Click here to load reader

Gestão Estratégica de Armazenagem aula 11

  • View
    145

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Gestão Estratégica de Armazenagem aula 11

CITY LOGISTICS

LTIMA MILHA a ltima parte da entrega, ou seja, levar os bens at o usurio final.

a mais problemtica e cara na distribuio urbana.

LTIMA MILHA mais cara porque : usa veculos de menor porte. em geral tem motorista e ajudante. a entrega pulverizada. volume de venda limitado. custo alto de entrega. capacidade limitada nos servios logsticos.

LTIMA MILHA O problema se deve basicamente : baixa densidade Atendimento a um grupo de clientes com alta disperso geogrfica. o valor unitrio do pedido Quando baixo, no justifica gastos de transportes.

LTIMA MILHA O problema se deve basicamente : a porta fechada O destinatrio pode no se encontrar. logstica reversa A devoluo de produto, em repetidas ocasies, resulta na desistncia da compra. Corresponde de 20% 30% dos custos totais de remessa.

O problema se deve basicamente : mltiplas tentativas de entrega O prestador de servio, sente-se obrigado a realizar vrias viagens, aumentando o custo da operao logstica. utiliza veculo de menor porte Alm da capacidade menor do veculo, tem o motorista e ajudante elevando o custo

LTIMA MILHA TRNSITO A medida que o trnsito se complica, a velocidade mdia dos veculos menor, a produtividade cai, aumentando o custo operacional.

LTIMA MILHA ENTREGAS CONJUNTAS So reforadas, com o compartilhamento de informaes, trazendo resultados positivos na distribuio fsica.

LTIMA MILHA LOJAS PEQUENAS Aumentar o volume de vendas para as lojas, reduzindo o nmero de entregas.

LTIMA MILHA DIFCIL ACESSO Fazer com que o consumidor se dirija a um ponto pr - estabelecido para entregar ou receber uma encomenda.

LTIMA MILHA CUSTO o custo da ltima milha superior a transferncia a longa distncia com carga fechada. estima-se que essa fase final da entrega urbana represente um acrscimo entre 40% e 70% por unidade transportada.

LTIMA MILHA Representa a maior parte dos custos da cadeia de distribuio em B2C - business to consumer 65% 100% ( comrcio entre empresas e o consumidor )LTIMA MILHA

10% 20% 5%

DISTRIBUIDOR TRANSFERNCIAS DISTRIBUIDOR NACIONAL REGIONAL

ENTREGA LOCAL

TOTAL

FONTE: Anlises Booz-Allen & Hamilton,Inc. Booz-

CITY LOGISTICS Durante os anos 90, alguns pases europeus (Alemanha, Holanda, Blgica, Sua e Dinamarca) deram incio a projetos pilotos referentes a modelos alternativos para a distribuio nos centros urbanos.

CITY LOGISTICS No final dos anos 90 : Percebeu-se a urgncia da ento city logistics como nova rea de planejamento de transportes para razo de buscar o equilbrio entre a eficincia requerida pelo transporte urbano de carga: os custos sociais envolvidos. os congestionamentos de trfego. os impactos ambientais. a conservao de energia.

CITY LOGISTICS As boas experincias observadas nos transportes: motores menos poluentes (eltricos e gs natural). treinamento de pessoal ( motoristas e ajudantes ). adoo de meios de transportes ambientalmente mais favorveis. reduo do nmero de veculos circulando.

CITY LOGISTICS Estudos mostram : PROBLEMA A subutilizao dos caminhes ( baixa mdia de carregamento) MINIMIZAR Reduzir congestionamentos e aumentar a mobilidade por meio do controle do nmero e dimenso dos veculos que operam dentro da cidade.

CITY LOGISTICS Estudos mostram : MINIMIZAR Aumento na eficincia dos movimentos de carregamentos. Diminuio da poluio e dos nveis de rudo, contribuindo com o Tratado de Kyoto. Melhorar as condies de vida dos habitantes.

CITY LOGISTICS CONCEITO : Solues integradas entre iniciativa privada e poder pblico para as entregas urbanas e uso intensivo de tecnologia.

CITY LOGISTICS DEFINIO Processo para a completa otimizao das atividades logsticas e de transportes pelas companhias privadas em reas urbanas, considerando o aumento e o congestionamento do trfego e o consumo de combustvel dentro de uma estrutura de economia de mercado. ( Taniguchi )

CITY LOGISTICS SISTEMA Atravs da estratgia de coperao entre embarcadores, transportadores,operadores logsticos, governos, orgos pblicos e comunidades, considerado como o mais eficiente processo de distribuio

CITY LOGISTICSAs dificuldades de distribuio nas grandes cidades:

prestadores de servios logsticos precisam reduzir seus custos. setor pblico tenta aliviar o congestionamento e os problemas ambientais.

Em resposta a essas dificuldades, uma das solues unir foras para aplicar o conceito de city logistics.

A city logistics prev um conjunto de tcnicas e projetos. Por meio do envolvimento de aes pblicas e privadas, objetivam a reduo no nmero total de viagens por caminhes nos centros urbanos. Minimizam os impactos negativos, na questo do planejamento urbano.

INICIATIVAS : discutir a reserva de vagas de estacionamentos para caminhes que faro vrias entregas em um mesmo quarteiro. debater sobre leis de zoneamento. sistemas de informaes avanados sobre o trnsito. sistemas de cooperao de transportes. terminais logsticos pblicos. uso compartilhado de veculos de carga.

INICIATIVAS : sistemas subterrneos de transporte de carga. reas de controle de acesso. o uso de caixas de recepo ( drop-boxes ) cooperativas de transportadores ( elegem um parceiro neutro para realizar entrega das mercadorias no centro da cidade ) . diminuio do nmero de emisses de monxido de carbono.

DISTRIBUIO INTER E INTRA URBANA DE CARGAS

CITY LOGISTICS DESENVOLVIMENTO DE MEDIDAS

COMPANHIAS AUTORIDADES POPULAO

MEIO FSICO USO DO SOLO LEGISLAO NVEL DE SERVIOS

TRANSPORTE INTERINTER-MUNICIPAL INDUSTRIA IMPORTADORES FORNECEDORES ARMAZNS ARMAZNS ATACADISTAS DISTRIBUIDORES TERMINAIS

EFEITOS EXTERNOS

AMBIENTE

DEPSITOS VAREJISTAS OUTRAS COMPANHIAS SETOR PBLICO MORADORES

TRANSPORTE INTRAINTRA-MUNICIPAL

FLUXO DE RETORNO E RECICLAGEM

FLUXO DE DINHEIRO FLUXO DE INFORMAES

Resultado de um estudo na Alemanha : reduo de 48% no nmero de horas de operao reduo de 51% no nmero de caminhes nas entregas nos centros urbanos. queda de 40% 70% no nmero de milhas percorridas por caminhes. reduo de 11% da quantidade de entregas. FONTE : EUROPEAN COMMISSION - 2009

CITY LOGISTICS

Experincias recentes no Japo e na Europa: reduo no nmero de viagens de entregas de cargas. reduo do nmero de viagens de caminhes vazios. cooperao entre os setores pblicos e privados com vistas ao aumento da eficincia do transporte urbano de cargas.

CITY LOGISTICS

Experincias recentes no Japo e na Europa: cooperao entre empresas organizando redes de servios logsticos. funo de novas infra-estruturas, como transporte subterrneo de carga. como dar suporte s decises polticas com ferramentas suficentes.

CITY LOGISTICSPolticas de abastecimento urbano no Brasil : o poder pblico desperta para a necessidade de planejar e debater. percebem a importncia de envolver prestadores de servios, industrias, transportadores,especialistas. desenvolver polticas voltadas para logstica de abastecimento. delimitao de zonas de restrio em So Paulo para circulao de caminhes na rea central.

CITY LOGISTICS lti tr i t it Tr Tr O S l i ... t f i f ii b t i i r t l fl l r rb ri C Br il:

,S , it l. . ( it

CITY LOGISTICS Polticas de abastecimento urbano no Brasil: instalao dos Centros Logsticos Integrados estaro localizados na periferia abrigando empresas de servios logsticos. formao de um anel virio Curitiba atravs de vias existentes com semfaros inteligentes, sinalizao, alargamento, nova pavimentao. na cidade do Rio de Janeiro, um grupo de estudo com representantes da prefeitura e de sindicatos de carga discutem uma nova regulamentao da legislao.

CITY LOGISTICSDificuldades encontradas pelos prestadores de servios: trnsito catico nos centros urbanos. criminalidade e roubos de cargas. restries de tipo de veculos e placas em algumas regies. ruas e avenidas com pavimentao precria. falta de vagas de estacionamento para carga e descarga.

CITY LOGISTICSDificuldades encontradas pelos prestadores de servios: restrio de horrio de descarga imposta por alguns shoppings. entraves no acesso em ruas, em favelas nmero de difcil identificao, nomes incompletos do destinrio. cogestionamentos que exigem um aumento de rotas. via de acesso doca muito estreita. fios da rede pblica de eletricidade muito baixos dificultando entrada de carretas.

CITY LO I TICMedidas adotadas elos restadores de ser i os Marti - rower , operador logsti o do McDonalds tem das ati idades concentradas nas cidades, principalmente no io de janeiro e o aulo. planejamento ue engloba prazos de entregas mais curtos, rastreamento ia , eculos com portas laterais e plataformas para descarga, carrinhos para locais de difcil acesso.

CITY LOGISTICSMedidas adotadas pelos prestadores de servios Martin-Brower as entregas so feitas em dias e horrios previamente fixados. tolerncia mxima permitida de 30 minutos. os horrios so negociados em mdia duas vezes por ano com cada um dos restaurantes. leva-se em conta a demanda, as janelas de entregas e as restries de trfego.

CITY LOGISTICSMedidas adotadas pelos prestadores de servios: Universe Distribuidora MG abastece as maiores cidades do Estado, com mais de 100.000 habitantes, que representam 30% do faturamento da empresa. os clientes dos grandes centros necessitam de rapidez e pontualidade. na regio metropolitana de BH as entregas so realizadas em at 12 horas ou 4 horas. ou em horrios especficos agendados aps 18 horas.