ELABORAأ‡أƒO DE MAPAS CONCEITUAIS PARA O ENSINO DE mapas conceituais se apresentam como possibilidades

  • View
    0

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of ELABORAأ‡أƒO DE MAPAS CONCEITUAIS PARA O ENSINO DE mapas conceituais se apresentam como...

  • ELABORAÇÃO DE MAPAS CONCEITUAIS PARA O ENSINO DE

    CIÊNCIAS NATURAIS NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

    GONÇALVES, Ana Cláudia de Melo1 - UFPB

    CAVALCANTI, Mário Luiz Farias2 - UFPB

    RODRIGUES, Raiany Meirelli dos Anjos 3 - UFPB

    GEGLIO, Paulo César4 - UFPB

    Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas

    Agências Financiadoras: PROLICEN/UFPB e PIBID/UFPB Resumo As avaliações governamentais do ensino no país, realizadas pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Aplicadas (INEP), mostram que há consideráveis deficiências de aprendizagem em todas as disciplinas do currículo comum, incluindo aquelas ligadas às áreas de Ciências Naturais, fato que justifica a necessidade de ações que promovam mudanças no processo de ensino. Uma das ações visando à melhoria da qualidade da educação é o uso dos recursos midiáticos, como a internet e os softwares pedagógicos. Aliada a essa tecnologia, os mapas conceituais se apresentam como possibilidades metodológicas complementares, pois se baseiam na teoria da aprendizagem significativa. Esses mapas utilizam uma linguagem para descrição e comunicação de conceitos dentro da teoria de assimilação, representam uma estrutura que vai desde os conceitos mais abrangentes até os menos inclusivos. Assim, no presente trabalho foi feito o esforço para associar esses dois recursos metodológicos de ensino voltados para os conteúdos de Ciências Naturais, ministrados no 6º ano do ensino fundamental, de forma a entender como os temas se interligam, descrevendo a sequência lógica de conteúdos. Foram elaborados cinco mapas conceituais com auxilio do software Cmap Tools, versão 5.05.01, tomando como base os conteúdos do livro didático adotado pelas escolas públicas do município de Areia-PB, bem com as diretrizes dos Parâmetros

    1 Graduanda em Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Federal da Paraíba, UFPB. Bolsista PROLICEN/UFPB 2012 (Programa de Licenciatura). E-mail: goncalvesmelo.ana@hotmail.com. 2 Biólogo, Doutor em Engenharia Agrícola pela Universidade Federal de Campina Grande, UFCG/PB. Professor e pesquisador do Departamento de Ciências Fundamentais e Sociais/CCA/UFPB - Campus II. E-mail: mariolfcavalcanti@yahoo.com.br. 3 Graduanda em Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Federal da Paraíba, UFPB. Bolsista PROLICEN/UFPB 2012 (Programa de Licenciatura). E-mail: rayane_agr@hotmail.com. 4 Filósofo, Doutor em Educação (Psicologia da Educação) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP – Brasil. Professor e pesquisador do Departamento de Ciências Fundamentais e Sociais/CCA/UFPB - Campus II. E-mail: pcgeglio@terra.com.br.

  • 15840

    Curriculares Nacionais de Ciências Naturais (PCN). De maneira lógica, procuram facilitar o aprendizado do aluno e também auxiliar os professores com aulas mais dinâmicas. Os cinco mapas conceituais elaborados foram apresentados aos professores das escolas públicas da cidade para com sua utilização melhorar o rendimento das aulas. Palavras-chave: Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC). Formação docente. Aprendizagem significativa.

    Introdução

    As avaliações sistêmicas da educação básica no país, realizadas pelo Ministério da

    Educação (Prova Brasil, Provinha Brasil, ENEM) mostram que há deficiências de

    aprendizagem em todas as disciplinas do currículo comum nacional, incluindo a área de

    Ciências Naturais, (Química, Física e Biologia), fato que justifica a necessidade de ações que

    promovam mudanças no processo de ensino. Alves (2009, p.72) afirma que “[...] o Brasil não

    tem conseguido cumprir adequadamente seu papel de criar condições para que todos os

    alunos desenvolvam as competências e habilidades com as quais poderão construir e

    reconstruir conhecimentos significativos para sua cidadania”, ou seja, as avaliações oficiais

    têm mostrado resultados muito baixos, justificando a urgência na elaboração de ações que

    promovam mudanças desta condição.

    Uma das possibilidades de ações visando à melhoria da qualidade da educação está no

    uso dos recursos midiáticos, como, por exemplo, a internet, que é muito utilizada pelas novas

    gerações, e que se adaptam de forma surpreendente a ela. Para acessar essa nova forma de

    comunicação é cada vez mais comum o uso de equipamentos compactos, e atualmente de

    relativo fácil acesso, como, laptops, celulares e tablets. Lopes (2010) afirma que ferramentas

    tecnologicamente simples podem apresentar resultados positivos na aprendizagem, desde que

    sejam aplicadas boas estratégias pedagógicas pelos professores.

    A possibilidade de uso dos recursos da informática está cada vez mais potencializada,

    com ações de programas do Governo Federal. Por meio de ações governamentais as escolas

    públicas estão sendo equipadas com salas de informática e computadores conectados a rede

    mundial de comunicação. Um exemplo é o Programa Nacional de Tecnologia Educacional

    (ProInfo). Segundo consta na página eletrônica do Ministério da Educação (MEC)5, O ProInfo

    é um programa cujo objetivo é incentivar o uso da informática como recurso pedagógico nas

    escolas de educação básica. Para isso, o MEC disponibiliza às unidades educacionais

    5 http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=244&Itemid=462&msg=1

  • 15841

    aparelhos de microcomputadores, recursos digitais e conteúdos educacionais. Os estados e

    municípios que aderirem ao programa devem disponibilizar a infraestrutura para receber esse

    material e coloca-lo em condições de uso pela comunidade escolar.

    Associado às novas tecnologias da informação e comunicação, consideramos

    importante o uso dos mapas conceituais como recurso para o processo de ensino e de

    aprendizagem escolar. O mapa conceitual foi proposto por John Novak no ano de 1970, como

    forma de organizar e apresentar os conhecimentos sobre determinado fato. Ele se baseia no

    conceito de aprendizagem significativa, muito conhecido a partir de Ausubel (1978) para

    quem a aprendizagem é significativa quando possui sentido para quem aprende. Souza (2006,

    p.50) ressalta que “[...] os mapas representam uma estrutura que vai desde os conceitos mais

    abrangentes até os menos inclusivos”. O que supõe aprendizagem de princípios elementares e

    altamente elaborados pela ação cognitiva do aluno.

    Com essa perspectiva de prática pedagógica, no processo de ensino e aprendizagem,

    nosso trabalho consistiu em associar o uso do mapa conceitual ao recurso da informática, no

    ensino dos conteúdos de Ciências Naturais para alunos do 6º ano escolar do Ensino

    Fundamental Ciências Naturais.

    Referencial Teórico

    Os Parâmetros Curriculares Nacionais (1998) consideram que para pensar sobre o

    currículo e o ensino dos conteúdos relativos às Ciências Naturais, o conhecimento científico é

    de fundamental importância, mas não suficiente. Tão importante quanto os conteúdos a serem

    ensinados é essencial considerar o desenvolvimento cognitivo dos estudantes, relacionado às

    suas experiências, idade, identidade cultural e social, e os diferentes significados e valores que

    as Ciências Naturais podem ter para eles, visando uma aprendizagem significativa. Não

    obstante, acreditamos que uma considerável parte dos professores que ministram aulas sobre

    os conteúdos da disciplina de Ciências Naturais não está preparada para o uso de ferramentas

    tecnológicas e sentem-se inseguros diante das recentes inovações nessa área. Assim,

    consideramos importante o investimento governamental na formação continuada de

    professores, com vistas ao incentivo do uso dos recursos tecnológicos e de metodologias

    diferenciadas na prática pedagógica. Pois, segundo Ausubel, Novak e Hanesian (1978, p. 7),

    um juízo crítico sem conhecimento de princípios não é mais efetivo do que o conhecimento de princípios sem juízo crítico. Portanto, deve-se confiar menos na

  • 15842

    crença popularmente aceita de que, com certa dose de crítica e bom senso inatos, qualquer professor com boa vontade, independentemente da formação pedagógica está apto a tomar as decisões certas em sala de aula.

    A visão dos autores vai ao encontro da necessidade que aludimos, sobre o

    investimento na formação continuada dos professores, visando capacitá-los para implementar

    novas práticas pedagógicas em sala de aula. Nesse sentido, como sugestão reforçamos a

    importância do uso dos mapas conceituas, como alternativa para o trabalho de ensinar dos

    professores. O mapa conceitual funciona como representações gráficas, ressaltando as

    relações existentes entre conceitos pré-estabelecidos, que são trabalhados por meio do

    reconhecimento de palavras-chave e proporcionam ao aluno os estímulos adequados à

    aprendizagem de um determinado saber. Moura (2011, p.3) ressalta que “os mapas

    conceituais são instrumentos de transposição do conteúdo sistematizado de forma

    significativa no processo de ensino e de aprendizagem