Guia de Bolso DESEQUILBRIO E VERTIGEM de Bolso 1 3 DESEQUILBRIO E VERTIGEM INTRODUO Tontura uma queixa bastante prevalente na populao idoso, chegando a acometer 85% desta populao
Guia de Bolso DESEQUILBRIO E VERTIGEM de Bolso 1 3 DESEQUILBRIO E VERTIGEM INTRODUO Tontura uma queixa bastante prevalente na populao idoso, chegando a acometer 85% desta populao

Guia de Bolso DESEQUILBRIO E VERTIGEM de Bolso 1 3 DESEQUILBRIO E VERTIGEM INTRODUO Tontura uma queixa bastante prevalente na populao idoso, chegando a acometer 85% desta populao

  • View
    216

  • Download
    3

Embed Size (px)

Text of Guia de Bolso DESEQUILBRIO E VERTIGEM de Bolso 1 3 DESEQUILBRIO E VERTIGEM INTRODUO Tontura uma...

  • Guia de Bolso

    1 3

    DESEQUILBRIO E VERTIGEM

    INTRODUO Tontura uma queixa bastante prevalente na populao idoso, chegando a acometer 85% desta populao. de grande relevncia pelo fato de associar-se ao aumento da morbidade e da mortalidade, visto ser um fator de risco importante para quedas, dependncia funcional, depresso e piora da qualidade de vida. Sua etiologia multifatorial, podendo se manifestar como desequilbrio, vertigem, pr-sncope ou tontura inespecfica. FISIOPATOLOGIA Reduo dos receptores sensoriais no aparelho vestibular (canais

    semicirculares, sculo e utrculo) nervos proprioceptivos e retina Reduo do nmero de sinapses Declnio da viso

    A vertigem tambm pode ser classificada em perifrica ou central, conforme demonstrado a seguir:

    Sistema vestibular

    Manuteno do equilbrio Estabilizao da viso durante movimentos ceflicos e oculares. Percepo de movimento na orientao espacial

    DM Deficincia de Vit.B12 Desordens degenerativas cervicais

    Sistema proprioceptivo

    Promove informaes sobre modificaes na posio do corpo e ajuda na resposta a esta modificao Receptores das articulaes, nervos perifricos, coluna e SNC

    Catarata Degenerao macular Glaucoma Lentes bifocais

    Viso

    Fornece importante informao sobre orientao espacial e essencial quando o sistema vestibular ou a propriocepo est deficiente

    Cerebelo e tronco cerebral

    Atravs das sinapses, recebem informaes e as enviam aos msculos esquelticos

    CLASSIFICAO A tontura classificada em: vertigem, pr-sncope,desequilbrio e tontura inespecfica.

    DESEQUILBRIO sensao de queda iminente ou instabilidade na ausncia de qualquer sintoma anormal na cabea ao ortostatismo. Desaparece nas posies sentada ou deitada. Ocorre sensao de balano maior nas extremidades ou tronco que na cabea.

    PR-SNCOPE h sensao de desfalecimento ou de desmaio que normalmente de instalao aguda e acompanhada de zumbidos, reduo da viso, palidez, diaforese, nuseas e sensao pernas instveis.

    TONTURA INESPECFICA inclui os sintomas que no so identificados com vertigem, pr-sncope ou desequilbrio. Possuem intensidade leve e, frequentemente, so descritos com impreciso pelo paciente

    VERTIGEM a sensao de rotao que pode ser do ambiente em relao ao corpo ou vice- versa. Tem instalao aguda e pode estar acompanhada de nuseas, vmitos, palidez e tremor. Independe da posio e no h perda da conscincia.

    2

    Sinais e sintomas Perifrica Central

    Nuseas e vmitos Intensos Moderados

    Ataxia Rara Comum

    Reduo da audio Comum Rara

    Raros Comuns

    Recuperao Rpida Lenta

    Sintomas neurolgicos

    ETIOLOGIA Principais causas de tontura: Distrbios do sistema vestibular perifrico Desordens do SNC Distrbios psiquitrico Desordens sistmicas Frmacos Desordens ortopdicas Distrbios visuais e auditivos Envelhecimento

    Desordens vestibulares I- Doena de Menire: Doena de etiologia desconhecida que se manifesta pela trade vertigem recorrente, zumbidos e perda auditiva. unilateral e progressiva e pode ter sintomas como nuseas, vmitos e cefalia associados. II- VPPB: a causa mais comum de tontura rotatria. Possui incio agudo, manifesta-se quando h rotao da cabea e melhora em 1minuto, normalmente. Movimentos simples como rolar ou levantar da cama, vestir-se, calar os sapatos podem desencadear a vertigem. III- Vestibulopatia recorrente: H episdios recorrentes de vertigem sem sinais ou sintomas auditivos ou neurolgicos. IV- Neuroma do acstico: um tumor no VIII par craniano (vestbulococlear). Manifesta-se por zumbidos, perda auditiva progressiva unilateral principalmente para sons de alta freqncia. H tambm instabilidade. Os tumores grandes ocasionam cefalia occipital, diplopia, parestesia no trigmeo/facial e marcha atxica. V- Labirintite: Desenvolve-se em perodo de minutos a horas e pode associar-se com infeco sistmica do ouvido ou meninge. Na avaliao do paciente evidencia-se nistagmo espontneo, teste de Dix-Hallpike positivo e instabilidade postural. VI- Vertigem cervical: episdica, deriva de doena cervical e desencadeada por movimentos de extenso do pescoo. Tambm acomete os indivduos que possuem cifose importante ou intensas contraturas cervicais. Ocorre pela compresso vascular extrnseca que promove reduo da perfuso cerebral e/ou por alterao na retroalimentao proprioceptiva nas articulaes e nos receptores musculares do pescoo, como acontece na osteoartrite da coluna cervical. Causas psiquitricas Ansiedade e depresso

  • 7

    6 8

    5

    Dentre os testes provocativos destacam-se: Manobra de Dix-Hallpike: VPPB Teste para hipotenso ortosttica: Hipotenso ortosttica Caminhar e girar o corpo: Comprometimento

    multissensorial Rotao de Barany: Acometimento sistema nervoso

    perifrico Hiperventilao: ansiedade TRATAMENTO O tratamento consiste em corrigir as doenas sistmicas, os dficits sensoriais, tratar os quadros de depresso e ansiedade, substituir ou reduzir o uso dos frmacos potencializadores de tontura. Nos casos selecionados, pode-se instituir teraputica farmacolgica especfica.

    Desordens do SNC I- Ataque isqumico transitrio e acidente vascular enceflico com acometimento vrtebro-basilar. Manifestam-se por tonteira rotatria ou no, diplopia ou disartria, fraqueza, parestesia. II- Doena de Parkinson, migrnia, hidrocefalia de presso normal, esclerose mltipla, epilepsia, DA, demncia frontotemporal, demncia corpos de Lewy. Causas sistmicas Hipotireoidismo Anemia Distrbio hidroeletroltico HAS, Coronariopatia, arritmia DM Hipotenso ortosttica: a queda presso arterial (PA) sistlica maior ou igual a 20mmHg e/ou da PA diastlica maior ou igual a 10mmHg ou qualquer queda da P.A associada a sintomas tpicos aps permanecer na posio supina. Hipotenso ps-prandial: a queda PA sistlica maior ou igual a 20mmHg 1 a 2 horas aps a alimentao. Sndrome do Desequilbrio do Idoso (SDI) Tambm denominada de Presbiastasia ou presbivertigem uma consequencia natural do envelhecimento que acomete os rgos responsveis pelo equilbrio.

    Frmacos Antihipertensivos:Bloqueadores dos canais de clcio,

    nitratos,hidralazina, diurticos Antiarrtmicos Anticonvulsivantes Ansiolticos Antidepressivos tricclicos Antihistamnicos Antigripais Antibiticos (aminoglicosdeos, macroldeos, vancomicina) Antiinflamatrios no esteroidais Opiides Insulina Hipoglicemiante oral Quimioterpico: cisplatina

    AVALIAO Na histria h diversos dados de grande importncia como: Caractersticas da tontura Incio agudo ou insidioso Frequncia e durao do sintomas Presena de fatores precipitantes Presena de sintomas associados Comorbidades pr-existentes Frmacos em uso, incluindo dose total diria Diagnstico prvio de depresso e/ou ansiedade

    O exame fsico, como de todo paciente, deve ser completo com enfoque: Viso Audio Presso arterial deitado, em p Ausculta cardiovascular atentando para a presena de arritmia,

    sopro Presena de sopros e alterao da mobilizao cervical Exame neurolgico: pares cranianos, sistemas sensitivo e motor,

    marcha e equilbrio

    PATOLOGIA TRATAMENTO

    VPPB Reabilitao vestibular: Manobra de Epley

    Labirintite Exerccios vestibulares, tratamento sintomtico

    Sndrome de

    Mnire

    Hiroclorotiazida 50mg/dia

    Restrio de sdio, cafena e fumo

    Casos graves: cirurgia

    Vertigem cervical Fisioterapia

    Hipotenso

    ortosttica

    Fisioterapia

    Orientaes

    Leso vestibular

    grave unilateral

    no cirrgica

    Lorazepam 0,5-2mg 2/3X/dia

    Vestibulopatia

    perifrica

    recorrente

    Dicloridrato de betaistina-16mg 3x/dia ou 24mg

    2x/dia

    Clonazepam-0,5mg 2x/dia

    Cinarizina-25mg 3x/dia

    Flunarizina-10mg/noite

    Ginkgo biloba-40 a 80mg 3x/dia

    Meclizina- 12,5-25mg 3x/dia

    Dimenidrato- 25/100mg 2 a 3 X/dia

    Prometazina- 12,5/50 mg 2/3 x/dia

    -Tem sonolncia como efeito colateral merecendo cautela nos idosos - Seu uso em idosos de forma crnica relaciona-se com parkinsonismo

    RESUMINDO 1 Passo: Identificar, atravs da anamnese, se a tontura vertigem, desequilbrio, pr-sncope ou tontura inespecfica 2Passo: Buscar ativamente, no exame fsico, alteraes que se relacionam com tontura 3 Passo: Solicitar, se necessrio, exames complementares e testes provocativos 4 Passo: Tratar adequadamente a tontura