Folha Regional de Cianorte - Edição 997

  • View
    230

  • Download
    9

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Versão Impressa da Edição 997 da Folha Regional de Cianorte, com circulação na terça-feira, 01 de julho de 2014

Text of Folha Regional de Cianorte - Edição 997

  • CIANORTE-PR - TERA-FEIRA, 1 DE JULHO DE 2014 - ED. N 997 - Web: www.folhadecianorte.com - Email: folhadecianorte@gmail.com

    1 O JOrnal da famlia!

    Ano 13 - Edio 997 R$ 2,00 - Site: www.folhadecianorte.com - E-mail: folhadecianorte@gmail.com - Fone (44) 3018-2876

    Tera-feira, 1 de Julho de 2014

    Governo recupera

    escolas sem reformas h

    mais de 50 anosPG. 2

    Goleadas levam CAFE

    Futsal para as quartas-de-final

    no JAPsPG. 5

    Biblioteca municipal

    recebe doao do Governo do

    EstadoPG. 8

    Polcia Civil investiga crimes em aberto em Cianorte

    SEGURANA

    A Polcia Civil de Cianor-te teve um final de semana agitado com o registro de duas tentativas de homic-dio, um homem estrangeiro encontrado morto e outras

    ocorrncias na cidade e re-gio. Ainda h procedimen-tos sobre casos que so in-vestigados pelas equipes da 21 SubDiviso de Polcia Civil. Um dos crimes est

    para ser solucionado. Uma adolescente de 13 e um ra-paz de 19 anos foram bale-ados aps sarem de uma casa noturna na rodovia PR-323. PG. 4

    A realizao do sonho da casa prpria est pr-xima para mais 16 fam-lias cianortenses. Isto por-que, nesta sexta-feira (27), no auditrio da Prefeitu-

    ra, autoridades reuniram--se para lhes entregar os certificados de enquadra-mento e participao no Teto Solidrio, programa do Governo Municipal que

    presta auxlio edificao de residncias de at 70 m para famlias com ren-da mensal de at trs sal-rios mnimos, por meio da doao de materiais como

    areia, cimento, lajotas, pe-dras e telhas. Promover este programa muito sa-tisfatrio, pois se trata de uma oportunidade mpar para aqueles que, sozinhos,

    no conseguiriam construir suas moradias. Parabeniza-mos cada beneficirio, pois se est aqui porque tem direito, uma vez que apre-sentou todos os requisitos

    necessrios, garantiu Ant-nio Lino da Silva, chefe da Diviso de Assuntos Comu-nitrios, rgo responsvel pelo cadastro e seleo dos beneficirios. PG. 8

    Aumenta o nmero de beneficirios do Programa Teto Solidrio em Cianorte

    Em menos de um ano, programa municipal de incentivo edificao de moradias j contempla 48 famliasAssessoria/PMC

    Andye Iore/FOLHA

  • CIANORTE-PR - TERA-FEIRA, 1 DE JULHO DE 2014 - ED. N 997 - Web: www.folhadecianorte.com - Email: folhadecianorte@gmail.com

    2 O JOrnal da famlia!

    AVANO

    INOVAO

    CuritibaagnCia Estadual

    Mais de meio sculo. Esse foi o tempo que algu-mas escolas da rede esta-dual de ensino chegaram a esperar por reformas, como os colgios estaduais Incio de Loyola, em Fnix (Cen-tro), e o Euclides da Cunha, de Matelndia (Oeste). Des-de 2011 o governo do esta-do reformou 65 escolas da rede estadual que aguarda-vam por uma revitalizao geral h 60, 50 ou 30 anos. Metade das obras j foi en-tregue e a outra parte est em execuo.

    O histrico de defasa-gem de reformas gerais em prdios escolares mais anti-gos era grande. Algumas re-formas podem ser conside-radas reconstrues devido ao investimento necessrio para a recuperao, afirma o superintendente de De-senvolvimento Educacional da Secretaria de Estado da Educao, Jaime Sunye.

    Em Jandaia do Sul, na regio do Vale do Iva, fo-ram 60 anos de espera sem receber uma obra de melho-ria na infraestrutura do Co-lgio Estadual Jandaia do Sul. Durante mais de meio sculo os alunos, professo-res e funcionrios tiveram que conviver com goteiras, infiltraes e o perigo de desabamento do teto, que era de telha de barro cons-trudo em outubro de 1953. Foram 60 anos de luta e nada acontecia. Quando chovia, tnhamos que ti-rar os alunos de dentro das salas de aula porque havia muitas goteiras dentro da escola. Agora no cai um pingo de gua dento da es-cola, revela o diretor Vlad-mir Matiolii Arcarde.

    A reforma total do te-lhado do colgio foi feita por intermdio do Progra-ma de Recurso Descentrali-zado. Tem duas coisas que temos que agradecer o go-vernador Beto Richa todos os dias, que a merenda escolar e o programa de re-curso descentralizado que mudaram a realidade das escolas do Paran, come-mora Vladimir.

    Fundada em 1962, o co-lgio Incio de Loyola nunca tinha passado por obras de grande porte e foi necess-rio um investimento de qua-se R$ 1 milho para resol-ver problemas na cobertura, piso, rede eltrica e hidru-lica. Com a obra seguindo para o fim, a previso para ficar pronta em setembro, a comunidade comemora.

    O aluno Luciano Cozer, do 3 ano do ensino mdio, esperou apenas sete anos para estudar numa escola

    reformada, diferente de mi-lhares de outros estudantes e dos professores que pas-saram pelo colgio estadual Euclides da Cunha, em Ma-telndia. A escola comple-tou 50 anos em 31 de janei-ro desse ano sem nunca ter recebido uma reforma geral. So vrias mudanas. A es-cola ficou com uma aparn-cia melhor e a gente se sen-te mais seguro, o que acaba motivando alunos e profes-sores, conta Luciano.

    O governo est cons-truindo novas salas de aula para a escola estadual do Campo Professor Jaelson Bicio, no distrito de Piqui-riva, municpio de Campo Mouro. A escola atende 180 alunos do ensino fun-damental e mdio. Sem a ampliao alguns alunos teriam que se deslocar at o centro do municpio, que fica cerca de 20 quilme-tros da comunidade.

    A escola passar ainda por uma reforma geral, com investimento de R$ 1,7 mi-lho. O prdio, que perten-ceu ao municpio at 2012, nunca recebeu uma obra de grande porte. Foram quase trs dcadas de espera. Es-tvamos em uma situao precria, com salas de ma-deira. A biblioteca e a sala dos professores eram de madeira compensada cain-do, lembra a diretora Marli Vieira da Silva.

    NOVOS PRDIOS Alm de revitalizar pr-

    dios escolares antigos, o Governo do Estado tambm est construindo novas es-colas, obras esperadas em algumas regies h mais de uma dcada. A comunida-de escolar de Campo Lar-go, na Regio Metropoli-tana de Curitiba, aguardou 12 anos pela construo de uma nova escola na regio central da cidade.

    A construo do novo co-lgio estadual Casemiro Kar-man terminar no primeiro semestre de 2015. Sero 20 salas de aula com capacida-de para atender at 2.100 alunos nos trs turnos.

    Nos municpios de Cle-velndia e Coronel Vivida, ambos na regio Sudoeste, a espera foi de dez anos por escolas novas. O Governo do Estado iniciou em maio a construo de prdios para o colgio estadual Professo-ra Terezinha Rodrigues da Rocha (Clevelndia) e para o colgio estadual Tancredo Neves (Coronel Vivida).

    Entre 2011 a 2014 esto sendo construdas 81 novas escolas estaduais no Para-n. Algumas ainda estaro em construo no final des-te ano, pois comearam a ser feitas em 2014.

    CuritibaagnCia Estadual

    O Governo do Estado en-caminhou nesta segunda--feira (30) Assembleia Le-gislativa do Paran o projeto de lei que institui o Quadro Prprio dos Servidores da Sade (QPSS). Esta uma antiga reivindicao da ca-tegoria, que participou ati-vamente das discusses em torno da proposta enviada pelo Estado.

    A medida beneficia ser-vidores que atuam na se-cretaria estadual e em seus rgos vinculados, como hospitais, regionais de sa-de, Hemorrede Estadual e Centro de Medicamentos, entre outros. Criar um quadro prprio significa valorizar a carreira do ser-vidor da sade, assim como

    j acontece com outros se-tores prioritrios, como se-gurana pblica e educa-o, explicou o secretrio estadual da Sade, Michele Caputo Neto.

    Ele ressaltou que esse um estmulo para que mais profissionais se in-teressem pela carreira no servio pblico de sade e vai ser tambm um di-ferencial importante para manter os profissionais no quadro estadual.

    A grande vantagem do projeto a reduo no tem-po em que o servidor pode-r atingir o nvel mximo de sua carreira. Hoje, esse nvel s alcanado aps 30 anos de servio, geral-mente perto da aposenta-doria, mesmo o servidor tendo investido em sua for-mao e qualificao pro-

    fissional. Com o quadro prprio,

    ele poder atingir esse n-vel mximo em cerca de 20 anos, dependendo de suas iniciativas de qualifi-cao, podendo ainda atu-ar um longo perodo de sua vida funcional com o mais alto salrio previsto e se aposentar com uma renda mais alta.

    O projeto do QPSS foi preparado pela Secretaria da Sade com base no estudo realizado pela Comisso In-terinstitucional de Recursos Humanos, composta por re-presentantes das secretarias da Administrao e Previ-dncia e da Sade, Conselho Estadual de Sade e sindica-to da categoria. O projeto foi analisado pela Procuradoria Geral do Estado e seguiu to-dos os trmites internos do

    Governo do Estado para po-der ser encaminhado para votao na Assembleia Le-gislativa do Paran.

    AVANOS O quadro prprio tam-

    bm marca uma srie de avanos conquistados pelo servidor estadual da sa-de nos ltimos trs anos e meio, como a transforma-o do vale-transporte em auxlio-transporte, as atu-alizaes das progresses e promoes e o reajus-te de gratificaes, entre outras aes relacionadas melhoria das condies de trabalho. Junto ao pro-jeto do QPSS, o governo es-tadual encaminhou ainda o projeto de lei que garante a manuteno do estgio probatrio para mulheres em licena-maternidade.

    CuritibaagnCia Estadual

    Trs empresas da incu-badora tecnolgica do Ins-tituto de Tecnologia do Paran (Tecpar) foram se-lecionadas no programa de apoio inovao em mi-croempresas e empresas de pequeno porte no Para-n (Tecnova) e vo receber aportes que podem chegar

    a R$ 600 mil. Atualmen-te incubada na Incubado-ra Tecnolgica de Curiti-ba (Intec), a Engemovi foi aprovada na modalidade Petrleo e Gs, enquanto as graduadas SDS Plasma e Pase Hidro vo atuar nas categorias Metalmecnica e Cincias e Tecnologias Am-bientais, respectivamente.

    Com os recursos do Tec-nova, a Engemovi vai de-

    senvolver um sistema de soldagem robotizado por-ttil para construo em campo de dutos de petr-leo e estruturas metlica