GESTÃO E GOVERNANÇA PREVIDENCIÁRIA – MELHORES PRATICAS ATUARIAIS

  • View
    103

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of GESTÃO E GOVERNANÇA PREVIDENCIÁRIA – MELHORES PRATICAS ATUARIAIS

  • Slide 1
  • GESTO E GOVERNANA PREVIDENCIRIA MELHORES PRATICAS ATUARIAIS
  • Slide 2
  • AGENDA 1. IMPORTANCIA DO ESTUDO ATUARIAL 2. PREMISSAS E HIPTESES 3. MELHORES PRTICAS 4. COMO APLICAR AS MELHORES PRTICAS 5. CASO DE MELHORES PRTICAS 6. GANHOS COM A APLICAO DAS MELHORES PRTICAS
  • Slide 3
  • AVALIAO ATUARIAL Exigncia de encaminhar como Anexo IX do Projeto de Lei das Diretrizes Oramentrias - LDO Obrigao de cumprir de acordo com a Portaria MPS 402 e 403/2008 Avaliao Atuarial dever compor o Anexo de metas fiscais da Lei de Responsabilidade Fiscal LC 101/00, Art. 4 2 inciso IV. Equilbrio Atuarial Obrigao de CRP Certificado de Regularidade Previdenciria MPS 204/08 e alteraes Exigncia prevista na Lei n 9.717/98 DRAA Exigncia do MPS 1. IMPORTANCIA DO ESTUDO ATUARIAL
  • Slide 4
  • O estudo atuarial deve permitir a anlise e o enfrentamento das despesas projetadas frente as despesas efetivas. Calcular as Reservas Matemticas: representam o compromisso do RPPS Passivo Atuarial Estabelecer o Plano de Custeio (CN, CS) e projetar a ocorrncia de novos benefcios Definir premissas e hipteses, regime de financiamento Projetar o fluxo de receitas e despesas do fundo para um perodo de 75 anos ou at a sua extino Comparar o resultado dos ltimos 3 exerccios Proporcionar: Equilbrio Financeiro e Atuarial Desenvolver Parecer Atuarial tem o objetivo de recomendar de forma clara e objetiva os passos necessrios para observncia do equilbrio financeiro-atuarial 1. IMPORTNCIA DO ESTUDO ATUARIAL Equilbrio Atuarial
  • Slide 5
  • 1. IMPORTANCIA DO ESTUDO ATUARIAL AVALIAO ATUARIAL
  • Slide 6
  • PREMISSAS ATUARIAIS BIOMTRICA - Tbua de Entrada Invalidez - Tabua de Mortalidade de Invlidos - Tbua de Mortalidade Geral - Tbua de Sobrevivncia - Composio familiar - Novos Entrados FINANCEIRA E ECONOMICA - Taxa Real Anual de Juros - Projeo de Crescimento Real de Salrio 2. PREMISSAS E HIPTESES
  • Slide 7
  • PremissasLimites da Legislao Mortalidade GeralMnimo AT - 49 Sobrevivncia Validos e InvlidosIBGE Entrada InvalidezMnimo lvaro Vindas Mortalidade de Invlidos Mximo Experincia IAPC (Instituto de Aposentadorias e Penses dos Comercirios) Novos Entrados Ser admitida desde que no resulte em aumento da massa dos segurados ativos Compensao previdenciria De acordo com o histrico, caso no tenha dever ser no mximo 10% do VABF Taxa de JurosMximo 6% Taxa de Crescimento SalarialMnimo de 1% Taxa de rotatividadeMximo 1% 2. PREMISSAS E HIPTESES
  • Slide 8
  • BIOMTRICA TBUAS Aturio e a unidade gestora devero eleger conjuntamente as hipteses biomtricas, demogrficas, econmicas e financeiras adequadas s caractersticas da massa de segurados Portaria n 403/08 IDADE AT-49AT-83AT-2000IBGE 2009IBGE 2010IBGE 2011 qxqxqx qxqx qxqx qxqx 250,0007680,0005150,0006860,0017290,0016770,001725 300,0010040,0006740,0007840,0019560,0018820,001855 350,0013910,0009550,0007920,0024120,0023310,002188 400,0020250,0013750,0010430,0032350,0031430,002846 450,0036250,0024260,0019480,0045580,0044500,004015 500,0065570,0043430,0033300,0063590,0062260,005808 550,0105650,0068120,0050770,0091860,0090150,008343 600,0156620,0101750,0071700,0132380,0130090,011820 MDIA0,0052000,0034090,0026040,0053340,0052170,004825 IDADE lvaro VindasTASA 1927Ligth ix 400,0008440,000830,00461 MORTALIDADE INVALIDEZ 2. PREMISSAS E HIPTESES
  • Slide 9
  • FINANCEIRA E ECONOMICA TAXA DE JUROS Estima o rendimento real que as aplicaes devem ter para garantir o pagamento dos benefcios REDUZIR A TAXA DE JUROS AUMENTA O VALOR PRESENTE DOS COMPROMISSOS DO PLANO (EXIGVEL ATUARIAL), PODENDO GERAR EVENTUAL DFICIT E EXIGIR AUMENTO PARCIAL DE CONTRIBUIES A ENTIDADE DEVE REDUZIR A TAXA DE JUROS QUANDO NO CONSEGUE MAIS OBTER A META ATUARIAL A META ATUARIAL A RENTABILIDADE MNIMA NECESSRIA PARA GARANTIR O CUMPRIMENTO DE SEUS COMPROMISSOS FUTUROS META ATUARIAL TAXA DE JUROS INFLAO 2. PREMISSAS E HIPTESES
  • Slide 10
  • FINANCEIRA E ECONOMICA Melhor ser pessimista na projeo do que se frustrar na aposentadoria. 2. PREMISSAS E HIPTESES As aplicaes em ttulos do governo no curto prazo, pela SELIC, rendem hoje aproximadamente 11%, que o nvel da SELIC. Descontada a inflao de 5,5% de inflao sobram 5,5% de ganho real, muito aqum dos 6% necessrios. EXEMPLO
  • Slide 11
  • MTODO DE FINANCIAMENTO REGIME FINANCEIRO REPARTIO SIMPLES REPARTIO DE CAPITAIS DE COBERTURA CAPITALIZAO PUC (CRDITO UNITRIO PROJETADO) UC (CRDITO UNITRIO) PNI (PRMIO NIVELADO INDIVIDUAL) IEN (IDADE DE ENTRADA NORMAL) AGREGADO 2. PREMISSAS E HIPTESES
  • Slide 12
  • RegimeDescrioObservao Repartio Simples Contribuies estabelecidas no exerccio devem ser suficientes para os pagamentos nesse exerccio AUXLIO-DOENA, SALRIO-MATERNIDADE, AUXLIO-RECLUSO, SALRIO-FAMLIA 2. PREMISSAS E HIPTESES Repartio de Capitais de Cobertura Contribuies estabelecidas devem ser suficientes para constituio das reservas dos benefcios iniciados por eventos que ocorram nesse mesmo exerccio APOSENTADORIA POR INVALIDEZ E PENSO POR MORTE DE ATIVOS Capitalizao Contribuies + Rendimentos + Compensao Previdenciria + PL devem ser suficientes para cobrir todos os compromissos futuros e a taxa de adm. APOSENTADORIAS PROGRAMADAS E PENSES POR MORTE DE APOSENTADO
  • Slide 13
  • MTODOCONTRIBUIESRECURSOS GARANTIDORES UC (CRDITO UNITRIO) Benefcio calculado com base na remunerao atual. Individuais e crescentes Menor velocidade no incio da capitalizao e maior velocidade no seu final. Reserva calculada individualmente 2. PREMISSAS E HIPTESES PUC (CRDITO UNITRIO PROJETADO) Benefcio calculado com base na remunerao projetada para a data da aposentadoria Individuais e crescentes Menor velocidade no incio da capitalizao e maior velocidade no seu final. Reserva calculada individualmente PNI (PRMIO NIVELADO INDIVIDUAL) Benefcio calculado com base na remunerao projetada para a data da aposentadoria Individuais e crescentes Mesma velocidade desde o incio da capitalizao at o seu final. Reserva calculada individualmente IEN (IDADE DE ENTRADA NORMAL) Benefcio calculado com base na remunerao projetada para a data da aposentadoria Individuais e crescentes Mesma velocidade desde o incio da capitalizao at o seu final. Reserva calculada individualmente AGREGADO Benefcio calculado com base na remunerao projetada para a data da aposentadoria Coletivas, constantes, ou crescentes, dependendo do prazo da capitalizao adotado Velocidade varivel conforme prazo de capitalizao adotado. Reserva calculada individualmente.
  • Slide 14
  • DIFERENA DE CLCULOS ATUARIAIS CURVA DE ACUMULAO DE RESERVA MATEMTICA A diferena pelo fato de que certos mtodos privilegiam maiores custos em idades mais jovens e menores custos em idades maduras, ao passo que outros invertem a escolha, ou ainda distribuem as cotas de forma equnime 2. PREMISSAS E HIPTESES Portaria MPS N 21/13 altera MPS 403/08 Mnimo PUC
  • Slide 15
  • PRINCIPAIS MTODOS UTILIZADOS 2. PREMISSAS E HIPTESES
  • Slide 16
  • 3. MELHORES PRTICAS RISCOS ATUARIAIS NA ENTIDADE GOVERNANA AVALIAO ATUARIAL PLANO DE CUSTEIO PLANOS SUPERAVITRIOS E DEFICITRIOS Biomtrico Mercado Liquidez Operacional Base Cadastral Modelagem financeira/mtodo atuarial Descasamento de premissas Descompasso ativo e passivo
  • Slide 17
  • 4. COMO APLICAR AS MELHORES PRTICAS ATUARIAIS 1.AVALIAR OS RISCOS ENVOLVIDOS NO PROCESSO 2. ENVOLVER RGOS ESTATUTRIOS 3.ESTABELECER PLANO DE TRABALHO ATUARIAL
  • Slide 18
  • 1.Base de dadosBase de dados 1.Base de dadosBase de dados 2. Aprovao das hipteses e Premissas 3. Elaborao da Avaliao Atuarial 4. Aprovao dos resultados pelos rgos estatutrios 4. COMO APLICAR AS MELHORES PRTICAS ATUARIAIS
  • Slide 19
  • Quanto mais a base cadastral expressar a real condio dos servidores e suas caractersticas, mais fidedignos sero os resultados BASE CADASTRAL INCONSISTENTE Adotar procedimentos de ajuste e correo dos dados MEDIDA A CURTO PRAZO MEDIDA A LONGO PRAZO Campanhas de atualizao cadastral (recadastramento) Campanhas de atualizao cadastral (recadastramento) 2. COMO APLICAR AS MELHORES PRTICAS 3. ESTABELECER PLANO DE TRABALHO ATUARIAL 1. Base de dados
  • Slide 20
  • Campanhas de atualizao cadastral ( recadastramento) LOTAO MATRCULA TIPO DE VINCULAO CARREIRA NOME SEXO DATA DE NASCIMENTO DATA DE ADMISSO SALRIO NMERO DE DEPENDENTES DATA DE NASCIMENTO DO CNJUGE TEMPO DE SERVIO PASSADO ATIVOS PENSIONISTA MATRCULA DO PENSIONISTA NOME DO PENSIONISTA SEXO DATA DE NASCIMENTO DATA DE INCIO DO BENEFICIO GRAU DE DEPENDNCIA VALOR DO BENEFCIO TIPO DE PENSO (TEMP. OU VIT. APOSENTADO MATRCULA DO APOSENTADO NOME DO APOSENTADO SEXO DATA DE NASCIMENTO DATA DE INCIO DO BENEFCIO DATA DE NASCIMENTO DO CNJUGE VALOR DO BENEFCIO TIPO DE BENEFCIO (INV./IDADE/TEMPO/COMP) DATA DE NASCIMENTO DO FILHO MAIS NOVO 4. COMO APLICAR AS MELHORES PRTICAS ATUARIAIS
  • Slide 21
  • Adotar procedimentos de ajuste e correo dos dados- Verificar inconsistncias Salrio superior ao teto Idade de admisso abaixo de 18 anos Tempo de servio passado zerado Sem data de nascimento do cnjuge Utilizar o salrio mdio por sexo e cargo Considerar a idade mdia de admisso dos servidores (em mdia 25 anos) Considerar idade de entrada no primeiro emprego em 25 anos. Cnjuge 3 anos mais novo (HOMEM) ou mais velho (MULHER) e de dois filhos vlidos, sendo um do sexo masculino com diferena de 22 anos de idade para a me e outro do sexo feminino com diferena de idade de 24 anos para a me; Servidor admitido antes da segregao das massas e classificado no fundo capitalizado Salrio ou Benefcio zerado Utili