Grupo 5 História, Sociologia e Redação .A partir da matéria transcrita acima, que faz uma discussão

Embed Size (px)

Text of Grupo 5 História, Sociologia e Redação .A partir da matéria transcrita acima, que faz uma...

  • UNIOESTE - Universidade Estadual do Oeste do Paran

    Grupo 5Histria, Sociologia e Redao

    Candidato: Curso:

    Cotista:

    Local de Prova:

    Cidade de Prova: Sala de Prova: Carteira de Prova:

    Observaes

    1. CADERNO DE PROVAS: Este caderno possui a prova de REDAO e a prova deCONHECIMENTOS ESPECFICOS do concurso vestibular, sendo esta ltima constituda porduas matrias (apresentadas em ordem alfabtica), dentre as quais podem estar Biologia,Espanhol, Filosofia, Fsica, Geografia, Histria, Ingls, Literatura, Matemtica, Portugus,Qumica, Sociologia de acordo com a escolha do curso feita pelo candidato. Cada matria possuidoze questes objetivas; cada questo tem cinco alternativas (A, B, C, D, E), das quais apenasuma est correta. Verifique agora se a impresso deste caderno est perfeita e se contm as 24questes que deve conter e o caderno relativo Prova de Redao.

    2. CARTO DE RESPOSTAS: A partir das 9:30 horas, voc receber o carto de respostaspersonalizado com seu nome e nmero de inscrio e a folha da verso definitiva da redao.Verifique se esto corretos o seu nome e o seu nmero de inscrio. Se esses dados estiveremcorretos, assine somente o carto. Caso haja algum erro, notifique-o imediatamente ao fiscal. Emseguida, leia as instrues para o correto preenchimento das respostas.

    3. PREENCHIMENTO DO CARTO DE RESPOSTAS: Somente uma alternativa pode serassinalada. Ser anulada a questo sem alternativa assinalada ou com duas ou mais alternativasassinaladas. Para preencher, necessrio utilizar a caneta de tinta preta fornecida pelos fiscais,sendo vedado o uso de qualquer outro tipo de caneta.

    4. PERMANNCIA NA SALA: vedado sair da sala de provas antes das 10:00 horas, sob penade desclassificao. O trmino da prova s 12:30 horas, impreterivelmente, sob pena dedesclassificao. No h previso de horrio extra para o preenchimento do carto de respostas.

    5. ENTREGA DO MATERIAL E GABARITO: Ao retirar-se da sala, voc dever entregar ocaderno de provas, o carto de respostas e a verso definitiva da redao. Pode, contudo, levarconsigo a folha de identificao da carteira, onde permitido anotar as respostas dadas (paradepois conferir com o gabarito a ser fornecido pela Unioeste).

    6. TABELA PERIDICA DOS ELEMENTOS QUMICOS: A tabela consta no final da provade Qumica e pode ser consultada, se for necessrio.

    Vestibular ecolgico: em harmonia com o planeta! 1/20

  • HISTRIA1. Antiguidade um perodo da Histria do Ocidente que se inicia com o aparecimento da escrita e terminacom a queda do Imprio Romano. Dentro deste contexto podemos evidenciar as sociedades grega e romana,consideradas modelares pelo pensamento ocidental e portanto, denominadas clssicas.

    Com relao s civilizaes grega e romana, INCORRETO afirmar que

    A. eram chamados de patrcios os que descendiam das antigas famlias fundadores de Roma, nicosdetentores do status civitatis, qualidade que lhes conferia o ttulo de cidados romanos.

    B. a Polis representa um tipo original de organizao poltica que apareceu no sculo VIII antes deCristo.

    C. o Edito de Caracala publicado em 212 d.C. tornou o cristianismo a religio oficial do ImprioRomano no Ocidente.

    D. no seu princpio, a filosofia grega se ocupou do problema da origem do mundo e a razo era umconceito essencial estudado pelos gregos.

    E. o regime republicano romano acabou com a realeza e instaurou magistraturas, cargos anuais commais de um ocupante.

    Vestibular ecolgico: em harmonia com o planeta! 2/20

  • 2. Falso avanoApesar de bater recordes de pblico, a Parada Gay de So Paulo no sinnimo somente de avanos contraa intolerncia. Luiz Mott mostra o fundo histrico da homofobia. As ruas lotadas durante as manifestaesenganam. Por mais que eventos como a Parada Gay de So Paulo mostrem que h avanos, a intolernciaainda no coisa do passado. Isto fica claro no apenas em episdios como as bombas e espancamentos noevento da ltima semana. Mais do que um episdio isolado, este tipo de violncia uma mrbida rotina nopas. Ao mesmo tempo em que sedia a maior manifestao das minorias sexuais do mundo, o Brasiltambm bate recordes de assassinatos contra homossexuais. Assim como o do pblico da Parada, estenmero tambm no para de crescer. Apenas do ano passado para o atual, o aumento foi de mais de 55%,segundo o historiador Luiz Mott, ativista h dcadas do movimento GLBT (gays, lsbicas, bissexuais etransgneros) e pesquisador da Inquisio e perodo colonial. 'Os assassinatos so o resultado maisdramtico desta homofobia generalizada que se manifesta atravs de insultos, agresses fsicas,discriminao no Exrcito, Igreja etc. O judasmo e o cristianismo so os culpados pelo sangue derramadode milhares de homossexuais desde que, h quatro mil anos, Jav decretou a pena de morte porapedrejamento ao homem que dormir com outro homem como se fosse mulher', diz. Mott afirma ainda que,apesar da posio do Papa Bento XVI, defensor da homossexualidade como algo 'intrinsecamente mal', acerca de quatro dcadas, h um fortalecimento das interpretaes bblicas que consideram as condenaeshomofbicas como frutos de erros de traduo e posturas machistas. Incrivelmente, os avanos na cinciademoraram ainda mais. Formas minoritrias de expresso sexual eram vistas como doena desde o sculoXIX at muito recentemente: a homossexualidade deixou de ser caracterizada como patologia apenas em1985 pelo Conselho Federal de Medicina, em 1993 pela Organizao Mundial de Sade e em 1999 peloConselho Federal de Psicologia. Hoje, a disputa corre no Senado, onde tramita o projeto de lei 122/2006. Anorma sugere a criminalizao da homofobia. Como de costume, no faltam opositores. Segundo LuizMott, a aprovao no ser fcil, pois existem diversos 'senadores que boicotam as iniciativas em defesados GLBTs, estimulando jovens machistas a espancar os corpos dos Marcelos Campos [jovem que foiagredido at a morte na ltima Parada Gay] da vida'. O historiador completa com uma perspectiva poucootimista: - A Marta Suplicy j declarou que o Brasil est em pior situao do que diversos pases vizinhos,como Argentina, Chile e Equador, que j garantiram diversos direitos legais aos homossexuais.

    (BELISRIO, Adriano. Observatrio. In: Revista de Histria da Biblioteca Nacional. Disponvel em http://www.revistadehistoria.com.br/v2/home/?go=detalhe&id=2462, acessado em 29 de junho de 2009).

    A partir da matria transcrita acima, que faz uma discusso sobre essa problemtica contempornea derepercusso na Histria do Brasil recente, assinale a alternativa correta.

    A. O autor do texto responsabiliza a Parada Gay de So Paulo pelo aumento do nmero de assassinatoscontra homossexuais.

    B. O autor do texto defende a caracterizao da homossexualidade como patologia, tal como fazia oConselho Federal de Medicina at 1985.

    C. O autor do texto aponta Marta Suplicy como a principal articuladora dos movimentos homossexuaisconstitudos na Argentina, no Chile e no Equador dos ltimos tempos.

    D. O autor do texto conclui que o problema da violncia contra minorias homossexuais surgiu no sculoXIX, cuja soluo dependeria da aprovao, pelo Senado, do Projeto de Lei 122/2006, que buscacriminalizar a homofobia.

    E. O autor avalia o sucesso da Parada Gay de So Paulo pelo crescimento do seu pblico, ainda quetenham aumentando os casos de violncia contra homossexuais, a exemplo do jovem MarceloCampos, morto na ltima manifestao, em junho de 2009.

    Vestibular ecolgico: em harmonia com o planeta! 3/20

  • 3. O corte ou poda das erveiras feito manualmente com faco ou foice. Existem rvores com mais dedoze metros de altura. Geralmente o corte realizado por homens, sendo que mulheres e crianas ficamreunindo os galhos cortados em feixes que sero levados para a operao do sapeco. O corte mutila, masno prejudica a rvore que levar de at cinco anos para se regenerar e sofrer novo processo de corte. Osapeco feito sobre fogo, a ao rpida das labaredas faz com que as folhas percam parte de sua umidade,evitando que ela escurea e adquira um sabor desagradvel. Aps isso a erva submetida a uma secagemque dura de dez a doze horas, em instalaes de calor intenso, como um forno e sem contato com a fumaa.Terminada a secagem, a erva triturada e fragmentada, depois peneirada. A atividade do produtor localtermina com o peneiramento da erva-mate, que assim se constitui na matria-prima para os engenhos debeneficiamento.

    (COSTA, Samuel da. A erva-mate. Curitiba: Farol do Saber, 1995, p. 26-27.)

    O trecho descrito acima refere-se a um importante ciclo econmico paranaense, denominado de ciclo daerva-mate. Sobre esse ciclo, assinale a alternativa correta.

    A. O incio das atividades industriais no Paran deu-se a partir do beneficiamento da erva-mate nosengenhos que comearam a funcionar no sculo XIX.

    B. A ocupao do territrio paranaense no sculo XVII deu-se atravs das bandeiras que partiam de SoVicente para a regio ervateira.

    C. O ciclo da Erva Mate contribuiu para a formao de cidades como Castro, Palmeira, Ponta Grossa,Lapa, Guarapuava e Palmas.

    D. Descendentes de imigrantes italianos e alemes do Rio Grande do Sul, a partir da dcada de 1940,migraram do Sul para o Norte, avanando pelo oeste paranaense para se dedicarem a esse cultivo.

    E. Com a descoberta da terra roxa no norte do Paran, a economia ervateira ganhou um grandeimpulso, principalmente com a vinda de agricultores paulistas e mineiros.

    Vestibular ecolgico: em harmonia com o planeta! 4/20

  • 4. Um Pas em Preto e Branco

    Est em andamento no Brasil uma tentativa de genocdio racial perpetrado com a arma da estatstica. Acampanha liderada por ativistas do movimento negro, socilogos, economistas, demgrafos, organizaesno-governamentais, rgos federais de pesquisa. A ttica muito simples. O IBGE decidiu