FB - Código Tributário Municipal

  • View
    142

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of FB - Código Tributário Municipal

1

1. CDIGO TRIBUTRIO MUNICIPAL

Lei n 2152/93

Consolidada com todas as alteraes pelo Decreto n 366/98

Alterada pelas Leis ns 2714/98 e 2872/2001 (anexas)

Regulamentada pelo Decreto n 569/97

Regulamento alterado pelo Decreto n 092/99

DECRETO N 366/98

Consolida a Legislao Tributria do Municpio de Francisco Beltro.

GUIOMAR JESUS LOPES, Prefeito Municipal de Francisco Beltro, Estado do Paran, no uso de suas atribuies legais;

Considerando leis esparsas existentes, que alteram a legislao tributria do Municpio, dificultando o manejo do sistema tributrio municipal;

Considerando que a consolidao ato de competncia do Executivo, inexistindo qualquer alterao da legislao vigente, que ao longo dos anos fora alterada por aprovao do Legislativo Municipal

D E C R E T A

Art. 1 - Fica consolidada em nico texto, a legislao tributria do Municpio de Francisco Beltro, conforme dispe o Cdigo Tributrio vigente e legislao complementar, quanto tambm a matria concernente a sua regulamentao.

Art. 2 - Revogadas as disposies em contrrio, este decreto entrar em vigor na data de sua publicao.

Gabinete do Prefeito Municipal de Francisco Beltro, 15 de outubro de 1998.

GUIOMAR JESUS LOPES

PREFEITO MUNICIPAL

OSMAR JOS URIO

SECRETRIO MUNICIPAL DA ADMINISTRAO

LEI N 2152/93

10.12.93

Dispe sobre o Cdigo Tributrio do Municpio de Francisco Beltro, Estado do Paran.

JOO BATISTA DE ARRUDA, Prefeito Municipal de Francisco Beltro, Estado do Paran.

Fao saber que a Cmara Municipal de Vereadores aprovou e eu sanciono a seguinte lei:

TTULO I

DISPOSIES GERAIS

CAPTULO NICO

SISTEMA TRIBUTRIO

Art. 1 - Este Cdigo regula os direitos e obrigaes de ordem pblica, concernentes a Fazenda Municipal e as pessoas obrigadas ao pagamento de tributos municipais ou penalidades pecunirias.

Art. 2 - Os tributos do Municpio so os seguintes:

I. IMPOSTOS

a. Sobre a propriedade imobiliria urbana;

b. Sobre servios;

c. Sobre transmisso de bens imveis;

d. Sobre venda de combustveis lquidos e gasosos a

varejo. (1)

II. TAXAS

a. de licena;

b. de servios urbanos;

III. PREO PBLICO

IV. CONTRIBUIO DE MELHORIA

(1) extinto conforme disposio constitucional

TTULO II

IMPOSTOS

CAPTULO I

IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE IMOBILIRIA URBANA

Seo I

Incidncia

Art. 3 - O imposto devido pela propriedade, domnio til ou posse de bem imvel, construdo ou no, localizado nas reas urbanas.

Art. 4 - Para os efeitos deste imposto, so urbanas:

I. A rea em que existir, pelo menos, dois dos seguintes melhoramentos, construdos ou mantidos pelo Poder Pblico:

a. meio-fio ou calamento, com canalizao de guas pluviais;

b. abastecimento de gua;

c. sistema de esgotos sanitrios;

d. rede de iluminao pblica, com ou sem posteamento para distribuio domiciliar;

e. escola primria ou posto de sade a uma distncia de 03 (trs) quilmetros do imvel considerado.

II. A rea urbanizvel ou de expanso urbana, constante de loteamento destinado a habitao, a indstria, comrcio ou de laser.

III. A rea que, localizada fora da zona urbana, seja comprovadamente utilizada como sitio de recreio e no qual a eventual produo no se destine ao comrcio. (1)

Art. 5 - Zona urbana a definida e delimitada em lei municipal.

Art. 6 - A incidncia e a cobrana do imposto independem da legitimidade do ttulo de aquisio ou da posse do bem imvel, do resultado de sua explorao, ou do cumprimento de quaisquer exigncias legais, regulamentares ou administrativas a ele relativas.

(1) No se aplica o inciso III supra tendo em vista a decretao da insconstitucionalidade da Lei Federal n 5868, de 12.12.72, cfe. Resoluo n 313 do Senado Federal.

Art. 7 - Contribuinte do imposto o proprietrio, o titular de domnio ou o possuidor, a qualquer ttulo, de bem imvel.

Seco II

Clculo

Art. 8 - O imposto ser calculado sobre o valor venal do bem imvel, a razo de:

I. 0,5% (meio por cento) para o construdo;

II. 2,0% (dois por cento) para o no construdo.

Art. 9 - Para os efeitos deste imposto no se considera construdo o terreno que contenha:

I. Construo provisria que possa ser removida sem destruio ou alterao;

II. Construo em andamento ou paralisada;

III. Construo em runas, em demolio, condenada ou interditada;

IV. Construo que a autoridade competente considere inadequada, quanto a rea ocupada, para a destinao ou utilizao pretendidas.

Art. 10 - O valor venal dos bens imveis ser apurado:

I. Tratando-se de rea construda, pela multiplicao de metro quadrado das edificaes nela constantes, aplicando-se os fatores corretivos dos componentes da construo pela metragem da mesma, somando-se a esta o valor do terreno at 20 (vinte) vezes a rea das edificaes nele constantes destinadas a habitao, observada a tabela dos valores de construo, conforme dispuser o regulamento; (1)

II. Tratando-se de terreno, levando-se em considerao as suas medidas, aplicados os fatores corretivos, observada a tabela de valores de terreno, conforme dispuser o regulamento.

( 1 ) alterado pela lei 2655/97)

1 - Os valores de construo e de terreno previstos neste artigo e dispostos em regulamento, sero fixados pelo Executivo mediante deciso de uma comisso de 7 (sete) membros entre os contribuintes, de notria idoneidade e capacidade, designada por Portaria do Prefeito Municipal. (1)

2 - As reas no consideradas, nos termos do caput deste artigo, como edificadas, para os efeitos de aplicao da alquota, incidiro nas alquotas destinadas a imvel no edificado, salvo se as reas se destinarem a conservao ambiental, como tal definidas em lei. (1)

Art. 11 - Ser atualizado, anualmente, antes da ocorrncia do fato gerador, o valor venal dos imveis levando-se em conta os seguintes elementos considerados em conjunto ou isoladamente, a critrio da Administrao:

I. Declarao do contribuinte, se houver:

II. ndices mdios de valorizao correspondente a localizao do imvel;

III. ndices oficiais de correo monetria;

IV. Equipamentos urbanos ou melhorias decorrentes de obras pblicas recebidas pela rea onde se localiza o imvel.

Art. 12 - Na determinao do valor venal do bem imvel no sero considerados:

I. O valor dos bens mveis nele mantidos, em carter permanente ou temporrio, para efeito de sua utilizao, explorao, aformoseamento ou comodidade;

II. As vinculaes restritas do direito de propriedade;

III. O valor das construes nas hipteses dos incisos I a IV do art. 9.

(1) acrescentado e/ou alterado pela Lei 2655/97)

Seo III

Isenes

Art. 13 - Fica isento do imposto o bem imvel:

I. Pertencente a particular, quanto a frao cedida gratuitamente para uso da Unio, dos Estados, do Distrito Federal, do Municpio ou de suas autarquias;

II. Pertencente a agremiao desportiva licenciada, quando utilizado efetiva e habitualmente no exerccio de suas atividades sociais;

III. Pertencente ou cedido gratuitamente a sociedade ou instituio sem fins lucrativos que se destine a congregar classes de trabalhadores, com a finalidade de realizar sua unio, representao, defesa, elevao de seu nvel cultural e recreativo;

IV. Pertencente a sociedade civil sem fins lucrativos e destinado ao exerccio de atividades culturais, recreativas ou esportivas;

V. Declarado de Utilidade Pblica para fins de desapropriao, a partir da parcela correspondente ao perodo de arrecadao do imposto em que ocorrer a emisso de posse ou ocupao efetiva pelo Poder desapropriante;

VI. Os imveis edificados destinados a residncia prpria de proprietrio que no tenha outros bens, com rea igual ou inferior a 60,00 m2 e cujo valor venal no seja igual ou superior a R$ 7.000,00 (sete mil reais); (1)

VII. Os imveis prprios destinados exclusivamente a residncia prpria de idosos, com idade igual ou superior a 60 anos e/ou aposentados por invalidez, com renda igual ou inferior a R$ 250,00 (duzentos e cinqenta reais) mensais, proprietrios de um nico imvel, cujo valor venal do mesmo no ultrapasse a R$ 15.000,00 (quinze mil reais); (1)

VIII. Os imveis compreendidos no Programa de Casa Prpria, conforme programas habitacionais do municpio, enquanto persistirem obrigaes referentes aos programas institudos; (1)

IX. As reas atingidas por lei, consideradas de preservao permanente e que no se lhe possa dar destinao diversa da imposta pela lei, enquanto durar tal situao. (1)

(1) includos pela lei n 2655/97

1 - As disposies dos incisos I a V deste artigo subordinam-se observncia dos seguintes requisitos pelas entidades referidas: (1)

I. No distriburem qualquer parcela de seu patrimnio ou de suas rendas a ttulo de lucro ou participao no seu resultado;

II. Manterem escriturao de suas receitas e despesas em livros revestidos das formalidades capazes de assegurar sua exatido.

2 - As isenes previstas neste artigo subordinam-se a fiscalizao do Municpio para o exame da situao financeira da famlia ou de outras condies entendidas necessrias a fim de se estabelecer uma justia eqitativa entre todos os beneficirios. (1)

NOTA: Esto ainda isentos: a) os imveis situados nas sedes distritais, com as respectivas taxas, cfe. lei n 2304/94; e b) Os imveis destinados a incentivo a idstria, cfe. lei 2629/97.

Seo IV

Inscrio

Art. 14 - Todos os imveis sero inscritos no Cadastro Imobilirio, ainda que pertencente a pessoas isentas ou imunes.

Art. 15 - Para os fins de inscrio e lanamento, todo o proprietri