Click here to load reader

Etiqueta Religiosa

  • View
    17

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Etiqueta Religiosa

Etiqueta religiosa : O comportamento perante o Clero e na Parquia.

RELIGIOSA PARTE 2

NA PARQUIA

No tratamento do clrigo, para se evitar qualquer falta de respeito, preciso ter um mnimo de conhecimentos sobre o Sacerdcio.

Na Igreja Ortodoxa existem tres graus do Sacerdcio: dicono, sacerdote, bispo.Ainda antes de promoo para a dignidade do dicono, o homem deve decidir: vai passar a exercer o servio de sacerdote sendo casado (o clero branco) ou se tornar um monge (o clero negro),os primeiros servindo nas parquias e osltimos nos mosteiros.Contudo,desde o sculo XIX na Igreja Russa existe o instituto de formao dos sacerdotes celibatarios, e estes, diconos e sacerdotes celibatrios tambm fazem parte do clero paroquial. Ento, atualmente, os sacerdotes-monges servem no somente nos mosteiros, mas so frequentes em parquias, tanto nas cidades, como nas aldeias. O Bispo deve obrigatoriamente ser do clero negro.A hierarquia sacerdotal pode ser apresentada de seguinte forma: CLERO BRANCOCLERO NEGRO

I. DICONO

DiconoProtodicono(o dicono superior em uma catedral)HierodiconoArquidicono(o dicono superior em mosteiro)

II. SACERDOTE

Sacerdote, ou presbteroArcipreste(sacerdote superior)HieromongeSuperiorArquimandrita

III. BISPOBispoArcebispoMetropolitaPatriarca

Se um monge atinge um grau mais elevado de asceticismo, ele pode receber a Shema (a mais elevada graduao para os monges no qual ele recebe um paramento que se vincula a uma viso da vestimenta dos anjos), ao seu ttulo ento se acrescenta o "shema Shema-monge, Shema-hierodicono, Shema-hieromonge (ou hieroshemamonge), Shema-superior de algum monastrio, Shema-arquimandrita, Shema-Bispo ( neste caso, este obrigado a deixar a gesto da Diocese).

No tratamento com o clero preciso fazer todo o possvel para empregar o estilo respeitoso da linguagem. Desta maneira, no o mais respeitoso o tratamento sacerdote (sem aplicao do nome).No ramo ocidental do Cristianismo se aplica o termo Padre, o que no familiar para a cultura ortodoxa. Em templos russos o sacerdote tratado como btiuska quando diretamente, e sacerdote(com soma do nome) quando mencionado a outra pessoa.

A questo sobre a forma de tratamento: tu, voc ou o senhor, no que diz respeito ao meio religioso o tratamento ser sempre "senhor". claro que nas relaes mais prximas natural que este tratamento seja mais abrandado, com o uso do voc, mas na presena das demais pessoas no to intimas tal forma se entende como sendo um violao da norma. Desta maneira, a esposa do dicono ou do sacerdote em casa naturalmente vai tratar o marido por tu ou voc, mas este tratamento na parquia soaria como algo destoado, pois mina a autoridade do sacerdote.

TRATAMENTO DO DICONO

O dicono o assistente do sacerdote. Ele no possui a graa que tem o sacerdote e lhe dada no sacramento de ordenao. Por isso o dicono no pode celebrar a liturgias, realizar sacramentos, celebrar ofcios de memria dos mortos, benzer a casa e outros servios de necessidade, sem ter a presena de um Presbtero ou Bispo. Da que no se pede ao Dicono para realizar Sacramentos ou ofcios, bem como no se pede a sua beno.Mas, sem dvida, o Dicono pode ajudar com um conselho e com suas preces.

Em caso de querer saber o nome do sacerdote, , normalmente se faz a seguinte pergunta : Desculpe, como o seu nome santo? (assim pode se fazer a qualquer ortodoxo)

TRATAMENTO DO SACERDOTE

Na prtica religiosa no habitual a saudar o sacerdote com as palavras: Bom dia, Boa tarde, Boa noite. Ao encontro se pede a beno com as palavras: Me abenoe, Btiuchka. Despedindo-se tambm sempre se pede a beno.

O sacerdote, ao se apresentar, deve dizer: Sacerdote Vassly Ivanov, Arcipreste Guendy Petrov, Superior Leonid, mas seria uma violao da etiqueta religiosa dizer: Eu sou Sacerdote Mikhail Sdorov.

Em terceira pessoa, se referindo ao sacerdote, geralmente se diz: O proco abenoou, O Sacerdote Mikhail acha.... Em uma situao na qual pode haver muitos sacerdotes com nomes iguais, para distingu-los, se diz: O Arcipreste Nicolau est viajando e o Sacerdote Nicolau comunga. Ou tambm, neste caso ao nome se acrescenta o sobrenome: Sacerdote Nikolay Msslov est agora na audincia com o Vladyka.

A combinao Sacerdote e sobrenome do sacerdote (Sacerdote Krvchenko) usa-se, mas de forma rara, pois marca uma conotao mais oficial e formal.

O conhecimento de tudo isso necessrio, mas, por vezes estas informaes se tornam insuficientes por causa de diversidade da vida paroquiana. Observemos algumas situaes :Como deve agir um leigo, se ele se deparar com varios sacerdotes?Aqui podem haver muitas variaes, mas a regra geral a seguinte: Se pede primeiro a beno aos sacerdotes de grau mais elevado(como exemplo,os arciprestes antes dos presbteros). Se j tiver recebido beno de dois ou mais sacerdotes, mas ainda h mais tres ou quatro btiuskas, pea a beno deles tabm. Mas se o leigo notar que isso se torna complicado por qualquer motivo, diga: Me abenoem Btiuskas e se curve. Notemos, que na Ortodoxia no habitual o tratamento Santo Padre, mas sim Btiuska (por exemplo: Reze por mim, Btiuska)Uma outra situao: um grupo de fiis no ptio da igreja est sendo abenoado por um sacerdote. Neste caso preciso agir da seguinte maneira: inicialmente vem homens (se no grupo ha sacerdotes, estes recebem a beno primeiro) conforme a idade. Depois vem as mulheres (tambm conforme a idade). Se uma famlia est sendo abenoada, inicialmente recebe a beno o marido, depois a esposa, e depois os filhos (conforme a idade). Se um fiel quer apresentar alguem ao sacerdote, diz: Btiuska, esta a minha esposa. Peo que a abenoe.

E como agir, no caso de encontrar o sacerdote na rua, no transporte, em um lugar social ( em uma repartio, em uma loja, etc...)? Mesmo, se ele estiver vestido com trajes seculares, o leigo pode se aproximar dele e pedir a beno, isto , se ele perceber que isso no vai atrapalhar o sacerdote. Caso for impossvel tomar a beno, o leigo deve se limitar a uma ligeira reverncia.

Na despedida, da mesma forma como na apresentao, o leigo pede a beno do sacerdote: Me perdoe e me abenoe, Btiuska.

COMPORTAMENTO NA CONVERSAO tratamento do leigo para com o sacerdotedeve ser cheio de deferncia e respeito, afinal o sacerdote o portador da bem-aventurana, recebida por ele no sacramento do Sacerdcio, a personalidade nomeada pela hierarquia religiosa para cuidar do rebanho das ovelhas de Cristo.Na conversa com um sacerdote preciso ter sempre uma linguagem digna, seja pelos gestos, postura ou olhar. Isso significa que nesta linguagem no pode haver palavras e expresses grosseiras, grias, como repleta a linguagem no mundo. Gestos e mmicas devem ser limitados ao mnimo (sabe-se que uma gesticulao contida indica boa educao).Na conversa no se pode tocar o sacerdote, ou trata-lo com excessiva familiaridade. Nesta comunicao se deve observar um certo distanciamento. A violao desta distncia (em uma posio excessivamente prxima ao interlocutor) uma violao das normas e da etiqueta dos leigos. No bom costume ficar sentado quando o sacerdote est de p. O olhar, que normalmente sujeito a um menor controle consciente, no pode ser perscrutador, desafiador ou irnico. O olhar dcil, humilde, caracteriza pessoa bem-educada.Em geral, preciso tentar ouvir o outro, no cansando o interlocutor com loquacidade e tagarelice. Na conversa com o sacerdote, um leigo deve ter em mente que atravs do sacerdote - estando este a servio dos Mistrios Divinos se pode falar ao prprio Senhor. Por isso, os paroquianos devem sempre estar atentos s palavras do seu mentor espiritual.A comunicao entre os leigos se regem pelas mesmas normas de conduta.

COMUNICAO POR ESCRITO

A comunicao por escrito (correspondncia), sendo menos utilizada em comparao com a verbal, tambm existe no meio religioso e tem as suas regras. Outrora estas comunicaes eram quase uma forma de arte e a herana epistolar dos escritores religiosos ou at entre simples leigos era admirvel, por vezes maravilhosa, algo quase inatingvel.O calendrio religioso a festa contnua. No de admirar que as mensagens mais divulgadas dos fiis registram felicitaes sobre as festas da Pscoa, do Natal, e outras.Infelizmente, as felicitaes raramente so enviadas e recebidas oportunamente. Isso um descuido de quase todos, e que acabou por se tornar um mau hbito. Embora esteja claro que, por exemplo, Pscoa e o Natal sejam precedidos de um jejum de muitos dias e at mesmo extenuante, e que os ltimos dias antes das festas so cheias de preocupaes, nada disso justifica a omisso e o retardo nas saudaes. preciso criar uma regra para felicitar e responder s cartas oportunamente.No existem regras rigorosas na composio de cartas. O importante que sejam sinceras e transmitam amor, mas pode-se, porm, observar algumas formas estabelecidas.A felicitao da Pscoa comea com as palavras: O Cristo Ressuscitou! (normalmente com tinta vermelha) e termina: Em Verdade Ressuscitou! (tambm em vermelho).A carta-felicitao pode ser escrita assim: Cristo Ressuscitou! Desejo-lhe uma Grande e Santa Pscoa. Que prazer se d em minha alma: Cristo a alegria eterna. Que esta alegria no abandone os seus caminhos. Com amor no Cristo Ressuscitado (assina) Em Verdade Ressuscitou !J uma felicitao de Natal pode ser iniciada com as palavras: O Cristo nasceu glorifiquemo-Lo! E assim tambm comea o hino da primeira cano do cnone de Natal.Podemos tambem escrever algo assim :O Cristo nasceu glorifiquemo-Lo! Cara irm em Cristo .! Mando-lhe as minhas felicitaes de Natal, acompanhadas dos meus votos de orao para que a sua vida de estabelea em Cristo. Que seu corao seja purificado para que voce se aproxime cada vez mais do grande mistrio da devoo: Deus se fez na carne!Desejo-lhe o auxlio da Criana Divina , o Cristo, em seus afazeres, para que estes sejam de agrado a Deus.Ao escrever a felicitao para o Dia