Geografia Brasil Economica Agropecuaria Exercicios

  • View
    3.673

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Geografia Brasil Economica Agropecuaria Exercicios

Exerccios de Geografia Brasil - Econmica - AgropecuriaTEXTO PARA AS PRXIMAS 2 QUESTES. (Ufpe 96) Na(s) questo(es) a seguir escreva nos parnteses a letra (V) se a afirmativa for verdadeira ou (F) se for falsa. 1. Observando as proposies a seguir, podemos afirmar: ( ) O fator tempo possui importncia considervel na formao do solo. Em determinadas condies, as reaes qumicas que originam o solo podem ser favorecidas, como no caso das temperaturas mais baixas. ( ) No serto do Nordeste brasileiro os solos, geralmente, so muito espessos e a ocorrncia de chuvas torrenciais torna-os pouco sujeitos eroso. ( ) Na Zona da Mata nordestina ocorrem solos escuros denominados "massap", de grande plasticidade em virtude do alto teor de argila. ( ) O solo um complexo vivo elaborado na superfcie de contato da crosta terrestre, com seus invlucros - atmosfera, hidrosfera - e formado de organismos vegetais e animais que lhes do a matria orgnica. ( ) Quando a gua das chuvas tende a concentrarse, formam-se pequenos sulcos e ravinas que, evoluindo, podem fazer desaparecer a camada de importncia agrcola do solo. 2. Sobre a estrutura agrria do Brasil: ( ) Na relao de trabalho do tipo parceria, o proprietrio da terra cede a terra a terceiros mediante o pagamento de uma quantia previamente estabelecida. ( ) A estrutura fundiria brasileira dificulta ou impede uma maior produo ou melhor desempenho da agricultura. ( ) A subutilizao de terras no meio rural afeta no s o abastecimento urbano-industrial, como a oferta de empregos. ( ) O INCRA classifica os estabelecimentos agrcolas em: minifndios, latifndios por explorao, latifndios por dimenso e empresas rurais. ( ) O regime de doaes ou Lei das Sesmarias foi o primeiro sistema utilizado no Brasil para regular a posse de terra.

TEXTO PARA A PRXIMA QUESTO (Puccamp 2004) Cultura dos almanaques 1. Como explicar ao meu leitor mais jovem o que (ou o que era) um ALMANAQUE? Vamos ao dicionrio. L est, entre outras acepes, a que vem ao caso: folheto ou livro que, alm do calendrio do ano, traz diversas indicaes teis, poesias, trechos literrios, anedotas, curiosidades etc. O leitor no faz idia do que cabia nesse etc.: charadas, horscopo, palavras cruzadas, enigmas policiais, astcias da matemtica, recordes mundiais, caricaturas, provrbios, dicas de viagem, receitas caseiras... Pense em algo publicvel, e l estava. 2. J ouvi a expresso "cultura de almanaque", dita em tom pejorativo. Acho injusto. Talvez no seja intil conhecer as dimenses das trs pirmides, ou a histria de expresses como "vitria de Pirro", "vim, vi e venci" e "at tu, Brutus?". E me arrepiava a descrio do ataque base naval de Pearl Harbor, da guilhotina francesa, do fracasso de Napoleo em Waterloo, da queda de caro, das angstias de Colombo em alto mar. Sim, misturava povos e sculos com grande facilidade, mas ainda hoje me valho das informaes de almanaque para explicar, por exemplo, a relao que Pitgoras encontrou no apenas entre catetos e hipotenusa, mas - pasme, leitor - entre o sentimento da melancolia e o funcionamento do fgado. Um bom leitor de almanaque explica como uma bela expresso de Manuel Bandeira - "o fogo de constelaes extintas h milnios" - tambm uma constatao da astrofsica. 3. Algum risco sempre havia: no foi boa idia tentar fazer algumas experincias qumicas com produtos caseiros. E alguns professores sempre implicavam quando eu os contestava ou argia, com base no almanaque. Pegadinhas do tipo "quais so os nmeros que tm relaes de parentesco?" ou questes como "por que uma mosca no se esborracha no vidro dentro de um carro em alta velocidade?" no eram bem-vindas, porque despertavam a classe sonolenta. Meu professor de Cincias fechou a cara quando lhe perguntei se era hbito de Arquimedes tomar banho na banheira brincando com bichinhos que biam, e minha professora de Histria fingiu que no me ouviu quando lhe perguntei de quem era mesmo a frase "E no entanto, move-se!", que eu achei familiar quando a

1|P r o je to Me di ci na w ww.p r oje to me di cin a. com. br

li pintada no pra-choque de um fordinho com chapa 1932 (relquia de um paulista orgulhoso?). 4. Almanaque no se emprestava a ningum: ao contrrio de um bumerangue, nunca voltaria para o dono. Lembro-me de um exemplar que falava com tanta expresso da guerra fria e de espionagem que me proporcionou um prazer equivalente ao das boas pginas de fico. Um outro ensinava a fazer balo e pipa, a manejar um pio, e se nunca os fiz subir ou rodar era porque meu controle motor j no dava inveja a ningum. Em compensao, conhecia todas as propriedades de uma carnaubeira, o curso e o regime do rio So Francisco, fazia prodgios com ms e saberia perfeitamente reconhecer uma vooroca, se viesse a cair dentro de uma. 5. Pouco depois dos almanaques vim a conhecer as SELEES - READER'S DIGEST - uma espcie de almanaque de luxo, de circulao regular e internacional. Tirando Hollywood, as SELEES talvez tenham sido o principal meio de difuso do AMERICAN WAY OF LIFE, a concretizao editorial do SLOGAN famoso: TIME IS MONEY. No tinha o charme dos almanaques: levava-se muito a srio, o humor era bem-comportado, as matrias tinham um tom meio autoritrio e moralista, pelo qual j se entrevia uma Amrica (como os EUA gostam de se chamar) com ares de dona do mundo. No tinha a galhofa, o descompromisso macunamico dos nossos almanaques em papel ordinrio. Eu no trocaria trs exemplares do almanaque de um certo biotnico pela coleo completa das SELEES. 6. Adolescente, aprendi a me especializar nas disciplinas curriculares, a separar as chamadas reas do conhecimento. Deixei de lado os almanaques e entrei no funil apertado das tendncias vocacionais. Com o tempo, descobri este emprego de cronista que me abre, de novo, todas as portas do mundo: posso falar da minha rua ou de Bagdad, da reunio do meu condomnio ou da assemblia da ONU, do meu canteirinho de temperos ou da safra nacional de gros. Agora sou autor do meu prprio almanaque. Se fico sem assunto, entro na Internet, esse almanaque multidisciplinarssimo de ltima gerao. O "buscador" da HOME PAGE uma espcie de orculo de Delfos de efeito quase instantneo. E o ingls, enfim, se globalizou pra valer: meus filhos j aprenderam, na prtica, o sentido de outro SLOGAN prestigiado, NO PAIN, NO GAIN (ou GAME, no caso deles). Se eu fosse um nostlgico, diria que, apesar

de todo esse avano, os velhos almanaques me deixaram saudades. Mas no sou, como podeis ver. (Argemiro Fonseca) 3. No texto, o cronista afirma que saberia perfeitamente reconhecer uma vooroca... Se ele fosse agricultor, poderia saber que a) o uso de mquinas agrcolas que revolvam profundamente o solo eficiente no combate s voorocas. b) o emprego de tcnicas agrcolas adequadas pode reduzir os efeitos das chuvas que provocam a eroso do solo. c) o emprego de irrigao por gotejamento um mtodo eficaz de combate ao processo de eroso dos solos. d) a retirada da vegetao original e o plantio de arbustos com espaamento adequado evitam a eroso do solo. e) em reas de clima tropical com abundantes chuvas de vero no possvel utilizar o solo para cultivos temporrios. TEXTO PARA AS PRXIMAS 2 QUESTES. (Ufpe 95) Na(s) questo(es) a seguir escreva nos parnteses (V) se for verdadeiro ou (F) se for falso. 4. Sobre o uso do solo com atividade agrcola, podese afirmar que: ( ) a regio da Mata de Pernambuco ocupada em quase toda sua extenso pela lavoura de subsistncia; ( ) o pousio, tcnica usada para evitar o esgotamento dos solos, largamente empregado nos pases pouco povoados e consiste na intercalao de anos de cultura com anos de repouso em que o solo no cultivado; ( ) apesar do grande desenvolvimento das tcnicas agrcolas, a agricultura a atividade econmica mais ligada natureza e mais dependente das condies naturais; ( ) nas regies onde existe uma baixa densidade demogrfica, geralmente a produo por hectare baixa e a agricultura chamada de extensiva; ( ) a rentabilidade agrcola a relao existente entre a produo e os insumos utilizados.

2|P r o je to Me di ci na w ww.p r oje to me di cin a. com. br

5. Entre as plantas fornecedoras de matrias-primas para a indstria txtil, salientam-se: ( ) algodo e juta; ( ) linho e algodo; ( ) cana-de-acar e algodo; ( ) cnhamo e soja; ( ) agave e juta. TEXTO PARA AS PRXIMAS 2 QUESTES. (Ufrj 2003) (...) eu nasci em Arcoverde (Pernambuco) (...). Sa de l com 13 anos e fui trabalhar nas usinas, pelos engenhos, cortando cana, dos treze, quatorze, aos dezesseis anos. Trabalhei na Barreiros, na usina Fumac, trabalhei em vrias usinas em Alagoas. At que eu me casei quando eu estava com vinte anos, me casei em Alagoas, numa cidadezinha chamada Campo Alegre. L tambm tinha usina. Trabalhava na Porto Rico. Trabalhei de costurador de saco de acar. Trabalhei no campo tambm. (...) E de l para c comecei a trabalhar de pedreiro (...) Em 95, 94, eu sei que estava morando em So Caetano, ali prximo a Caruaru. Estava difcil de emprego, e comecei a botar um roado para o outro ano. E nesse ano parece que no houve inverno no; eu viajei dia 17 de maio e no tinha dado chuva ainda. Deixei o roado limpo, e no choveu nem para nascer mato, no choveu, os engenhos de Ipojuca estavam quase secos, e tive meio apertado, sem servio e disse que agora tinha que partir para So Paulo, porque aqui no passava mais um ano no. Cheguei em So Paulo de carona, vendi uns objetos que eu tinha, fogo, uns negcios l, mas cheguei com os meninos l, e cheguei de carona. (...) passei um ano e pouco, mas no gostei, muito frio, e voltei. (...) fiquei um pouquinho morando em Caruaru. (Histria do Sr. Severino - Caderno da Exposio "Lonas e Bandeiras em terras pernambucanas". Museu Nacional/ UFRJ, 2002). O Brasil um pas de grande diversidade regional e fundiria. A histria do Sr. Severino retrata aspectos significativos da realidade do campo brasileiro e suas contradies. 6. Apresente duas razes que justifiquem as estratgias de sobrevivncia do Sr. Severino e sua famlia.

7. Que iniciativas vm sendo promovidas no Brasil