Filosofia - A Patrística

  • View
    37.437

  • Download
    5

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Essa é uma apresentação de slide que mostra o problema entre a fé natural e a cristã que tanto foi motivo de polêmica na Idade Média.

Text of Filosofia - A Patrística

O problema entre a Razo Natural e a F Crist.

Durante um certo tempo, no final da Idade Antiga e incio da Idade Mdia baixa, a Igreja oferecia uma certa resistncia ao ensino e propagao da filosofia grega por ach-la hertica. Porm, com a difuso das obras de Plato e Aristteles, no foi mais possvel ignorar a herana intelectual grega.

A partir da aceitao da cultura pag (filosofia), o ensino na Idade Mdia passou a contar com temas vinculados do saber profano teologia sustentada na autoridade da revelao.

Neste sentido, a filosofia medieval ficou dividida entre as verdades profanas, constituda pela doutrina de Aristteles, e as verdades crists, contidas nas sagradas escrituras e nas interpretaes autorizadas dos textos sacros. Foi neste contexto que surgiu a Patrsitica.

O

que aPATRSTICA

?

a filosofia dos padres da Igreja Catlica, que tinham o objetivo de unir religio e filosofia, introduzindo novas idias para a sociedade medieval, tais como: criao do mundo, livre-arbtrio, etc.

Essa filosofia uma retomada da filosofia platnica, na qual valorizado o supra-sensvel, e a qual remete o homem a um comportamento tico rigoroso, j que o mundo corpreo ou sensvel afasta o homem do supremo bem. Com isso, indispensvel que o homem paute seu comportamento na justa medida, ou seja, mantenha sob controle suas paixes de forma racional.

Agostinho de Hipona (354-430 d.C)

Agostinho de Hipona foi o maior expoente da Patrstica. Nasceu em Fagasta, na frica, em 13/11/354, filho de um pago e de uma crist fervorosa, Mnica, depois, canonizada santa pela Igreja.

A filosofia agostiniana se funda a partir da trade: f, esperana e amor, onde o sujeito do conhecimento est pronto para conhecer Deus, se for iluminado por Ele, pois, como no mbito da fsica as coisas devem ser iluminadas pela luz do sol para serem conhecidas, o mesmo ocorre com relao s coisas divinas, pois Deus o Sol que os ilumina.

Atravs da doutrina da iluminao divina, Agostinho explica como possvel ao homem receber de Deus as verdades eternas, pois todo conhecimento verdadeiro resultado de uma iluminao divina, que faz com que o homem contemple as idias. No que a luz divina possa ser vista, mas ela serve para iluminar as idias, como na Alegoria da Caverna, de Plato.

Agostinho encontra na filosofia a felicidade, passando a utiliz-la como instrumento em favor da f, de onde tira a mxima: Entender para crer e crer para entender.

Assim, atravs da f nas escrituras, Agostinho busca o entendimento daquilo que elas ensinam, pois a f para ele a via de acesso verdade eterna. Mas, a f no pode ser demonstrada sem o trabalho da razo, que a precede e a sua conseqncia.

Alunos: Flvia Jelber Rodrigo