Fabio Bittes Terra

  • Published on
    18-Dec-2015

  • View
    216

  • Download
    1

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Fabio Bittes Terra

Transcript

<ul><li><p>14 </p><p>1 INTRODUO </p><p>Agrotxico um composto txico utilizado para eliminar pragas que atacam as culturas agrcolas. A indstria de agrotxicos surgiu aps a Primeira Guerra Mundial, quando as grandes corporaes qumicas internacionais criaram subsidirias produtoras de agrotxicos, visando aproveitar as molculas qumicas desenvolvidas para fins blicos. As primeiras unidades produtivas de agrotxicos no Brasil datam de meados da dcada de 1940. Contudo, a efetiva constituio do parque industrial brasileiro de agrotxicos ocorreu na segunda metade dos anos 1970. </p><p>A indstria de agrotxicos implantada no pas cresceu de forma significativa entre 1975/2007, acumulando elevaes nas vendas de 13,1% ao ano, entre 1988/1999, e de aproximadamente 21%, entre 2001/2005. O Brasil um grande consumidor de agrotxicos, sendo que em 2004 foi responsvel por 13,5% do faturamento mundial da indstria, terceiro maior ndice em nvel mundial, atrs apenas dos Estados Unidos e do Japo. Durante todo o perodo 1975/2007 o pas sempre esteve entre os seis maiores mercados de agrotxicos do mundo. </p><p>Tanto no Brasil quanto nos principais pases consumidores de agrotxicos, o mercado controlado por poucas empresas transnacionais: as oito empresas lderes concentraram entre 1980 e 2006, cerca de 70% do faturamento e das vendas em nvel nacional e internacional. O mercado apresenta assim um elevado grau de concentrao e internacionalizao, cujo desempenho est diretamente ligado s estratgias de expanso dessas empresas. Tal expanso obtida principalmente por meio de elevados investimentos em pesquisa e desenvolvimento, associado a um regime de propriedade intelectual favorvel, bem como ao ritmo de expanso dos mercados agrcolas mundiais. </p><p>O objetivo geral desse trabalho traar um histrico da indstria de agrotxicos no Brasil, desde a instalao das primeiras unidades produtivas, nos anos 1940 at 2007. Considera-se, que para a compreenso da evoluo da indstria de agrotxicos no Brasil, quatro fatores devem ser analisados. </p><p>Primeiramente, a instalao da indstria de agrotxicos no Brasil relacionou-se modernizao da agricultura nacional, compreendida pelo perodo 1945/1975, que difundiu a mecanizao, e a adoo intensiva de insumos qumicos e biolgicos agrotxicos, fertilizantes, sementes na agricultura. O uso de insumos industriais </p></li><li><p>15 </p><p>institudo pela modernizao da agricultura, inseriu-se no processo de industrializao por substituio de importaes, o qual transferiu o eixo dinmico da economia brasileira da agricultura para a indstria. O Estado foi o agente que planejou e viabilizou a industrializao da economia nacional, por meio, principalmente, de polticas setoriais e do fornecimento de crditos subsidiados. </p><p>Um segundo fator importante foi o desempenho da produo agrcola e da economia nacional. A demanda por agrotxicos diretamente influenciada pelo comportamento da produo agrcola e de suas principais culturas. Isto relaciona-se, via de regra, ao cenrio econmico vigente, em um determinado momento histrico. Logo, as polticas macroeconmicas adotadas geram diferentes condies para a produo agrcola nacional, que utilizando-se intensivamente de agrotxicos, influi diretamente na evoluo dessa indstria. </p><p>Um terceiro fator a ser analisado so os aspectos estruturais do mercado da indstria de agrotxicos. Neste sentido, trs elementos de anlise sero considerados: as barreiras entrada no mercado, construdas pelas empresas lderes; o grau de concentrao, que a depender do tamanho das barreiras entrada determinam que poucas empresas tero parcelas significativas das vendas e do faturamento do mercado; e as formas da concorrncia, meio pelo qual as empresas atuantes constrem vantagens competitivas sobre suas rivais, na busca por lucros extraordinrios de monoplio. </p><p>Por fim, um ltimo fator a influenciar a evoluo da indstria de agrotxicos no Brasil o marco regulatrio vigente. Os agrotxicos so molculas qumicas com atividade txica, cuja ao pode incidir diretamente sobre a sade humana e o meio ambiente. Diante disso, tem-se institudo tanto em nvel internacional quanto nacional, uma regulamentao cada vez mais rgida no controle da pesquisa, do desenvolvimento, da produo, da comercializao, do uso e do descarte das embalagens desses produtos. Essa atividade jurdica de regulamentao, construda e realizada pela esfera poltica da sociedade, tende a impor limitaes s estratgias competitivas das empresas. A atuao das empresas fica de certa forma circunscrita aos ditames do marco regulatrio, o que, por conseguinte, tende a influenciar o ritmo e a direo da expanso da indstria de agrotxicos. </p><p>Nesta dissertao, a histria da indstria de agrotxicos no Brasil, entre a dcada de 1940 e o ano de 2007, contada buscando-se sugerir e articular, ainda que brevemente, as relaes existentes a esfera econmica e a legal. Esse trabalho </p></li><li><p>16 </p><p>ser feito ainda de forma pouco elaborada, devido escassez de trabalhos dessa natureza, e pela dificuldade em acessar informaes que apresentem com maior nitidez tais relacionamentos. </p><p>Por ser um trabalho de histria econmica o mtodo de pesquisa adotado baseia-se nas relaes conjunturais e estruturais que configuram o processo de evoluo da indstria de agrotxicos no Brasil. As estruturas fundamentais para o estudo da indstria de agrotxicos no perodo 1945/2007, correspondem s polticas econmicas e aos marcos regulatrios adotados pelos respectivos governos, e estrutura do mercado. As anlises conjunturais do perodo concentram-se no desempenho da produo agrcola brasileira e na evoluo de suas principais culturas, nos resultados do produto da economia, nas polticas pblicas, nos indicadores de consumo, vendas e faturamento, fuses e aquisies do mercado da indstria de agrotxicos, alm de dados de importaes e exportaes tanto de agrotxicos como de produtos agrcolas. </p><p>No que tange s fonte de dados utilizadas, pode-se dizer, de uma maneira geral, que a literatura especializada sobre o mercado da indstria de agrotxicos escassa. As referncias bibliogrficas disponveis no possuem dados com sries histricas de longo prazo. Tal situao decorre, fundamentalmente pela no divulgao de informaes econmicas por parte das empresas, o que acaba sendo um empecilho para a reconstituio da histria da indstria de agrotxicos, principalmente entre as dcadas de 1940 a 1980. Para esse perodo, as principais fontes de informao so os trabalhos de CHAVES (1973), PASCHOAL (1979), AGROANALYSIS (1980), NAIDIN (1985), ALVES (1986), BULL; HATHAWAY (1986), MENEZES (1986), NAIDIN (1986), ZAMBRONE (1986). Alguns trabalhos, como SILVEIRA (1993) e FRENKEL e SILVEIRA (1996), que possuem maior sistematizao dos dados, so fortemente referenciados nos trabalhos acima citados. </p><p>Informaes sobre a conjuntura do mercado da indstria de agrotxicos entre fins da dcada de 1980 at 2007, em oposio ao perodo 1940/1985, so relativamente mais acessveis. Alm de referncias bibliogrficas, tais quais, as j citadas SILVEIRA (1993) e FRENKEL e SILVEIRA (1996), MARTINS (2000), MARTINELLI e WAQUIL (2001; 2002), MARTINELLI (2003), VELASCO e CAPANEMA (2006), e os estudos do Frum de Competitividade da Indstria Agroqumica do Ministrio do Desenvolvimento, Indstria e Comrcio (BRASIL, </p></li><li><p>17 </p><p>2004; 2007b), disponibilizam dados mais sistematizados sobre faturamento e vendas da indstria, consumo dos produtos, sobre a balana comercial do ramo dos agrotxicos e a concentrao do mercado, em sries temporais que congregam de fins da dcada de 1980 at 2007. </p><p>No obstante, por meio das entidades de classe da indstria de agrotxicos, vrias estatsticas so disponibilizadas. O Sindicato Nacional da Indstria de Produtos para Defesa Agrcola (SINDAG), contm sries das vendas e consumo de produtos, separados por classe e cultura, e sob patentes e com patentes vencidas. Dados sobre registro de agrotxicos e concentrao tambm esto acessveis na Associao Nacional dos Defensivos Genricos (AENDA). Em seu editorial, esta associao disponibiliza informaes sobre o registro dos produtos, dando tambm um importante enfoque na dinmica concorrencial do mercado. A Associao Nacional de Defesa Vegetal (ANDEF) fornece informaes sobre a produo nacional de agrotxicos. </p><p>Por sua vez, fontes de dados sobre o desempenho da produo e da produtividade da agricultura nacional, suas transaes internacionais, principais culturas, e sobre o comportamento da economia nacional, para todo o perodo 1940/2007, diferente dos dados conjunturais do mercado de agrotxicos, so facilmente acessveis. Instituies como a Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB) dispem de dados sobre as principais culturas e sobre a produtividade agrcola brasileira. O Instituto de Economia Aplicada (IPEA, por meio do IPEADATA), disponibiliza dados sobre as transaes internacionais da agricultura, sobre a evoluo do produto agropecurio e da distribuio do PIB setorial brasileiro. Por sua vez, as sries temporais do Banco Central do Brasil (BCB), servem como fonte de estatsticas sobre o produto da economia nacional. Dados do crdito rural esto nas sries estatsticas do Ministrio da Agricultura, Pecuria e Abastecimento (MAPA). Quando no acessveis por essas fontes, algumas referncias bibliogrficas como DELGADO (1985), KAGEYAMA (1985; 1990), BELIK (1992), BAER (1996), COELHO (2001), fornecem sries importantes para o acompanhamento da conjuntura agrcola e econmica nacional. </p><p>Por fim, dados da indstria qumica, importantes para a comparao entre o ramo dos agrotxicos e os outros ramos dessa indstria, acompanham a tendncia descrita para os agrotxicos. At 1985, os dados so oriundos de fontes bibliogrficas, principalmente NAIDIN (1985). Aps 1985, a Associao Brasileira da </p></li><li><p>18 </p><p>Indstria Qumica (ABIQUIM) e a Associao Brasileira da Indstria Qumica Fina, Biotecnologia e suas Especialidades (ABIFINA), possuem sries sobre o investimento na indstria qumica, balana comercial por ramo da indstria e participao dos diferentes ramos no valor da produo e no faturamento da indstria qumica. </p><p>De acordo com o objetivo geral desta dissertao, a histria da indstria de agrotxicos no Brasil ser contada em quatro captulos. O captulo 2, apresenta os aspectos histricos e estruturais do mercado da indstria de agrotxicos, criando um quadro geral do que so agrotxicos, qual sua origem, como so produzidos, e quais as caractersticas das empresas que os produzem. Com isto pretende-se denotar a estrutura do mercado dessa indstria, por intermdio de um referencial terico oriundo da organizao industrial, que sirva como modelo para a anlise emprica que realizada nesse mesmo captulo para a estrutura mundial da indstria de agrotxicos nas dcadas de 1940/1980, e tambm nos trs captulos seguintes. Esses trs captulos apresentam a evoluo da indstria de agrotxicos no Brasil, e so periodizados de acordo com as rupturas estruturais ou as principais mudanas estruturais identificadas principalmente em termos das polticas pblicas e da evoluo do marco regulatrio da indstria de agrotxicos. Ao mesmo tempo, pode-se observar nesses captulos subseqentes uma continuidade que se manifesta na estrutura de mercado da indstria de agrotxicos, cujas alteraes indicam uma tendncia de concentrao ainda maior ao longo do tempo. </p><p>Deste modo, o captulo 3, apresenta a constituio do mercado da indstria de agrotxicos no Brasil, ocorrida no perodo entre as dcadas de 1940 e 1980. Enfoca-se a modernizao da agricultura brasileira, que surge da estratgia de industrializao por substituio de importaes, principal responsvel do uso intensivo de agrotxicos na agricultura brasileira. Neste contexto, a atuao do Estado brasileiro foi fundamental, como agente planejador e fomentador da industrializao. O capitulo da nfase s polticas pblicas setoriais de estmulo produo nacional de agrotxicos, tanto cambiais e tarifrias como a poltica industrial especfica dos agrotxicos o Programa Nacional dos Defensivos Agrcolas. Apresenta-se, ademais, uma anlise conjuntural do perodo inicial de instalao da indstria de agrotxicos no pas, bem como do desempenho da economia e da agricultura nacional. Por fim, o captulo apresenta o marco regulatrio vigente durante as dcadas de 1940 a 1980, ressaltando as possveis relaes que </p></li><li><p>19 </p><p>se estabeleceram entre a criao da indstria de agrotxicos no Brasil e a regulamentao ento existente. </p><p>O captulo 4, referente ao perodo 1986/2000, busca apreender a forma pela qual a ruptura da estrutura econmica com a crise da economia brasileira e da estrutura jurdica com a promulgao da Lei 7.802 de 1989 impactaram sobre a evoluo da indstria de agrotxicos. Neste perodo as polticas pblicas de fomento industrializao foram abandonadas. Neste cenrio, analisa-se o desempenho da economia e da agricultura nacional. O novo marco regulatrio tambm analisado, almejando-se apresentar quais seus avanos e limitaes, e quais as suas possveis repercusses sobre a atuao das empresas no mercado de agrotxicos. Neste perodo tambm ocorreu, em nvel internacional, um intenso processo de fuses e aquisies na indstria de agrotxicos, o qual foi reproduzido no Brasil, devido ao elevado grau de internacionalizao dessa indstria. A partir dessa contextualizao, faz-se a anlise dos ajustes estruturais que ocorreram no mercado da indstria de agrotxicos no Brasil. </p><p>O captulo 5 apresenta a evoluo recente do mercado da indstria de agrotxicos no Brasil, entre os anos 2001/2007. Neste perodo, a agricultura nacional cresceu a taxas maiores do que os outros setores da economia. O excelente desempenho da agricultura nacional ocorreu sem que existisse um aparato de polticas pblicas como as do perodo da modernizao da agricultura. O desempenho extraordinrio da agricultura favoreceu a atuao de grupos de presso sobre o marco regulatrio dos agrotxicos, no qual segmentos do setor agrcola e entidades representativas de empresas do ramo dos agrotxicos tm procurado reduzir as exigncias de registro de novos produtos, baseada em um maior rigor sobre o controle dos impactos ambientais e sade humana. As regras mais rgidas no registro implicam em aumento do tempo e dos custos de avaliao desses produtos, fato considerado indesejvel pelos produtores e os consumidores diretos de agrotxicos. Tais alteraes materializaram-se na criao de novos decretos, visando sobretudo facilitar o acesso ao mercado de produtos equivalentes, cujas patentes perderam a validade. Por fim, resgata-se os elementos estruturais do mercado da indstria de agrotxicos. </p></li><li><p>20 </p><p>2 ASPECTOS HISTRICOS E ESTRUTURAIS DO MERCADO DA INDSTRIA DE AGROTXICOS </p><p>Este captulo caracteriza inicialmente os agrotxicos, de acordo com as definies e classificaes por classe de uso e grau de toxicidade contidas na legislao brasileira. Essa classificao permite identificar a segmentao do mercado. Em seguida apresenta-se brevemente o desenvolvimento dessa indstria, a partir de um processo de diversificao da indstria qumica aps a Primeira Guerra Mundial. Na seqncia, so identificadas as principais caractersticas estruturais desse mercado, em termos das barreiras entrada, grau de concentrao e formas de concorrncia. E no ltimo item do captulo descreve-se a evoluo do mercado de agrotxico...</p></li></ul>