Ementa: Noções de Cálculos Atuariais: Introdução à ciência atuarial; Profissão de atuário

  • View
    73

  • Download
    5

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Ementa: Noções de Cálculos Atuariais: Introdução à ciência atuarial; Profissão de atuário . Previdência Social e Previdência Complementar: Histórico; Modalidades de planos de benefícios de aposentadoria; Diretrizes normativas; Política de investimentos. Dinâmica dos fundos de pensão . - PowerPoint PPT Presentation

Text of Ementa: Noções de Cálculos Atuariais: Introdução à ciência atuarial; Profissão de atuário

CONTABILIDADE ATUARIAL

Ementa:

Noes de Clculos Atuariais: Introduo cincia atuarial; Profisso de aturio.

Previdncia Social e Previdncia Complementar: Histrico; Modalidades de planos de benefcios de aposentadoria; Diretrizes normativas; Poltica de investimentos. Dinmica dos fundos de penso.

1Contabilidade dos fundos de penso: Sistema de planificao das Entidades Fechadas de Previdncia Complementar (EFPC); Segregao contbil; Estrutura das contas; Modelos de demonstraes contbeis; Balano patrimonial; Demonstrao de resultado de exerccio; Outras demonstraes contbeis; Planificao contbil padro; Notas explicativas; Parecer do aturio; Auditoria independente; Conselho fiscal; Conselho deliberativo.

2Contabilizao na patrocinadora: US-GAAP; International Accounting Standards Board (IASB); Comisso de Valores Mobilirios (CVM).

33Bibliografia Bsica:

MARTINS, Gilberto de Andrade; SILVA, Fabiana Lopes da; CHAN, Betty Llian. Fundamentos da Previdncia Complementar: Da aturia contabilidade. So Paulo: Atlas, 2006.

SOUZA, Silney de. Seguros, Contabilidade, Aturia e Auditoria. 2. ed. So Paulo: Saraiva, 2007.

IBRACON. Demonstraes Financeiras: Elaborao e Temas Diversos. So Paulo: Atlas, 2000.4Bibliografia Complementar:

SILVA, Affonso. Contabilidade e Anlise Econmico-Financeira de Seguradoras. So Paulo: Atlas, 1999.

FIGUEIREDO, Sandra. Contabilidade de Seguros. So Paulo: Atlas, 1997.5Pense em risco como a probabilidade de ocorrncia de um determinado evento que gere prejuzo econmico. 6RISCO a possibilidade de uma determinada COISA acontecer e pode ser o agente causador de uma perda econmica, reparvel.

Probabilidade parte do risco, que para ser assim classificado precisa, basicamente, ser causador de uma perda econmica, reparvel.

7 Existem ainda outras exigncias para o gerenciamento de um risco O risco deve ser:Possvel;Incerto;Futuro;Independente da vontade humana;MensurvelHomogneo e no catastrfico8Mas, por que estudar clculos atuariais no curso de Cincias Contbeis?Se voc for selecionado para trabalhar em uma seguradora?Como contador de uma empresa (comercial, industrial ou de servios), poder ser consultado pela administrao sobre esse assunto.Faz parte das diretrizes curriculares do curso de Cincias Contbeis, aprovadas pelo MEC.9ATURIA a parte da estatstica que investiga problemas relacionados com a teoria e o clculo de seguros em uma coletividade, conforme o Dicionrio Aurlio.

a rea do conhecimento que analisa os riscos e expectativas financeiros e econmicos, principalmente na administrao de seguros e penses.10ATURIA o uso de conhecimentos e clculos para a elaborao de seguros, planos de previdncia e realizao de outrasoperaes financeirasque envolvam risco.

a cincia da avaliao de riscos e do clculo dos prmios e reservas relativas s operaes de seguros.11ATURIAFundamentalmente o clculo atuarial busca por meio do conhecimento histrico, de distribuies estatsticas e hipteses, formar um valor presente (atual) de um conjunto de obrigaes a pagar ou a receber em uma ou vrias datas no futuro.

12SURGIMENTOSurgiu na Inglaterra, no final da metade do sculo XIX, portanto, h mais de 150 anos, e considerada rea de conhecimento multidisciplinar, pressupondo o domnio de conceitos de economia, administrao, contabilidade, matemtica, finanas e estatstica para o entendimento dos modelos atuariais.13SURGIMENTOEstudos realizados do conta de que ela voltava-se para o clculo da expectativa de vida, com interesse nas questes de aposentadoria e penso.

Embora no sculo XVII, a Inglaterra e a Holanda, empenhavam-se em vender aos seus sditos, ttulos pblicos que asseguravam ao tomador a percepo de uma renda vitalcia.14SURGIMENTOAssim, foi necessrio determinar com a maior preciso a importncia em dinheiro que deveria ser cobrada em contraprestao ao servio, para que no houvesse prejuzo coroa, trabalho destinado aos melhores matemticos da poca.15SURGIMENTOCom isso, foi-se criando a base para o surgimento da matemtica atuaria, principalmente a partir do clculo da probabilidade de Pascal, de Graunt e Edmond Halley, na Inglaterra, e De Witt, na Holanda, a partir dos registros de nascimentos e bitos, estudaram o problema levando em conta as leis da probabilidade e a expectativa de vida humana. 16SURGIMENTOOs avanos no clculo de anuidades apresentados por James Dodson nesta poca renderam-lhe o ttulo de inventor da cincia atuarial.

O ttulo de primeiro aturio da Histria atribudo Domitius Ulpiames, prefeito de Roma durante o Imprio Romano, considerado um dos maiores economistas de sua poca. Foi ele quem deu os primeiros passos para o desenvolvimento do seguro de vida, pois se interessou pelo assunto e estudou documentos sobre nascimentos e mortes dos romanos.17SURGIMENTONosculo XX, a rea de seguros expandiu a abrangncia do estudo atuarial, e a insero cada vez mais frequente das empresas de seguro e penso nomercado financeiro, fez com que a cincia atuarial se especializasse cada vez mais em campos econmicos e financeiros.18SURGIMENTOA partir de ento, a aturia se desenvolveu, principalmente medida que outros matemticos, economistas e filsofos se interessaram pelo assunto. Cada vez mais houve a construo e especializao das tbuas de vida, como tambm o desenvolvimento das comutaes, ferramenta do clculo atuarial. Tambm aconteceu nesse perodo o 1Congresso Internacionalde Aturia em Bruxelas, no ano de 1895.19SURGIMENTOAssim as empresas seguradoras passaram a oferecer programas de seguro de vida e outras especializaes, o que gerou cada vez maior necessidade do desenvolvimento das cincias atuariais.20CLCULO ATUARIAL o estudo tcnico baseado em levantamentos de dados da populao analisada, no qual o aturio busca medir os recursos necessrios para garantir os benefcios oferecidos pelo plano de seguro, avaliar o histrico e a evoluo da entidade, de forma a apresentar estratgias que permitam a sua adaptao a novos cenrios.21CLCULO ATUARIALOs estudos da aturia dividem-se em dois principais ramos: o vida e o no-vida. VIDA:- trata das questes delongo prazo, das consequncias das principais contingencias da vida nascimento, morte, doena, invalidez, desemprego, aposentadoria, penses, seguros de vida e sade. O NO VIDA:- est mais relacionado a caractersticas de curto prazo, so todos os demais como os seguros de automveis eresponsabilidade civil, fogo, transportes,habitacional, garantia de obrigaes contratuais.22PLANO DE CUSTEIONeste plano, so apresentadas as formas necessrias para custear os benefcios oferecidos no Plano de Seguro, definindo as alquotas de contribuio importantes ao equilbrio do sistema (custo normal e suplementar).23PLANO DE BENEFCIOSNeste plano, so apresentados todos os benefcios que o seguro pretende oferecer aos segurados, por exemplo as aposentadorias, as penses, os auxlios.24TBUAS BIOMTRICASSo tabelas utilizadas para auxiliar no clculo das previdncias e dos prmios de segurosSo tabelas em que cada linha representa uma idade, variando de 0 anos at 115 anos, normalmente, nas quais, em razo de coleta de informaes estatsticas de muitos anos, pode-se prever determinadas probabilidades de ocorrncia de eventos.25TBUAS BIOMTRICAS UTILIZADASTbuas (taxas) de juros, metodologia de clculo, compensao previdenciria, aportes. Tbuas (taxa) de mortalidadeTbuas (taxa) de acidentesTbuas (taxa) de afastamento por doena26HIPTESES ATUARIAISConjunto de valores esperados para as variveis de influncia no plano de benefcios (crescimento real dos salrios nas carreiras, dos benefcios, taxa de juros etc.).27As hipteses se referem a: rotatividade (desligamento do plano de benefcios); reposio dos servidores pblicos nas carreiras tpicas; famlia-padro; perfil do futuro segurado; tempo de servio anterior ao Regime Prprio de Previdncia Social; dinmica das ocorrncias de entrada em invalidez e morbidez; dinmica da mortalidade do grupo de segurados ativos, inativos, pensionistas e dependentes; dinmica da mortalidade dos servidores aposentados por invalidez; taxas de natalidade.28A profisso de AturioO vocbulo ATURIO vem do latim ACTUARIUS, que correspondia na poca do Imprio Romano ao Secretrio do Senado, era responsvel de escrever os discursos, era o cronista dos feitos de guerra, copista, secretrio, tabelio, agrimensor, entre outras.

29A profisso de AturioO aturio deve ter solida formao em calculo de riscos subjacentes aos negcios, possuindo conhecimentos de economia, administrao, contabilidade, matemtica, finanas, estatstica e demografia. Segundo o professor Reinaldo Guerreiro (2006), chefe do departamento de contabilidade e atuaria da Faculdade de Economia, Administrao e Contabilidade da Universidade de So Paulo (FEA-USP), alguns desses profissionais no so formados hoje em Cincias Atuariais, mas sim em um desses campos.30A profisso de AturioCom a internacionalizao em alta do setor, o mercado para esse profissional tende a crescer 30%. Uma rea em crescimento a dosfundos depenso fechados, existem hoje mais de 350 fundos no pais, e cada um deles precisa ter a frente pelo menos um aturio.31A profisso de AturioArtigo 1. Do decreto no. 66.408/70 define Aturio como sendo:o tcnico especializado em matemtica superior que atua, de modo geral, no mercado econmico-financeiro, promovendo pesquisas e estabelecendo planos e polticas de investimentos e amortizaes e, em seguro privado e social, calculando probabilidades de eventos, avaliando riscos e fixando prmios, indenizaes, benefcios e reservas matemticas.( a Me Din dos Negcios)32A profisso de AturioO profissional formado nessa graduao analisa e quantifica o risco presente nas operaes de seguros, previdncia complementar, planos de sade e ttulos de capitalizao. Cabe a ele avaliar as possibilidades de danos e perdas da instituio seguradora ou previdenciria e determinar o valor das prestaes do seguro e dos prmios a ser pagos.

33A profisso de Aturio ele tambm quem define as reservas que as companhias devem ter