Edição nº 260 17.10.2015

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

Text of Edição nº 260 17.10.2015

  • SBADO de outubro de 2015facebook.com/folhavaleverdefolhavaleverde@gmail.com17

    EDIO

    N260

    Entrada Gratuita

    De 22 a 25 de outubro,Assis Chateaubriand estar em festa

    Expo Assis 2015

    Como apoio campanha contra o cncer de mama, o ms de outubro tambm rosa na Folha Vale Verde

  • 02 Folha Vale Verde 17 de outubro de 2015

    folhavaleverde@gmail.comAcesse o per l da Folha Vale Verdewww.facebook.com/folhavaleverde

    Diretora Geral: Helena Miura da CostaEsporte: Benedito Leal da SilvaDiagramao: Bruno CavalherImpresso: Gr ca Imprevale - Palotina/PR

    Folha Vale Verde Ltda CNPJ: 09.198.622/0001-40

    Folha Vale Verde

    Rua Goinia, 92 | AltosAssis Chateaubriand -PR

    Expediente

    (44) 3528-2919Entre em contato com a redao:

    Editorial

    OutubroRosa: ns apoiamos essa causa

    Quando se trata de sade, a preveno , sem dvi-das, sempre a melhor escolha. J que outubro o ms rosa, tendo em vista a especial campanha anual de preveno ao cncer de mama, a Folha Vale Verde e a Rdio Vale Verde se uniram causa. E para incentivar ainda mais a preveno, pesquisamos dicas importan-tes que podem ajudar as mulheres a prevenir o cncer de mama.

    Uma boa e saudvel alimentao importante quan-do o assunto preveno ao cncer de mama. O card-pio deve ser variado, colorido e equilibrado, contando com a presena de frutas, legumes, verduras, cereais integrais e feijes, pois esses alimentos auxiliam na proteo do organismo. A prtica de atividades fsicas tambm ajuda a prevenir o cncer de mama. Os exerc-cios mantm o corpo em movimento e combate a obe-sidade, que um dos fatores responsveis do cncer de mama. A mamografia importante na preveno ao cncer de mama. Recomenda-se que todas as mu-lheres, a partir dos 40 anos, faam esses exames anu-almente de acordo com a orientao do seu mdico de confiana.

    A cura do cncer de mama depende da deteco precoce da doena. O autoexame das mamas para ve-rificar qualquer irregularidade muito fcil, a mulher precisa prestar ateno se h alguma deformao ou alterao no formato da mamas, e verificar sempre se h a presena de algum ndulo ou caroo. Com infor-mao e tratamento adequado, o cncer de mama tem chances de cura.

    Quando leio a Histria da F e das Religies no Mundo - e ultimamente li seis livros de autores srios e respeitados - entre eles Karen Armstrong, Ge-rald Messadier, Justo Gonzles, percebo o lado bonito e o lado tenebroso das religies e das igrejas. Houve os santos e os l-cidos e os que foram longe de-mais na sua f. um erro achar que a f no tem limites. Tem que ter. Se no tiver, acabar como o avio com excesso de combustvel. Explode ou torna-se incontrolvel.

    o controle do fogo que tornou possvel o carro, o barco a motor, o avio, o fogo a gs. Fogo demais foi sempre causa de desastre. F em excesso como luz na cara: deixa cego. Ou como fogo demais nas tur-binas: o avio se descontrola, o barco explode. O mal do fanti-co encantar-se de tal maneira com a luz que diz ter recebido, que sai por a, cego de tanta luz que viu e desesperado para jo-gar seu holofote na cara dos ou-tros. Ou age como o sujeito que corrigiu a sua miopia com deter-minadas lentes e agora quer que todo mundo use os seus culos. No se d conta de que o que aparentemente o ajudou a ver melhor pode no ajudar o outro.

    Fantico vem do grego. A raiz da palavra usada para o verbo mostrar, ou para farol, tocha, archote. De repente ele, que vivia no escuro, agora anda

    O bule e o caf

    ( ) Escrever a palavra super-interessante com hfen.( ) Escrever a palavra superinteressante sem hfen.

    fcil. Escrevemos superinteressante sem hfen porque o pre- xo super termina em r e a palavra interessante comea com i. Quando o pre xo termina com a letra diferente do que se inicia a outra palavra, como autoescola, auto termina em o e escola comea com e, no se usa o hfen. Outro exemplo a palavra intermunicipal, escrito sem hfen porque inter pre xo terminado em r e a palavra municipal inicia com m. No se usa o hfen se o pre xo terminar com letra diferente do que se inicia a outra palavra como em superinteressante.

    de archote ou de lanterna salva-dora em punho e a en a na cara de todo mundo, na suposio de que os outros ainda esto nas trevas e precisam conhecer a verdade que ele conhece.

    Era muito mal educada aquela senhora que aprendera a melhor receita de todos os tempos e agora en ava os pe-daos do bolo daquela receita na boca de todo mundo porque todos tinham que experimentar o que para ela era paraso. Um dia, uma senhora to mal educada quanto ela, en ou-lhe nos olhos a receita de pat com pimenta que trouxera. Fantico, alm de em-purrar sua receita espiritual sobre os outros no admite que algum lhe empurre qualquer outro co-nhecimento alm do seu.

    Pensam que ela se corrigiu? Estava obcecada com a doura do seu bolo. Mudou de cidade e continua a fazer o que sem-pre fez. No perde uma festa e aonde vai, l est ela com o seu melhor bolo do mundo, receita que evidentemente s ela tem!

    Nenhum fantico admite que fantico. Mas se algum

    anda empurrando a sua f e os seus folhetos pela goela e pelos ouvidos dos outros, pode ter certeza: andou olhando demais para o sol. Excesso de fogo queima os dedos, e excesso de luz queima os olhos. Excesso de f queima o juzo!

    Voc conhece algum fan-tico na sua vizinhana? E ele o visita sempre para convert-lo? No dia em que ele aparecer com aquele folheto, convide-o para a mesa, encha um bule de caf forte, quente e meio amargo e, quando ele comear a falar do quanto Deus fala com ele, v atochando caf na xcara dele e exija que ele beba. Ele acabar pedindo que voc pare. Diga-lhe, ento, que enquanto ele insistir que voc o oua falar da sua maravilhosa religio, voc insistir que ele beba do seu maravilhoso caf que tambm um caf muito especial.

    Fanticos raramente mu-dam. Ele no vai parar de que-rer converter os outros para a sua igreja, mas na sua casa ele no vir mais, por medo do seu bule e do seu caf!

  • 03Folha Vale Verde17 de outubro de 2015

    Assis

    Rainhas da Expo Assis so apresentadas comunidade

    Da Assessoria

    A Comisso Central Orga-nizadora CCO e a Unebac realizaram a apresentao o -cial das candidatas a Rainha da Expo Assis 2015. A apre-sentao aconteceu na sala de reunies da prefeitura mu-nicipal de Assis Chateaubriand e contou com a presena das autoridades municipais, repre-sentantes das entidades e im-prensa. Cada barraca, como todo ano acontece, ter a sua representante da beleza e ao m, a barraca que mais obtiver

    lucro, a candidata ser a Rai-nha da Festa, a rmou o pre-sidente da Unebac, Claudiney Lcio.

    Expo AssisOrganizada para acontecer

    de 22 a 25 deste ms em Assis Chateaubriand, no Centro de Eventos ngelo Micheletto, a festa inicia dia 22, quinta-feira, com Jads e Jadson, uma das maiores revelaes sertanejas do momento. Jads e Jadson so irmos, e a dupla sertaneja j tem mais de 10 anos de es-trada e grande hits como Jei-

    to Carinho e Toca Um Joo Mineiro e Marciano, tem feito muito sucesso. No dia 23, sex-ta-feira, o palco principal car por conta da Orquesta Parana-ense de Viola Capira. Interpre-tando o melhor da viola caipi-ra, tem um repertrio variado, composto essencialmente do sertanejo raiz. A orquestra pro-mete animar o pblico.

    Os sertanejos Joo Neto e Frederico sobem no palco principal da festa no sbado, dia 24 de outubro. A dupla consagrada nacionalmente com sucessos como as msi-

    cas L, L, L, Crime Per-feito e Ele No Vai Mudar, comeou o ano de 2015 com o lanamento do clipe da m-sica Presto Pouco, a msica j sucesso.

    E no ltimo dia do evento, diversos shows com artistas locais, apresentao das o ci-nas de dana e arte circense sero realizadas como forma de valorizar os nossos talen-tos. Em todos os quatro dias, a entrada ao Centro de Even-tos ngelo Micheletto, bem como na arena de show ser gratuita.

    Conhea as candidatas a Rainha da Expo Assis:

    Michely Sampaio, Barraca Espanhola

    Thais de Oliveira Ferracini, Barraca Portuguesa

    Miriane Tomim, Barraca Ale-m

    Larissa de Lima Roela, Bar-raca Americana

    Eduarda Rampani Dias, Bar-raca Italiana

    Gabrielly Haremi Shiraishi, Barraca Japonesa

    Sabrina Rissato, Barraca Brasileira

  • 04 Folha Vale Verde 17 de outubro de 2015

    As dificuldades e perdas do agronegcio com a crise do Pas

    Por Dilceu Spera co*

    Apesar de toda sua importncia e contribuio para a superao da grave crise econmica enfrentada pelo Pas, o agronegcio tambm sofreu cortes de recursos para investi-mentos do Governo Federal.

    No pacote de medidas anunciado pelos ministros da Fa-zenda, Joaquim Levy, e Planejamento, Nelson Barbosa, no dia 14 de setembro ltimo, esteve reduo de subsdios aos programas de garantia de preos agrcolas, no valor de 1,1 bilho de reais. No total, o governo planeja economizar 26 bilhes de reais em 2016.

    O ajuste scal, vale recordar, inclui a proposta de retorno da Contribuio Provisria sobre Movimentao Financeira (CPMF), desta vez com alquota de 0,20%, suspenso de concursos pblicos e diminuio de verbas para programas sociais, como o Minha Casa Minha Vida, entre outros.

    Os recursos destinados ao plano safra anual, vale des-tacar, s so liberados na condio de nanciamentos agr-colas, por bancos pblicos e privados, com juros, ainda que subsidiados, e o comprometimento da produo.

    Se o produtor sofrer frustrao de safra e no tiver contra-tado seguro, car endividado e poder perder o crdito e at mesmo a propriedade.

    A reduo de subsdios agrcolas, importante ressaltar, no penalizar apenas o agronegcio, pois a medida deve-r afetar principalmente os produtores de alimentos bsicos, que dependem mais do mercado interno.

    Entre as conseqncias dessa deciso, estar a elevao dos preos dos alimentos para os consumidores e a reduo de investimentos em tecnologia, o que ta