EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR - ?rios_avalia... · Ano Letivo 2017/2018 1 1. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1. EDUCAÇÃO

  • View
    216

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR - ?rios_avalia... · Ano Letivo 2017/2018 1 1. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1....

  • Ano Letivo 2017/2018

    1

    1.

    EDUCAO PR-ESCOLAR

    1. EDUCAO PR-ESCOLAR

    1.1. Enquadramento

    De acordo com a Lei Quadro, a educao pr-escolar a primeira etapa da educao bsica no processo

    de educao ao longo da vida, sendo complementar da ao educativa da famlia, com a qual deve

    estabelecer estreita cooperao, favorecendo a formao e o desenvolvimento equilibrado da criana,

    tendo em vista a sua plena insero na sociedade como ser autnomo, livre e solidrio.

    1 - A educao pr-escolar refere-se s crianas dos 3 anos at ao ingresso na escolaridade obrigatria e

    ministrada em estabelecimentos de educao pr-escolar.

    2 - A frequncia da educao pr-escolar facultativa, reconhecendo famlia o primeiro papel na

    educao dos filhos, consagrando-se contudo, a sua universalidade para as crianas que perfazem 5 anos

    de idade.

    3 - Por estabelecimento de educao pr-escolar entende-se a instituio que presta servios

    vocacionados para o desenvolvimento da criana, proporcionando-lhe atividades educativas e atividades

    de apoio famlia:

    4 - Constituem objetivos da educao pr-escolar:

    a. Promover o desenvolvimento pessoal e social da criana com base em experincias de vida

    democrtica, numa perspetiva de educao para a cidadania;

    b. Fomentar a insero da criana em grupos sociais diversos, no respeito pela pluralidade das culturas,

    favorecendo uma progressiva conscincia do seu papel como membro da sociedade;

    c. Contribuir para a igualdade de oportunidades no acesso escola e para o sucesso da aprendizagem;

    d. Estimular o desenvolvimento global de cada criana, no respeito pelas suas caractersticas individuais,

    incutindo comportamentos que favoream aprendizagens significativas e diversificadas;

    http://dre.pt/pdf1sdip/1997/02/034a00/06700673.PDF
  • Ano Letivo 2017/2018

    2

    e. Desenvolver a expresso e a comunicao atravs da utilizao de linguagens mltiplas como meios

    de relao, de informao, de sensibilizao esttica e de compreenso do mundo;

    f. Despertar a curiosidade e o pensamento crtico;

    g. Proporcionar a cada criana condies de bem-estar e de segurana, designadamente no mbito da

    sade individual e coletiva;

    h. Proceder despistagem de inadaptaes, deficincias e precocidades, promovendo a melhor

    orientao e encaminhamento da criana;

    i. Incentivar a participao das famlias no processo educativo e estabelecer relaes de efetiva

    colaborao com a comunidade.

    Adaptado da Lei n. 5/97, de 10 de fevereiro (Lei Quadro da Educao Pr-Escolar)

    1.2. Critrios Gerais

    A avaliao em educao um elemento integrante e regulador da prtica educativa, em cada nvel de

    educao e ensino e implica princpios e procedimentos adequados s suas especificidades.

    O currculo em educao de infncia concebido e desenvolvido pelo educador, atravs da planificao,

    organizao e avaliao do ambiente educativo, bem como das atividades e projetos curriculares, com

    vista construo de aprendizagens integradas. A organizao do ambiente educativo, como suporte do

    trabalho curricular e da sua intencionalidade, compreende a organizao do grupo, do espao e do

    tempo, a relao com os pais e outros parceiros educativos.

    A avaliao na Educao Pr-Escolar assume uma dimenso marcadamente formativa, desenvolvendo-

    se num processo contnuo e interpretativo que procura tornar a criana protagonista da sua

    aprendizagem, de modo a que v tomando conscincia do que j conseguiu, das dificuldades que vai

    tendo e como as vai ultrapassando.

    A avaliao formativa um processo integrado que implica o desenvolvimento de estratgias de

    interveno adequadas s caractersticas de cada criana e do grupo, incide preferencialmente sobre os

    processos, entendidos numa perspetiva de construo progressiva das aprendizagens e de regulao da

    ao. Avaliar assenta na observao contnua dos progressos da criana, indispensvel para a recolha de

    informao relevante, como forma de apoiar e sustentar a planificao e o reajustamento da ao

    educativa, tendo em vista a construo de novas aprendizagens.

    http://dre.pt/pdf1sdip/1997/02/034a00/06700673.PDF
  • Ano Letivo 2017/2018

    3

    A avaliao formativa constitui-se, assim, como instrumento de apoio e de suporte da interveno

    educativa, ao nvel do planeamento e da tomada de decises do educador.

    1.3. Processos de Avaliao

    A avaliao diagnstica no incio do ano letivo, realizada pelo educador, tem em vista a caracterizao

    do grupo e de cada criana. Com esta avaliao pretende-se conhecer o que cada criana e o grupo j

    sabem e so capazes de fazer, as suas necessidades e interesses e os seus contextos familiares que

    serviro de base para a tomada de decises da ao educativa, no mbito projeto curricular de grupo.

    A avaliao diagnstica pode ocorrer em qualquer momento do ano letivo quando articulada com a

    avaliao formativa, de forma a permitir a adoo de estratgias de diferenciao pedaggica,

    contribuindo tambm para a elaborao, adequao e reformulao do projeto curricular de grupo e

    ainda para facilitar a integrao da criana no contexto educativo.

    1.4. Intervenientes no Processo de Avaliao

    a) a(s) criana(s) a avaliao realizada com as crianas uma atividade educativa, que as implica na sua

    prpria aprendizagem, fazendo-as refletir sobre as suas dificuldades e como as superar;

    b) a equipa a partilha com todos os elementos da equipa (outros docentes, auxiliares, outros tcnicos

    ou agentes educativos) com responsabilidades na educao da criana permite ao educador um maior

    conhecimento sobre ela;

    c) os encarregados de educao a troca de opinies com a famlia permite no s um melhor

    conhecimento da criana e de outros contextos que influenciam a sua educao, como tambm,

    promove uma atuao concertada entre o jardim de infncia e a famlia;

    d) o Departamento Curricular da Educao Pr-Escolar (EPE) a partilha de informao entre os

    educadores do estabelecimento promotor da qualidade da resposta educativa;

    e) Docentes de educao especial (profissionais que participaram na elaborao e implementao dos

    (profissionais que participaram na elaborao e implementao do PEI do aluno);

    f) os rgos de Gesto os dados da avaliao realizados pelo Departamento Curricular da EPE,

    devero estar na base das orientaes e decises, bem como, na mobilizao e coordenao dos

  • Ano Letivo 2017/2018

    4

    recursos educativos existentes.

    1.5. Instrumentos de Avaliao

    De acordo com as suas concees e opes pedaggicas, cada educador utiliza tcnicas e instrumentos

    de observao e registo diversificados, tais como:

    - Observao direta das aprendizagens/ comportamentos dentro e fora da sala;

    - Trabalho individual, pequeno e grande grupo;

    - Dossier individual da criana;

    - Registos de auto e heteroavaliao de aprendizagens;

    - Registos de auto e heteroavaliao de comportamentos/regras de convivncia.

    - Produo e compreenso oral;

    Considerando que a avaliao realizada em contexto, qualquer momento de interao, qualquer tarefa

    realizada pode permitir ao educador a recolha de informao sobre a criana e o grupo, tendo como

    finalidade registar evidncias das aprendizagens realizadas pelas crianas que permitam documentar os

    seus progressos, acompanhar a sua evoluo e simultaneamente recolher elementos concretos para a

    reflexo e adequao da sua interveno educativa.

    1.6. Elementos de Avaliao

    A avaliao, enquanto processo contnuo de registo dos progressos realizados pela criana, ao longo do

    tempo, utiliza procedimentos de natureza descritiva e narrativa, centrados sobre o modo como a criana

    aprende, como processa a informao, como constri conhecimento ou resolve problemas. Os

    procedimentos de avaliao devem ter em considerao a idade e as caractersticas do desenvolvimento

    das crianas, assim como a articulao entre as diferentes reas de contedo, no pressuposto de que a

    criana sujeito da sua prpria aprendizagem.

    Deste modo, podem considerar-se como dimenses fundamentais para avaliar o progresso das

    aprendizagens das crianas as seguintes:

    a) As reas de contedo (OCEPE);

  • Ano Letivo 2017/2018

    5

    c) Outras dimenses especficas estabelecidas no projeto educativo e/ou PCG e no PEI;

    d) Competncias em EPE (produzido pelo Departamento Curricular, Anexo 1).

    Sendo o ambiente educativo promotor das aprendizagens o educador deve ainda avaliar:

    - A organizao do espao, dos materiais e dos recursos educativos;

    - A diversidade e qualidade dos materiais e recursos educativos;

    - A organizao do tempo;

    - As interaes do adulto com a criana e entre crianas;

    - O envolvimento parental;

    - As condies de segurana, de acompanhamento e bem-estar das crianas.

  • Ano Letivo 2017/2018

    6

    2. ENSINO BSICO - 1. CICLO

    2.1- Processo de Avaliao

    A avaliao incide sobre as aprendizagens desenvolvidas pelos alunos, tendo por referncia os

    documentos curriculares em vigor. Os critrios de Avaliao do Departamento do 1 Ciclo do Ensino

    Bsico, respeitam o estabelecido na legislao em vigor e nos Critrios Gerais de Avaliao do

    Agrupamento de Escolas de Portel.

    Os critrios de Avaliao de Departamento so compostos pelos critrios de avaliao de

    Portugus; Matemtica; Estudo do Meio; Ingls nos 3 e 4 anos; Expresses Artsticas

    (Plstica, Dramtica, Musical) e Fsico-Motoras; Educao Artstica e Educao Fsica (

    Turma 1 A Portel Flexibilidade) , Cidadania e Desenvolvime