Felipe Guimaraes Portf³lio 2012

  • View
    223

  • Download
    4

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Portifólio de Felipe Guimarães com seus principais trabalhos em arquitetura até 2012

Text of Felipe Guimaraes Portf³lio 2012

  • 012PORTIFLIO

    Felipe Guimares Pinheiro

  • interveno

    habitacional

    multi funcional

    P.06

    P.12

    P.18

    P.22

    P.26

    P.30

  • 2011_Concurso de estudantes1o lugarEm parceria com Priscila Coli e Bianca FreitasRio de Janeiro, RJProjeto

    int+DO MESMOEstruturas modernistas para um edifcio moderno

    04

  • Tomamos como premissa inicial trabal-har em mais de uma escala, respeitando e valorizando o ser construdo e a insero do ser humano.

    Potencializamos os espaos subutiliza-dos ao linc-los com os percursos ex-istentes, dotando-os assim de concentra-es e fluxos.

    Multiescala Arquitetura para o pedestre

    +

    + +

    +

    +

    +

    +

    bike rack

    bike rack

    eletronic outdoor for reports of university

    food court + events square

    candy + magazine shops

    bike rack

    food kiosk

    itinerant bookstore

    front desk

    mediathequeeletronic media

    exibitions

    cofee shop

    05

  • Sem desvalorizar o contexto histrico da FAU, que prima pela setorizao extrema e por grandes percursos contemplati-vos, pensamos em descentrlizar os ser-vios de apoio. Espalhamos, portanto, os mdulos detentores de comrcio e ser-vio nos fluxos e concentraes dando suporte para esses dois movimentos e diminuindo as distncias.

    Multiplicar Diminuindo distncias

    +

    + +

    +

    +

    +

    +

    bike rack

    bike rack

    eletronic outdoor for reports of university

    food court + events square

    candy + magazine shops

    bike rack

    food kiosk

    itinerant bookstore

    front desk

    mediathequeeletronic media

    exibitions

    cofee shop

    maquete de fluxos

    maquete de fluxosesquema de acesso e

    circulao

    06

  • Sendo os mdulos versteis para vrios usos eles podem tambm comportar re-alocaes de equipamentos que ocupam de forma indevida a estrutura da edifica-o, espalhando-se assim tambm pelos andares e podendo ser replicados por toda ilha universitria adaptando-se con-forme as condies de insero.

    REALOCAR_ mapa das apropriaes in-devidas.

    + do mesmo

    diferentes usos para os modulos construo do modulo

    livraria itinerante quiosque de balas

    mediateca

    plotagem

    caixa eletrnico caf

    banheiro PNE banheiro

    bicicletrio

    papelaria

    madeira

    placa cimenticia

    formica TS exterior

    chapa metlica

    chapa metlica micro-perfurada

    formica branca

    vidro

    07 08

  • vista da mediateca

    biblioteca itinerante

    07 08

  • 08

  • 2012_Concurso de arquitetura

    2nd lugarno escritrio

    Mareines+Patalano Rio de Janeiro, RJ

    Projeto

    mulCONCURSO FIRJANCasa FIRJAN da industria

    criativa, espao de multiplo uso destinado a criao para a federaao de industrias do Rio

    08

  • Diretrizes movimentos e estratgias

    O projeto foi guiado por trs diretrizes principais, primeiramente a manuteno do trio de arvores localizadas no centro do terreno, seguido pelo alinhamento que o novo edifcio deveria ter condizente o palacete existente. Por timo e mais im-portante, foi criar um acesso para o novo edifcio que se conecta-se diretamente e visualmente com os jardins do palacete. Dessa forma iniciamos por um edifcio em forma de U com seu ptio interno voltado para o palacete e seus jardins.

    DIRETRIZES_ Novo acesso, arvores, alin-hamento.

    VAZIO_Patio interno

    vista do ptio interno

    vista do acesso

    08 08

  • TERREO LIVRE_ Permeabilidade fsica e visual.

    O terreo foi liberado para que a conexo entre a rua Guilhermina Guinle e os jar-dins do palacete fosse franca e para que tanto a movimentao interna do predio chamasse a ateno para o seu carater pblico quanto para que a rua partissi-passe do edifcio. Outra deciso neste sentido foi a de manter os ambientes de carater mais publicos no terreo, salas de exposio, bibliotecas, e auditrio. Para o auditrio perseguimos a possibilidade de uso permanente, seja com plateia ou como praa coberta de uso publico.

    A circulao vertical feita atravs de dois elevadores e uma escada escultrica que percorre o ptio interno at o res-taurante e culmina no terrao do ltimo andar. os elevadores e os banheiros so condensadas em um nico volume verti-cal, esta torre revestida com os tijolos e pedras reutilizadas do desmantelamento dos edifcios existentes, que alm de evi-tar o desperdcio, agregam valor afetivo e

    vista area

    vista do ptio interno vista do restaurante

    08

  • VITRINES_ Grandes panos de vidro para a rua

    TERRAOS_ Conexo visual com o pal-acete.

    Seguindo a lgica de mostrar o carater pblico do centro cultural foram projeta-dos cubos de vidro e vitrines, expondo e devassando os usos do edifcio. O terrao do restaurante no seguno andar da vista para rua e cria um interesante ponto de vista do palacete.

    TOWER_ vertical circulation and rest-rooms

    remetem de outro smbolo arquetpico da indstria, as grandes chamins.

    08

  • foi proposto um invlucro de chapa de ao inoxidvel microperfurada, o qual funciona como uma pele protectora da luz solar, enquanto permite a passagem livre de ar. Assim, foi minimizada a rea sujeita ao uso de ar condicionado atravs da adopo do conceito de refrigerao passiva. Na cobertura foram projetadas aberturas que permitem a entrada de luz natural e saida de ar quente. Esta cobertu-ra vai captar gua da chuva para reutiliza-o, alm de ser coberta por vegetao para isolar ambientes sob ele. Outra car-acterstica importante da cobertura verde que esta, est cancelando o efeito de ilha de calor reduzindo impacto do foot-print do novo edifcio.

    Esquema de construo do edifcio

    Sustentabilidade

    FOOTPRINT

    08

  • 2009_Concurso de EstudantesMeno HonrosaEm parceria com Maria Alice AndradeMadrid, ESProjeto

    intPEA ASEO, PEANovas propostas para um banheiro de todo dia

    08

  • pea = objeto, a pea do banheiro, central e dominante, divide os espaos se dobra e cria espaos inesperados.

    pea = parte de um todo, as peas do ban-heiro asseguram o uso de cada espao

    pea = jogo, espao labirintico que con-duz e joga com os usurios

    pea = pea de teatro, um cenriopara as atividades mais pessoais.

    O conceito e de um grande objeto em de-staque de cor vibrante instalado no centro do vazio gerado pela unio dos dois anti-gos banheiros, que seram tratados como receptaculo, de silestone cinza, com luz uniforme e sobria.

    Pea palavra de multiplos significados

    vista interna

    planta baixa maquete

    08 08

  • o lugar de cada pea

    intimidade

    Atraves da exploraao da forma dessa grande pea em destaque temos o ob-jetivo de entre suas dobras e aberturas gerar espaos de diferentes graus de in-timidade. As diferenas de altura seguem a mesma lgica criando e se protegendo de vistas.

    +++ Intimacy - Intimacy

    vista intena vista interna

    08 08

  • 2011_no escritrio Mareines+PatalanoChapada dos Veadeiros,GOEm construo

    habRESIDNCIA CHAPADA DOS VEADEIROS

    Residencia hare crishna inserida em uma natureza retorcida.

    08

  • A chapada dos veadeiros localizada na regio centro-oeste brasileira faz parte do bioma do cerrado. Sua principal caracter-istica visual esto nas plantas locais com seus galhos retorcidos e folhas pequenas de maneira a se prevenir da baixa umi-dade.

    lugar natureza retorcida

    Maquete

    08 08

  • vista noturna

    Maquete

    Em linha gerais a composiao da casa definida pelo contraste de uma estrutura inspirada nas formas retorcidas da na-tureza local com a composiao de para-lelepipedos revestidos em ao corteen.

    A organizao da casa consiste em dois pavimentos, o primeiro social, o segun-do ntimo enquanto a estrutura de forma organica, onde se encontra a sala de es-tar, tem p-direito duplo e faz a coneo entre os dois pavimentos

    cubos x natureza

    Composio

    08

  • maquete

    vista interna

    A composio dos paralelepipedos men-cionada segue uma lgica compositiva posicionando-os na direo de diferentes vistas do terreno. Cada bloco desses um quarto e tero uma vista diferente. Alm dos quartos um bloco posicionado no acesso, marcando e fazendo a transio externo interno

    Diferentemente dos blocos os terraos so reas comuns e completamente aber-tas as melhores vistas do terreno.

    08

  • vista interna

    planta baixa do 2o piso

    planta baixa do 1o piso

    planta baixa do terreo

    08

  • 2012_No escritrio Mareines+PatalanoRio de Janeiro, RJEm construo

    habRESIDNCIA JOA

    vivendo pendurado sobre o mar

    08

  • A residncia da joatinga se debrua sobre o oceano atlantico apoiado a uma imensa rocha entre os bairros da barra da tijuca e So Conrado. Uma peculiaridade desse terreno sua orientaco totalmente para o sul, extremamente favoravel a grandes aberturas e coincidente com as melhores vistas. Com a deciso de implantar o ed-ifcio junto as imensas paredes laterais dos vizinhos o projeto preve grandes vis-tas abertas ao mar como se o morador vivesse em um navio.

    Construindo no mar Lugar

    vista Frontalmaquete de estrutura

    Maquete de concepo

    08

  • Diretrizes Buscando mirantes

    Outra caracteristica do terreno so seus bem definidos plats. Dividindo a casa em vrios pavimentos foi possivel aproveitar esses plats, diminuindo o impacto sobre o terreno. para minimizar a verticalidade da casa aproveitamos um acesso por um nvel intermedirio.

    08

  • A cobertura ondulante faz referncia ao movimento marinho e permite uma flexi-bilidade formal para aberturas que venti-lam todos os comodos