Evolução Design Gráfico

  • View
    216

  • Download
    1

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Evolução Design Gráfico

Text of Evolução Design Gráfico

  • Evoluo do Design Grfico Design Grfico | 10 Ano

    Curso Profissional de Tcnico de Design

    Joana Bessa Mesquita | 2011|2012

  • O comeo

    O aparecimento do Design Grfico, os seus primrdios podem ser ligados:

    30.000 anos atrs pinturas rupestres

    550 anos atrs Inveno da Imprensa

  • Pinturas Rupestres - Lascaux

  • H 5.000 anos, muito antes de usarem alfabetos, os habitantes pr-histricos da Pennsula Ibrica

    identificavam os membros das suas lites gravando

    desenhos em placas de xisto uma soluo original. E

    uma boa introduo aos sitemas mais complexos que

    vieram depois.

  • Placas de xisto

  • Os primeiros sistemas de escrita

    Existem duas escritas bem definidas antes do final do quarto milnio a.C.; o cuneiforme mesopotmico e os hierglifos egpcios. Ambos eram bem conhecidos na regio do Oriente Mdio onde surgiu o primeiro alfabeto a ser usado em grande escala, o fencio.

  • Escrita cuneiforme Hierglifos egpcios

  • Alfabeto Fencio Alfabeto Grego

  • As letras dos Romanos

    Inicialmente, as letras romanas escreviam-se (ou esculpiam-se) sem acabamentos terminais e com hastes de grossura regular; s gradualmente, com o aperfeioamento das ferramentas para trabalhar a pedra, que se desenvolveram as terminaes designadas por patilhas ou serifas.

  • A letra visigtica

  • A letra redonda: uncial

    uncialis

    As unciais foram uma evoluo

    tardia das maisculas romanas.

    Apareceram no declnio do

    Imprio Romano, persistiram no reino de Bizncio e durante toda a

    Idade Mdia, formando uma das

    mltiplas ligaes entre a cultura

    grfica tardo-romana e a prtica

    tipogrfica contempornea.

  • Uncialis

    A partir de 800, a uncialis j s foi usada como display script em ttulos e subttulos dos livros caligrafados com gticas. Depois da fase de dominncia, as unciais e semi-unciais foram profusamente usadas para iniciais nos manuscritos carolngios e gticos, frequentemente decoradas a ouro e a cores.

  • A letra carolina

    A letra Carolina foi a componente

    grfica essencial da Renascena

    C a r o l i n a , m o v i m e n t o d e

    renovao cul tural e intelectual

    impulsionado por Carlos Magno,

    q u e , e m b o r a p r a t i c a m e n t e

    a n a l f a b e t o , f o i u m g r a n d e

    f o m e n t a d o r d o e s t u d o d a

    Antiguidade e da recuperao dos

    legados gregos e romanos.

  • Gticas

    Distinta do modelo de letra carolngio, a letra gtica teve origem por volta do sculo XI, na Blgica e no norte da Frana.

    No sculo XV, os prototipgrafos tomaram as letras gticas como modelo, reproduzindo com fidelidade os manuscritos e adoptando as capitulares e os ornamentos feitos pelos monges.

  • Gticas

    Gtica Textura Gtica Rotunda (redonda)

  • Escrita rabe O Nashk um estilo de escrita cursiva, com letras mais redondas e fludas. Surgiu no sculo X, tendo substitudo o estilo cfico. Foi igualmente empregue para copiar o Alcoro, bem como em obras literrias.

    Pgina de un Coro andaluz, datado do sculo XII. Os traos mais grossos no centro da pgina so de estilo cfico.

  • Gutemberg

    A partir da revoluo tecnolgica operada por Gutenberg, a escrita passou a ficar duradouramente

    fixada em letras de chumbo; as formas das letras j no

    evoluram exclusivamente pela inveno, destreza e

    fluidez da mo do calgrafo, j no sofreram as

    mutaes prprias do gesto humano de escrever.

  • Gutemberg

  • Introduo ao Design Grfico Como j vimos a comunicao visual tem uma longa histria. Quando o homem primitivo, ao sair caa, distinguia na lama a pegada de um animal, o que ele via ali era j um sinal grfico.

  • As representaes grficas podem ser sinais, como as letras de um alfabeto, ou fazer parte de um outro conjunto de signos, como os sinais de trnsito.

    Quando reunidas, as marcas grficas como as linhas de um desenho, ou os pontos de uma fotografaia formam imagens.

    O Design Grfico a arte de criar ou escolher essas marcas, combinando-as numa superfcie qualquer para transmitir uma ideia.

  • As palavras e imagens normalmente so utilizadas em conjunto pode haver predominncia de um dos dois.

    A palavra quando impressa, perde uma extensa variedade de expresses e inflexes. A funo do designer tentar romper essa limitao.

    Ampliando ou reduzindo os tamanhos, os pesos e a posio das letras, para dar voz ao texto.

  • O Design Grfico como profisso s passou a existir a partir de meados do sc. XX;

    At essa altura os anunciantes utilizavam os servios oferecidos pelos artistas comerciais.

    Essses especialistas eram : visualizadores(artistas de layout) Tipgrafos Ilustradores Retocadores letristas, etc.

  • At ao final do sc. XIX, as artes grficas eram essencialmente produzidas a preto e branco e impressas em papel.

    Os designers grficos ocidentais herdaram o alfabeto romano, cujas formas pouco mudaram ao longo dos sculos.

    As letras desenhadas pelas penas dos escribas forma imitadas, havendo poucas variaes.

  • Das artes grficas ao design: 1840 a 1914

    O Poster Artstico

  • Das artes grficas ao design: 1840 a 1914

    O poster, pertence categoria da apresentao e da promoo, no qual a imagem e a palavra devem estar vinculadas a um significado nico e fcil de ser lembrado.

    Nas ruas das crescentes cidades do sc. XIX, os psteres eram uma expresso da vida econmica, social e cultural, competindo entre si para atrair compradores para os produtos e pblico para os entretenimentos.

  • Das artes grficas ao design: 1840 a 1914

    A imagem colorida foi tornada possvel graas ao desenvolvimento da impresso litogrfica.

    As ilustraes refletiam o estilo artstico da poca e introduziram uma nova esttica de imagens.

    Antes da litografia os cartazes eram impressos por tipografia, tal como os livros, com tinta preta.

  • Das artes grficas ao design: 1840 a 1914

    Thophile Alexandre Steilen

  • Das artes grficas ao design: 1840 a 1914

    Embora j existisse a fotografia , ainda no era possivel fazer grandes formatos, ampliaes, nem grandes tiragens.

    Os artistas pintavam cartazes que eram transferidos mo para as pedras litogrficas- uma para cada cor, s vezes eram necessrias quinze!

    Esta tcnica sobreviveu muitos anos, at depois da 2 guerra mundial.

  • Pedras litogrficas

  • Das artes grficas ao design: 1840 a 1914 Esta cromolitografia permitia a reproduo de toda a gama de cores e tons. Este quadro famoso de Sir Jonh Millais Bolhas, foi comprado pela Pears e utilizado na publicidade do seu sabo.

  • Jules Chret

  • Jule

    s Ch

    re

    t

    Jules Chret (31 de Maio de 1836 23 de Setembro de 1932) foi um pintor e litgrafo francs. Foi pioneiro, em 1860, na criao de cartazes publicitrios artsticos. Combinava imagens com um texto curto, permitindo ao leitor uma leitura rpida e a recepo clara da mensagem. Em vrios trabalhos utilizava mulheres belas e alegres como ilustrao.

    Devido sensualidade da maioria das pinturas, as suas obras causavam tambm um impacto emocional na populao e atraam o seu olhar. Foi o primeiro a perceber o tamanho da dimenso psicolgica na publicidade. Alm de sedutoras, as suas pinturas eram muitas vezes de grande formato e com cores vivas, o que mudou o cenrio parisiense da poca pois possibilitou o aparecimento da arte mural, utilizando tintas resistentes chuva.

  • O estilo de Chret vai amadurecendo ao longo da dcada de 1880, sendo logo adoptado e desenvolvido por outros artistas, particularmente por Pierre Bonnard e por Henri de Toulouse-Lautrec.

  • Pierre Bonnard

  • O desenho com traos chave de Chret estabelecia o design do cartaz e era transferido para as pedras litogrficas como uma espcie de guia para cada cor.

    Nestes cartazes no h luz, sombra nem profundidade.

    O desenho trabalhado em cima do contorno, da cor uniforme e de uma folha em branco, como se fosse um mapa.

    Os traos-chave so utilizados como uma espcie de fronteira entre uma cor e outra.

  • Os contornos firmes e as cores uniformes refletem a paixo do artista pelas xilogravuras japonesas, cujos trabalhos expostos nas feiras mundiais de Paris, exerceram uma influncia dominante na esttica daquele perodo.

    At mesmo o design de caracteres tipogrficos imitavam os caracteres japoneses.

  • As gravuras japonesas e a influncia da fotografia estimularam o uso do espao na vertical, algo que era incomum na poca.

    Imagens retratadas de baixo, como no caratz Bcane, de Edouard Vuillard, e figuras cortadas, cujo exemplo mais notvel o Aristide Bruant dans son cabaret, de Lautrec, lembram a espontaneidade do instantneo fotogrfico.

  • Henri de Toulouse-Lautrec

    Consagrado por retratar cenas da vida noturna e do submundo parisiense, Toulouse-Lautrec, assinou centenas de cartazes de divulgao de espetculos de cabar, ento reproduzidos atravs de pedras litogrficas.

    Foi nas mos de Toulouse-Lautrec que a arte publicitria, atravs do toque impressionista, se tornou famosa.

    As letras dos cartazes eram desenhadas mo, pelo artista, o que lhes conferia um aspecto tosco e amador, e ao mesmo tempo fazia com que fossem parte integrante do design.