Estudos EBD 03 - 3T11 - O Ministério Cristão (a)

Embed Size (px)

DESCRIPTION

- PowerPoint PPT Presentation

Text of Estudos EBD 03 - 3T11 - O Ministério Cristão (a)

  • Terceiro Trimestre de 2011O ministrio cristo Estudo 3 - Que vos ameis uns aos outros ProclamaoAconselhamentoIntercesso AdoraoServioEnsino Mordomia Liderana Terceiro domingo

    17.Jul.2011

  • Estudo 03Que vos ameis uns aos outrosO amor a base do ministrio cristo

    Textos bblicos:

    Jo 2.1-12; Ef 5.22-33; 6.1-9; Cl 3.18-4.1; Tt 2.1-10 Fl 8-20; 1Pe 3.8-17

    Texto ureo: Jo 13.34: Um novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei a vs, que tambm vs vos ameis uns aos outros.

  • Introduo (I)

    A base para o desenvolvimento de qualquer ministrio, entendido este como o propsito de servir a Deus, o amor. Esta virtude primacial a base do ministrio cristo.Servir a Deus e em conseqncia ao prximo, so aes que encontram no amor, unicamente nele, a fundamentao necessria. Para que a igreja de Cristo possa apresentar ao mundo a sua mensagem salvadora, s mesmo por intermdio do amar ao prximo que isto poder ser feito. Do contrrio, nada feito, pois sem esta prtica a igreja se torna egosta, individualista e indiferente s necessidades do mundo.

  • Isto, porque ele se fundamentou na lei maior do Senhor Deus, o Declogo, onde os quatro primeiros mandamentos se referem ao nosso relacionamento vertical (com Deus), e os seis ltimos mandamentos se referem ao nosso relacionamento horizontal (com o prximo).

    Na lio de hoje, vamos nos deter nesta segunda parte!

    Introduo (II)

    O texto ureo da lio nos ensina que Cristo resumiu toda a responsabilidade moral humana em duas categorias apenas: Primeira: amar a Deus, eSegunda: amar ao prximo!

  • Vamos fazer esta caminhada atravs dostextos bblicos demarcados para a lio dehoje. Verificaremos em cada um deles algoem especial que destaca a virtude e a prticado amor, na vida de Cristo e nos ensinos de Paulo:

    Em Joo 2.1-12, Cristo pratica o amor em Can; Em Efsios 5.22-6.9, Paulo aconselha o amor no lar;3) Em Cl 3.18-4.1, o apstolo repete a lio;4) Em Tt 2.1-10, Paulo ensina sobre a prtica na igreja;5) Em Fl 8-20, exorta sobre sua prtica no trabalho;6) Em 1Pe 3.8-17, Pedro instrui sobre o amor fraternal.

    Verificamos assim, que o exerccio do ministrio cristo tem como instrumento fundamental a prtica do amor.

    Introduo (III)

  • Trs dias depois, houve um casamento em Can da Galilia, e estava ali a me de Jesus; e foi tambm convidado Jesus com seus discpulos para o casamento. 3. E, tendo acabado o vinho, a me de Jesus lhe disse: Eles no tm vinho. 4. Respondeu-lhes Jesus: Mulher, que tenho eu contigo? Ainda no chegada a minha hora. 5. Disse ento sua me aos serventes: Fazei tudo quanto ele vos disser. 6. Ora, estavam ali postas seis talhas de pedra, para as purificaes dos judeus, e em cada uma cabiam duas ou trs metretas.7. Ordenou-lhes Jesus: Enchei de gua essas talhas. E encheram-nas at em cima.

    Ministrio CristoA virtude que motiva o ministrioJoo 2.1-12

  • 8. Ento lhes disse: Tirai agora, e levai ao mestre-sala. E eles o fizeram. 9. Quando o mestre-sala provou a gua tornada em vinho, no sabendo donde era, se bem que o sabiam os serventes que tinham tirado a gua, chamou o mestre-sala ao noivo 10. e lhe disse: Todo homem pe primeiro o vinho bom e, quando j tm bebido bem, ento o inferior; mas tu guardaste at agora o bom vinho. 11. Assim deu Jesus incio aos seus sinais em Can da Galilia, e manifestou a sua glria; e os seus discpulos creram nele. 12. Depois disso desceu a Cafarnaum, ele, sua me, seus irmos, e seus discpulos; e ficaram ali no muitos dias.

  • Ministrio Cristo2) Seu exerccio no lar e no trabalhoEf 5.22-33; 6.1-9

    22. Vs, mulheres, submetei-vos a vossos maridos, como ao Senhor; 23. porque o marido a cabea da mulher, como tambm Cristo a cabea da igreja, sendo ele prprio o Salvador do corpo. 24. Mas, assim como a igreja est sujeita a Cristo, assim tambm as mulheres o sejam em tudo a seus maridos. 25. Vs, maridos, amai a vossas mulheres, como tambm Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela, 26 a fim de a santificar, tendo-a purificado com a lavagem da gua, pela palavra, 27. para apresent-la a si mesmo igreja gloriosa, sem mcula, nem ruga, nem qualquer coisa semelhante, mas santa e irrepreensvel.

  • 28. Assim devem os maridos amar a suas prprias mulheres, como a seus prprios corpos. Quem ama a sua mulher, ama-se a si mesmo. 29. Pois nunca ningum aborreceu a sua prpria carne; antes, a nutre e preza, como tambm Cristo a igreja; 30. porque somos membros do seu corpo. 31. Por isso deixar o homem a seu pai e a sua me, e se unir sua mulher, e sero os dois uma s carne. 32. Grande este mistrio, mas eu falo em referncia a Cristo e igreja. 33. Todavia tambm vs, cada um de per si, assim ame a sua prpria mulher como a si mesmo, e a mulher reverencie a seu marido.

  • 1.Vs, filhos, sede obedientes a vossos pais no Senhor, porque isto justo. 2. Honra a teu pai e a tua me (que o primeiro mandamento com promessa), 3. para que te v bem, e sejas de longa vida sobre a terra. 4. E vs, pais, no provoqueis ira vossos filhos, mas criai-os na disciplina e admoestao do Senhor. 5. Vs, servos, obedecei a vossos senhores segundo a carne, com temor e tremor, na sinceridade de vosso corao, como a Cristo, 6. no servindo somente vista, como para agradar aos homens, mas como servos de Cristo, fazendo de corao a vontade de Deus, 7. servindo de boa vontade como ao Senhor, e no como aos homens. 8. Sabendo que cada um, seja escravo, seja livre, receber do Senhor todo bem que fizer. 9. E vs, senhores, fazei o mesmo para com eles, deixando as ameaas, sabendo que o Senhor tanto deles como vosso est no cu, e que para com ele no h acepo de pessoas.

  • Ministrio Cristo3) Sua essncia generosa e despretenciosa e sua recompensa.Cl 3.18-25; 4.1

    18. Vs, mulheres, sede submissas a vossos maridos, como convm no Senhor. 19. Vs, maridos, amai a vossas mulheres, e no as trateis asperamente. 20. Vs, filhos, obedecei em tudo a vossos pais; porque isto agradvel ao Senhor. 21. Vs, pais, no irriteis a vossos filhos, para que no fiquem desanimados. 22. Vs, servos, obedecei em tudo a vossos senhores segundo a carne, no servindo somente vista como para agradar aos homens, mas em singeleza de corao, temendo ao Senhor.

  • 23. E tudo quanto fizerdes, fazei-o de corao, como ao Senhor, e no aos homens, 24. sabendo que do Senhor recebereis como recompensa a herana; servi a Cristo, o Senhor. 25. Pois quem faz injustia receber a paga da injustia que fez; e no h acepo de pessoas.

    4.1. Vs, senhores, dai a vossos servos o que de justia e eqidade, sabendo que tambm vs tendes um Senhor no cu.

  • Ministrio Cristo4) Sua conduta naigreja Tt 2.1-10 1.Tu, porm, fala o que convm s doutrina. 2. Exorta os velhos a que sejam temperantes, srios, sbrios, sos na f, no amor, e na constncia; 3. as mulheres idosas, semelhantemente, que sejam reverentes no seu viver, no caluniadoras, no dadas a muito vinho, mestras do bem, 4. para que ensinem as mulheres novas a amarem aos seus maridos e filhos, 5. a serem moderadas, castas, operosas donas de casa, bondosas, submissas a seus maridos, para que a palavra de Deus no seja blasfemada. 6. Exorta semelhantemente os moos a que sejam moderados.

  • 7. Em tudo te d por exemplo de boas obras; na doutrina mostra integridade, sobriedade,

    8. linguagem s e irrepreensvel, para que o adversrio se confunda, no tendo nenhum mal que dizer de ns.

    9. Exorta os servos a que sejam submissos a seus senhores em tudo, sendo-lhes agradveis, no os contradizendo

    10. nem defraudando, antes mostrando perfeita lealdade, para que em tudo sejam ornamento da doutrina de Deus nosso Salvador.

  • Ministrio Cristo5) Sua presena no relacionamento profissionalFl 1.8-208.Pelo que, embora tenha em Cristo plena liberdade para te mandar o que convm, 9. todavia prefiro rogar-te por esse teu amor, sendo eu como sou, Paulo o velho, e agora at prisioneiro de Cristo Jesus, 10. sim, rogo-te por meu filho Onsimo, que gerei nas minhas prises; 11. o qual outrora te foi intil, mas agora a ti e a mim muito til; 12. eu to torno a enviar, a ele que o meu prprio corao. 13. Eu bem quisera ret-lo comigo, para que em teu lugar me servisse nas prises do evangelho; 14. mas sem o teu consentimento nada quis fazer, para que o teu benefcio no fosse como por fora, mas, sim, espontneo.

  • 15. Porque bem pode ser que ele se tenha separado de ti por algum tempo, para que o recobrasses para sempre, 16. no j como escravo, antes, mais do que escravo, como irmo amado, particularmente de mim, e quanto mais de ti, tanto na carne como tambm no Senhor. 17. Assim pois, se me tens por companheiro, recebe-o como a mim mesmo. 18. E, se te fez algum dano, ou te deve alguma coisa, lana-o na minha conta. 19. Eu, Paulo, de meu prprio punho o escrevo, eu o pagarei, para no te dizer que ainda a ti mesmo a mim te deves. 20 Sim, irmo, eu quisera regozijar-me de ti no Senhor; reanima o meu corao em Cristo. 21. Escrevo-te confiado na tua obedincia, sabendo que fars ainda mais do que peo.

  • Ministrio Cristo6) Sua prtica nafraternidade crist1Pe 3.8-178. Finalmente, sede todos de um mesmo sentimento, compassivos, cheios de amor fraternal, misericordiosos, humildes, 9. no retribuindo mal por mal, ou injria por injria; antes, pelo contrrio, bendizendo; porque para isso fostes chamados, para herdardes uma bno. 10. Pois, quem quer amar a vida, e ver os dias bons, refreie a sua lngua do mal, e os seus lbios no falem engano; 11 aparte-se do mal, e faa o bem; busque a paz, e siga-a. 12. Porque os olhos do Senhor esto sobre os justos, e os seus ouvidos atentos sua splica; mas o rosto do Senhor contra os que fazem o mal.

  • 13. Ora, quem o que vos far mal, se fordes zelosos do bem? 14. Mas tambm, se padecerdes por amor da