Folha Rio-pardense 028

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Edição digital da folha rio-pardense, de São José do Rio Pardo mostrando as noticias da cidade e região, alem de tudo com distribuição gratuíta.

Text of Folha Rio-pardense 028

  • So Jos do Rio Pardo, 8 de setembro de 2012 Edio 28Distribuio gratuita

    O prefeito de So Josdo Rio Pardo, Joo LusSoares da Cunha(PMDB), teve a sua can-didatura a reeleio cas-sada pela Justia Eleito-ral no incio desta sema-na. No pedido de cassa-o, apresentado ao juizeleitoral pelo MinistrioPblico, atravs do Pro-motor de Justia, Dr. Ga-briel Guerreiro, afirmaque Joo Lus Cunha sebeneficiou da mquina

    pblica para se promover.Entre as alegaes, a de

    que o atual prefeito se be-neficiou dos meios de co-municao, pagos comdinheiro pblico, para sepromover eleitoralmente.Alm disso, a assessoriade imprensa da Prefeitu-ra divulgava material jor-nalstico associando dire-tamente o prefeito a even-tuais realizaes destaadministrao.Alm de condenar o

    prefeito Joo Lus Cu-nha, a sentena conde-na tambm o candidatoa vice na chapa e atualvereador Marquinho Za-netti, o assessor de im-prensa da Prefeitura eeditor do jornal Da Sil-va, Miguel Paio Jniore a coligao O futuro agora. Eles tero depagar, cada um, a multade 5 mil UFIRS o equi-valente a mais de 5 milreais.

    VEJA TAMBMHomem afirma que recebia

    dinheiro para atrapalhar comcioA farsa do Papai Noel

    fo i descoberta e mui tagente conhecida da pol-tica rio-pardense foi cita-da no depoimento do ho-mem que vestia a fanta-sia nos comcios do can-didato a prefeito MarcioZanetti. O rapaz prestoudepoimento no incio danoite de quarta-feira, dia

    5, na Promotoria de Jus-t ia, sendo interrogadopelo promotor Dr. GabrielGuerreiro.Ele confirmou que fazia

    essas aparies a pedidode alguns polticos da ci-dade e seus assessores,que tentavam atrapalhar arealizao dos comciosde Marcio Zanetti.

    Acidente nocruzamentoUm acidente sem vtima

    foi registrado no incio danoite de segunda-feira,dia 3. A jovem RFPN, de22 anos, contou aos poli-ciais que trafegava senti-do bairro centro pela RuaCarlos Botelho, quandono cruzamento, outro car-ro no parou e veio a coli-dir na lateral do seu.

    Seleo Riopardense empatae d adeus ao Inter Ligas

    REPORTAGEM

    REPORTAGEM

    P-A6

    P-A9 P-A9 P-A10

  • Sbado, 8 de setembro de 2012Pgina A-2

    O jornal Folha Rio-pardense uma publicao daEditora 31 de Maro.CNPJ 15.245.524/0001-10Rua Francisco Glicrio, n 248, Sala 08, Centro.So Jos do Rio Pardo-SPredacao@folhariopardense.com.br(19) 4130-0011 (telefone fixo).Jornalista responsvel: Pedro Augusto Baizi SmarieriMTB n 46.771 SPJornalista sindicalizado pelo Sindicato dos JornalistasProfissionais do Estado de So Paulo e pelaFederaoNacional dos Jornalistas (Fenaj).

    Folha Rio-Pardense

    FALTOUNa noite da lt ima quarta-feira, dia 5, o Papai

    Noel no apareceu no comcio do candidato Mar-cio Zanett i , como fez nas lt imas duas vezes. Mo-t ivo: ele estava no Frum, sendo interrogado pelopromotor de justia.

    CALOTEIROSO homem que se vestia de Papai Noel nos com-

    cios, contou ao promotor que fora lhe oferecidoR$ 200 para atrapalhar as reunies de bairro docandidato Marcio Zanett i , mas que os contratan-tes pagaram apenas metade. Irr i tado com o calo-te, o homem resolveu colocar a boca no trombonee denunciar o esquema. Resumindo: alm de tra-palhes, ainda so caloteiros.

    SERVIU? VESTE!O alfaiate faz as roupas sob medida, de acordo

    com a vontade do cliente. O jornalista, por sua vez,escreve para a sociedade sobre diversos assun-tos, sem especif icar algo ou algum. Mesmo nosendo direcionado o texto, muitas carapuas aca-bam servindo, principalmente em poca eleitoral.Ser que as pessoas esto muito sensveis nostempos atuais, ou a gente tem sido muito assert i-vo no que publicamos?

    EFEITO BORBOLETANuma dessas enquetes de Facebook que, mes-

    mo no tendo valor cienti f ico, muita gente acabaacompanhando, um fato interessante pode-se ob-servar essa semana. Um candidato a vereador eseus famil iares bem prximos acabaram migran-do seus votos para outro candidato a prefeito, logoaps o anncio da cassao do candidato da suaprpria coligao. Meio como quem quer dizer, asamarras j no existem mais, estamos l ivres.

    TADINHOOs assessores do candidato Joo Lus Cunha

    apostam que a notcia da cassao da sua candi-datura possa ser posit iva. De acordo com eles, oprefeito se apresentar para a sociedade como v-t ima, ao invs de um condenado. O interessante,no entendimento deles, o candidato permanecercassado mesmo aps as eleies, para aumentaro drama. Tticas so tt icas e no devemos ques-t ionar, entretanto, resta-nos perguntar se ele se-r ia vt ima de quem? Dele mesmo?

    Enfim, Justia!EDITORIAL

    Em meio a tantas denncias,processos e inquritos instau-rados contra o atual prefeito esua administrao, impossvelacreditar que a Justia falha-ria. Mais cedo ou mais tardetudo seria esclarecido, prova-do e, os culpados, condena-dos. Todos os rio-pardensestorcem pela agilidade da justi-a para julgar esses proces-sos. Tanto para absolver,quanto para condenar os de-nunciados.

    A agilidade da justia be-nfica para todos e no h umhomem de bem que possa re-clamar quando a justia pro-gride. S se beneficia da mo-rosidade judiciria os deso-nestos, os corruptos, os ma-landros, pois ganham tempo ecada vez mais dinheiro comisso.

    O prefeito e seus correligio-nrios iniciaram a campanhaprovocando e caoando deseu principal adversrio polti-

    co, o tambm candidato a pre-feito, Marcio Zanetti, justamen-te pela morosidade da justia.Eles esparramaram pela cida-de, inclusive com ajuda de jor-nais aliados, que apesar detudo que se tenha falado con-tra o alcaide, nada se provou.

    E diziam mais. Que todas asdenncias, inclusive criminais,no passaram de intrigas daoposio e chegaram a copi-ar o slogan do ex-governadordo Distrito Federal, cassadopor corrupo, deixem o pre-feito trabalhar.

    Paralelo a tudo isso, ou no,a casa de Marcio Zanetti qua-se foi incendiada, por pesso-as inescrupulosas, nojentas easquerosas, que num ato es-tpido, cruel e covarde, pode-riam ter causado uma tragdia,pois o candidato estava reuni-do com sua esposa e filha.

    Antes desse lamentvel epi-sdio acontecer, outro vereadortambm passou pela mesmatenebrosa situao. Tentaramincendiar a casa do vereadorJos Antnio Tobias, o Tobiasdo Tradisamba, durante a noi-te, enquanto repousava comsua esposa e filhas.

    At hoje, ambos os casos noforam esclarecidos e os bandi-dos identificados. Mas nem porisso deixou de haver o crime,deixou de existir a bandida-gem. Infelizmente as investiga-es policiais tambm so len-tas, inclusive por falta de con-dies de trabalho dos polici-ais, mas isso outra questo.

    Portanto, o fato de todos osprocessos judiciais que pesamsobre o prefeito e sua adminis-trao ainda no terem sidosjulgados, no significa queest tudo resolvido e que nadase provou.

    A nica certeza que se tem,nesses casos, que a justia lenta e por isso, muita coisaainda est por vir. No nos pre-cipitemos, mas ao contrrio,devemos aguardar o caminharda justia, mesmo que a pas-sos de tartaruga.

  • Sbado, 8 de setembro de 2012 Pgina A-3Folha Rio-Pardense

    30 Bienal: Ateli de Luzes promove criaes sensoriaiscom LEDs e atividades integradas com redes sociais

    AES Eletropaulo e AES Tiet so patrocinadores do Programa Educativo BienalComo parte das aes do

    Educativo Bienal, na 30 edi-o A iminncia das po-ticas traz o Ateli de Lu-zes. Neste espao, com vi-sitas monitoradas, os parti-cipantes podero usar a ima-ginao para criar e explo-rar dilogos artsticos com aexposio usando luzes ne-gras e LEDs coloridos. Acada 30 minutos duas ativi-dades diferentes esto pre-vistas para os visitantes daexposio.Uma das experincias, com

    iluminao de luz negra, adistribuio de folhas sulfi-tes, canetas marca-texto efitas adesivas fluorescentes.Ao som de msicas com en-tonaes espaciais, os par-ticipantes podem desenhar efazer montagens, descobrin-do os efeitos causados pelajuno dos materiais.Em outra, os visitantes re-

    cebem pequenas lmpadasde LED colorido, e podemcriar desenhos no espao, apartir de movimentos inspi-

    rados por msica. As movi-mentaes so captadas poruma mquina de alta expo-sio, e as imagens podemser compartilhadas nas re-des sociais.Ao final da experincia no

    Ateli de Luzes, os visitan-tes podero compartilhar fo-tos de sua arte usando ahashtag #aesna30bienal,que sero publicadas em umgrande mosaico nowww.aesna30bienal.com.br.As imagens tero opes decompartilhamento por e-mail, redes sociais (Twitter eFacebook) e boto de likedireto para o Facebook. Como trmino da Bienal, a fotocom maior nmero de likes,ganhar um iPad2.Alm do Ateli de Luzes, a

    mostra educativa conta comos atelis Fotografia, LivroVivo e Carimbos. Essas ati-vidades propem a pesqui-sa, incentivam a busca porsensaes e intuies, ecom a participao dos visi-tantes, transformam os am-

    bientes no decorrer da expo-sio. Aos sbados, duranteo perodo do evento, artistasso convidados para ofere-cer oficinas voltadas aos te-mas de cada ateli.

    Parceria com a Funda-o Bienal de So PauloPela primeira vez, a AES

    Eletropaulo e a AES Tietfecham parceria com a Fun-dao Bienal de So Pauloe patrocinam o ProgramaEducativo Bienal. A iniciativafaz parte do compromissodas empresas em promoveraes que contribuem coma educao e transformaoda sociedade."Com este patrocnio, o

    Grupo AES Brasil quer fixarseu compromisso com aeducao e o desenvolvi-mento das pessoas, veicu-lando sua marca em um doseventos de maior prestgiono cenrio cultural mundial.Assim, queremos criar vncu-los e estabelecer relaciona-mentos inspiradores e dura-

    douros com os nossosdiver-sos pblicos", destaca Pau-lo Camillo Vargas Penna,vice-presidente de RelaesInstitucionais, Comunicaoe Sustentabilidade da AESBrasil.Alm da exposio, o Edu-

    cativo Bienal, promoveaes educacionais durantetodo o ano com a intenode aproximar os diversospblicos da arte contempo-rnea. Colaboradores daAES Eletropaulo e da AESTiet participaram de umaformao, que possibilitouuma aproximao do univer-

    so artstic