EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECURIA ainfo. EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECURIA

  • View
    218

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECURIA ainfo. EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECURIA

  • EMBRAPAzyxwvutsrqponmlkjihgfedcbaZYXWVUTSRQPONMLKJIHGFEDCBAEMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECURIA

    INSTITUTO DE PESQUISA AGROPECURIA DO NORTE - IPEAN

    BOLETIM TCNICO DO IPEAN

    B. Tc. IPEAN Belm I n. 62 I p. 1 ~ novo 19741

  • BOLETIM TCNICO DO IPEANzyxwvutsrqponmlkjihgfedcbaZYXWVUTSRQPONMLKJIHGFEDCBAn.s 62 novo 1974

    Instituto de Pesquisa Agropecuriado Norte - IPEAN

    Diretor: Italo Cludio Falesi

    Vice-Diretor: Ernesto Maus da SerraFreire

    Editor: Elwal Falco Valente

    Comit Editorial:

    Pesquisas Fundamentais: Emmanuelde Souza Cruz

    Pesquisas Fltotcnicas: Vicente H.F. Moraes

    Pesquisas Zootcnicas: Cristo NazarB. do Nascimento

    Secretrio Executivo: Elwal FalcoValente

    Estatstica Experimental: RosemaryMoraes Ferreira Vigas

    Colaboradores: Tcnicos do IPEAN

    Endereo: Caixa Postal 48

    66.000 - Belm - Par

    Periodicidade: Irregular

    Distribuio: Gratuita p/Instituies

    ~ permitida a reproduo total ou

    parcial dos artigos desde que sejamencionada a fonte.

    Composio a Impresso:Grfica Falangola Editra Ltda.Rua Santo Antnio, 42966.000 - Belm - Par

    SUMRIO

    Cristo Nazar Barbosa do Nas-cimento; Ernesto Dias Mo-reira.

    o USO DE FARELO DE TRIGONA ALIMENTAO DE VA-CAS BUBALlNAS LEITEI-RAS EM PASTAGEM DECANARANA ERECTA LISA,Echinochloa pyramidalis .. 1 _ 9

    Miguel Simo Neto; CarlosAlbero Gonalves; DorivalMonteiro Pimentel.

    ADUBAO DE ESTABELECI-MENTO DE CAPIM ELE-FANTE (Pennisetum purpu-reum, Schum) NA REGIOBRAGANTINA .... . . . . . . 11 - 24

    Carlos Alberto Gonalves; Do-rival Monteiro Pimentel;Benedito Gomes dos San-tos Filho.

    PLANTAS INVASORAS DEPASTAGENS DO ESTADODO PARA.............. 25-37

    B. Tc. IPEAN Belm n. 62 .1 p. 1- 37 I novo 19741

  • ozyxwvutsrqponmlkjihgfedcbaZYXWVUTSRQPONMLKJIHGFEDCBAUSO DE FARELO DE TRIGO NA ALlMENTAAO DEVACAS BUBALlNAS LEITEIRAS EM PASTAGEM DE CANARA

    NA ERECTA LISA, Echinochloa pyramidalis

    SUMRIONMLKJIHGFEDCBAp.

    1 -.INTRODUAO .......................................... 1

    4 - CONCLUSOES .... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8

    2 - MATERIAL E MI!TODOS ........................... 2

    3 - RESULTADOS E DISCUSSAO ......................... 4

    5 - FONTES CONSULTADAS ............................ 9

    B. Tc. IPEAN, Belm (62) 1-9, novo 1974

  • B. Tc. IPEAN, Belm (62) : 1-9, novo 1974zyxwvutsrqponmlkjihgfedcbaZYXWVUTSRQPONMLKJIHGFEDCBA-1

    CDD: 636.29309811

    CDlJ: 636.293.086.511.003.1(811.51)(045)

    e636.293.084.22:633.283.003.1(811.51)(045)

    o USO de farelo de trigo na alimentaode vacas bubalinas leiteiras em pastagem de

    (anarana Erecta Lisa,VUTSRQPONMLKJIHGFEDCBAE ch inoch loa pyram idalisCristo Nazar Barbosa do Nascimento

    Pesquisador da EMBRAPA. M.S.- em

    Zootecnia.

    Ernesto Dias Moreira

    Pesquisador da EMBRAPA

    SINOPSE: - Quinze vacas bubalnas de pelagem preta

    em lactao foram submetidas a trs tratamentos: A -

    pastagem de Canarana Erecta Lisa (Echinochloa pyram-

    dalis) e minerais ad libitum; B - alm da pastagem, 1

    kg da mistura de farelo de trigo com 2% de minerais

    para cada 3 kg de leite produzido; C - alm da pasta-

    gem, 1 kg da mistura do tratamento B para cada 2 kg

    de leite produzido. Embora o uso do concentrado pro-

    porcionasse aumentos significativos de 0,472 kg para o

    B e 0,525 kg para o C, esses acrscimos no pagaram os

    custos adicionais, prevalecendo a superioridade econmi-

    ca do uso de somente pastagem e minerais.

    1 - INTRODUO

    o gado bovino leiteiro criado na Amaznia no tem pro-duzido leite suficientemente para suprir as necessidades re-gionais. Por exemplo, a situao da Bacia Leiteira de Belrn

    em 1970, estudada pelo PLAMAM (v. 5-4), mostrou que o con-sumo de leite bovino U in natura" nesta cidade foi somente

  • de 28 gramas dirias por habita e.

    mais baixos ndices do mundo. A sti.aca

    ra de Belm, emzyxwvutsrqponmlkjihgfedcbaZYXWVUTSRQPONMLKJIHGFEDCBA1972, praticamentede 1970.

    O interesse pela criao do bfalo para

    leite na Amaznla, recentemente, tem aumentado de

    considervel pelo melhor conhecimento desta espcie anima o

    Os bubalinos tm mostrado maior adaptabilidade e economi-

    cidade de produo leiteira do que os bovinos, alm de apre-

    sentarem marcante potencial leiteiro, em condies de am-

    biente encontrado na Amaznia, principalmente nas extensas

    vrzeas.

    Entretanto, a criao do bfalo para produo de leite

    tem sido feita de um modo geral unicamente em pastagem,

    sem qualquer suplementao de concentrados, os quais so

    ge ai e e pouco disponveis na Regio Amaznica, alm de

    ca

    os efei-- -rana Erecta

    suplementaor-' .. --""'~ : a as em pastagem,NMLKJIHGFEDCBA

    2-

    potencial leiteiro e co ..

    --meas buballnas pretas,fa.::t;_:-oe que no final do exper _

    trapassado a metade da cda pastagem de Canarana 1:_:.

    e o de farelo de trigo e 2 de

    a frmula de Viana (v.5-5J,

    2- -c. IPEAN, Belm (62) : 1-9,

  • B. Tc. IPEAN, Belm (62) : 1-9, novo 1974NMLKJIHGFEDCBA-3zyxwvutsrqponmlkjihgfedcbaZYXWVUTSRQPONMLKJIHGFEDCBA

    o de um quilo dessa mistura para cada 2 quilos de leite

    produzido. Dessas fmeas, 15 foram selecionadas e sub-

    metidas a experimento de suplementao alimentar, no Ins-tituto de Pesquisa Agropecuria do Norte, IPEAN, Belm,

    Par, em 1972.

    O delineamento experimental usado foi o do tipo "chan-qe-over " Gomes (v. 5-2), utilizando-se 5 quadrados latinos.

    Cada um desses quadrados continha 3 vacas, de quantidades

    de leite e percentagens de gordura bem semelhantes, cons-

    tituindo-se cada fmea em um bloco sobre o qual tinham-se

    3 parcelas, que eram os perodos sucessivos de produo

    de leite, cada um com 7 dias de coleta de dados, antecedido

    por 7 dias para adaptao do tratamento usado.

    As vacas foram ordenhadas duas vezes por dia em re-

    gime de: 1 - pasto mais mistura mineral, ministrada von-

    tade no cocho por ocasio de cada ordenha (tratamento A);

    2 - pasto mais 1 quilo da mistura de 98 por cento de farelo

    de trigo e 2 da mesma mistura mineral do tratamento A para

    cada 3 quilos de leite produzido (tratamento B); e 3 - pasto

    mais 1 quilo da mesma mistura usada no tratamento B para

    cada 2 quilos de leite produzido (tratamento C). O concen-

    trado foi fornecido de acordo com a produo mdia diria

    de leite em cada perodo de adaptao. Todos os animais

    foram submetidos ao pastoreio rotacional, em pastos de ca-

    pim de vrzea, conhecido por Canarana Erecta LisaVUTSRQPONMLKJIHGFEDCBA(E ch i-noch loa pyram idalis ).

    O farelo de trigo usado, segundo anlise efetuada no

    laboratrio da Seo de Qumica e Tecnologia do IPEAN,

    apresentou a seguinte composio qumica centesimal:

    Umidade . 11,93

    16,62

    3.64

    20,23

    41,91

    5,67

    Protena bruta .. ..

    Extrato etreo .. .. . .

    Fibra bruta .. ::" .

    Extratlvo no nltroqenado ".. . .

    Resduo mineral fixo . : .

  • A mistura mineral em e -

    composio, mostrada em quiloqzyxwvutsrqponmlkjihgfedcbaZYXWVUTSRQPONMLKJIHGFEDCBAa;Farinha de osso autocla a a _....

    Sal comum _. .. . .

    Sulfato de cobre .. . __... _

    Sulfato de cobalto .. . ..............

    lodeto de potssio .. . _ _...

    Bicarbonato de sdio .. . _. _.

    Total ., " .

    Para obteno do lucro, foi efetuada a anlise ..."""~,.>__ -

    ca para cada tratamento usado, considerando-se o

    leite produzido e apenas o custo das despesas efe a-

    a rao suplementar e o arraoamento do supleme

    zidas, nos tratamentos B e C, as despesas da mis a

    e da sua ministrao para o tratamento A.

    3 -VUTSRQPONMLKJIHGFEDCBAR E S U LTA D O S E D IS C U S S OAs mdias dos resultados obtidos co

    usados so apresentadas no Quadro

    verifica-se que os tratamentos B e C e" -

    diria de leite, respectivamente, e

    relao testemunha, ao passo q e

    mente 0,053 quilo superior ao B. Est

    analisados estatisticamente mostra

    to B como o C foram superiores (Pno houve diferena significativa e

    C. Pode-se dizer que, com estes !""I~!li:

  • Quadro 1 - Mt:DIAS DE PRODUO DIARIA DE LEITE DE

    15 BllFALAS PRETAS SUBMETIDAS A TRt;STRATAMENTOS (BELt:M, 1972)

    Consumode mistura ProduodiriaTratamento de farelo de trigo de leite (kg)

    e minerais (kg)

    A - Pasto - Minerais

    (testemunha) 6,144

    B - Pasto + 1 kg demistura de farelo

    de trigo com 2% de

    minerais para cadazyxwvutsrqponmlkjihgfedcbaZYXWVUTSRQPONMLKJIHGFEDCBA3 kg de leite pro

    duzido 2,205 6,616

    c - Pasto .!. 1 kg de.mistura de farele

    de trigo com 2% deminerais para cada

    2 kg de leite produ-

    zido 3,334 6,669

    f 50 0,196D.M.S. t 100 0,255C.V.3,2%

    Por outro lado, os clculos econorrucos mostraram re-

    sultados inversos daqueles obtidos com a produo de leite,

    como se pode observar no Quadro 2. Neste Quadro, nota-

    se que o tratamento A. sem suplementao de farelo de trigo,

    apresentou o maior lucro, seguido de perto pelo B e mais

    distante pelo C. Isto concorda com o estudo de Aronovich;

    Corra; Faria (v.5-1) os quais, trabalhando com bovinos, con-cluram que o uso de concentrado foi contra indicado sob oponto de vista econmico, principalmente quando feito 'em

    nveis mais elevados.

    B. Tc. IPEAN, Belm (62) 1-9, novo 1974NMLKJIHGFEDCBA-5

  • Vacas bubalinas em pastagem de Canarana Erecta Lisa.

    Fmeas bubalinas experimentais no estbulo onde eram arraoadas eordenhadas manualmente.NMLKJIHGFEDCBA

    6-zyxwvutsrqponmlkjihgfedcbaZYXWVUTSRQPONMLKJIHGFEDCBAB.