pessoas morreme 650 mil, com diferentes trata-mentos institudos, recuperam-se parcialmente. O pas gastacerca de 75 bilhes de dlaresanuais, somente no tratamentode pacientes com doenas dasartrias coronrias, sem menci-onar o tratamento das complica-es decorrentes do IAM.</p><p>No Brasil, estima-se que oinfarto do miocrdio respons-vel por mais de 25% das mor-tes por problemas de sade noBrasil. Infelizmente, no h da-dos confiveis sobre o montantede investimentos no manuseiodesta patologia no Brasil.</p><p>Na gnese do IAM estoenvolvidas caractersticas gen-ticas hereditrias e hbitos ali-mentares e comportamentais.O que muitas pessoas nemquerem saber...</p></li></ul>