Empresa Regional de Transmissão de Energia S.A. Relatório ... ?· Estoques: Os materiais e equipamentos… page 1

Empresa Regional de Transmissão de Energia S.A. Relatório ... ?· Estoques: Os materiais e equipamentos…

Embed Size (px)

Text of Empresa Regional de Transmissão de Energia S.A. Relatório ... ?· Estoques: Os materiais e...

Aos acionistas: A Administrao da Empresa Regional de Transmisso deEnergia S.A. - ERTE, em atendimento s disposies legais e estatutriaspertinentes, apresenta o relatrio da administrao e as demonstraescontbeis da Companhia relativas ao exerccio de 2014, acompanhada dorelatrio dos auditores independentes. Toda a documentao relativa s contasora apresentadas est disposio dos senhores acionistas, a quem a Diretoriater o prazer de prestar os esclarecimentos adicionais necessrios.A Companhia: A Empresa Regional de Transmisso de Energia S.A. - ERTEtem como objeto social principal a prestao de servios de planejamento,implantao, construo, operao e manuteno de instalaes de transmissode energia eltrica, incluindo os servios de apoio e administrativos,programaes, medies e demais servios necessrios transmisso de energiaeltrica e a participao em outras sociedades. Atravs do Contrato deConcesso de Servio Pblico de Transmisso de Energia Eltrica n 83/2002-

ANEEL, datado de 11 de dezembro de 2002, celebrado com a Unio, porintermdio da Agncia Nacional de Energia Eltrica - ANEEL, foi outorgada Companhia a concesso de Servio de Transmisso de Energia Eltrica, peloprazo de 30 anos, que consiste na implantao, manuteno e operao dalinha de transmisso de 230 kV, com 179 km de extenso, com origem nasubestao de Vila do Conde (ampliao) e trmino na subestao de SantaMaria (ampliao), ambas no Estado do Par. Sistema de transmisso:O sistema da ERTE integra a Rede Bsica do Sistema Interligado Nacional, cujacoordenao e controle da operao de transmisso de energia eltrica, sob afiscalizao e regulao da Agncia Nacional de Energia Eltrica (ANEEL) e doOperador Nacional do Sistema Eltrico - ONS, pessoa de direito privado, semfins lucrativos, entidade autorizada pelo Ministrio de Minas e Energia (MME).A companhia aufere a sua receita em funo da disponibilidade nas instalaes

sob sua operao. Os indicadores que demonstram a disponibilidade noexerccio foram:

2014 2013Dados operacionais:

Disponibilidade (%) 99,97% 100,00%A disponibilidade representa a proporo entre a quantidade de horas em queas linhas encontram-se disponveis em um determinado perodo e o total dehoras no perodo considerado. Pesquisa e desenvolvimento - P & D: Em 2014a ERTE realizou os projetos: 1. Aplicao de nanotecnologia para reduo daresistncia de contatos em aterramento, 2. Arranjos tcnicos e comerciais parainsero da gerao fotovoltaica na matriz energtica brasileira, 3. Cabea deSrie do Projeto REMOTE, 4. Gesto 2013, 5. Gesto 2014. Detalhes dosprojetos de P&D encontram-se no site www.tbe.com.br. Desempenho

econmico-financeiro: As demonstraes contbeis apresentadas esto emconformidade com o padro contbil estabelecido pelo InternationalAccounting Standards Boards - IASB, e de acordo com a Lei n 11.638/07,incluindo os pronunciamentos emitidos pelo Comit de PronunciamentosContbeis (CPCs). No exerccio de 2014 os resultados da companhia foram:

Regulatrio SocietrioLucro lquido 27.169 31.024EBITDA 33.470 33.161Finalmente, queremos deixar consignados nossos agradecimentos aosacionistas, funcionrios, colaboradores, seguradoras, usurios, agentesfinanceiros e do setor eltrico, e a todos que direta ou indiretamentecolaboraram para o xito das atividades da Companhia.

A Diretoria

Relatrio Anual da AdministraoEmpresa Regional de Transmisso de Energia S.A.CNPJ n 05.321.920/0001-25

Balano Patrimonialem 31 de Dezembro de 2014 e 2013 (Em milhares de reais)

Notas Explicativas s Demonstraes Contbeis(Em milhares de reais, exceto quando indicado de forma diferente)

1. CONTEXTO OPERACIONAL

A Empresa Regional de Transmisso de Energia S.A. (a Companhia ouERTE) foi constituda como sociedade annima de capital fechado,em 30 de setembro de 2002 e tem como objeto social planejar, implantar,construir, operar e manter a infraestrutura de transmisso de energia eltrica eservios correlatos. Domiciliada no Brasil, sua sede social est localizada a RuaOlimpadas, 66 - 8 andar - Sala C - So Paulo - SP. A Receita Anual Permitida(RAP) da concessionria definida pelo poder concedente, a ANEEL ecorrigida anualmente, para perodos definidos como ciclos que compreendemos meses de julho a junho do ano posterior, atravs de ResoluesHomologatrias, emitidas pela Agncia Nacional de Energia Eltrica (ANEEL).De acordo com o Contrato de Concesso, a partir do 16 ano de operaocomercial a RAP ser reduzida em 50% do valor vigente no 15 ano at o finaldo prazo de concesso:

Contrato de concessoNmero Prazo (anos) Vigncia at RAP (*) ndice de correo083/2002 30 2032 43.018 IGP-M

(*) A RAP informada est conforme Resoluo Homologatria ANEEL1.756/2014. O Contrato de Concesso estabelece que a extino da concessodeterminar a reverso ao poder concedente dos bens vinculados ao servio,procedendo-se aos levantamentos e avaliaes, bem como determinao domontante da indenizao devida s transmissoras, observados os valores e asdatas de sua incorporao ao sistema eltrico. Diante disso, a Administrao daCompanhia entende que ao final do prazo de concesso os valores residuaisdos bens vinculados ao servio sero indenizados pelo poder concedente.A metodologia aplicada valorizao desses ativos encontra-se explicitada nanota explicativa Contas a receber - ativos financeiros.

2. APRESENTAO DAS DEMONSTRAES CONTBEIS

A emisso destas demonstraes contbeis da Companhia foi autorizada peloConselho de Administrao, em 03 de maro de 2015. 2.1. Declarao deconformidade: As demonstraes contbeis foram preparadas de acordo comas normas internacionais de contabilidade (International Financial ReportingStandards - IFRS) emitidas pela International Accounting Standards Board -(IASB), e as prticas contbeis adotadas no Brasil. As prticas contbeisadotadas no Brasil compreendem os Pronunciamentos, Interpretaes eOrientaes emitidos pelo Comit de Pronunciamentos Contbeis (CPC), queforam aprovados pelo Conselho Federal de Contabilidade (CFC) e determinadosdispositivos da lei societria. A Companhia adotou os pronunciamentos,interpretaes e orientaes emitidos pelo CPC, pelo IASB, que estavam emvigor em 31 de dezembro de 2014. As demonstraes contbeis forampreparadas utilizando o custo histrico como base de valor, exceto pelavalorizao de certos ativos e passivos como instrumentos financeiros, os quaisso mensurados pelo valor justo. 2.2. Base de preparao e apresentao:Todos os valores apresentados nestas demonstraes contbeis esto expressosem milhares de reais, exceto quando indicado de outro modo. Devido aosarredondamentos, os nmeros ao longo deste documento podem no perfazerprecisamente aos totais apresentados. A preparao das demonstraescontbeis requer o uso de estimativas contbeis, baseadas em fatores objetivose subjetivos, com base no julgamento da administrao para determinao dovalor adequado a ser registrado nas demonstraes contbeis. Itens significativossujeitos a essas estimativas e premissas incluem: a avaliao dos ativosfinanceiros pelo valor justo, anlise do risco de crdito para determinao daproviso para crditos de liquidao duvidosa, ativos financeiros da concesso,assim como da anlise dos demais riscos para determinao de outras provises,inclusive provises para contingncias e de constituio de ativos. A liquidaodas transaes envolvendo essas estimativas poder resultar em valoressignificativamente divergentes dos registrados nas demonstraes contbeisdevido ao processo inerente das estimativas. A Companhia revisa suasestimativas anualmente. 2.3. Moeda funcional e de apresentao:As demonstraes contbeis foram preparadas e esto apresentadas em Reais(R$), que a moeda funcional da Companhia. A moeda funcional foideterminada em funo do ambiente econmico primrio de suas operaes.

3. SUMRIO DAS PRINCIPAIS PRTICAS CONTBEIS

3.1. Ativos financeiros: Ativos financeiros so reconhecidos inicialmente aovalor justo, acrescidos, no caso de investimentos no designados a valor justopor meio do resultado, dos custos de transao que sejam diretamenteatribuveis aquisio do ativo financeiro. Caixa e equivalentes de caixa e Ttulose valores mobilirios so classificados em valor justo por meio do resultado,enquanto Contas a receber - ativo financeiro como recebveis. Os ativosfinanceiros foram avaliados por indicadores de reduo ao valor recupervel aofinal do exerccio. Uma perda por reduo ao valor recupervel registradaquando houver evidncia objetiva de perda aps seu reconhecimento inicial.3.2. Contratos de concesso: De acordo com o ICPC 01 (IFRIC 12),a infraestrutura implantada no mbito dos contratos de concesso noreconhecida como ativo fixo ou como uma locao financeira, uma vez que oconcessionrio no possui a propriedade, tampouco controla a utilizao dessainfraestrutura, passando a ser reconhecida de acordo com o tipo decompromisso de remunerao a ser recebida pelo concessionrio. No caso doscontratos de concesso de transmisso de energia, entende-se que oconcessionrio tem o direito incondicional de receber determinadas quantiasmonetrias independentemente do nvel de utilizao da infraestruturaabrangida pela concesso na utilizao do modelo de ativo financeiro.3.3. Estoques: Os materiais e equipamentos em estoque so classificados noativo no circulante (almoxarifados de manuteno) e so demonstrados aocusto mdio de aquisio. 3.4. Proviso para reduo ao provvel valor derealizao de ativos: A administrao revisa anualmente o valor contbillquido dos ativos com o objetivo de avaliar eventos ou mudanas nascircunstncias econmicas, operacionais ou tecnolgicas, que possam indicardeteriorao ou perda de seu valor recupervel. Em 31 de dezembro de 2014, aCompanhia no identificou nenhum indicador, atravs de informaes extradasde fontes internas e externas, relacionado a perdas por reduo ao provvelvalor de recuperao dos ativos. 3.5. Provises: Provises so reconhecidasquando a Companhia possui uma obrigao presente (legal ou construtiva)resultante de um evento passado, cuja liquidao seja considerada como maisprovvel que no e