FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE ... - ?· DFC Demonstrativo Fluxo de Caixa DRE Demonstração do Resultado…

  • Published on
    08-Nov-2018

  • View
    214

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

  • 0

    UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

    CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERID

    DEPARTAMENTO DE CINCIAS EXATAS E APLICADAS

    CAMPUS DE CAIC

    JOS BENTO DA SILVA NETO

    FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA GERENCIAL

    PARA O MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL DE CAIC.

    CAIC RN

    2015

  • 1

    JOS BENTO DA SILVA NETO

    FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA GERENCIAL

    PARA O MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL DE CAIC.

    Monografia apresentada ao Departamento de

    Cincias Exatas e Aplicadas do Centro de Ensino

    Superior do Serid da Universidade Federal do Rio

    Grande do Norte, para obteno do ttulo de Bacharel

    em Cincias Contbeis.

    Orientador: Prof. Esp. Celso Luiz Souza de Oliveira

    CAIC RN

    2015

  • Silva Neto, Jos Bento da. Fluxo de caixa : importante ferramenta gerencial para omicroempreendedor individual de Caic / Jos Bento da SilvaNeto. - Caic: UFRN, 2015. 50f: il.

    Orientador : Celso Luiz Souza de Oliveira.

    Monografia (Bacharel em Cincias Contbeis) UniversidadeFederal do Rio Grande do Norte. Centro de Ensino Superior doSerid - Campus Caic.

    1. MEI. 2. Fluxo de caixa. 3. Gerncia. I. Oliveira,Celso Luiz Souza de. II. Ttulo.

    Catalogao da Publicao na FonteUniversidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN

    Sistema de Bibliotecas - SISBI

  • 2

    JOS BENTO DA SILVA NETO

    FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA GERENCIAL

    PARA O MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL DE CAIC.

    Monografia apresentada ao Departamento de Cincias Exatas e Aplicadas do Centro de Ensino

    Superior do Serid da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, para obteno do ttulo

    de Bacharel em Cincias Contbeis.

    BANCA EXAMINADORA

    ____________________________________________________

    Prof. Esp. Celso Luiz Souza de Oliveira - UFRN/CERES

    Orientador

    _______________________________________________________

    Prof. Me. Alex Sandro Macedo de Oliveira - UFRN/CERES

    Examinador

    ________________________________________________________

    Prof. Esp. Ney Fernandes de Arajo - UFRN/CERES

    Examinador

  • 3

    A Deus por toda fora dada para sua

    realizao. minha me e demais familiares,

    que acredito ser a minha base para tudo.

  • 4

    AGRADECIMENTOS

    A entrada na faculdade foi uma porta que se abriu e trouxe alm de conhecimentos e

    aprendizados outras riquezas essncias para minha formao profissional, social e acadmica.

    Agradeo a Deus por toda f e fora para a concretizao deste trabalho, sendo sempre meu

    guia e meu norte na obteno de meus objetivos.

    minha me, Francisca Benta Filha, por ser sempre exemplo para tudo em minha vida, suas

    batalhas e dificuldades enfrentadas sempre me motivaram a querer buscar o melhor pra ns

    dois. Ela foi e sempre ser a merecedora, ou melhor, o verdadeiro motivo de minhas vitrias.

    A todos os meus familiares, em especial a Nelson dos Santos e Josefa Nen pela criao e

    educao dada ao longo de todos esses anos.

    s minhas queridas e amadas irms: Francisca Nelsonete dos Santos, Maria Nelsimone dos

    Santos e Vitoria Santos. Sempre ao meu lado independentemente da situao, me motivando e

    mostrando sempre as opes mais corretas. Me faltam palavras pra definir o quo importante

    so para mim.

    A um grande amigo: Joo Paulo Lucena de Medeiros. Este desde o segundo perodo do curso

    esteve comigo, sua experincia, pacincia e companhia foi de grande importncia para o meu

    crescimento. Suas palavras de motivao apontando caminhos certos me levaram a lugares que

    acreditaria nunca chegar. Obrigado por tudo.

    Aos colegas de sala e em especial: Jsica, Mariana, Jayne, Talita, Tatiana, July, Las e Jayza.

    Estas, hoje, muito mais que amigas, so pessoas que sei que poderei contar para o resto de

    minha vida.

    Aos amigos que durante esses anos entenderam minhas ausncias e que vibraro comigo minhas

    conquistas.

    A todos os professores que no decorrer destes cinco anos muito se esforaram para nos passar

    todos os conhecimentos possveis, seus aprendizados hoje nos tornas contadores cientistas. Em

    especial, quero agradecer a Celso Luiz Souza de Oliveira, meu professor orientador que muito

    admiro desde o primeiro semestre de curso, seu talento e sua vontade de ensinar Contabilidade

    sempre me motiva a gostar cada vez mais do curso, muito obrigado por toda ajuda para a

    concluso deste trabalho.

  • 5

    A contabilidade um antdoto sade

    financeira de qualquer empresa, independente

    do porte ou da formatao jurdica.

    SCHNORR, P. W.

  • 6

    RESUMO

    O presente trabalho tem como tema a importncia do uso do fluxo de caixa na gerncia contbil

    para as empresas optantes do sistema MEI. O objetivo identificar se essa ferramenta est

    sendo utilizada na gerncia contbil destes gestores, auxiliando para fins decisrios na sua

    empresa. Alm de perceber se estes costumam registrar suas entradas e sadas monetrias, a fim

    de um maior controle dos seus gastos e ganhos e, ainda, verificar se conhece a ferramenta fluxo

    de caixa e se encontra alguma dificuldade na sua elaborao. Para enfim, diagnosticar se o MEI

    utiliza as informaes fornecidas por este mtodo na sua gerncia para a tomada de decises.

    A necessidade de entender como o MEI se utiliza de tal ferramenta para gerir seu negcio foi

    uma das motivaes da pesquisa. A metodologia utilizada foi de pesquisa bibliogrfica e o

    mtodo de abordagem foi o indutivo e estudo de campo (monogrfico), mediante aplicao de

    um questionrio, contendo treze perguntas, destinados a vinte e cinco microempreendedores

    individuais. Atualmente, a Contabilidade um grande auxlio, tanto para seu controle interno,

    quanto na orientao nas suas decises, logo, atravs de ferramentas, como o fluxo de caixa,

    que a contabilidade gerencial propicia uma maior certeza na obteno dos resultados desejado.

    Palavras-chave: MEI. Fluxo de caixa. Gerncia.

  • 7

    ABSTRACT

    This work has as its theme the importance of using the cash flow in the accounting management

    for companies opting MEI system. The goal is to identify whether this tool is being used in the

    accounting management of these managers, assisting for decision-making purposes in your

    company. In addition to understand whether these usually register their receipts and

    disbursements in order to better control of your spending and earnings, and also verify that

    knows the cash flow tool and is some difficulty in its preparation. To finally diagnose the MEI

    uses the information provided by this method in its management for decision making. The need

    to understand how the MEI uses such a tool to manage his business was one of the motivations

    of research. The methodology used was literature and the method of approach was inductive

    and field study (monograph) by applying a questionnaire with thirteen questions intended to

    twenty-five individual microentrepreneurs. Currently, Accounting is a great help for both its

    internal control, as the guidance in their decisions, so is through tools such as cash flow, which

    management accounting provides greater certainty in achieving the desired results.

    Keywords: MEI. Cash flow. Management.

    LISTA DE ILUSTRAES

  • 8

    Figura 01 Contedo do Balano ............................................................................................ 25

    Figura 02 Demonstrao de Resultados ................................................................................ 26

    Figura 03 Fluxo de Caixa. ..................................................................................................... 29

  • 9

    LISTA DE GRFICOS

    Grfico 01 Sexo ..................................................................................................................... 33

    Grfico 02 Idade .................................................................................................................... 34

    Grfico 03 Grau de escolaridade. .......................................................................................... 34

    Grfico 04 Satisfao ps-formalizao ................................................................................ 35

    Grfico 05 Possui funcionrio? ............................................................................................. 35

    Grfico 06 Sente dificuldades na gerncia? .......................................................................... 36

    Grfico 07 Todas as entradas e sadas monetrias so registradas? ...................................... 36

    Grfico 08 Conhece a ferramenta fluxo de caixa? ................................................................ 37

    Grfico 09 O fluxo de caixa realizado com frequncia? .................................................... 37

    Grfico 10 Tem dificuldades na elaborao da DFC? ........................................................... 38

    Grfico 11 Algum auxilia na elaborao da DFC? .............................................................. 39

    Grfico 12 Os dados gerados pela DFC so utilizados para tomada de decises? ................ 39

    Grfico 13 Acredita que o uso do fluxo de caixa facilita a gerncia empresarial? ............... 40

  • 10

    LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

    ABNT Associao Brasileira de Normas Tcnicas

    BP Balano Patrimonial

    CFC Conselho Federal de Contabilidade

    COFINS Contribuio Para Financiamento da Seguridade Social

    CPC Comit de Pronunciamentos Contbeis

    CRC Conselho Regional de Contabilidade

    CSLL Contribuio Social sobre o Lucro Lquido

    CVM Comisso de Valores Mobilirios

    DFC Demonstrativo Fluxo de Caixa

    DRE Demonstrao do Resultado do Exerccio

    EPP Empresa de Pequeno Porte

    FASB Financial Accounting Standards Board

    IASB Intenational Accounting Standard Board

    IASC Intenational Accounting Standard Committee

    Ibracon Instituto dos Auditores Independentes do Brasil

    ICMS Imposto Sobre Circulao de Mercadorias e Servios

    IFRS International Financial Reporting Standards

    INSS Instituto Nacional do Seguro Social

    IOSCO International Organization of Securities Commissions

    IPI Imposto Sobre Produtos Industrializados

    ISS Imposto Sobre Servios de Qualquer Natureza

    Ltda. Sociedade Limitada

    ME Microempresa

    MEI Microempreendedor Individual

    PIS Programa de Integrao Social

    PME Pequena e Mdia Empresa

    S.A Sociedade Annima

    SEBRAE Servio Brasileiro de Apoio s Micro e Pequenas Empresas

  • 11

    SUMRIO

    1 INTRODUO ................................................................................................................. 122

    2 REFERENCIAL TERICO ............................................................................................ 155

    2.1 ORIGEM DA CONTABILIDADE. ................................................................................. 155

    2.2 HISTRIA E EVOLUO DA CONTABILIDADE. ...................................................... 16

    2.3 CONTABILIDADE E GERNCIA. ................................................................................ 188

    2.4 MEI (MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL) ......................................................... 200

    2.5 DEMONSTRATIVOS CONTBEIS PARA PEQUENOS NEGCIOS. ...................... 233

    2.6 FLUXO DE CAIXA. ........................................................................................................ 267

    3 METODOLOGIA .............................................................................................................. 300

    3.1 ABORDAGEM TERICO-METODOLGICO DA PESQUISA. ................................. 300

    3.2 O CONTEXTO DA PESQUISA: ESPAO E SUJEITOS DA INVESTIGAO ........ 311

    3.3 INSTRUMENTOS DE COLETA E SELEO DE DADOS ......................................... 311

    4 ANLISE E DISCUSSO DOS RESULTADOS .......................................................... 333

    4.1 PERFIL DO MEI. ............................................................................................................. 333

    4.2 MEI E O USO DA FERRAMENTA FLUXO DE CAIXA. ............................................ 366

    5 CONSIDERAES FINAIS ............................................................................................ 411

    REFERNCIAS ................................................................................................................... 433

    APNDICE

  • 12

    1 INTRODUO

    A Contabilidade, no passado era vista apenas como um sistema tributrio e escriturrio,

    hoje, uma ferramenta de extrema importncia para o gerenciamento empresarial. Assim relata

    Katsumi (2010), At a dcada de 70, esta cincia foi marcada pela forte influncia da legislao

    tributria e, a partir de 1976, foi deixando essa finalidade fiscal em decorncia do grande

    crescimento econmico da poca e da criao da CVM. Nesse atual contexto de dificuldades

    enfrentadas, diante dos impactos da crise nos mercados financeiros, a informao contbil

    torna-se de extrema importncia para o exerccio adequado da classe administrativa

    empresarial. Para Atkinson et al. (2000, p. 37), a informao contbil gerencial um dos meios

    primrios pelo qual gestores recebem feedback sobre seus desempenhos, capacitando-os a

    aprenderem com o passado e melhorarem para o futuro. Com o Microempreendedor Individual

    (MEI) no ocorre diferente, mesmo que o porte da empresa seja micro, importante conhecer

    seus resultados.

    A criao da Lei Complementar n 128/08 que alterou a Lei n 123/06 do Cdigo Civil,

    possibilitou aos trabalhadores que permaneciam no mercado de modo informal a se legalizarem

    e, ao mesmo tempo em que possibilitou a entrada desse tipo de empresrio no mercado formal,

    criou limites para que o empreendedor pudesse permanecer usufruindo dos direitos e obrigaes

    do MEI. Uma dessas obrigaes est relacionada a um limite de lucro bruto que o MEI no

    poder ultrapassar durante o exerccio, se deseja continuar neste sistema tributrio. Em 2008 o

    rendimento bruto anual no poderia ultrapassar a faixa dos 36 mil reis, e em 2012 esse valor

    aumentou para 60 mil reais.

    A cidade de Caic, localizada no interior do estado Rio Grande do Norte, at maro de

    2015, contava com 1.817 MEIs, de acordo com o site Portal do Empreendedor. uma

    quantidade pequena se comparada ao nmero total do estado que de 64.236, atingindo um

    percentual apenas de 2,8%. Essa proporo muda quando comparada somente ao nmero de

    empresas dessa cidade, que segundo o site Empresmetro (2015), no incio de abril, havia um

    total de 4.623, levando em considerao todas as atividades. Logo, percebe-se que os MEIs

    representam 39,3% do valor total de empresas situadas em Caic/RN. Nota-se, portanto, que

    quase 40% das atividades comerciais esto ligadas a esse regime tributrio, com isso fica claro

    a relevncia desse tipo de negcio.

    Domingos (1995, p. 43-48) ressalta a importncia das pequenas empresas quando afirma

    que em grande parte do mundo, a micro, pequenas e mdias empresas representam 90% dos

    empreendimentos, contribuindo de forma expressiva na gerao de empregos e produtividade.

  • 13

    Desta forma, as micro, pequenas e mdias empresas, destacam-se no cenrio socioeconmico

    mundial. Em relao s dificuldades da permanncia no mercado, estima-se que

    aproximadamente 80% de todos os novos empreendimentos no Brasil fecham suas portas nos

    primeiros dois anos e muitos no chegam nem mesmo a comple...

Recommended

View more >