Click here to load reader

Ensaios FO

  • View
    145

  • Download
    2

Embed Size (px)

Text of Ensaios FO

Ensaios FO - FTTH

IntroduoAntes de se proceder instalao do cabo de fibra ptica, devem ser feitos ensaios s fibras, para verificarmos se so respeitadas as especificaes do fabricante. Deve ser verificado o comprimento do cabo, o numero de fibras, a atenuao, os dimetros do ncleo e da bainha, etc.

O cabo de fibra ptica pode ser danificado durante o transporte. por isso importante fazer uma inspeco visual, para verificar o estado do cabo antes de se proceder sua instalao.

Durante a instalao, o cabo de fibra ptica dever ser desenrolado correctamente, evitando tores. Curvas muito apertadas devem ser evitadas na instalao dos cabos. A traco aplicada, no caso da passagem do cabo em conduta, no dever exceder o limite mximo indicado pelo fabricante.

No final da instalao do cabo de fibra ptica, obrigatrio proceder realizao de ensaios s fibras pticas. Regra geral feita a caracterizao da fibra, para evidenciar os pontos de fuso, os conectores, o comprimento da fibra, etc. So executados ensaios especficos de acordo com a tecnologia que a fibra ptica vai ter de suportar. Os ensaios mais frequentemente realizados so os seguintes: Nvel de potncia ptica Atenuao Perda de retorno (ORL - Optical Return Loss) Reflectncia Continuidade

Para a realizao dos ensaios s fibras pticas obrigatrio que os tcnicos possuam os cadastros de rede devidamente actualizados.

Recomenda-se a realizao de ensaios de manuteno preventiva, onde periodicamente so feitas medies s fibras pticas, procedendo-se depois comparao com ensaios anteriores.

Os ensaios podem tambm ser realizados nas aces de manuteno correctiva, para detectar e localizar avarias.

Eventos reflectidosAparecem quando h descontinuidades na fibra ptica, causando uma mudana abrupta no ndice de refraco (n).

Eventos reflectivos podem acontecer em cortes, junes de conectores, junes mecnicas, ou no fim de fibra.

Figura 1 Trace caracterstico de um conector

Se 2 eventos estiverem muito prximos, o OTDR tem problemas em medir atenuao de cada um dos eventos, apresentando a atenuao de ambos. Isso acontece normalmente quando estamos a medir um patchcord.

Figura 2 Trace caracterstico de um patchcord

No caso do fim de fibra o evento reflectivo seguido de rudo e a medida de atenuao no possvel ser feita.

Figura 3 Trace caracterstico do fim de fibra

O fim de fibra pode tambm causar um evento no reflectivo.

Eventos no reflectidosOcorrem quando no h descontinuidades na fibra ptica, ou seja nas junes por fuso e nas macro curvaturas.

Figura 4 Trace caracterstico de uma juno por fuso

Nos eventos no reflectivos, por vezes a atenuao aparece com ganho, surgindo a subir no trace. Isso fruto da juno de fibras com ncleos de dimenses diferentes.

Figura 5 Junta normal

Figura 6 Junta com ganho

Nvel de potncia ptica

O nvel de potncia ptica expresso em dBm. Esta medio feita sobretudo para determinar se o sinal ptico que chega ao receptor suficiente.

Para fazer este ensaio necessrio um equipamento medidor de potncia ptica e um patchcord.

O patchcord utilizado nas medies dever estar limpo, para evitar erros nos ensaios efectuados.

Os conectores do patchcord devem ser iguais aos do equipamento ou fibra ptica que vamos ensaiar.

Figura 7 Medio do nvel de potncia ptica

AtenuaoA atenuao a perda que o sinal ptico sofre ao percorrer a fibra ptica e os materiais associados (conectores, patchcords, junes por fuso, etc.). expressa em dB.Material Conector Juno mecnica Juno fuso Fibra monomodo (1310nm) km Fibra monomodo (1490nm) km Fibra monomodo (1550nm) km Fibra multimodo (850nm) km Fibra multimodo (1300nm) km Atenuao (dB) 0,5 0,1 a 0,3 0,02 a 0,1 0,35 0,21 0,2 3 1

Tabela 1 Atenuao tpica das fibras pticas e materiais associados Exemplos:

1 Distancia (km) Atenuao aos 1550 nm (dB/km) Atenuao total da fibra (dB/km) Numero de fuses Atenuao mdia da fuso Atenuao total das fuses Numero de conectores Atenuao mdia dos conectores Atenuao total dos conectores Atenuao total 30 0,25 7,5 15 0,1 1,5 2 0,5 1 10

2 80 0,22 17,6 40 0,1 4 2 0,5 1 22,6

3 200 0,19 38 50 0,05 2,5 2 0,5 1 41,5

Tabela 2 Exemplos de calculo da atenuao

A atenuao pode ser medida em todo o traado da fibra ptica ou em cada evento.

Medio da atenuao num evento

Para executar a medio da atenuao num evento necessrio um OTDR.

Na execuo do ensaio da atenuao com um OTDR, dever ser utilizado o mtodo dos 5 pontos, para uma medio mais precisa.

Figura 8 Mtodo dos 5 pontos

O 5 ponto dever ser colocado onde h a viragem abrupta.

Medio da atenuao de todo o traado de fibra ptica, utilizando uma fonte de luz e um medidor de potncia ptica

O medidor de potncia ptica, em conjunto com uma fonte de luz, podem ser utilizados para medir a atenuao de uma fibra ptica, seguindo as normas ITU-T G650.1 e IEC 61350. Cada um dos equipamentos dever estar numa das extremidades da fibra ptica a ensaiar.

Material necessrio: Fonte de luz Medidor de potncia ptica (a funcionar no modo dBm) 2 patchcords (com o tipo de fibra e conectores adequados) Unio ptica (com os conectores adequados)

Configuramos a fonte ptica para injectar luz no comprimento de onda que pretendemos medir. A fonte de luz dever estar devidamente calibrada. O medidor dever ser programado para ler o nvel de potncia ptica no mesmo comprimento de onda seleccionado na fonte de luz.

Ligamos um patchcord a cada um dos equipamentos. Os patchcords devem ser do mesmo tipo de fibra e ter o mesmo tipo de conectores que a fibra ptica que vamos ensaiar. Interligamos os 2 patchcords atravs de uma unio ptica. O conjunto medidor mais fonte devem, se possvel, estabilizar electronicamente durante alguns minutos (pelo menos 10 a 15 minutos).

Os patchcords e a unio ptica utilizados nas medies devem estar limpos, para evitar erros nos ensaios efectuados.

Fazemos a leitura do nvel de potncia P0, no medidor de potncia ptica (em dBm).

Figura 9 Medio do nvel de potncia ptica P0

Retiramos a unio ptica e ligamos os patchcords em cada uma das extremidades da fibra ptica a ensaiar.

Efectuamos a leitura do nvel de potncia P1, no medidor de potncia ptica (em dBm).

Calculamos a diferena entre P0 e P1, obtendo assim o valor da atenuao.

Figura 10 Medio do nvel de potncia ptica P1

Medio da atenuao de todo o traado de fibra ptica, utilizando 2 equipamentos multifunes (OLTS - Optical Loss Test Set)

Os equipamentos multifunes ou OLTS combinam fonte de luz e medidor de potncia ptica no mesmo equipamento. As medies feitas por este equipamentos so as mais fiveis e precisas no que diz respeito medio da atenuao de uma fibra ptica. Os testes so feitos nos 2 sentidos da fibra ptica, sendo colocado um equipamento deste tipo em cada uma das extremidades da fibra ptica.

Os ensaios so feitos de forma automtica, no sendo necessrio os tcnicos possurem grandes conhecimentos tcnicos.

Figura 11 Medio da atenuao com 2 equipamentos multifunes

O sinal ao atravessar os splitters provoca atenuaes diferentes em cada um dos sentidos da fibra ptica. Diferenas nos dimetros do ncleo da fibra ptica, produzem atenuaes diferentes, conforme o sentido do sinal na fibra ptica.

H vantagens claras na execuo do ensaios de atenuao nos dois sentidos da fibra ptica, pelo que recomendamos a execuo dos ensaios feitos por 2 OLTS.

Medio da atenuao de todo o traado de fibra ptica, utilizando um OTDR, num s sentido

O ensaio feito por medio directa com um OTDR no permite ensaiar os conectores do incio nem do fim da fibra ptica.

Figura 12 Medio directa

Para evitar este problema colocado no incio e no fim da fibra ptica a ensaiar uma bobine de carga.

Figura 13 Medio com bobines de carga

O comprimento da bobine de carga de 300 a 500 metros para fibras pticas multimodo e de 1.000 a 2.000 metros para fibras monomodo.

importante que a fibra ptica utilizada na bobine de carga seja igual que est a ser ensaiada. Se tal no for possvel, devemos pelo menos garantir que as duas fibras pticas possuem o mesmo ndice de refraco (n) e o mesmo tamanho do ncleo.

A medio feita usando as bobines de carga possui as seguintes vantagens: Permite fazer uma medio correcta da atenuao dos conectores do incio e do final da fibra ptica; Desloca a zona cega, por forma a ficar visvel no trace, toda a fibra ptica que se pretende ensaiar; As medies so mais precisas; Permite aos tcnicos controlar o nvel de injeco (injection level) do OTDR;

Medio da atenuao de todo o traado de fibra ptica, utilizando OTDR, nos 2 sentidos (medio bidireccional)

O problema das falsas medidas das junes de fuso com ganho, pode ser resolvido se for feita uma medio bidireccional da fibra ptica com um OTDR.

O ensaio tem incio colocando o OTDR numa das pontas da fibra ptica. Depois o OTDR colocado na outra ponta da fibra ptica, sendo repetido o ensaio fibra ptica, agora na direco oposta.

O ensaio pode ser feito com o mesmo OTDR ou com 2 OTDRs. Atravs de software so comparados os traces dos 2 ensaios.

A caracterizao da fibra ptica feita atravs da medio bidireccional mais precisa do que a efectuada num s sentido da fibra.

Medio da atenuao de todo o traado de fibra ptica, utilizando OTDR, com um loopback

Na medio com loopback, necessrio apenas um OTDR mas so precisos 2 tcnicos para fazerem o ensaio. O ensaio feito de forma bidireccional, sendo ensaiadas duas fibras pticas em simultneo.

Figura 14 Medio com loopback

Medio da atenuao de todo o traado de fibra ptica, utilizando 2 OTDRs em modo automtico (medio bidireccional)

As vantagens da utilizao desta medio so as seguintes:

Permite fazer teste de continuidade s fibras pticas; Previne erros de configurao dos OTDRs; A informao enviada do equipamento remoto para o principal ou vice-versa; Guarda os resultados num ou nos dois aparelhos;

Figura 15 Medio bidireccional automtica usando 2 OTDRs

ReflectnciaA reflectncia a potncia reflectida de um elemento em concreto, em relao potncia incidente nesse elemento. expressa em dB. definida como:

Reflectncia = P reflectida (Pr) / P incidente (Pi)

Figura 16 Reflectncia

Quando medimos eventos reflectivos, a luz reflectiva chamada de reflectncia. A reflectncia refere-se a um nico evento, por definio o valor sempre negativo.

necessrio um OTDR para fazer o ensaio da reflectncia.

Os valores medidos so sempre negativos. Quanto mais negativos forem melhor (-55 dB melhor do que -40 dB).

Uma reflectncia maior aparece com pico mais alto no trace do OTDR.

O tipo de conector utilizado interfere no valor da reflectncia, os melhores conectores so os APC.

Tipo de conector PC (multimodo) UPC (monomodo) APC (monomodo)

Reflexo tpica (dB) -20 dB -50 at -55 -65 at -70

Tabela 3 Reflexo tpica dos conectores

Figura 17 Conector UPC e APC

Perda de retorno (ORL Optical return loss)A perda de retorno a relao entre a potncia incidente em toda a ligao e a potncia reflectida de toda a ligao.

ORL= P incidente (Pi) / P reflectida (Pr)

ITU-T G983.3 e G984.2 indica um valor mnimo de ORL de 32 dB, para os sistemas FTTH.

ITU Rec. G.983.3 G.984.2

Min. ORL (dB) para o link 32 32

Tabela 4 Valores mnimos de ORL

Medio da perda de retorno utilizando um OTDR

enviado um pulso de luz, sendo que o OTDR mede o sinal de retorno. O ORL sempre positivo, e quanto mais positivo melhor, ou seja, quanto maior o valor menor a reflexo.

Medio da perda de retorno utilizando um OLTS

semelhana do que feito na medio da atenuao, ligamos os 2 equipamentos OLTS costas com costas, com os respectivos patchcords utilizados nos ensaios e atravs, atravs de uma unio ptica.

Depois calibramos cada um dos equipamentos para o ORL mnimo que cada um capaz de ler.

Por ultimo ligamos cada os OLTS em cada um das extremidades da fibra ptica a ensaiar.

A medio do ORL utilizando 2 equipamentos multifunes (OLTS), atravs do mtodo bidireccional aquela em que se obtm os resultados mais precisos.

FantasmasSo resultado de fortes eventos reflectidos. O fantasma pode ser identificado porque no provoca atenuao. A distancia do fantasma mltipla da distancia em que ocorre o forte evento reflectido.

Figura 18 Fantasma

O fantasma pode aparecer em cima do rudo ou no prprio trace.

Se o

fantasma aparece perto do fim de fibra, dever ser utilizado uma mandrel wrap para o eliminar.

Figura 19 Fantasmas

ContinuidadePretende com este ensaio determinar se a fibra ptica est inteira ou partida entre dois pontos.

Medio da continuidade da fibra ptica utilizando um par de OLTS

A medio da continuidade da fibra ptica um ensaio muito simples de se realizar. Como vimos anteriormente, basta ligar as extremidades da fibra ptica uma fonte de luz e a um medidor de potncia ptica, ou a um par de OLTS.

Se for detectada potncia ptica no receptor, significa que a fibra est inteira, se no a fibra ptica est partida.

Medio da continuidade da fibra ptica utilizando um OTDR

Para se verificar a continuidade da fibra numa s direco necessrio determinar com o OTDR o comprimento da fibra ptica. Acontece que o comprimento das fibras pticas dentro do mesmo cabo, no todo igual, devido forma do enrolamento dos tubos, h sempre diferenas de alguns metros.

muito difcil distinguir entre uma fibra mais curta, ou uma partida perto do seu final.

Para no termos de fazer o teste bidireccional, poderemos testar a continuidade da fibra ptica, colocando o OTDR no modo real-time e observar o trace. Se o comprimento da fibra for claramente inferior, ento a fibra est partida.

Se o comprimento for aproximadamente o previsto ento dever fazer-se o seguinte:

Se o evento de reflexo de fim de fibra no for visvel, o tcnico dever cortar a fibra com cortador de fibra. O evento de reflexo do fim de fibra, dever ficar visvel, caso contrrio, o tcnico no est a segurar o fim se fibra, a fibra est partida um pouco antes;

Se o evento de fim de fibra visvel, aparecendo um pico largo, o tcnico dever enrolar a fibra numa mandrel wrap. Ao fazer isso o pico atenuado, se isso no acontecer, o tcnico no est a segurar o fim se fibra, a fibra est partida antes;

Localizar o corte de fibra pticaO OTDR um equipamento excelente para localizar o corte de uma fibra ptica. Para melhores resultados, o tcnico dever ter consigo o cadastro da rede.

Quando acontecem cortes de cabo de fibra ptica, o mais comum ser uma maquina que ao escavar danifica o cabo. Nesse caso no necessria grande preciso, porque rapidamente se localiza o corte de cabo, procurando perto do local das obras.

No caso do cabo ter sido ferido devido aco de um roedor, ou por algum que disparou tiros sobre os cabos, necessria uma localizao precisa.

Quando o cabo danificado, o corte pode provocar eventos reflectidos ou no reflectivos.

mais fcil fazer uma localizao mais precisa atravs de um evento reflectido, do que um no reflectido.

Por isso quando h muitas fibras cortadas, devemos ir ligando o OTDR nas fibras pticas, at encontrarmos uma, onde aparea um evento reflectido.

No caso de aparecer um evento no reflectido, o melhor deixar o software do OTDR fazer a localizao automaticamente. Como alternativa podemos colocar o OTDR em cada uma das extremidades da fibra, para desta forma fazermos melhor a localizao do corte.

importante que o cadastro estejam registadas todas as folgas de cabo, caso contrrio, a localizao do OTDR por muito precisa que seja, no resultar em nada.

No esquecer que o cabo de fibra ptica areo tem sempre uma flecha, pelo que o comprimento do cabo de fibra ptica sempre maior do que a distancia directa. Por ultimo, devido ao enrolamento das fibras pticas dentro do cabo, o comprimento da fibra ptica sempre maior do que a distancia directa.

Ensaio sem perturbao do servio FTTH

Utilizando um OTDR, no comprimento de onda dos 1625 nm.

No caso da redes PON, se existirem sadas livres do splitter, colocando o OTDR na extremidade, utilizando o comprimento de onda dos 1625 nm, podemos ensaiar a fibra ptica, sem perturbar os comprimentos de onda dos 1310, 1490 e 1550 nm.

Figura 20 Teste sem perturbao do servio

Anexo 1Ensaios nas redes GPON da Portugal Telecom

Medio da atenuaoAs medies da atenuao, na tecnologia GPON da Portugal Telecom, devem ser feitas em todas as fibras pticas, nos seguintes comprimentos de onda: Voz e dados Vdeo Retorno (subida) 1490 nm; 1550 nm; 1310 nm;

Figura 1 Rede GPON da Portugal Telecom

A realizao do ensaio de atenuao feita no sentido:

C.O.

Armrio de rua (SRO) PDO

Armrio de rua (SRO) C.O. PDOs)

PDO (Ligando o splitter 1:32 do SRO para chegar a todos os

Atenuao n de ligao (dB) = Pot. receptor(dBm) - Pot. emissor(dBm)

A(dB) = (L x AT) + (NE x AE) + (NC x AC) + (AS)

A

= Atenuao terica mxima

AT = Atenuao cabo por Km L = Comprimento do cabo

NE = Nmero junes AE = Atenuao mdia juno NC = Nmero de dispositivos de ligao AC = Atenuao dispositivo de ligao AS = Atenuao spliters

As atenuaes dos equipamentos passivos da rede FTTH da Portugal Telecom so os seguintes:

Equipamento Splitter 1:32 Splitter 1:8 Splitter 1:4 Splitter 1:2 Conector SC / APC Fuso

Atenuao mxima (dB) 16,7 10,4 7 3,5 0,5 0,13

Tabela 1 Atenuao dos equipamentos passivos FTTH da Portugal Telecom

Arquitectura A

Medir todas as fibras que terminam no dispositivo de ligao desde o C.O. (fonte) at ao armrio (receptor). Anotar o valor da atenuao em dB a 1310, 1490 e 1550 nm.

Figura 2 - Medio da atenuao (arquitectura A)

Medir todas as fibras que terminam no dispositivo de ligao desde o armrio (fonte) at ao PDO (receptor). Anotar o valor da atenuao em dB a 1310, 1490 e 1550 nm. Pela analise das tabelas de apresentao das medies, este ensaio j no necessrio.

Figura 3 - Medio da atenuao (arquitectura A)

Medir todas as fibras que terminam no dispositivo de ligao desde o C.O. (fonte) at ao PDO (receptor). Anotar o valor da atenuao em dB a 1310, 1490 e 1550 nm. Utilizar o splitter 1:32 do SRO para poder medir todas as fibras.

Figura 4 - Medio da atenuao (arquitectura A)

Ensaiar o splitter no SRO, no sentido de verificar a atenuao em cada comprimento de onda: 1310, 1490 e 1550 nm.

Arquitectura B

Medir todas as fibras que terminam no dispositivo de ligao desde o C.O. (fonte) at ao PDO (receptor). Anotar o valor da atenuao em dB a 1310, 1490 e 1550 nm.

Figura 5 - Medio da atenuao (arquitectura B)

Arquitectura C

Medir todas as fibras que terminam no dispositivo de ligao desde o C.O. (fonte) at ao PDO (receptor). Anotar o valor da atenuao em dB a 1310, 1490 e 1550 nm.

Figura 6 - Medio da atenuao (arquitectura C)

A gama dinmica dos equipamentos de medida a utilizar nas medies, da atenuao dever ser maior que 10db da atenuao a medir. Os

equipamentos devem estar calibrados antes da medio. A limpeza dos dispositivos de ligao muito importante e afecta muito o resultado da medida.

O medidor deve permitir seleccionar o comprimento de onda 1490 nm.

Recomenda-se a realizao da medio da atenuao com equipamentos multifunes (OLTS), que medem a potncia ptica nos dois sentidos, simultaneamente nos trs comprimentos de onda: 1310 nm, 1490 nm e 1550 nm

Medio do ORL e da reflectnciaAs medies (para a PT) sero efectuadas numa s direco, sempre a partir do cliente para a C.O., unicamente sobre uma fibra ptica de cada PDO.

Arquitectura A

OTDR em 1310 e 1550 nm. Medir as perdas de retorno (ORL) e a reflectncia dos elementos.

Figura 7 Medio com o OTDR (arquitectura A)

OTDR em 1310 e 1550 nm (unicamente sobre uma fibra ptica de cada PDO). Medir as perdas de retorno (ORL) e a reflectncia dos elementos.

Figura 8 Medio com OTDR (arquitectura A)

Pela analise das tabelas de apresentao das medies, este ensaio j no necessrio, sendo substitudo por um mais alargado, que vai do PDO at ao CO.

Arquitectura B

OTDR em 1310 e 1550 nm (unicamente sobre uma fibra ptica de cada PDO). Medir as perdas de retorno (ORL) e a reflectncia dos elementos.

Figura 9 Medio com OTDR (arquitectura B)

Arquitectura C

OTDR em 1310 e 1550 nm (unicamente sobre uma fibra ptica de cada PDO). Medir as perdas de retorno (ORL) e a reflectncia dos elementos.

Figura 10 Medio com o OTDR (arquitectura C)

O OTDR a utilizar nos ensaios da reflectncia dever: Permitir a execuo de medidas automticas e manuais; Ser capaz de recolher dados depois de um episdio de elevada perda e no considerar esse episdio como fim de fibra; Laser classe 1: (1625 nm 20 nm) ou 1650 nm 20 nm (O

equipamento pode dispor no mesmo mdulo 1310 nm/1550 nm); Larguras de pulsao desde 5 ns e at 10 s. Gama dinmica 30 dB sendo recomendvel 37 dB em 1625 nm ou 1650 nm. Zona cega de episdios melhor ou igual a 0,8 m e zona cega de atenuao melhor ou igual a 5 m. Armazenamento com formato compatvel com Bellcore/Telcordia

verso 1.1 e verso 2.0

A configurao do equipamento ser manual com uma largura de pulsao de 1 s, e a mdia suficiente para visualizar o flanco de subida da reflexo final da fibra, onde ser medida a distncia de origem D(m) mediante um cursor.

O ndice de refraco que deve ser utilizado o habitual n=1,465.

necessrio entregar a linha de medida em formato Bellcore (*.sor).

Figura 11 Trace de um OTDR

A figura mostra um exemplo de um trace obtido por um OTDR numa das fibras pticas de sada de um divisor 1x16 de uma PDO a 1625 nm.

O nvel de injeco (injection level) do equipamento muito baixo, dado que o divisor ptico de 1X16 est no incio da fibra ptica a medir (zona cega).

possvel medir a perda do divisor ptico 1X4 (episdio 2). A distncia em metros do episdio 3 (final da fibra) o valor da distncia da PDO CO.

Figura 12 OTDR 1310nm/1550 nm/1625nm

Se o OTDR no tiver filtro, necessrio utilizar um externo que recuse o comprimento de onda dos 1550 nm, para que o equipamento possa fazer a medio do sinal que provem da OLT nos 1490 nm.

Figura 13 Filtro externo

Filtro ptico embutido num adaptador (dispositivo de ligao SC/APC) que permite a passagem da 4 janela (1625/1650 nm) e no permite a comprimentos iguais e/ou menores que 1550 nm (1310 nm/1490 nm/1550 nm).

Caractersticas do filtro: Perdas de insero em 1625 nm 2,3 dB. Perdas de retorno em 1625 nm 40 dB. Isolamento nos comprimentos de onda de 1310 nm e 1550 nm 15 dB. Recomendvel que o filtro esteja embutido no adaptador ou dispositivo de ligao SC/APC, para ligar a cordes de fibra ptica monomodo terminados em dispositivos de ligao SC/APC.

Quadro resumo das medies

Medida

Medida da atenuao a 1310, 1490 e 1550 nm (dBm) Fonte e medidor de potncia para redes PON Todas as fibras pticas CO A SRO CO B C CO CO SRO PDO PDO PDO PDO

Medida de reflectrometria a 1310 e 1550 nm. Perdas de retorno (ORL) e reflectncia. OTDR para redes PON + Filtro de 1625 nm Uma fibra por PDO SRO PDO PDO PDO CO SRO CO CO

Equipamento Quantidade

Arquitectura

Fonte colocada no CO e o medidor no PDO. Observaes Numa s direco. O OTDR colocado no PDO. PDO, a

No caso do ensaio SRO

fonte fica no SRO e o medidor no PDO.

No caso do ensaio SRO

CO, o OTDR colocado no SRO.