FIAT LUX - Comunidade Teúrgica Portuguesa .Com essas palavras, o velho tratado pretende exprimir

  • View
    220

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of FIAT LUX - Comunidade Teúrgica Portuguesa .Com essas palavras, o velho tratado pretende exprimir

  • Comunidade Tergica Portuguesa Caderno Fiat Lux n. 14 Roberto Lucola

    1

    FIAT LUX

    ROBERTO LUCOLA

    CADERNO 14 HIERARQUIA ASSURA FEVEREIRO 1998

  • Comunidade Tergica Portuguesa Caderno Fiat Lux n. 14 Roberto Lucola

    2

    PREFCIO

    O presente estudo o resultado de anos de pesquisas em trabalhos consagrados de

    luminares que se destacaram por seu imenso saber em todos os Tempos. Limitei-me a fazer

    estudos em obras que h muito vieram a lume. Nenhum mrito me cabe seno o tempo

    empregado, a pacincia e a vontade em fazer as coisas bem feitas.

    A prpria Doutrina Secreta foi inspirada por Mahatms. Dentre eles, convm destacar

    os Mestres Kut-Humi, Morya e Djwal Khul, que por sua vez trouxeram o tesouro do Saber

    Arcano cujas fontes se perdem no Tempo. Este Saber no propriedade de ningum, pois tem a

    sua origem no prprio Logos que preside nossa Evoluo.

    Foi nesta fonte que procurei beber. Espero poder continuar servindo, pois tenciono, se os

    Deuses ajudarem, prosseguir os esforos no sentido de divulgar, dentro do meu limitado campo

    de aco, a Cincia dos Deuses. O Conhecimento Sagrado inesgotvel, devendo ser objecto de

    considerao por todos aqueles que realmente desejam transcender a inspida vida do homem

    comum.

    Dentre os luminares onde vislumbrei a Sabedoria Inicitica das Idades brilhar com mais

    intensidade, destacarei o insigne Professor Henrique Jos de Souza, fundador da Sociedade

    Teosfica Brasileira, mais conhecido pela sigla J.H.S. Tal foi a monta dos valores espirituais

    que proporcionou aos seus discpulos, que os mesmos j vislumbram horizontes de Ciclos

    futuros. Ressaltarei tambm o que foi realizado pelos ilustres Dr. Antnio Castao Ferreira e

    Professor Sebastio Vieira Vidal. Jamais poderia esquecer esse extraordinrio Ser mais

    conhecido pela sigla H.P.B., Helena Petrovna Blavatsky, que ousou, vencendo inmeros

    obstculos, trazer para os filhos do Ocidente a Sabedoria Secreta que era guardada a sete

    chaves pelos sbios Brahmanes. Pagou caro por sua ousadia e coragem. O polgrafo espanhol

    Dr. Mrio Roso de Luna, autor de inmeras e valiosas obras, com o seu portentoso intelecto e

    idealismo sem par tambm contribuiu de maneira magistral para a construo de uma nova

    Humanidade. O Coronel Arthur Powell, com a sua inestimvel srie de livros teosficos,

    ajudou-me muito na elucidao de complexos problemas filosficos. Alice Ann Bailey, tesofa

    inglesa que viveu nos Estados Unidos da Amrica do Norte, sob a inspirao do Mestre Djwal

    Khul, Mahatma membro da Grande Fraternidade Branca, tambm contribuiu muito para a

    divulgao das Verdades Eternas aqui no Ocidente. E muitos outros, que com o seu Saber e

    Amor tudo fizeram para aliviar o peso krmico que pesa sobre os destinos da Humanidade.

    Junho de 1995

    Azagadir

  • Comunidade Tergica Portuguesa Caderno Fiat Lux n. 14 Roberto Lucola

    3

    HIERARQUIA ASSURA

    NDICE

    PREFCIO ..... 2 REBELDIA CELESTE ........ 5 O MISTRIO DO ALGARISMO 91 ... 6 AS ORIGENS DOS TOTENS ..... 7 OS ADORMECIDOS MANASAPUTRAS ....... 9 O GRAAL E A REDENO DOS ASSURAS ...... 10 POLARIZAO DAS CONSTELAES ...... 11 METABOLISMO HIERRQUICO .......... 12 O 5. SISTEMA VENUSIANO .......... 14 MISTRIO DOS 4 SIS CABALSTICOS ...... 15 CONDENAO DOS ANJOS REBELDES . 16 OS ANJOS LIGAM-SE S FILHAS DOS HOMENS ..... 17 OS ASSURAS E A IMORTALIDADE ... 18 OS ASSURAS E A PROMISCUIDADE HIERRQUICA ................................................... 19 AS TRS CATEGORIAS DE ASSURAS ......... 20 RESPONSABILIDADES DAS HIERARQUIAS ....... 21 IMPLANTAO DO 5. SISTEMA .......... 22 CONFRARIA DOS BHANTE-JAULS .. 24 AS TRS CATEGORIAS DE BARISHADS ......... 24 O SENTIDO OCULTO DO SEPTENRIO ............ 25 OS ARHATS ..... 26 COLAR ASSRICO E MAKRICO .. 27 OS MAKARAS E OS SEUS SUB-ASPECTOS .... 28 GENEALOGIA DO PRAMANTHA ...... 29 JULGAMENTO DAS HIERARQUIAS ............ 29 SMBOLOS ASTROLGICOS DAS HIERARQUIAS .. 31 OS MAHA-RAJAS SEGUNDO O APOCALIPSE .... 31 ORIGENS DOS PRAMANTHAS .. 32

  • Comunidade Tergica Portuguesa Caderno Fiat Lux n. 14 Roberto Lucola

    4

    OS MEMBROS DO PRAMANTHA .... 33 O PRAMANTHA NA 5. RAA-ME ARIANA ..... 35 OS DOIS SECTORES DO PRAMANTHA .... 36 GENEALOGIA DOS DHYANIS ...... 37 MECANOGNESE HIERRQUICA ...... 38 MISTRIO DOS 777 ASSURAS ..... 39 OS ANIMAIS NAS TRADIES MITOLGICAS ... 40 METSTASE AVATRICA ..... 41

  • Comunidade Tergica Portuguesa Caderno Fiat Lux n. 14 Roberto Lucola

    5

    HIERARQUIA ASSURA

    REBELDIA CELESTE

    Segundo o Dr. Antnio Castao Ferreira, as tradies mais antigas fazem sempre

    referncias aos Anjos Cados. Ele citou um velho texto indiano que trata no somente da revolta

    dos Assuras como fala ainda, em alguns trechos, da criao do Universo. Trata-se do livro

    Birmah-Dharma ou Chartad-Bhade, obra de imenso valor de h muito desaparecida da face da

    Terra, actualmente fazendo parte das Bibliotecas Jinas. Alguns fragmentos muito adulterados

    dessa obra chegaram ao conhecimento do insigne ocultista ocidental Eliphas Levi, que neles

    baseou a sua doutrina sobre os Deuses Cados da ndia. Todavia, ficou muito aqum da verdade,

    pois desconhecia os trechos mais importantes e interessantes do livro. Vejamos o que diz o

    Birmah-Dharma relativamente s primeiras etapas do nosso Sistema Solar:

    A Divindade, embora Una, tomou forma Trina para realizar a sua Obra Criadora.

    Ainda que Eterna, Omnipotente e Omnisciente, no pde prever as aces dos seres que criou,

    quando dotados de liberdade ou de livre-arbtrio. Por isso, pelo movimento da sua Vontade e

    Amor prpria Obra, foi obrigada a criar trs Entes Celestes, que representam o seu Poder no

    sentido de impulso evolutivo. Da serem considerados Espritos Divinos de ordem superior.

    Deu-lhes os nomes de Birmah, Bistnu e Sieb. Criou, depois, a multido de Anjos que ficaram

    sob a chefia de Birmah, e cedeu-lhes, por coadjutores, Bistnu e Sieb. A Divindade deu livre-

    arbtrio a todos esses Anjos, por terem nascido da Sua prpria essncia. Por esse motivo,

    prescreveu-lhes apenas o melhor meio para O adorar e respeitar. Serviam-lhe de auxiliares da

    sua prpria Obra, todas as vezes que para isso fossem requisitados.

    Passou o tempo e chegou a hora em que o Eterno precisou servir-se deles. Foi quando o

    Anjo Moisasur ou Mois-Asur, por meio de maus conselhos e pertinaz seduo, frente de

    alguns outros estabeleceu terrvel revolta que aconteceu nos Cus. Eles j tinham abandonado

    o verdadeiro culto ao seu Senhor e Criador. O Eterno apelou para aquele que se achava mais

    prximo do seu Trono, Birmah, e este, auxiliado pelos dois companheiros Bistnu e Sieb, alm

    de castigar os faltosos, bane-os para sempre das regies celestes, porque no eram mais dignos

    de contemplar a Fonte de onde emanaram, por isso condenando-os s trevas e s aflies

    eternas.

    Moisasur reuniu os seus companheiros e disse-lhes: Reinemos ns. Dizem mais os

    trechos que estamos citando, que ao ser convocado pelo Eterno para novo trabalho, assim se

    expressou Moisasur:

    Tu, a quem louvamos h tanto tempo, queres dar-nos novos trabalhos, trabalhos

    martirizantes que j realizmos outrora e que Tu dizes no termos cumprido a contento. Tu

    podes ser tudo menos a Justia Divina, sem o que no desejarias que os defensores de teu Trono

    se afastassem de Ti para novas e dolorosas obras! Maldito sejas Tu para toda a eternidade!

    Foi quando o Eterno, apiedado dele e de outros dois que estavam mais prximos do seu

    Trono, e a pedido de Birmah, Bistnu e Sieb, lhes respondeu: Que os rebeldes sejam libertados

    de Onderah e colocados num estado de provas, no qual se tornem capazes de trabalhar pela sua

    prpria salvao.

    Com essas palavras, o velho tratado pretende exprimir que aps a revolta os Deuses

    Cados foram lanados num Mundo que os ocultistas costumam chamar 8. Esfera, e os sbios

    da ndia de Mara-Loka. Este Centro de Matria quase pura o plo negativo da Manifestao

    Universal. Alguns livros indianos, sobretudo os de origem budista, tratam largamente do Planeta

  • Comunidade Tergica Portuguesa Caderno Fiat Lux n. 14 Roberto Lucola

    6

    da Morte, como muitas vezes denominado. Os que so atrados pela voragem irresistvel do

    Planeta da Morte em geral no voltam a transpor o retorno dos seus ttricos umbrais. Foi sobre

    esse portal que Dante escreveu as palavras fatais: Lasciate ogni speranza o voi cheentrate

    (perdei todas as esperanas vs que aqui entrais). Muitas coisas foram ditas no tempo de

    H.P.B. sobre esse estranho planeta. Kut-Humi referiu-se a ele em mais de uma oportunidade,

    chegando a dizer que um Centro Csmico onde a Matria, no mximo de intensidade,

    desintegra todas as formas organizadas atradas para ele, por terem criado uma condio negativa

    no Plano do Ser.

    O MISTRIO DO ALGARISMO 91

    Onderah, como vimos atrs, a Loka Tenebrosa onde foram precipitados os Divinos

    Rebeldes, segundo o Birmah-Dharma, e de onde o Eterno, apiedado, os fez retirar, atendendo ao

    pedido de trs Seres de elevada Hierarquia que os combateram e castigaram. Sobre o assunto,

    citemos outros trechos dessa obra jina:

    Grande foi a dor do Chefe das Hostes Celestes e dos seus dois auxiliares, que

    prostrando-se diante do Trono do Eterno intercederam pelos faltosos. Prometeu o Eterno, em

    sua infinita misericrdia, que depois dos rebeldes