Geografia geral ilha de calor, chuva ácida e inversão térmica

  • View
    219

  • Download
    3

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

Text of Geografia geral ilha de calor, chuva ácida e inversão térmica

  • Ilhas de calor, inverso trmica e Chuva cida

    Aula de Geografia

    Prof. Wagner

  • Fonte: http://www.fiamfaam.br

  • Fontes emissoras de CO2

  • INVERSO TRMICA

  • A camada de poluio que cobre So Paulo, muito comum nos meses de outono einverno na cidade. Paradoxalmente esta foto foi tirada no dia 05 de junho de 2007, Diado Meio Ambiente

  • ILHA DE CALOR

    Os grandes centros urbanos vm se transformando em ilhas de calor,contribuindo significativamente para o aquecimento global.Ilhas de calor a designao dada distribuio espacial e temporal datemperatura sobre as cidades que apresentam um efeito, como uma espcie de ilhaquente localizada.

    As ilhas de calor surgem da simples presena de edificaes e dasalteraes de paisagens feitas pelo homem nas cidades. A superfcie urbanaapresenta materiais como: asfalto, concreto, telhas, vidros. Esses materiais, queconstituem as superfcies urbanas, e possuem grande capacidade de reflexo eemisso de radiao trmica.

  • Albedo de uma superfcie ( Percentual de reflexo da radiao solar varivel por superfcie)

  • SUGESTES PARA EVITAR QUE A SUA CIDADE NO SE TRANSFORME NUMA NOVA ILHA DE CALOR.

    Evitar a impermeabilizao solo urbano: reduzir as reas pavimentadas, para permitir oaumento do processo de evaporao e evapotranspirao urbana.

    Aumento das reas verdes na cidade: a vegetao diminui os ndices de calor e ajuda namanuteno da umidade do ar, bem como a absoro dos gases, como o dixido de carbono,emitidos pela queima dos combustveis fsseis nos veculos e chamins das indstrias.

    Evitar a construo de prdios muito altos e muito prximos uns dos outros, os quaisaumentam o grau do Cnion urbano, contribuindo para o deslocamento do ar quente paraoutras reas da regio.

    Diminuir a circulao de veculos automotores particulares e priorizar o transporte pblicoeficiente e o uso de meios alternativos de transporte como a bicicleta.

  • Destruio da Camada de Oznio

  • A camada de Oznio (O3) localiza-se na estratosfera, entre 15 e 50 Km de

    altitude. Essa camada forma um escudo invisvel que protege a superfcie

    do planeta contra os raios ultravioletas vindos do Sol. Esta radiao UV,

    que bronzeia, seca e envelhece a pele, nociva aos animais e plantas,

    principalmente porque pode danificar o DNA, levando eventualmente ao

    aparecimento de cncer de pele e problemas nas crneas.

    Compostos de enxofre, cloro, cinzas que so eliminadas de forma natural

    como em erupes vulcnicas, tambm podem contribuir para a reduo

    da camada de oznio.

    O CFC (clorofluorcarbono), gs que era encontrados h pouco tempo

    em refrigeradores, sprays, ar condicionados e equipamentos industriais

    provocavam a destruio do oznio na atmosfera. Atualmente esse gs

    no mais usado pelas indstrias.

  • Reduo do oznio na atmosfera

  • CHUVA CIDA

    A Revoluo Industrial trouxe vrios avanos tecnolgicos e mais rapidez na

    forma de produzir, por outro lado originou uma significativa alterao no meio

    ambiente. As fbricas com suas mquinas a vapor queimavam toneladas de

    carvo mineral para gerar energia.

    Atualmente, a chuva cida um dos principais problemas ambientas nos

    pases industrializados.

  • Consumo mundial de carvo por regio 1980-2010

    Bilhes de toneladas ano

  • A Chuva cida composta por diversos cidos como, por exemplo, o

    xido de nitrognio e os dixidos de enxofre, que so resultantes da

    queima de combustveis fsseis.

    Quando caem em forma de chuva ou neve, estes cidos provocam danos

    no solo, plantas, construes histricas, animais marinhos e terrestres,

    alm de provocar problemas respiratrios em seres humanos.

    Este problema tem se acentuado nos pases industrializados,

    especialmente aqueles que so dependentes de fontes energticas

    derivadas do petrleo.

    Chuva cida

  • Floresta afetada por chuva cida no Nordeste dos Estados Unidos.

  • ....S para pensar!

  • COMO REDUZIR A CHUVA CIDA

    A reduo da chuva cida deve ser realizada por aes governamentais, atravs

    da implementao e/ou criao da legislao pertinente; investimento em

    eficincia energtica, bem como em fontes alternativas mais limpas de gerao

    de energia.

    Entretanto, no so apenas as indstrias que poluem com estes gases. As

    grandes cidades, com seus inmeros carros, tambm so importantes produtoras

    de chuva cida.

    As pessoas tambm podem contribuir na conservao da energia, considerando

    que a produo desta a causa responsvel pela maior deposio cida. Como

    aes que podem ser tomadas pelas pessoas, podem-se citar:

    desligamento de lmpadas, computadores e outros aparelhos, quando noestiverem sendo utilizados;

    utilizao de aparelhos que apresentem melhor eficincia energtica comogeladeiras, aquecedores, mquinas de lavar, ar condicionado, etc.;

    utilizao de transporte pblico ou do transporte solidrio preferencialmente aotransporte individual;

    caminhar ou utilizar a bicicleta, quando possvel; aquisio de veculos que emitam menores quantidades de gases que

    provocam a chuva cida, alm de mant-los sempre bem regulados.

  • P Preto em Vitria

    Mineradora (Vale)Siderrgica (Acelor Mital)Construo civilVeculosPoeira

  • Barragens de rejeito de minrios

    Mariana-MG, 2016

  • Biocombustvel

    Menor emisso de poluentes que a Gasolina e o diesel. Absorve CO2 durante o plantio de cana de aucar.

    Incentiva a monocultura. Reduz a rea de plantio de alimentos.

  • Eficincia energtica a relao entre a quantidade

    de energia consumida por determinado

    equipamento ou aparelho e a quantidade de energia

    efetivamente utilizada por ele para realizar a tarefa

    a que se prope.

    60W

    16W

    7W

  • Mobilidade Urbana

  • Em 1988, houve a adoo do Proconve, programa que controla as emisses depoluentes para comercializar veculos. "Ele j est em sua quinta fase e, emcomum acordo com as montadoras, tornou-se mais exigente.Entre 1995 e 2012, o Brasil reduziu a mdia de emisses de poluentes da

    frota nacional de 3,8 para 0,4 g/km, valor equiparvel aos padres

    internacionais. Segundo a Anfavea, esses nmeros se justificam por umalegislao ambiental mais rigorosa no pas.

  • Todos tm direito ao meio ambienteecologicamente equilibrado, bem de

    uso comum do povo essencial sadia

    qualidade de vida, impondo-se ao

    Poder Pblico e coletividade o dever

    de defend-lo e preserv-lo para as

    presentes e futuras geraes.(Artigo 225 da Constituio Federal)

  • Cuide do que nosso, porque este planeta a nossa casa!

    Cada pessoa responsvel pelo que faz. Afinal, temos

    o direito de fazer escolhas. A soma das nossas foras

    necessria para que a humanidade possa caminhar

    com felicidade em um ambiente mais limpo!

    Cada um tem que fazer a sua parte!

  • Disponvel em:www.issuu.com/professorwagner