Click here to load reader

examinando o torax

  • View
    450

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of examinando o torax

  • PERCUSSOObjetivo: produzir sons cujas caractersticas variam conforme as propriedades fsicas da rea percutida, de modo a:1. Limitar rgo na superfcie da pele2. Reconhecer alteraes fsicas de certos rgos.

  • Percusso - Tipos:1. Percusso Imediata ou Direta: consiste em percurtir diretamente a superfcie do corpo com os dedos - pouco usada - ex.: percusso de vrtebras.

    2. Percusso Mediata ou Indireta: coloca-se um dedo na superfcie do trax e sobre o mesmo se percute com o dedo da outra mo - percusso dgito-digital.

  • Percusso - Tcnica Paciente sentado, face posterior do trax, de cima para baixo, colocando-se o mdico atrs e esquerda do paciente.

    1. Percutir separadamente cada hemitrax.2. Percutir comparativamente e simetricamente ambos hemitrax.

  • Percusso - TcnicaMo esquerda, com os dedos ligeiramente separados, deve apoiar-se suavemente sobre a parede, e o dedo mdio, sobre o qual se percute, exerce apenas uma leve presso sobre o trax.

  • Percusso - Tcnica

    O movimento da mo que percute (direita) de flexo e extenso sobre o punho, nunca envolvendo a articulao do cotovelo ou ombro.

  • Percusso - TcnicaOs golpes dados com a extremidade distal do dedo mdio (os demais se conservam parcialmente fletidos) sero sempre da mesma intensidade (suaves ou medianamente fortes).Um pequeno intervalo a cada dois golpes, suspendendo imediatamente o dedo percurssor.

  • Tonalidade de Som:Som claro atimpnico / som claro pulmonar / sonoridade pulmonar - rea de projeo dos pulmes Som claro timpnico / timpanismo: espao de Traube (estmago e clon)Som macio / som obscuro / macicez: - regio inframamria direita (macicez heptica)Som submacio / som relativamente obscuro / submacicez - regio inframamria esquerda (transio pulmo-corao)

  • Tipos de Sons

  • Espao de Traube:Espao de forma semilunar com aproximadamente 9-11 cm de largura e 10cm de altura, localizado em abaixo da linha inframamria direita.

  • Importante:A zona de vibrao perceptvel pelo ouvido atinge em profundidade o parnquima pulmonar somente cerca de 4 cm, ou seja 6 cm da superfcie do trax.

    Influenciam na percusso: espessura, tenso e elasticidade da parede torcica; massa muscular; infiltrados inflamatrios; edema; mamas; tecido adiposo, idade, deformidades da coluna vertebral.

  • Som normal da percusso nas diversas regies

  • Hemitrax Direito - anteriormenteSom claro at 5 costela

    abaixo: muda para submacio (diafragma)

    posteriormente: macio (fgado)

  • Hemitrax esquerdo - AnteriormenteSom claro at 4 costelaabaixo: submacicez (sobreposio pulmo / corao)posteriormente: macicez (corao)Abaixo da macicez cardaca: timpanismo (espao de Traube - estmago / clon)

  • Lateralmente:Direita: som claro at 7 costela Abaixo: macicez heptica

    Esquerda: som claro at 7 costela Abaixo: timpanismo (Espao de Traube)

  • PosteriormenteDireita: som claro at 9-10 costelas Abaixo: macicez hepticaEsquerda: som claro at 9-10 costelas Abaixo: macicez esplnica e renal

    ***Importante: abaixo do ngulo da escpula, o som bem mais claro pois nesta regio a espessura da parede torcica menor (at 4 dedos abaixo do ngulo escapular)

  • Rx de trax normal

  • Alteraes qualitativas dos sons

  • Hipersonoridade:Som demasiadamente claro

    1. Compresso pulmonar ( ex.: pulmo superposto a um pequeno derrame pleural, pulmo vizinho a corao aumentado)2. Deslocamento do diafragma (ex.; ascite, grandes tumores abdominais)3. Enfisema pulmonar (fases iniciais)

  • Macicez e Submacicez:Ocorre quando:1. Entre o pulmo e a parede torcica se interpes massas privadas de ar (ex: derrames lquidos da pleura ) - Macicez absoluta

    2. O pulmo, na rea que se percute, est privado de ar, parcial ou totalmente (ex: atelectasias / pneumonias / tumores / tuberculose / abscessos) - Macicez ou Submacicez

  • Timpanismo:1. Skodismo : timpanismo a precusso da regio clavipeitoral de um doente que tenha um derrame volumoso chegando at 4 costela.2. Compresses: cardiomegalia / derrame pericrdico / tumores de mediastino / hepatomegalia / esplenomegalia / tero gravdico3. Pneumotrax aberto ( comunicao direta com os brnquios)4. Cavernas5. Enfisema Pulmonar antigo

  • Rx trax - Pneumonia

  • AUSCUTA

  • Auscuta Pulmonar - TcnicaPaciente deve ficar em posio cmoda, respirando tranqilamente e normalmente pela boca entreaberta.Auscuta indireta ou mediata: estetoscpio.Trax despido sempre que possvelLimite: 4 dedos abaixo do ngulo inferior da escpula (bases pulmonares)Tosse / respirao profunda

  • Rudo Respiratrio NormalMurmrio vesicular (periferia do trax)

    Rudo Laringotraqueal / sopro gltico / respirao brnquica (laringe, traquia, ao nvel de C7 e adjacncias, espao interescapular)

  • Importante:O MV pode ser fisiologicamente menos intenso em pessoas obesas, ou com edema de parede torcica, ou com musculatura muito desenvolvida.

    Nas crinaas o MV fisiologicamente mais forte.

  • Mecanismo de Produo do Rudo Respiratrio NormalSopro gltico: deve-se a passagem de ar pela fenda gltica.Murmrio Vesicular: 1. Passagem de ar pela coarctao dos bronquolos 2. Vibraes sonoras produzidas pela distenso inspiratria das paredes alveolares

  • Alteraes Patolgicas do MV1. Exagero do MV (dispnia, taquipnia, indivduos magros)2. Diminuio ou abolio do MV (enfisema, penumonia, pneumotrax, derrame pleural)3. MV rude: indica leso superficial dos brnquios e dos alvolos, secreo brnquica ou congesto do aparelho broncoaoveolar.

  • SOPROSOcorrem:1. Quando o pulmo perde a sua textura alveolar, tornando-se hepatizado, condensado, privado de ar.

    2. Nas cavernas

  • Importante:O sopro que se ouve na parede torcica o prprio sopro gltico; no nasce na leso, mas vem da glote, e devido a hepatizao do parnquima pulmonar, se espalha do seu foco originrio e vai ser audvel na sede da leso.

  • Variedades de Sopros1. Tubrio:

    o prprio sopro gltico transmitido pelas condensaes pulmonares, masi intenso e de tonalidade mais elevada na expirao.Ex.: pneumoniaDele se derivam todos os outros sopros.

  • Variedades de Sopros2. Sopro Pleural: o sopro tubrio modificado pela presena de uma camada lquida entre o pulmo condensado e a parede torcica.Maior intensidade / tonalidade mais agudaPredomina na expiraoSopro em i.

  • Variedades de Sopros3. Sopro Cavitrio: o sopro tubrio modificado pela interposio de uma cavidade contendo ar e formando caixa de ressonncia, situado entre a rea pulmonar condensada e a parede torcica.Tonalidade baixa / graveSopro em u.

  • Variedades de Sopros4. Sopro Anfrico:

    Sopro tubrio modificado pela interposio de uma cavidade grande, cheia de ar, com paredes lisas e tensas.Timbre metlico

  • Auscuta da Voz

    1. Auscuta a distncia

    2. Auscuta torcica da voz

  • Auscuta a distncia:Voz Nasal: amigdalites, adenides, destruio do vu palatinoVoz bitonal: compresso do nervo recorrente esquerdo (aneurisma da aorta, tumor do mediastino, adenopatias traqueobrnquicas)Voz em falsete: fonao aguda, esganiada (compresso no recorrete esquerdo)Voz rouca: leses das cordas vocais, laringites, compresso do recorrente ou do peneumogstrico.Ausncia da voz: alteraes das cordas vocais e compresso do recorrente ou do pneumogstrico.

  • Auscuta torcica da vozPaciente pronuncia trinta e trs durante a auscuta torcica.

    1. Auscuta da voz alta (broncofonia / pterilquia / egofonia / anforofonia)2. Auscuta da voz baixa ou cochichada (peterilquia afnica)

  • Broncofonia:Retumbncia exagerada da voz, sem que se consiga distinguir bem todas as silabas.Ocorre nas hepatizaes pulmonares em que os brnquios permanecem permeveis.Ex.: pneumonia, tuberculose, neoplasia

  • Pterilquia ou voz cavernosa:Retumbncia exagerada da voz, permitindo distinguir as silabas adequadamente.

    Ocorre quando h cavidade fazendo caixa de ressonncia superposta condensao.

  • EgofoniaVoz de polichinelo ou voz caprinaVoz torna-se aguda, fanha e trmula.Ocorre nos derrames pleurais de mdio volume.Pode ocorrer ainda em consolidaes pneumnicas, hidrotrax no muito abundante e ao nvel de cavernas.

  • Voz Anfrica ou AnforofoniaVoz vibrante com sonoridade metlica.

    Ocorre em grandes cavidades de paredes lisas e no pneumotrax que se comunica com os brnquios por grandes fstulas.

  • Pterilquia AfnicaNa auscuta da voz cochichada normalmente ouve-se rudo difuso, sem distinguir palavras ou slabas.

    Na pterilquia afnica a voz cochichada se transmite perfeitamente (ex.: derrame pleural seroso ou serofibrinoso)

  • Rudos AdventciosDefinio: rudos que aparecem em qualquer rea do trax em condies patolgicas do aparelho respiratrio.

    1. Roncos e Sibilos2. Estertores Bolhosos3. Estertores Crepitantes4. Atrito Pleural

  • Roncos e Sibilos:Rudos secos e vibrantesRonco: tonalidade mais baixa / graveSibilos: tonalidade mais alta / finaAuscutados na ins e expirao.Sibilos so mais intensos na expiraoSo rudos mveis, que desaparecem conforme a profundidade da respirao, postura ou com a tosse.

  • Roncos e SibilosTm origem traqueobrnquicaProduzido pela passagem do ar por estenoses patolgicas dispostas ao longo dos canais areosCausas das estenoses: edema parcial da mucosa brnquica, presena de secrees viscosas, espasmo muscular dos brnquios.Quanto mais acentuado o estreitamento da rvore brnquica, mais agudo o rudo.Ex.: Bronquite crnica / Asma

  • Estertores BolhososRudo descontnuo que se produz quando se encontra na traquia, brnquios, bronquolos ou tecido pulmonar em via de desintegrao, substncias lquidas que entram em conflito com o ar e se agitam.O local on