Estudo de caso - MAMEDE... · Maria de Lurdes Mamede Soares . Comportamento Organizacional . numa Unidade

  • View
    214

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Estudo de caso - MAMEDE... · Maria de Lurdes Mamede Soares . Comportamento Organizacional . numa...

Maria de Lurdes Mamede Soares

Comportamento Organizacional

numa Unidade de Cuidados Intensivos Polivalente

Estudo de caso

Dissertao de Mestrado em Gesto e Economia da Sade, apresentada

Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra

julho de 2016

Maria de Lurdes Mamede Soares

Comportamento Organizacional

numa Unidade de Cuidados Intensivos Polivalente

Estudo de caso

Dissertao de Mestrado em Gesto e Economia da Sade,

apresentada Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra

para obteno do grau de Mestre

Orientadora: Professora Doutora Maria Manuela Frederico Ferreira

Coimbra, julho de 2016

Imagem da capa:

Autora do trabalho

i

Ningum escapa ao sonho de voar, de ultrapassar os limites do espao onde nasceu, de ver novos lugares e novas gentes. Mas saber ver em cada coisa, em cada pessoa, aquele algo que a define como especial, um objeto singular, um amigo. Navegar preciso, mas reconhecer o valor das coisas e das pessoas, mais preciso ainda.

Antoine de Saint-Exupry

Aos meus pais, Maria e Adelino,

aos meus filhos, Ins e Miguel.

Ao Manuel.

ii

AGRADECIMENTOS

Na elaborao deste trabalho, vrias pessoas contriburam para o seu

desenvolvimento, sem as quais a sua concretizao no teria sido possvel. A todos, quero

expressar a minha profunda gratido.

Professora Doutora Maria Manuela Frederico Ferreira, agradeo a sua

orientao, pelo seu profissionalismo e apoio, acompanhando e dando o estmulo

necessrio para que esta etapa fosse percorrida e alcanada;

mesa de peritos, pela validao do questionrio e pela forma clere e entrosada

que pautou o seu trabalho;

equipa dos profissionais de sade da Unidade de Cuidados Intensivos

Polivalente, por se ter disponibilizado para responder aos questionrios, sem os quais

este trabalho no teria sido exequvel;

Ao Conselho de Administrao do Centro Hospitalar, por acreditar neste estudo;

Diretora e ao Enfermeiro Chefe da Unidade de Cuidados Intensivos Polivalente,

pelo grande contributo para a realizao deste trabalho, com o seu apoio e sugestes;

Ao Professor Doutor Joo Duarte, por toda a disponibilidade oferecida no

tratamento estatstico;

Aos amigos, pelo incentivo constante, pelas palavras de apoio que se traduziram

em fora para prosseguir.

Helena e Filomena, por terem acreditado em mim.

A todos, o meu muito obrigada!

iii

RESUMO

O comportamento organizacional implica a aceitao de metas e valores de uma

organizao, estando associado vontade de desempenhar um esforo por essa mesma

organizao e ao forte desejo de permanecer na mesma.

O presente estudo tem como objetivo geral estudar o comportamento

organizacional dos profissionais de sade a exercer funes numa organizao de sade,

mais concretamente numa unidade de cuidados intensivos polivalente. Trata-se de um

estudo quantitativo, com corte transversal e exploratrio-descritivo, realizado com

recurso a um instrumento de colheita de dados autoaplicado, preenchido por 39

profissionais de sade a exercerem funes numa da unidade de cuidados intensivos

polivalente. O instrumento de recolha de dados incluiu questes relativas a dados

sociodemogrficos e profissionais, a Escala de Inteligncia Emocional validada para a

populao portuguesa por Rego e Fernandes (2005), a Escala de perceo das expetativas

dos profissionais de sade versus perceo da realidade atual, que teve como base o

questionrio de Lus Graa (1999) e a Escala de opinio da perceo da realidade atual da

Unidade.

Amostra maioritariamente feminina (73%), com uma idade mdia de 43,54 anos

(dp=8,33 anos). No que se refere forma como os profissionais gerem as suas emoes,

sobressaiu o Auto encorajamento (78,91%; 11,831). Quanto sua opinio, expetativas

versus a realidade atual na Unidade, o valor mdio mais elevado recaiu na opo de

resposta at que ponto deveria existir ( =91.50, 6.733), sugerindo que estes consideram

que a realidade no corresponde s suas expetativas. Quanto opinio dos participantes

sobre o que consideram mais relevante para melhorar as condies de trabalho, o

relacionamento ou outra vertente, sobressaram a clara definio de competncias e

responsabilidades (n=30), a existncia de um canal de comunicao (n=28), e a existncia

de formao obrigatria sobre comportamentos corretos na Unidade (n=11). A grande

maioria dos profissionais de sade apontaram para uma probabilidade de estarem

muitssimo bem a trabalhar na Unidade (33,3%).

PALAVRAS-CHAVE: Comportamento Organizacional; Unidade de Cuidados Intensivos

Polivalente; Profissionais de Sade.

iv

ABSTRACT

The organizational behavior implies the acceptance of goals and values of an

organization, being associated with willingness to play an effort by the same organization

and the strong desire to stay in it.

This study has the general objective to study organizational behavior of health

professionals to perform duties in a health organization, specifically a unit polyvalent

intensive care. This is a quantitative study with cross-cutting descriptive and exploratory,

conducted using a self-administered data collection instrument, completed by 39 health

professionals to perform duties of a polyvalent intensive care unit. The data collection

instrument included questions on sociodemographic and professional data, Emotional

Intelligence Scale validated for the Portuguese population by Rego and Fernandes (2005),

the perception range of expectations of health professionals versus perception of the

current reality, which It was based on the questionnaire Lus Graa (1999) and the scale of

view of perception of the current reality of Oneness.

Sample predominantly female (73%) with an average age of 43.54 years (SD = 8.33

years). With regard to how professionals manage their emotions, he excelled Auto

encouragement (78.91%; 11.831). As for your opinion, expectations versus the current

reality in the unit, the highest average value fell in response option to what extent there

should be ( =91.50, 6.733), suggesting that they consider that the reality does not

correspond to their expectations. As for the opinion of the participants on what they

consider most relevant to improving working conditions, relationships or other aspects,

highlights the clear definition of powers and responsibilities (n = 30), the existence of a

communication channel (n=28) and the existence of mandatory training on behavior in

the correct unit (n=11). The vast majority of health professionals pointed to a likely to be

very well working on the unit (33.3%).

KEYWORDS: Organizational Behavior; Unit Polyvalent Intensive Care; Health

professionals.

v

LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS

APACHE - Acute Physiology and Chronic Health Evalution

cf. - Conforme

DP Desvio padro

EN Entidade Nacional

ERS - Entidade Reguladora da Sade

ESCID - Escala de Comportamentos Indicadores de Dor

et al. e outros [autores]

IE Inteligncia emocional

IEACC - Autocontrolo perante as crticas

IEACE - Autocontrolo emocional

IEAE - Auto encorajamento

IECEO - Compreenso das emoes dos outros

IECEP - Compreenso das emoes prprias

IEE - Empatia

ISO - International Organization for Standardization

m2 Metro quadrado

n nmero [frequncia]

NP Norma portuguesa

p. Pgina

POIMQIP - International Quality Indicator Project

RASS - Richmond agitation sedation scale

SAPS - Simplified Acute Physiology Score

SINAS - Sistema de Avaliao em Sade

SOFA - Organ Failure Sequential Assessment

UCIP Unidade de cuidados intensivos polivalente

vi

LISTA DE FIGURAS

Figura 1 - Variveis do Clima Organizacional ....................................................................... 18

LISTA DE QUADROS

Quadro 1 - Evoluo assistencial da UCIP (1998/2014) ....................................................... 31

Quadro 2 - Quadro valores mdios de TISS da unidade a apresentar ................................ 34

LISTA DE TABELAS

Tabela 1 - Consistncia interna dos itens da Escala de Inteligncia Emocional .................. 44

Tabela 2 Consistncia interna dos itens por fatores ........................................................ 46

Tabela 3 Valores de alfa de Cronbach para as subescalas da Escala de Inteligncia

Emocional............................................................................................................................. 47

Tabela 4 - Consistncia interna dos itens da Escala das percees das expectativas dos

profissionais de sade e perceo da realidade atual A) At que ponto deveria

existir? .................................................................................................................................. 49

Tabela 5 - Consistncia interna dos itens da Escala das percees das expectativas dos

profissionais de sade e perceo da realidade atual B) At que ponto existe? ............. 51