of 16 /16
Biênio 2012 / 2013 Nº 150 - JUNHO 2013 Pág.: 10 Pág.: 08 Pág.: 06 FIQUE POR DENTRO CIRCULANDO REUNIÃO CIENTÍFICA Impresso fechado pode ser aberto pelo ECT Informativo da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular - SP O último encontro teve como tema principal as anomalias vasculares Confira as últimas notícias e os eventos acerca da especialidade No mês de maio aconteceu o Programa Circulando na seccional Campinas-Jundiaí Eleições SBACV 2013 A Regional São Paulo apoia a candidata Dra. Ana Terezinha Guillaumon para eleger-se como presidente da Nacional. Conheça a chapa e suas propostas e entenda tudo sobre o novo formato de votação

Folha da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular n˚150

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Caso de estenose carotídea com aspecto bem característico de string sign publicado na Folha da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular n˚150.

Text of Folha da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular n˚150

  • | 1Binio 2012 / 2013 N 150 - JUNHO 2013

    Pg.: 10Pg.: 08Pg.: 06

    FIQUE POR DENTRO CIRCULANDOREUNIO CIENTFICA

    Impresso fechado pode ser aberto pelo ECT

    Informativo da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular - SP

    O ltimo encontro teve como tema principal as anomalias vasculares

    Confira as ltimas notcias e os eventos acerca da especialidade

    No ms de maio aconteceu o Programa Circulando na seccional Campinas-Jundia

    Eleies SBACV 2013

    A Regional So Paulo apoia a candidata Dra. Ana Terezinha Guillaumon para eleger-se como presidente da Nacional. Conhea a chapa e suas

    propostas e entenda tudo sobre o novo formato de votao

  • 2 |

    E xpediente

    2012Presidente:Adnan NeserVice-Presidente:Adilson Ferraz PaschaSecretrio Geral:Arual GiustiVice-Secretrio:Nilo M. IzukawaTesoureiro Geral:Marcelo Calil BurihanVice-Tesoureiro:Joo Antonio CorraDiretor Cient co:Rogrio A. NeserVice-Diretor Cient co:Walter Campos JniorDiretor de Publicaes:Jorge Agle KalilVice-Diretor de Publicaes:Alberto Jos Kupcinskas Jr.Diretor de Defesa Pro ssional:Salomo GoldmanVice-Diretor de Defesa Pro ssional:Marcos Augusto de Arajo FerreiraDiretor de Patrimnio:Francisco Cardoso Brochado NetoVice-Diretor de Patrimnio:Newton de Barros Jr.

    Presidente da Gesto Anterior:Calgero Presti

    Conselho Fiscal:Ivan de Barros GodoyJos Carlos IngrundLeonardo Hisao Hirose Armando Lisboa CastroCarlos Eduardo Pereira Rubem Rino

    Conselho Superior:Antonio Carlos Alves SimiBonno van BellenCid J. Sitrngulo JrEmil BurihanFausto Miranda JniorFrancisco Humberto A. Ma eiJoo Carlos AnacletoJos Carlos Costa Baptista-SilvaPedro Puech-LeoRoberto SacilottoValter Castelli JniorWolfgang Zorn

    Seccionais:

    ABC - Sidnei Jos Galego

    Alto Tiet - Adalcindo Vieira Nascimento FilhoBaixada Santista - Mariano Gomes da Silva FilhoBauru Botucatu - Marcone Lima SobreiraCampinas Jundia - Carla A. Faccio BosnardoFranca - Daniel Urban RaymundoMarlia - Marcelo Jos de AlmeidaPresidente Prudente - Cesar Alberto T. MartelliRibeiro Preto - Edwaldo Edner JovilianoSo Carlos - Araraquara - Michel NasserSo Jos do Rio Preto - Daniel Gustavo MiquelinSorocaba - Lus Carlos Mendes de BritoTaubat So Jos dos Campos - Ricardo de A. Yoshida

    Departamentos:

    Doenas Linfticas - Jose Maria Pereira de GodoyDoenas Arteriais - Andr SimiDoenas Venosas - Henrique Jorge Guedes NetoAngiorradiologia e Cir. End. - Armando de C. LobatoCirurgia Exper. e Pesquisa - Jose Dalmo de Arajo FilhoTrauma Vascular - Rina Maria P. PortaMultimdia e Diag. por Imagem - Alexandre C. M. AmatoMarketing e Informtica - Antonio Eduardo ZeratiEventos - Reinaldo Mulatti e Candido Ferreira da FonsecaAssessoria de Sade - Carlos Eduardo Varela Jardim

    2013

    Folha Vascular um rgo de divulgao mensal da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular - So Paulo. Edio: Way ComunicaesLtda. - Rua Cotox, 303 - Cj 16 - CEP: 05021-000 - So Paulo - SP - Tel/Fax: (5511) 3862-1586 Jornalista Responsvel: Junia Chaves Mtb 0066409/SP Redao: Bete Faria Nicastro / Junia Chaves / Stfanie Rigamonti Reviso: Alessandra Nogueira Tiragem: 3.100 exemplares Produo: ES Design (11) 3739-0230 Correspondncia para a Folha Vascular como sugestes, dvidas, trabalhos cient cos ou eventos a serem divulgados podem ser encaminhados para: SBACV-SP - sede - Rua Estela, 515 - Bloco A - Cj. 62 - Paraso - CEP 04011-904 - So Paulo - SP - Brasil - Tel/Fax: (5511) 5087-4888 e-mail: [email protected] Site da Regional So Paulo: www.sbacvsp.com.br Diretor de Publicaes da SBACVSP - Dr. Jorge Agle Kalil Rua Itapeva 240, Cj. 1605 Bela Vista - CEP: 01332-000 So Paulo SP Brasil Tel.: (5511) 3253-3034 e-mail: [email protected] Permite-se a reproduo de textos se citada a fonte. Acesse: www.sbacvsp.com.br Crdito (Capa): Google

    Dr. Adnan NeserPresidente da SBACV-SP 2012-2013

    E ditorial

    Diretoria Binio

    Prezados associados,Vive-se um perodo de grande efervescncia em

    que especialidades solicitam ao Conselho Federal de Medicina (CFM) que analise e publique uma re-soluo que reserve os procedimentos de alta com-plexidade aos especialistas registrados no CFM que tenham formao em 5 anos. O pedido principal, j data de algum tempo, foi formulado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plstica com o objetivo de desqualificar cursos rpidos para uma determinada modalidade de tratamento ou aplicao, principal-mente com fins estticos. Talvez, de forma equivo-cada, a Sociedade foi convidada a participar desde a primeira data agendada em Braslia e agora, re-centemente, na sede da AMB. Esclareceu-se devi-damente que um residente ou estagirio em servio reconhecido pela SBACV, deve obrigatoriamente, cumprir requisito de 2 anos em Cirurgia Geral e mais 2 anos em Cirurgia Vascular, onde desde o 1 ano, tem treinamento em Radiologia Vascular reali-zando diagnsticos e participando de procedimentos endovasculares quanto a anlise radiolgica, indi-cao e no ps-operatrio. Participa, ainda, ativa-mente de implantes de port ou cateteres de duplo ou triplo lmem. O residente de 2 ano de Cirurgia Vascular (R4) participa ativamente de procedimen-tos em escala de complexidade maior e auxiliando

    preceptores quanto orientao e execuo, sem ocupar o lugar deste ltimo.

    Lamentavelmente, criou-se uma barreira aos Ser-vios com a instituio da Portaria Ministerial da Alta Complexidade que instituiu um critrio geo-grfico e demogrfico para o credenciamento pela classificao e tipo da entidade hospitalar e a abran-gncia populacional de 4 milhes de habitantes. Felizmente, aps algum tempo, houve modificao da exigncia para 500 mil habitantes. Claro que o credenciamento tem um outro breque representado pelo oramento e mais do que isto pela disposio da Secretaria do Estado da Sade. De qualquer for-ma, houve um crescimento do nmero de Servios credenciados para o desenvolvimento da rea de atuao da Angiorradiologia e Cirurgia Endovas-cular.

    Constam na Comisso Nacional de Residncia Mdica 28 instituies credenciadas para esta rea de atuao com nmero de vagas por ano de 1 a 3 por Programa, num total de 45 vagas disponibiliza-das. Neste momento, constam como vagas disponi-bilizadas para R1 de cirurgia vascular, o total de 218 vagas.

    Fao questo de ressaltar estes dados em razo do questionamento do nosso Presidente Calgero para

    consubstanciar qualquer atitude doravante.Tenho observado a dificuldade para credenciar a

    rea de atuao e acho que se deve refletir muito se efetivamente deve-se propor ou no a ampliao do nmero de anos de residncia. S para efeito de comparao, a rea de atuao em Ecografia Vascu-lar com Doppler tem apenas 5 instituies creden-ciadas com um total de 5 vagas apenas.

    De qualquer maneira, a Sociedade precisa estar atenta e provavelmente, assumir um papel prepon-derante no estabelecimento de normas e fiscaliza-o de Servios visando qualificao dos egressos objetivando frente, a titulao como especialista, franqueando o ingresso dos residentes como as-pirantes e instituindo provas peridicas ao longo da residncia, incluindo a prtica, tomando como exemplo Sociedades bem constitudas que j exer-cem tais funes, associando-se Comisso Nacio-nal de Residncia Mdica em franca parceria, em vez de aguardar as avaliaes pelo Banco Pblico de Avaliadores que dispe de poucos especialistas em Cirurgia Vascular.

    Teremos continuidade.

  • | 3

    Dr. Salomo GoldmanDiretor de Defesa Pro ssional da SBACV-SP

    D efesa profissional

    Temos duas candidaturas postas na mesa para a presidncia da nossa SBACV: Ana Terezinha Guillaumon (de Campinas) e Pedro Pablo Komlos (de Porto Alegre).

    nesta oportunidade que devemos, por obrigao, discutir ideias, programas e enfoques que possam tornar as candidaturas, no s fruto de vontades individuais ou de grupos, mas sim produtos da necessidade de enfrentar os grandes problemas que atravessamos.

    Qual a posio de cada um dos contendores frente ao problema do nmero de faculdades e de mdicos, e uma consequncia, qual a necessidade de uma demografia mdica vascular em todo o pas?

    Qual a posio e como se comportar o candidato frente aos contratos com as empresas, seguradoras ou convnios? preciso ter posio firme e avanar na luta contra a dominao dessas empresas que nos asfixiam.

    Qual a posio dos candidatos frente s diferenas das tabelas que contemplam de modo distinto quem Radiologista Intervencionista de quem Cirurgio Vascular? Passamos anos discutindo as questes, mas ningum se disps a efetivamente por o dedo na ferida. O nosso colega Dino Colli tem trabalhado nisso h anos, tirando vrias concluses e protocolos, mas no consegue respaldo de nossas associaes.

    O CFM continua postergando as decises, com receio de ferir suscetibilidades.

    Qual a posio dos candidatos frente a problemas como: angioplastia isolada paga, mas se colocarmos Stent pago s implante de Stent? No nosso caso, se h necessidade de vrias angioplastias, como nas distais, acrescida de colocao de Stent proximal, recebemos s pelo segundo procedimento. Cada vez que necessitamos de protocolo para enquadrar os procedimentos, os convnios se utilizam de pareceres que mais lhes convm. O prprio CRM envia a discusso para a Radiologia Intervencionista e no para a SBACV!!!

    Qual a posio da SBACV frente aos chamados dirios para passagem de cateteres, de qualquer tipo, at para intracaths? Necessitamos de protocolos para posio oficial. E o que dizer de implantes de cateteres de permanncia remunerados a 80 reais? J viram o trabalho que d, s vezes com uso de Doppler, tomando Rx na cabea?

    Qual a posio da SBACV frente aos ilustres colegas que vo aos meios de comunicao exibir tratamentos miraculosos (espumas, por exemplo)?

    Qual a posio que os candidatos vo tomar frente interferncia e ao tempo que os convnios levam para autorizar procedimentos?

    Qual a posio dos presidenciveis e como pensam lutar pela carreira de mdicos do Estado?

    Esses so pequenos exemplos da quantidade de problemas que nos afetam e me parecem esquecidos ou colocados em segundo plano. O Dr. Calgero Presti, atual presidente, colocou a SBACV nos

    trilhos. Despendeu muito trabalho para organizar a Sociedade. Fez timo trabalho merecendo elogios inclusive pela reforma democrtica dos Estatutos. Gostaria de ver agora maior empenho nas questes que afetam o dia a dia. Necessitamos maior empenho na gesto da defesa profissional!

    Vamos aproveitar a eleio para discutir os problemas reais e no as influncias deste ou aquele colega ou grupo de colegas ou pior, de bairrismos anacrnicos. Passemos por cima e vamos arregaar as mangas todos juntos. Estamos no meio de um tsunami e com um barquinho de madeira. Vamos construir uma SBACV forte com posies firmes e discutidas pela maioria.

    A melhor oportunidade esta eleio. A diretoria de Regional de S. Paulo j tomou posio a favor de Terezinha. Falta agora a plataforma eleitoral e, mais do que isso, prometer cumpri-la !

    A importncia das eleies na SBACV

    lceras dos Membros: Diagnsticos e Teraputi-cas, em sua segunda edio revista e ampliada, uma obra completa sobre este problema que afeta milhes de pessoas em todo o mundo. Seus cap-

    lceras dos Membros Diagnsticos e Teraputicas

    Esta obra trata de ma-neira clara as reas mais importantes da ultrassonografia vas-cular, fornecendo uma excelente introduo ao conhecimento dos princpios fsicos e instrumentao da ul-

    trassonografia vascular. Ensina como realizar exa-me, como interpretar os resultados e como resolver problemas diagnsticos. Destina-se aos estudantes de medicina, bem como aos especialistas em diag-nstico vascular no-invasivo.Autor: Michael HennericiEditora: RevinterPginas: 496Preo: R$ 549

    Ultra Sonogra a Vascular

    tulos so correlacionados e apresentam todos os aspectos clnicos, fisiopatolgicos e teraputicos dessa doena complexa, alm da etiologia da l-cera como fator fundamental para a cura, pois de nada adiantaro os cuidados locais se a etiopa-tologia for sistmica, por exemplo. Escrita por profissionais renomados com experincia reco-nhecida sobre o tema, a obra fundamental para estudantes de medicina e enfermagem, enfer-meiros, clnicos, angiologistas, dermatologistas, endocrinologistas, hematologistas, ortopedistas, reumatologistas, traumatologistas e cirurgies gerais, plsticos e vasculares.Autor: Joo Batista ThomazEditora: Livraria e Editora Rubio LtdaPginas: 664Preo: R$ 350,00

    L ivros

  • 4 |

    As eleies da SBACV Nacional acontecero no dia 13 de setembro. Dentre os que concorrem ao cargo de presidente, est a Dra. Ana Terezinha Guillaumon, da chapa Qualidade e Participao, cuja candidatura a Regional So Paulo est prestan-do seu apoio. Sua chapa tem o firme propsito de trabalhar com vigor no engrandecimento da espe-cialidade, com qualificao e participao de todos. Sua candidatura foi oficializada no ltimo dia 25 de maio, em coquetel realizado na cidade de So Paulo.

    Na ocasio, em que estiveram presentes profis-sionais dos estados de So Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paran, Gois e Piau, a chapa Qua-lidade e Participao apresentou suas propostas e aceitou sugestes da plateia, a fim de enriquecer ainda mais o seu programa. A equipe acredita que seus objetivos devem alinhar-se aos objetivos dos eleitores e, por isso, discusses como essas, que vi-sam trazer melhorias entidade, focando no bem-comum, so de extrema importncia.

    Seu trabalho e luta diria constituem parte de como ela enxerga os desafios na vida associativa. Partindo da premissa de que a SBACV deve acolher e agregar os associados de forma participativa e de que, como sociedade cientfica, deve primar pelo desenvolvimento do conhe-cimento e de seus associados, que a chapa criou suas propostas de mandato.

    A Dra. Ana Terezinha sempre se em-penhou pelas causas da sociedade, em seus trabalhos na diretoria da regional So Paulo; na diretoria da Nacional nos anos de 1997, 2001, 2007 e 2011; como membro do Conselho Cientfico; na Comisso de Exames de 2000 at a data presente; e como presidente da Seccional Campinas.

    A doutora ainda trabalha h 30 anos em uma Universidade, que j colheu muitos frutos de seu esforo na orga-nizao do Laboratrio de Diagnstico No Invasivo Doppler, Fotopletismo-grafia e Eco-Doppler, em 1983; do La-

    boratrio de Microprocedimentos e Pesquisa Vas-cular, no ano de 1982; do Centro Cirrgico Central, de 1989 a 1991 e de 2009 a 2010 onde quintupli-cou o nmero de procedimentos complexos, tendo ocupado, por duas vezes, o cargo para apresentar resultados assistenciais e de ensino e qualificao; da Cirurgia Ambulatorial Venosa, em 1993; e do Centro de Referncia de Alta Complexidade Uni-dade de Cirurgia Endovascular e Angiorradiologia, a qual coordena de 2001 at a presente data.

    Ela tambm j coordenou o Curso de Ps-Gradu-ao da Cirurgia, de 1998 a 2000, chefiou o Ncleo de Medicina e Cirurgia Experimental (1998-2000) e exerce a preceptoria da residncia mdica na rea de Cirurgia Vascular / Endovascular (desde 2000 at a presente data). Atualmente, ela tambm chefia a Disciplina de Molstias Vasculares e o Servio de Cirurgia Vascular e Endovascular, na Faculdade de Cincias Mdicas da Universidade Estadual de Campinas, em atuao desde 2007.

    A seriedade com que sempre foi conduzida nos diferentes cargos e funes que desempenhou den-tro e fora da Universidade, impulsionou-a a dividir com todos o trabalho que se prope a realizar dentro

    SBACV-SP apoia a Candidatura da Dra. Ana Terezinha para a Nacional

    C apa

    Defesa do mdico vascular e qualificao dos profissionais so algumas das propostas da candidata da Chapa Qualidade e Participao

    Dra. Ana Terezinha Guillaumon

    Realizar cursos de qualificao Fomento de atualizao tecnolgica atravs de jornal on-line Criao de um canal de comunicao e amparo ao associado Transparncia nas aes da SBACV Atuar nos rgos de classe na defesa do mdico vascular, respeitando sua ao pela qualificao. Proteo em defesa da especialidade da invaso de outras reas Integrao das regionais brasileiras, respeitando e valorizando as caractersticas prprias de cada uma Apoio administrativo e cientfico s regionais Fortalecimento dos departamentos e desenvolvi- mento de ao para o binio Jornal Vascular Brasileiro: busca de finan- ciamentos e cooperao efetiva da Diretoria de Publicaes da SBACV para um veculo indexa- do que reflita a qualidade dos associados Ampliar o relacionamento da SBACV com rgos governamentais e de sade complemen- tar Edio de livro: Histria do Crescimento da SBACV participao dos servios credencia- dos Fortalecimento da relao entre sociedades internacionais coirms

    Propostas da Candidata:

    da SBACV, juntamente com a competncia dos pro-fissionais e colegas de chapa. Contando com seu apoio e sugestes, me coloco disposio, ratifica a candidata.

    Neste ano, as eleies da SBACV recebero um novo formato. O voto ser realizado pelos correios, e dever ser enviados no dia 13 de setembro. im-portante que os cadastros dos associados estejam atualizados, a fim de que seja possvel mandar a cdula aos associados pelo correio.

  • | 5

    C apa

    A data das prximas eleies para a presidncia da SBACV est agendada para o dia 13 de setembro. A partir deste ano o voto passa a ser realizado via correio conforme aprovao do novo Estatuto, o que permite que os associados, que no possam ou no queiram comparecer ao Congresso Nacional, exer-

    am seu direito sem sair de casa. Mas para que seja possvel realizar a ao, necessrio que o endereo do cadastro de todos esteja atualizado, para que as cdulas sejam enviadas ao destinatrio correto.

    Segundo o presidente da Regional So Paulo, Dr. Adnan Neser, esse novo mtodo um grande avan-o democrtico para a sociedade, j que permite um maior nmero de eleitores na hora da votao. As eleies pelo correio, a partir de 2013, equipa-

    ra-se ao formato oficial do Conselho Regional de Medicina (CRM), soluciona um dos maiores pro-blemas da votao presencial: o tumulto causado pelo elevado volume de pessoas no Congresso com a verificao de credenciais e a dificuldade de com-parecimento de muitos associados. Alm disso, o voto via correio tambm engloba um maior nmero

    Novo formato de votaode votantes, porque permite que os associados ple-nos participem do processo eleitoral antes, apenas os efetivos e titulares podiam votar.

    Ainda, de acordo com o presidente da SBACV-SP, as conversas e decises acerca desse novo mtodo j foram tomadas, e este o momento de adaptao. Agora a hora de aprendizado, e esse o primeiro exerccio que devemos fazer para que o novo forma-to d certo e se estabilize, explica. Com a mudana, no apenas os eleitores precisam adaptar-se, mas os candidatos tambm esto se adequando por meio da modificao de suas campanhas eleitorais. Os meios de divulgao da Regional esto disposio dos candidatos de forma igualitria, podendo todos usufruir dos mesmos dispositivos para divulgar sua campanha, esclarece o Dr. Adnan.

  • 6 |

    R eunio Cientfica

    A Reunio Cientfica da SBACV-SP do ms de maio aconteceu no dia 23 com apresentao de temas e casos clnicos ministrados pelo mdico assistente do Hospital AC Camargo, Dr. Jos Luiz Orlando. O encontro ocorreu na Associao Paulista de Medicina (APM), como acontece tradicionalmente.

    Entre os temas exibidos estavam: Mtodos de imagem no diagnstico das malformaes vasculares; Diagnstico e tratamento das malformaes venosas, linfticas e arteriovenosas, e a apresentao de casos complexos relacionados s anomalias vasculares, como Sndrome de Proteus, Sndrome de Klipplel Trenaunay, Blue Rubber Bled Nevus Syndrome e Mafucci. Os casos foram comentados pelo Dr. Henrique Guedes, da Santa Casa de So Paulo.

    Estavam ali representados os chefes de servios

    de vrios hospitais de So Paulo e do interior. As perguntas da plateia foram muito pertinentes e houve debates interessantes que enriqueceram muito a apresentao.

    O Dr. Orlando agradece ao presidente da SBACV-SP, Dr. Adnan Neser, pela oportunidade do convite e de poder contribuir com o assunto numa reunio que considerou muito produtiva.

    Anteriormente Reunio Cientfica, aconteceu a Reunio Administrativa, que contou com a interao entre os profissionais da diretoria e associados e a discusso sobre questes inerentes sociedade. Sempre aberta aos scios, todos esto convidados para participar da prxima reunio, que ser realizada no dia 27 de junho, s 19h, seguida da Reunio Cientfica, s 20h.

    Ao final do encontro, os presentes participaram do jantar de confraternizao.

    Apresentao de temas e casos clnicos sobre o assunto prendeu a ateno dos participantes da reunio

    Anomalias Vasculares foi o tema do ltimo encontro

    Jos Luiz Orlando

    Henrique Guedes

    JUNHO27/06 - 5 feira - s 20 horas

    Associao Paulista de Medicina (APM)

    Av. Brigadeiro Luiz Antonio, 278, Bela Vista - So Paulo - SP

    SOBRICE 2013 16 Congresso da So-ciedade Brasileira de Radiologia Inter-vencionista e Cirurgia EndovascularData: 4 a 6 de julhoLocal: Expo Unimed Curitiba (PR)www.sobrice2013.com.br

    Curso de Imerso em Ecodoppler Vascular - Venoso de MMII e MMSSData: 29 a 30 de junhoLocal: Servio de Cirurgia Vascular do Hospital do Servidor Pblico Estadual SP

    VII Simpsio Internacional Sobre Trombose e Hemostasia Data: 24 de agostoLocal: Auditrio do Hospital Santa Cata-rina (SP)

    40 Congresso Brasileiro de Angiologia e Cirurgia VascularData: 30 de setembro a 03 de outubroLocal: Florianpolis (SC)

    7 Dia Vascular de So PauloData: outubroHorrio e local: a definir

    Informaes complementaresSBACV-SP Tel.: (11) 5087-4888 E-mail: [email protected]

    A gendaP rxima Reunio

  • | 7

    T rabalhos de Junho

    RESULTADOS A MDIO PRAZO DA TCNICA DE SANDUCHE PARA CORREO

    DOS ANEURISMAS ARTICOS

    Autores: Marcelo Paiva Cury, Dino Fecci Colli Jr., Fausto Miranda Jr., Robert Guimares Nascimento, Armando C. Lobato

    Instituio: Instituto Cirurgia Vascular e Endovascular de So Paulo ICVE SP

    Propsito: Avaliar a segurana e eficcia da tcnica de sanduche para aneurismas de aorta complexos

    Mtodos: Entre outubro de 2008 e maro de 2012, 78 pacientes (70 homens; com idade mdia de 73,3 anos) foram submetidos reparao por via endovascular de aneurismas complexos de aorta torcica ou abdominal, via tcnica de sanduche, quando o padro dos aneurismas no cumpriram os requisitos de tcnicas endovasculares padro ou a substituio total de arco artico se fazia necessria. Dois teros da populao foram tratados por aneurisma aortoilaco (52 - 66,7%). Houve 15 (19,2%) aneurismas toracicoabdominal, seis (7,7%) aneurismas isolados das artrias ilacas, trs (3,8%) aneurismas de arco artico e dois (2,6%) com aneurisma da aorta abdominal com artrias ilacas comuns sem patologias e curtas bilateralmente. Cinco (6,4%) pacientes se apresentaram sintomticos e foram submetidos cirurgia endovascular em carter de urgncia.

    Resultados: Sucesso tcnico foi de 98,7%, onde apenas um procedimento foi abortado quando ambas as artrias renais no puderam ser canuladas. Aps uma mdia de mais de 17 meses de acompanhamento (intervalo 1-42), a patncia primria foi alta (96,7%) e baixa mortalidade (incio: 5,1%, posteriormente: 1,3%). No total, apenas quatro (5,1%) vazamentos tipo II persistiram: trs no incio, sem aumento do saco aneurismtico, e um com aumento de volume de saco a posteriore, o que foi submetido conduta conservadora (permaneceu estvel em nove meses).

    Em todos os outros aneurismas, exceto os trs no arco artico, houve reduo em tamanho do saco aneurismtico de cerca de 5 mm, confirmados no fim do segundo ano de acompanhamento. Este aumento foi significativo apenas no grupo de aneurisma aortoilaco (p=0,005).

    Concluso: A tcnica de sanduche proporciona excluso do aneurisma e revascularizao de ramos de forma segura e eficaz, com durabilidade sustentada em acompanhamento a mdio prazo.

    COMENTADOR: Dr. Roberto Sacilotto

    ESTUDO PROSPECTIVO E RANDOMIZADO ENTRE DIXIDO DE CARBONO (CO2) E

    CONTRASTE IODADO EM ANGIOPLASTIAS DE MEMBROS INFERIORES (LESES TASC

    A E B)

    Autores: Cynthia de Almeida Mendes, Marcelo

    Passos Teivelis, Mariana Krutman, Alexandre de Arruda Martins, Sergio Kuzniec, Hlio Halpern, Lucia M Kataoka, Nelson Wolosker

    Instituio: Hospital Israelita Albert Einstein HIAE So Paulo Brasil

    Introduo: O uso de contraste iodado o padro ouro em procedimentos endovasculares, no entanto sua nefrotoxicidade e potencial alrgico so razo para preocupao. O dixido de carbono (CO2) tem sido usado como meio de contraste alternativo, especificamente em pacientes com contra-indicao formal ao contraste iodado. No existem, at o momento, estudos que comparem os dois meios de contraste em pacientes elegveis a qualquer um dos mtodos, para comparao de viabilidade, qualidade de imagens, desfechos e custos.

    Objetivo: Avaliar viabilidade, qualidade de imagens, desfechos clnicos e custos relativos de angioplastias de membros inferiores, realizadas com dixido de carbono (CO2) ou com contraste iodado, em pacientes com isquemia crtica com leses arteriais classificadas como TASC A e B.

    Metodologia: Estudo prospectivo e randomizado em que pacientes (n=27) sem disfuno renal foram aleatoriamente sorteados para receberem contraste iodado (n=12) ou CO2 (n=15) durante angioplastia de membro inferior para revascularizao por isquemia crtica. Foram avaliadas a qualidade das imagens produzidas com CO2 por notas atribudas por observadores que no participaram da cirurgia e no tinham experincia com uso de CO2 , os desfechos cirrgicos imediatos, a variao no clearence de creatinina e no ITB e os custos hospitalares (do material endovascular e do contraste utilizado).

    Resultados: Todos os procedimentos (tanto do grupo CO2 quanto do grupo iodado) foram bem sucedidos, no havendo necessidade de converso para cirurgia aberta em nenhum caso. Em quatro casos do grupo CO2 que ocorreram no incio da srie houve necessidade de complementao com contraste iodado para finalizao do procedimento. A maioria das imagens do grupo CO2 foi classificada como aceitvel/boa pelos observadores. O volume mdio de dixido de carbono injetado foi de 70,07ml de CO2, e no grupo iodado foi de 31,29ml de contraste iodado. O clearance mdio de creatinina no grupo CO2 era de 63mL/min no pr-operatrio e passou para 77mL/min no ps-operatrio. No grupo de contraste iodado, variou de 75mL/min (pr-operatrio) para 72mL/min (ps-operatrio). O custo mdio em dlares de material endovascular foi semelhante entre os grupos (U$3.164,40 no grupo CO2 vs U$3.259,00 no grupo iodado) e o custo mdio do contraste foi significativamente menor no grupo CO2 (U$10,12 vs U$25,00 no grupo iodado).

    Concluso: Nesse estudo prospectivo e randomizado, demonstrou-se que o CO2 eficaz como

    meio de contraste para angioplastias de membros inferiores com leses TASC A e B, no interferindo no desfecho clnico dos pacientes, tendo imagens satisfatrias quando avaliadas por cirurgies no familiarizados com o mtodo, e com um custo menor que o contraste iodado.

    COMENTADOR: Dr. Armando Lobato

    ANLISE DO TRATAMENTO DE HIPERHIDROSE COM OXIBUTININA EM

    PACIENTES ACIMA DE 40 ANOS DE IDADE

    Autores: Nelson Wolosker, Mariana Krutman, Marcelo Passos Teivelis, Rafael Pessanha de Paula, Paulo Kauffman, Jose Ribas Milanez de Campos, Pedro Puech-Leo

    Instituio: Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE) So Paulo Brasil e Hospital das Clnicas da Faculdade de Medicina da USP HCFMUSP So Paulo Brasil

    Objetivo: Tratamento com oxibutinina tem demonstrado bons resultados para pacientes com hiperhidrose, e esta droga cada vez mais usada como terapia inicial ou alternativa, em especial em pacientes mais velhos, que eventualmente no so candidatos cirurgia de simpatectomia torcica para hiperhidrose. No h estudos que tenham analisado benefcios deste medicamento em pacientes com mais de 40 anos.

    Metodologia: 87 pacientes com idade superior a 40 anos foram divididos em dois grupos: o primeiro possua 48 pacientes (55,2%), com idades entre 40 e 49 anos, e o segundo, 39 pacientes (44,8%) com mais de 50 anos (intervalo: 50-74 anos). Uma anlise comparativa da qualidade de vida (atravs de questionrio especfico e dedicado) e do nvel de hiperhidrose (por notas atribudas pelos pacientes) entre os grupos foi realizada seis semanas aps o incio do tratamento com oxibutinina.

    Resultados: 75% dos pacientes no grupo mais jovem referiram melhora parcial ou tima no nvel de hiperhidrose aps o tratamento. Esse nmero foi particularmente impressionante em pacientes acima de cinquenta anos, onde 87,2% apresentaram nveis similares de melhora. Mais de 77% dos pacientes em ambos os grupos demonstraram melhora na qualidade de vida (um pouco melhor ou muito melhor). Os desfechos excelentes foram observados em pacientes mais idosos, onde 87,1% dos pacientes apresentaram melhora um pouco melhor (41%) ou muito melhor (46,1%) na qualidade de vida.

    Concluso: Pacientes acima de 40 anos com hiperhidrose tm excelentes resultados com tratamento com oxibutinina. Esses desfechos so particularmente importantes nos pacientes com mais de 50 anos, onde mais que 87% tiveram melhora na qualidade de vida e na sensao de hiperhidrose.

    COMENTADOR: Dr. Miguel Francischelli Neto

  • 8 |

    F ique por dentro

    O curso, gratuito aos scios e residentes da SBACV-SP, na sede da qual ser realizado, destinado aos profissionais vasculares interessados em conhecer o software OsiriX e seus recursos para o tratamento das doenas vasculares. Ele ser ministrado pelos doutores Alexandre C. Moraes Amato e Daniel Benitti e limitado a 10 a 15 vagas, por sbado.

    O curso Bsico, destinado aos acadmicos, acontecer nos dias 27 de julho, 24 de agosto, 21 de setembro e 19 de outubro. No dia 9 de novembro, ocorrer o curso Avanado. Todas as aulas sero em perodo integral e ministradas na sede da SBACV-SP (Rua Estela, 515 Bloco A Cj. 62 Paraiso So Paulo).

    A organizao do evento, com o apoio da empresa Neomex, da SBACV-SP.

    Informaes pelo telefone (11) 5087-4888 ou e-mail [email protected]

    Curso OsiriX

    CICE 2013

    De 24 a 27 de abril, aconteceu a 10 edio do CICE, realizada no Sheraton So Paulo WTC Hotel. O evento foi um sucesso de pblico, e contou com a apresentao de casos complexos arteriais e endovenosos, abrangendo todos os segmentos vasculares, ministrados por profissionais estrangeiros de grande renome mundial. O encontro tambm contou com o lanamento de equipamentos e tecnologias da rea e a exposio de diversos produtos e servios para a especialidade.

    De 30 de setembro a 3 de outubro, Florian-polis (SC) receber o 40 Congresso Brasileiro de Angiologia e de Cirurgia Vascular. Com o objetivo de proporcionar aos seus participan-tes assuntos inovadores e nicos, o, importan-te evento da especialidade, o encontro contar com a participao de eletrizantes debates entre

    Com a colaborao do Grupo de Estudos em Trombose e Hemostasia (GETH), do Grupo Coope-rativo Latino-americano sobre Trombose e Hemos-tasia (CLATH) e do Centro de Estudos e Pesquisa do Hospital Santa Catarina, ocorrer o VII Simpsio Internacional sobre Trombose e Hemostasia, no dia 24 de agosto. O evento ser realizado no auditrio Prof. Dr. Benedito Montenegro, do Hospital Santa Catarina (SP), das 8h30 s 18h30.

    O objetivo do evento proporcionar atualizao e discusso dos conhecimentos atuais sobre o trata-mento das tromboses venosas e arteriais. Os douto-res Francisco Humberto de Abreu Maffei, Cyrillo Cavalheiro Filho, Edison Ferreira de Paiva e Joo Carlos de Campos Guerra so os organizadores do encontro, que ter como tema O que h de novo no tratamento das tromboses.

    Na ocasio, sero discorridas as novidades no tratamento das tromboses, tais como as caracters-ticas gerais, o controle laboratorial e como tratar a hemorragia no uso dos novos anticoagulantes; o que h de novo em Profilaxia do TEV; tratamen-to anticoagulante inicial e tratamento prolongado do tromboembolismo venoso; fibrinlise em TEV; tratamento endovascular do TVP e da EP; tratamen-to das tromboflebites superficiais; fibrinlise nas tromboses arteriais; novas medicaes antiplaque-trias; uso de antiplaquetrio nas tromboses arteriais e venosas; e uso de medicaes antitrombticas em pacientes com doenas hemorrgicas.

    VII Simpsio Internacional sobre

    Trombose e Hemostasia

    VII Curso de Escleroterapia com espuma

    Nos dias 28, das 7h30 s 18h30, e 29 de junho, das 8h s 13h, o Hotel So Rafael, localizado em Salvador BA, ser palco do VII Curso de Escle-roterapia com Espuma, que contar com o apoio da SBACV Nacional.

    O tema do evento ser o Tratamento Ambulato-rial das Varizes dos Membros Inferiores: Esclerote-rapia com Espuma (CEAP 1 a 6 e Terapia Compres-siva). A organizao do Dr. Marcelo Liberato que ministrar os temas juntamente com o Dr. Eduardo Toledo Aguiar.

    Informaes sobre a programao do evento po-dem ser fornecidas atravs do [email protected] ou pelos telefones: (71) 2109-2335 / 9181-9769 ou 8152-0055.

    Com o objetivo de despertar o interesse dos aca-dmicos de medicina para a especialidade, alm das Ligas Acadmicas, a SBACV-SP promove o Curso de Angiologia e Cirurgia Vascular para Acadmicos (CAVASC ). O CAVASC destinado para alunos das Faculdades de Medicina que tm currculo es-colar reduzido para Cirurgia Vascular e Angiologia.

    On-line, o curso constitudo por aulas rpidas, com contedos valiosos que todo mdico precisa conhecer sobre doenas vasculares. A produo dos vdeos-aula j esto em fase de finalizao. As gra-vaes contaram com a plataforma da Telemedicina da USP. Inteiramente gratuito, o acesso do curso foi liberado para escolas pblicas e privadas.

    Curso de Angiologia e Cirurgia Vascular para

    Acadmicos

    os mais importantes formadores de opinio da especialidade vascular.

    Dentre os convidados internacionais confir-mados esto: Daniel Clair, Enrico Ascher, Frank Criado, Frank Veith, Gustavo Oderich, Manish Mehta e Zvonimr Krajcer dos Estados Unidos, Koen Deloose, da Blgica, e Luis Mariano Fer-reira, da Argentina.

    A comisso organizadora formada por gran-des profissionais da rea, que proporcionaro uma programao completa sobre o assunto, que v ao encontro dos interesses dos participantes. Dentre os organizadores esto os doutores Ro-berto Teodoro Beck, Reginaldo Boppr, Valmor Belz, Jos Luiz Sandri, Geraldo Nicodemos Ri-ghi Vieira (in memorian).

    As inscries podem ser feitas pelo site www.vascular2013.com.br at o dia 31 de agosto e, aps essa data, somente no local do congresso.

  • | 9

    F ique por dentro

    Equipe da SVS brasileira ser instalada na Regional SP

    Com o apoio da SBACV-SP, em breve, a equipe brasileira da Society for Vascular Surgery (SVS) locar um espao nas dependncias da Regional SP, para a realizao dos trabalhos da entidade americana no Brasil. A deciso pela localidade surgiu a partir de uma reunio da assembleia da SVS, realizada recentemente. A grande maioria da equipe associada SBACV Nacional e Regional So Paulo.

    De acordo com o presidente da SBACV-SP, Dr. Adnan Neser, esse acordo entre a sociedade e a SVS positivo para a realizao do prximo Controvrsias, a ser realizado em 2014, para trazer convidados estrangeiros ao evento. A bancada de profissionais internacionais deu muito certo nesta edio e queremos repetir o intento no prximo ano, explica o presidente.

    A Liga Acadmica Paulista de Cirurgia Vascular da SBACV-SP aconteceu no dia 18 de maio, na As-sociao Paulista de Medicina (APM). Na ocasio, os presentes tiveram a oportunidade de conferir a apresentao do IV Curso Introdutrio Liga de Angiologia e Cirurgia Vascular da Faculdade de Medicina de Santo Amaro (LIACV), ministrado pela Liga Acadmica da UNISA.

    O evento contou com a presena de aproximada-mente 40 profissionais da especialidade, incluindo alunos das Faculdades de Medicina de Santo Ama-ro, Santa Casa e FMUSP, que assistiram s seguin-tes palestras: Aneurisma Dr. Ricardo Virgnio dos Santos; Trauma Vascular Dra. Luisa Ciucci Ferreira; Trombose Venosa Profunda R3 de Ci-rurgia Vascular do Santa Marcelina e Insuficincia Venosa Dr. Marcelo Calil Burihan.

    A comisso organizadora do encontro foi com-posta pelos doutores Adnan Neser, Arual Giusti e Marcelo Calil Burihan.

    Prxima reunioNo dia 29 de junho, das 8h30 s 12 horas, a

    Associao Paulista de Medicina (APM) receber mais uma reunio da Liga Acadmica Paulista de Cirurgia Vascular da SBACV-SP, que ser orga-nizada pela Liga da FCM da Santa Casa de So Paulo.

    A abertura, com apresentao da disciplina de cirurgia vascular da Faculdade de Cincias Mdi-cas da Santa Casa de So Paulo, ser realizada pelo

    Liga Acadmica Paulista de Cirurgia Vascular

    Pro ssionais atentos s aulas

    Luisa C. Ferreira e Marcelo Burihan

    Nos dias 17 e 18 de maio, o Othon Palace Rio de Copacabana foi palco da primeira edio do Sim-psio Internacional do Capitulo Brasileiro da SVS - Society for Vascular Surgery. Com o objetivo de es-timular o intercmbio cientfico e profissional entre a Sociedade e a SVS, o evento, que foi sucesso de pblico e superou as expectativas de todos, foi rea-lizado pela SBACV e organizado pela SBACV-RJ.

    Na ocasio, estiveram presentes 334 participan-tes, que puderam conferir palestras com temas que foram desde a Flebologia Esttica at a Reconstru-o da Veia Cava. Alm dos palestrantes do Rio de Janeiro, o evento ainda contou com 22 convidados provenientes de vrias regies do Brasil e foi marca-do pela forte presena de profissionais estrangeiros.

    Na noite do dia 18 de maio, houve a comemo-rao dos 60 anos da Regional do Rio de Janeiro, realizada no Othon Palace Rio, onde estiveram pre-sentes 400 pessoas, dentre associados, participantes do Simpsio e convidados ilustres de todo o Pas. A comemorao foi agitada pelo som da banda Frejat.

    I Simpsio Internacional do Capitulo Brasileiro da SVS - Society for

    Vascular Surgery

    Prof. Dr. Henrique Jorge Guedes. Na sequncia sero apresentados os seguintes temas: Noes de cirurgia endovascular - Prof. Dr. Alexandre Fiora-nelli; T.E.V. - R4, Dr. Arnaldo Barreto; Linfede-mas - Prof. Dr. Henrique Jorge Guedes e Drena-gem linftica dos membros inferiores em pacientes ex-obesos mrbidos submetidos dermolipectomia crural - Dra. Cristina Hachul Moreno (tese de mes-trado).

    As prximas reunies esto previstas para acon-tecer nas seguintes datas: 17 de agosto, 21 de se-tembro e 19 de outubro. Os interessados em parti-cipar ou obter mais informaes devem entrar em contato com a SBACV-SP pelo telefone (11) 5087-4888 ou e-mail [email protected]

  • 10 |

    Aconteceu mais uma etapa do programa Circu-lando, realizado na Seccional Campinas-Jundia, no ltimo dia 25 de maio, na Sociedade de Medicina e Cirurgia de Campinas (SMCC). Os participantes do evento contaram com duas mesas de discusso, que trouxeram diversos temas de grande relevncia sobre assuntos venosos e arteriais.

    Com o tema Tratamento do paciente com do-ena venosa CEAP 6, a primeira mesa teve como presidente o Dr. Adnan Neser, moderador, o Dr. Antonio Cludio Guedes Crhispin e secretria, a Dra. Carla Aparecida Faccio Bosnardo. As pales-tras foram ministradas pelos doutores, Jorge Kalil,

    Ana Terezinha Guillaumon, Luiz Marcelo Viarengo e Rodrigo Bruno Biagioni, com os temas: Indica-es nas cirurgias de varizes de acordo com a clas-sificao CEAP, Radiofrequncia no tratamento da lcera venosa, A utilizao do laser no CEAP 6 e Vantagens e riscos do tratamento com espuma nos pacientes CEAP 6, respectivamente.

    A segunda mesa apresentou o tema Revasculari-zaes infra-inguinais, composta pelos doutores Ad-nan Neser (presidente), Ana Terezinha Guillaumon (moderadora) e Carla Aparecida Faccio Bosnardo (secretria). As apresentaes dos temas Tcnicas e indicaes precisas para revascularizaes infra in-guinais; Estratgias para cirurgias infectadas; Quan-do indicar angioplastias infra inguinais: balo ou stent; e Angioplastias infrapatelares novos avan-os e perspectivas foram ministradas pelos doutores

    Fbio Husemann Menezes, Carlos Eduardo Varela Jardim, Felipe Nasser e Rodrigo Bruno Biagioni.

    A presena ilustre dos palestrantes abrilhantou o debate e esclareceu pontos duvidosos de cada um dos temas abordados. A diretoria da Seccional agra-dece a participao de todos, em especial do presi-dente da regional So Paulo, Dr. Adnan Neser, e da Dra. Ana Terezinha Gillaumon.

    O evento uma iniciativa da SBACV-SP e foi organizado pela Dra. Carla Aparecida Faccio Bos-nardo, diretora da seccional Campinas-Jundia, com o apoio do Laboratrio Ach.

    O Programa Circulando j passou pelas seccio-nais ABC, Bauru, Baixada Santista, Campinas, Presidente Prudente e So Jos do Rio Preto. Em breve a Folha Vascular informar o prximo local do evento.

    S eccionais

    Seccional Campinas-Jundia recebe evento

    So Carlos AraraquaraA seccional So Carlos realizou, no dia 14 de

    maio, a reunio cientfica com o tema Disseco Carotdea e Sndrome de Erlhos Danlos, proferida pelo diretor da seccional, Dr. Michel Nasser, segui-da de discusso de casos clnicos.

    O evento aconteceu no anfiteatro da Unimed de So Carlos e contou com o patrocnio das empresas Libbs e Nycomed Laboratrios.

    A prxima reunio ser realizada em Araraquara, no dia 18 de junho, s 20 horas no restaurante Velho Armazm e o tema ser Ecografia Carotdea ima-gens e armadilhas no exame e discusso de casos clnicos.

    SorocabaA Seccional de Sorocaba realizou no dia 09 de

    maio, s 20 horas, mais um encontro com os m-dicos da especialidade, no espao de eventos do

    Buon Gustaio Restaurante. O convidado da ocasio foi o Prof. Dr. Otacilio Camar-go Junior, da Puc-Campinas, que expla-nou sobre Benefcios do Alprostadil na DAOP e Isquemia Crtica.

    Aps a aula, foi oferecido um jantar de confraternizao entre os profissionais. A realizao do evento contou com o apoio do Laboratrio Ach.

    E no dia 16 de maio, aconteceu, na Faculdade de Medicina de Sorocaba, o primeiro Treinamento dos Residentes de Cirurgia Vascular em Simulador de Ci-rurgia Endovascular, trazido pela empresa Johnson & Johnson.

    Os participantes do encontro tiveram a oportunidade de realizar procedimentos virtuais nos setores aorto iliaco, femoro popliteo e renal. Residentes em treinamento

  • | 11

    E spao aberto

    Costuma-se dizer que quando uma pessoa conheci-da falece os comentrios sobre ela so s de elogios. Mas o colega, amigo Cludio, embora um soldado de frente de batalha na luta pela preservao da sade do prximo, como eu e seus amigos mais prximos, mar-cou poca na sua passagem terrena. tico, determina-do, alegre, sempre com ideias novas para os associados da SBACV-SP usufrurem, conseguiu implantar um evento - o mais desejado pelos vasculares - por se tra-tar de um procedimento bsico na subsistncia destes: Curso de Escleroterapia, com a importante colabora-o dos seus amigos mais diretos na lide rotineira de um vascular, Marcos Augusto, Nogueira e Shiratori. Todos ligados ao querido e destacado Hospital So Camilo, da Avenida Pompeia, onde militei l pelos idos de 1963 a 1970. Seu equilbrio emocional, suas firmezas nos comentrios e crticas construtivas, sua determinao de temor algum, sero motivos para lem-br-lo sempre. Na minha concepo religiosa, de Ca-tlico Apostlico Romano, est gozando das delcias do descanso eterno junto a Deus. A todos os amigos, colegas, clientes, que conheci de perto, tenho afirmado e repito: Cludio, com seus valores pessoais, de alma nobre, est melhor do que ns, por no sabermos quais intempries nos aguarda. Agradeo por t-lo conheci-do e gozado de sua confiana.

    Cludio Nassif Feres - in memorian

    Ato pblico contra a proposta do governo de importar mdicos estrangeiros

    No dia 25 de maio, s 10h da manh, estiveram reunidos na sede da Associao Paulista de Medicina, os presidentes da APM, CFM, CREMESP, SIMESP, Academia de Medicina de So Paulo, Associao Paulista dos Cirurgies Dentistas, Representantes de Sociedades de Especialidades de So Paulo, Socieda-des dos Alunos de Medicina do Estado de So Paulo; polticos, diversas instituies da sociedade civil, re-presentantes de Entidades Mdicas de outros estados brasileiros, confirmando e concretizando o movimento de REPDIO IMPORTAO DE MDICOS ES-TRANGEIROS SEM O Revalida, pondo em risco a vida do povo da regio carente, pelo desconhecimento da qualificao do mdico estrangeiro.

    Todos os pases do mundo exigem o Revalida do mdico estrangeiro. O Governo Federal quer impor-tar mdicos dispensando o Revalida. uma afronta imensurvel ao povo carente de regies longnquas da nossa ptria, ao mdico brasileiro e um desres-peito Constituio Brasileira. Primeiro falou-se em

    importar mdicos cubanos, que no poderiam vir sem um acompanhante para impedir sua fuga para outras regies, libertando-se da escravido do seu pas. Agora falam em importar mdicos portugueses e espanhis, que teriam um milho a mais de dificuldade do que o prprio mdico brasileiro, pela diferena de significa-do das palavras regionais.

    O governo justifica essa postura dizendo: h falta de mdicos. Na verdade, falta infraestrutura capaz de fixar o mdico brasileiro nas cidades longnquas des-protegidas de assistncia mdica e hospitalar; porque o governo brasileiro investe menos que 10% do PIB na sade, enquanto inmeros pases do mundo investem de 15 a 20%, propiciando aos seus povos, indepen-dente da classe social, uma preveno e tratamento da sade de muito bom nvel. Oferea ao mdico brasi-leiro, ao enfermeiro, aos tcnicos, um salrio igual ao de um motorista, um secretrio ou uma faxineira do Congresso Nacional; moradia decente, hospital com um mnimo de estrutura capaz de um atendimento dig-no a essa populao carente, e haver uma debandada de mdicos das capitais de todos os estados brasileiros, onde so mal pagos pelas instituies pblicas e pelos planos e seguros de sade.

    desrespeitoso ao mdico estrangeiro no aceitar sua transferncia para o Brasil. Temos muitos radica-dos aqui, mas no se negaram a submeter ao Revalida; e esto muito bem, e tenho o prazer do convvio pro-fissional e de amizade com vrios deles. Trata-se de uma postura demaggica, oportunista, contraditria do governo. O Vereador Gilberto Natalini perguntou se o Ministro da Sade no se importa em manchar seu cur-rculo, concretizando essa incoerente e agressiva ideia.

    Superemos a mediocridade do individualismo. Una-mo-nos, brasileiros.

    De longe o maior prmio que a vida lhe oferece a chance de trabalhar muito e de dedicar a

    algo que valha a pena

    Theodoro Rooselvet

    Rubem RinoSuplente do Conselho Fiscal da SBACV-SP

    Delegado da APM por So Paulo

    Na manh do dia 25 de maio, a APM reu-niu diversas entidades da rea da sade e sociedades de especialidades mdicas para um Ato Pblico. Eles protestaram contra a inteno do governo de trazer seis mil m-dicos formados fora para trabalharem no Brasil, sem que sejam submetidos ao Reva-lida. Na ocasio, a Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV-SP) esteve representada pelo Suplente do Con-selho Fiscal da entidade e Delegado da APM por So Paulo, Dr. Rubem Rino.

    Participaram do encontro, representantes da Associao Paulista de Medicina (APM), da capital e das Regionais, Conselho Regio-nal de Medicina (Cremesp), Conselho Fede-ral de Medicina (CFM), Associao Mdica Brasileira (AMB), Sindicato dos Mdicos de So Paulo (Simesp), Academia de Medicina de So Paulo, Federao Nacional dos Mdi-cos (Fenan), acadmicos, Conselho Regio-nal de Odontologia (Crosp), entre outros.

    Aps a reunio, os representantes das en-tidades se juntaram aos estudantes de Me-dicina de faculdades pblicas e privadas de So Paulo e do interior, em caminhada at o Largo So Francisco. O protesto reuniu 1.400 pessoas com faixas, bandeiras e carta-zes. Todos alertaram sobre os riscos que a proposta pode trazer sade da populao e reiteraram que a falta de mdicos em hospi-tais espalhados pelo Pas resultado da falta de polticas pblicas.

    Protesto contra importao de mdicos rene 1.400

    pessoas no Centro

    M obilizao

  • 12 |

    E spao aberto

    Estamos a viver nova era. Se boa ou m no importa. J nasceu, est a e segue implacvel as suas veredas.

    Os pertences do pretrito no se podem esque-cer, no se subestima, pois esto na histria vigia-dos pela musa Clio, e so imutveis.

    A histria inquebrantvel, e, do que a ela cativa, umas servem para jardinar nosso saber e podero ser contadas, at como curiosidade, aos vindouros; outras sobrevivem, diramos, como contemporneas e esto a contemplar a nova era, a era do relativismo, do individualismo, do positivismo, do agnosticismo, do niilismo e da tecnologia avanada fascinante e escravizante.

    Residentes e acadmicos de medicina deambu-lam pelas sendas do modernismo e da contempo-raneidade; vasculhem tudo o que se lhes apresen-tar a seus sentidos; faam renascer ou reanimem o Diencfalo; que o Sistema Lmbico, famlico de ideias e informaes revigore-se, pois espera de cada um boa vontade, interesse, competncia, comprometimento, disciplina e humanismo!

    Estudem. Sigam os ensinamentos de So Jero-nimo: Viva como se fosse morrer hoje; e estude como se fosse viver eternamente. Operem, usem toda a tecnologia vascular ou endovascular; mer-

    Fernando Silveira PichetchClaudia Stein

    * Texto colaborativo recomendado pelo Suplente do Conselho Fiscal da SBACV-SP e delegado da APM por So Paulo, Dr. Rubem Rino

    Curso de Imerso em Ecodoppler Vascular Servio de Cirurgia Vascular do Hospital do Servidor Pblico Estadual So Paulo

    - Bsico: Mdulo II - Cartidas e Vertebrais: 18 e 19 de maio de 2013 - Bsico: Mdulo II - Venoso de MMII e MMSS: 29 a 30 de junho de 2013 - Bsico: Mdulo III - Arterial de MMII e MMSS: 31/agosto e 01/setembro de 2013 - Mdulo Avanado - 19 e 20 de outubro de 2013

    Carga Horria: 20 horas (80% aulas prticas) Organizao: Roberto Sacilotto Marcos Roberto Godoy Professores Convidados: Ivan B. Casella

    Informaes:

    Sra. Ana Judith Fones: 4573-8156 / 4573-8374 / 99122-0390

    [email protected] www.dopplervascularhspe.com.br

    Curso de Imerso em Ecodoppler Vascular Servio de Cirurgia Vascular do Hospital do Servidor Pblico Estadual So Paulo

    - Bsico: Mdulo II - Cartidas e Vertebrais: 18 e 19 de maio de 2013 - Bsico: Mdulo II - Venoso de MMII e MMSS: 29 a 30 de junho de 2013 - Bsico: Mdulo III - Arterial de MMII e MMSS: 31/agosto e 01/setembro de 2013 - Mdulo Avanado - 19 e 20 de outubro de 2013

    Carga Horria: 20 horas (80% aulas prticas) Organizao: Roberto Sacilotto Marcos Roberto Godoy Professores Convidados: Ivan B. Casella

    Informaes:

    Sra. Ana Judith Fones: 4573-8156 / 4573-8374 / 99122-0390

    [email protected] www.dopplervascularhspe.com.br

    gulhem na robtica; pensem no quark; visua-lizem o futuro da cincia mdica no bson de Higgs a partcula de Deus; faam desabrochar das entranhas da ressonncia magntica o que l ainda adormece dissimulado; leiam com entu-siasmo as cores e as ondas do eco-color-Doppler; alfinetem os neurotransmissores para estimul-los. Enfim, no fiquem apenas extasiados com o progresso, este faz parte das nossas vidas num momento histrico e cultural diverso do antanho.

    Vivam a nova experincia, todavia no subes-timem a Anatomia, a Fisiologia e a Semiologia. Esta, a Semiologia, guarda a sete chaves os se-gredos da anamnese, do exame fsico, do despre-zado e achincalhado relacionamento do mdico com aquele que sofre e outras coisas mais a serem desvendados.

    No se esqueam de Apolo, de Esculpio, de Higeia, de Alcmen, de Empdodes, de Hi-pcrates, de Galeno, de Hua To, de Avicena e de Maimnides. Do Harvey, do Unna, do Rat-chow, do Allen, do Charcot, do Bell, do Osler, do Oswaldo Cruz, do Landsteiner, do Fleming, do Virchow, do Chagas, do Carrel, do Fontaine, do Raynaud, do Buerger, do Klippel, do Trenau-nay, do Testut, do Vieira Romeiro, do Alpio, do

    Sabin, do Farabeuf, do Trendelenburg, do Duque, do Zerbini, do Mario de Abreu, do Puech-Leo e de muitos outros luminares da arte de curar, de tratar, de salvar, de reanimar, de orientar ..., daqui ou alhures, que nos legaram, como patrimnio da humanidade, toda a sabedoria, toda a cincia, o bom senso e os princpios ticos indispensveis e indestrutveis a serem, ad aeternum, lembrados, considerados, respeitados e jamais tripudiados e menosprezados.

    providencial, pedaggico e catequtico a reflexo do canadense Sir Willian Osler (1849 1919), professor no Canad, nos Estados Unidos e na Inglaterra, onde se tornou Professor Emri-to de Medicina em Oxford, que disse: Medicina is learned by the beside and not in the classroom.

    Ainda, s para despertar os sentidos dos ador-mecidos, o pensamento de Bernard Lown: O mdico de hoje parece mais interessado em usar instrumentos do que em usar as mos.

    Curitiba, 17 de abril de 2013.

    Carta aos prezados Residentes e Acadmicos de Medicina

    O tempora! O mores (Ccero)Omnia in bonus (tudo para o bem)

  • | 13

    N otcias

    Desde maio, os mdicos que esto participando do Programa de Valorizao dos Profissionais na Ateno Bsica (Provab) do Ministrio da Sade podem recorrer ao nmero 0800 644 6543 para tirar dvidas sobre procedimentos e diagnsticos ou obter segunda opinio formativa. O servio, que conta com equipe composta por especialistas em Medicina da Famlia e Comunidade, funciona de segunda a sexta-feira, das 8h s 17h30. A ligao gratuita e est disponvel aos mdicos do Provab, que visa levar profissionais s regies mais caren-tes.

    Ao todo, 3.895 mdicos participam da atual edio do programa. Eles trabalham em Unidades Bsicas de Sade de 1.287 municpios, localizadas principalmente nas periferias dos grandes centros urbanos, em regies de difcil acesso, com popula-o rural e pobreza elevada. Por meio do programa, cursam ps-graduao com durao de 12 meses e atuam com a superviso de Instituies de Ensino Superior e acompanhamento dos gestores locais. Contam ainda com ferramentas digitais de apoio ao seu trabalho, como o 0800.

    Mdicos podem tirar dvidas pelo 0800

    Sade aumenta em quatro vezes repasses aos bancos

    de coleta

    Plano de Sade que negar atendimento ter de

    justi car por escrito

    Ministrio da Sade apresenta regras para

    o cumprimento da Lei dos 60 dias

    Desde o dia 7 de maio, os planos de sade que negam autorizao a algum procedimento mdico tm de apresentar a justificativa por escrito sem-pre que o beneficirio solicitar. Aps o pedido, a operadora tem o prazo de 48 horas para comunicar o motivo da recusa, por correspondncia ou meio eletrnico, conforme a escolha do beneficirio do plano. Ele pode telefonar para a operadora e anotar o nmero do protocolo em que fez o pedido.

    A informao da negativa deve ser em lingua-gem clara, indicando a clusula contratual ou o dispositivo legal que a justifique. Em casos de urgncia e emergncia, contudo, a cobertura no poder ser negada.

    As operadoras tiveram prazo de 60 dias para se adequar norma. A Resoluo Normativa N319

    da Agncia Nacional de Sade Suplementar (ANS) foi publicada no Dirio Oficial da Unio em 6 de maro deste ano.

    A ao do Ministrio da Sade est voltada defesa do usurio e da qualidade dos planos de sade. A ideia regulamentar a prestao de in-formaes aos beneficirios, por escrito, acerca da negativa de autorizao dos procedimentos mdi-cos solicitados. A medida tambm visa a garantir transparncia no relacionamento com a operadora, uma vez que o cidado tem um documento com o posicionamento oficial da operadora.

    O Ministrio da Sade apresentou no ltimo dia 16 de maio, em Braslia, as regras para o cumpri-mento da lei 12.732/2012 que determina o prazo de 60 dias para o incio do tratamento oncolgico (cirurgia, quimioterapia e radioterapia) no Siste-ma nico de Sade (SUS). A Lei foi sancionada em novembro do ano passado pela presidenta da Repblica, Dilma Rousseff, e entrou em vigor no final de maio.

    Para marcar o Dia Mundial de Doao de Leite Humano, o ministro da Sade, Alexandre Padi-lha, lanou no dia 22 de maio, em Braslia, a nova Campanha de Doao de Leite. Na cerimnia, que contou com as presenas do governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, e da ministra da Cultura, Marta Suplicy, foram anunciados R$ 11,6 milhes para o reajuste de procedimentos realizados pelos Bancos de Leite, alm da reforma e construo de unidades. A meta aumentar em 15% o total de leite materno coletado e distribudo no Pas. Em 2012, houve 179 mil doadoras, que beneficiaram 171 mil recm-nascidos. Foram coletados, no per-odo, 166 mil litros de leite.

    A doao de leite materno contribui para a redu-

    o da mortalidade neonatal, problema que o Brasil vem enfrentando e superando ao longo dos ltimos anos. A taxa de mortalidade infantil foi reduzida de 26,6 bitos infantis por mil nascimentos em 2000, para 16,2 bitos por mil nascimentos em 2010. O aumento do investimento na coleta, processamento e distribuio do leite materno e a expanso dos servios integram a Rede Cegonha, programa do Ministrio da Sade voltado assistncia de mes e bebs. A campanha de incentivo doao uma parceria com a Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano e o Programa Iberoamericano de Bancos de Leite Humano.

    Ao longo dos ltimos 10 anos, o nmero de pos-tos de emprego formal criados para mdicos ultra-passa em 54 mil o de graduados no Pas. De 2003 a 2011, surgiram 147 mil vagas neste mercado de trabalho, contra 93 mil profissionais formados, conforme dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

    A este quadro de carncia de profissionais, soma-se a perspectiva de contratao de 26.311 mdicos para trabalhar nas unidades do Sistema nico de Sade (SUS) cuja construo est sendo custeada com recursos do Ministrio da Sade at 2014.

    Com estes dados, o Brasil tem 1,8 mdico para cada mil brasileiros, ndice abaixo de outros latino-americanos como Argentina (3,2) e Mxico (2). Para igualar-se mdia de 2,7 mdicos por mil habitantes registrada na Inglaterra, em cujo siste-ma de sade se inspirou o Sistema nico de Sade (SUS), o Brasil precisaria ter hoje mais 168.424 mdicos.

    Este dficit, que um dos principais gargalos para ampliar o atendimento no SUS, est sendo enfrentado por medidas do Governo Federal para levar mais mdicos para perto de onde as pessoas vivem. Entre estas aes destaca-se o Programa de Valorizao da Ateno Bsica (Provab), que ofe-rece bolsa mensal de R$ 8 mil e bnus de 10% na prova de residncia aos mdicos participantes do programa.

    Brasil tem d cit de 54 mil mdicos para vagas criadas

    na ltima dcada

  • 14 |

    I magem do ms Angiotomogra a emonstrando estenose de artria

    cartida interna esquerda suboclusiva com string signColaborao: Dr. Alexandre Amato - Cirurgio Vascular e Endovascular, Prof. Assistente de Cirurgia Vascular da Universidade de Santo Amaro e Diretor de Multimdia e Diagnstico por Imagem da SBACV-SP.

    Hoje a qualidade do atendimento sade pauta para muitas discusses. Uma questo que certamente passa pela m qualidade na forma-o do mdico. Estamos certos de que a aber-tura indiscriminada de faculdades de Medicina no contribui para a soluo deste problema, pelo contrrio, acaba prejudicando aquele que nunca deveria ser afetado: o paciente.

    Contrapondo os profissionais de sade que realizam seu trabalho com excelncia, esto aqueles que no possuem a qualificao neces-sria para a assistncia sade da populao. E a raiz disso est na formao acadmica - Fa-culdades de Medicina que cobram mensalida-des carssimas, muitas vezes funcionam sem hospital escola, com corpo docente de compe-tncia contestvel e possuem falhas no planeja-mento pedaggico.

    importante ressaltar que alm de toda a es-trutura fsica imprescindvel, a escola mdica deve ter tradio para garantir uma formao efetiva, inclusive do ponto de vista tico. No apenas transmitindo conhecimentos tericos e prticos que se consolida o bom profissional, preciso ensinar tambm a conduta humanista, na qual a relao mdico-paciente baseada na confiana e respeito, e no somente em um

    atendimento frio e desinteressado.O mdico deve amar a profisso e ter em

    mente que seu foco no so as doenas, e sim os doentes. Valorizar o ser humano algo que os mestres precisam frisar aos alunos por meio do testemunho da sua presena. Essa conduta ajuda o estudante a ter uma melhor percepo de como se deve atuar. E, infelizmente, algu-mas instituies no oferecem uma oportunida-de como essa, to fundamental.

    Enquanto a quantidade de profissionais, e no a qualidade da formao, for o centro da discusso, teremos mdicos que enxergam seu trabalho sob a mesma tica, onde os pacientes no passam de nmeros. A sade da populao deve ser levada sempre a srio, e o especialista precisa estar ciente do peso da responsabilida-de que tem nas mos.

    No entanto, ainda que a situao no seja a ideal, no Brasil temos sim muitos profissionais que so motivo de honra para a classe mdi-ca, assim como instituies srias e de renome. Orgulho-me em dizer que a Escola Paulista de Medicina da Unifesp um dos exemplos de qualidade de ensino, pesquisa e assistncia populao. Essa tradicional escola mdica, que agora completa 80 anos, foi onde me formei,

    ocupo o cargo de Professor Titular em Clnica Mdica e agora tenho a honra de ser diretor.

    O diferencial da boa escola de Medicina justamente o resultado do empenho de pes-soas que amam o que fazem e querem passar seu conhecimento adiante. Por isso preciso que a questo seja considerada com uma maior rigidez, avaliando com critrio a abertura de novas escolas mdicas, para que no tenhamos que presenciar mais uma vez os vergonhosos ndices de reprovao verificados nas ltimas avaliaes do Conselho Regional de Medicina do Estado de So Paulo (CREMESP).

    Os males sem remdio da formao mdica de baixa qualidade

    * Por Antonio Carlos Lopes

    string sign 1 string sign 2

    A rtigo

    Antonio Carlos LopesPresidente da Sociedade Brasileira de Clnica

    Mdida

  • | 15

    I nformes da diretoria

    A SBACV-SP apresenta as novas normas para ingresso na sociedade. Para se tornar As-pirante, Pleno ou Efetivo, aps preencher a documentao, basta entregue-a em sua regio-nal.

    Para se tornar Titular, envie a documentao para a SBACV Nacional, com sede em So Paulo.

    Para tornar-se Aspirante:

    * Podero ser membros Aspirantes os mdi-cos interessados nos objetivos da SBACV, que apresentarem Regional da SBACV da Unida-de da Federao (UF) onde o candidato exerce sua atividade profissional, ou, no havendo, a mais prxima, solicitao assinada, com cpia do Curriculum Vitae, juntamente com cpia do RG, cpia autenticada do diploma de mdico e comprovante de inscrio no Conselho Regio-nal de Medicina.

    Os Aspirantes para progredirem a Pleno, devem preencher os seguintes requisitos cumulativamente:

    * Estar regularmente inscrito no Conselho Re-gional de Medicina (CRM) do Estado onde

    Novas Normas para ingresso na SBACV-SP

    exera sua atividade profissional, encaminhan-do cpia do registro.* Participar das atividades da SBACV, na con-dio de aspirante, por pelo menos trs anos, podendo ser somados perodos.* Apresentar o formulrio de associao em duas vias e assinadas por dois associados da SBACV pertencentes categoria Efetivo ou Titular.* Ter completado residncia mdica ou curso de especializao reconhecido pela SBACV, nas especialidades ou reas que sejam objeti-vos da associao, anexando o comprovante proposta.* Anexar proposta de associao duas cpias do RG, CPF e do diploma de mdico.* Apresentar e ter sua proposta de associao aprovada pela regional da SBACV correspon-dente, estando quite com a tesouraria da Socie-dade.

    Para se tornar Efetivo ser preciso:

    * Ser associado da SBACV na categoria Pleno por pelo menos dois anos, contados a partir da aprovao do ingresso, ou ter participado das atividades da SBACV como Aspirante por pelo menos trs anos.* Estar regularmente inscrito no Conselho Re-

    gional de Medicina (CRM) onde exeram sua atividade e ser associado da AMB.* Possuir o ttulo de especialista em Angiologia e/ou Cirurgia Vascular.* Apresentar e ter sua proposta de associao aprovada pela regional da SBACV correspon-dente, estando quite com a tesouraria da Socie-dade.

    Para se tornar Titular preciso:

    * Ser associado Efetivo h pelo menos trs anos.* Apresentar artigo original ao JVB, sendo aceito para publicao ou publicado h, no m-ximo, seis meses da data da proposta, na quali-dade de primeiro autor; ou monografia original no publicada sobre tema da especialidade; ou ttulo de livre-docncia ou de doutor, obtido em instituio de ensino superior reconhecido pelo MEC; ou ainda acumular 100 pontos nos cinco anos que antecederam ao pedido de progresso em eventos de educao mdica continuada nas especialidades e rea de atuao da SBACV, de acordo com normas do CNA.* Apresentar e ter sua proposta de progresso para esta categoria aprovada pela diretoria na-cional da SBACV, estando quite com a tesou-raria da Sociedade.

    N ovas adeses

    Scios aprovados em 23/05/2013:

    Aspirantes:

    Eurico Cravinhos Trevisani Luis Gustavo Schaefer Guedes Marcelo Passos Teivelis Priscila Urtiga e Silva Rafael Jordo Boccato

    Plenos:

    Dbora Marina Silva Costa Milton Alves das Neves Jnior

    Titulares aprovados pelaSBACV em:

    02/02/2013

    Mrcio Barreto de Arajo Jos Vanderlei de Toledo

    03/05/2013

    Alberto Jos Kupcinskas Jr. Fernando Cezar Franco Jos Fernando Leite da Silva Priscilla Lopes da Fonseca Abrantes Sarmento

  • 16 |

    Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular - SP - Rua Estela, 515 - Bloco A - Cj 62 - CEP 04011-002 - So Paulo