Guia pratico

Embed Size (px)

Text of Guia pratico

  • 1. A foto na capa, mostrando um beija-flor tesouro (Eupetomena macroura), foi gentilmente cedida para a presente publicao por Johan Dalgas Frisch e Christian Adam Dalgas Frisch, autores de Jardim dos beija-flores (So Paulo, Dalgas-Ecoltec, 1995).

2. Guia Prtico do Observador de Aves Autor: Mrcio Amorim Efe Prefcio: Edison Baptista Chaves Apoio: CEMAVE / IBAMA 1999 SUMRIO Prefcio Seja um naturalista amador e melhore sua qualidade de vida..............................3 I - Caractersticas morfolgicas das aves e seus ambientes - Caractersticas principais............................................................................6 - Diversidade estrutural das aves..................................................................7 - DIversidade de hbitats...............................................................................8 - DIversidade alimentar..................................................................................9 - Migrao....................................................................................................10 - Tipos de ninho...........................................................................................12 - Tipos de ovo..............................................................................................15 - Tipos de filhotes.........................................................................................15 II - Tcnicas e equipamentos para observao de aves - Como observar..........................................................................................16 - Binculos...................................................................................................16 - Lunetas......................................................................................................17 - Mquina Fotogrfica..................................................................................17 - Gravador....................................................................................................17 - Roupas e comportamentos adequados.....................................................18 - Quando Observar......................................................................................19 - O que observar..........................................................................................19 - Identificao, livro de texto e guias de campo...........................................24 III - Avifauna existente na regio da Serra do Tabuleiro.....................27 IV - Sobre a PROAVES..................................................................................38 V - Sobre o Autor............................................................................................40 3. Prefcio Seja um naturalista amador e melhore sua qualidade de vida "No final, conservaremos apenas o que amamos, amaremos apenas o que compreendemos, compreenderemos apenas o que nos houver sido ensinado." Baba Dioum, conservacionista senegals citado no exemplar de fev/99 do National Geographic Magazine. A observao de aves uma alternativa de lazer que ainda no tem muita divulgao no Brasil. A PROAVES aceitou o desafio de ser parceira da Rede Plaza de Hotis na iniciativa pioneira de divulgar sistematicamente, com uma orientao Especializada, esse hobby que tanto atrai as pessoas nos pases desenvolvidos. Por ser uma atividade que traz estmulo intelectual, a observao de aves muito gratificante para seus Aficcionados. Tambm envolve caminhadas ao ar livre, com maior ou menor grau de dificuldade e contato com a natureza. Ou seja, rene ingredientes que reconhecidamente so fundamentais para melhorar a qualidade de vida das pessoas. Em lugares como os Estados Unidos e Canad, os observadores de aves h tempo j esto organizados em Associaes. Renem-se para a prtica e aperfeioamento de suas habilidades de localizar e identificar as diferentes espcies de aves nos respectivos hbitats, observando seu comportamento e mantendo cuidadosos registros. Estes grupos organizam sadas de campo e viagens, publicam peridicos informativos, promovem no apenas palestras com especialistas, como outros eventos variados para divulgar suas atividades e a proteo da natureza. O contato com grande variedade de spcies um dos aspectos valorizados por esses ornitfilos, havendo competio quanto ao nmero de espcies 3 efetivamente observadas pela pessoa ao longo da sua vida. Consideram que uma lista pessoal de espcies observadas chega a um nvel respeitvel quando registra de 300 a 400 espcies de aves, sendo que h muitos ornitfilos mais viajados com listas superiores a 700 (a Amrica do Norte tem mais de 850 e s p c i e s d e a v e s ) . E m c a t e g o r i a e s t o o s campeonssimos que j observaram quase todas aves conhecidas, mais de 7.000 espcies H tambm associaes especializadas que renem observadores com interesse especfico em determinada espcie ou em um grupo particular, como aves diurnas de rapina, ou pertencentes a um hbitat especfico como a costa martima, ou de certa famlia, ou de hbitos migratrios, etc. Essas pessoas, organizadas em quase uma centena de sociedades ornitolgicas, birding clubs, seces da Sociedade Audubon, e associaes profissionais, movimentam um setor respeitvel da economia, pois para aprofundar -se em seu hobby procuram literatura especializada (manuais, guias de campo, peridicos, mapas), discos, fitas de udlo e vdeo, equipamento ptico, fotogrfico, de filmagem e gravao, e artigos para prover com abrigo, alimento e gua, as aves silvestres que freqentam seus quintais. Para comear, porm, basta um binculo adequado. O americano Roger Tory Peterson, o decano dos Observadores de aves, afirmou, na dcada de 70, que, dependendo do critrio utilizado para definir uma pessoa como observador de aves (isto , que grau de envolvimento na atividade deve ser considerado como suficiente para arrolar a pessoa na categoria), estimava o nmero de aficcionados, nos Estados Unidos, em algo entre dois milhes e quarenta milhes de pessoas 4 4. O Brasil, com suas mais de 1.677 espcies de aves j identificadas, oferece invejveis oportunidades para o observador de aves. No Parque Estadual da Serra do Tabuleiro h registros de mais de 250 espcies de aves. No Hotel Plaza Caldas da Imperatriz, cercado por paradisacos jardins e pela Mata Atlntica, desfrutando os benefcios de guas termais de qualidades internacionalmente reconhecidas, voc pode iniciar-se nesse esplndido hobby que a observao de aves. Melhore sua qualidade de vida: percorra nossos jardins ou escolha as trilhas na mata, e comece agora mesmo a fazer anotaes em sua caderneta de campo! Edison Baptista Chaves Diretor da Rede Plaza de Hotis 5 I - Caractersticas Morfolgicas das Aves e seus Ambientes - Caractersticas principais As aves so seres vivos que pertencem ao grupo dos vertebrados e apresentam caractersticas marcantes que as separam dos outros animais. Todas as aves apresentam BICO, porm outros animais como o ornitorrinco e a tartaruga tambm possuem estruturas semelhantes. Todas as aves apresentam ASAS, que podem ter a funo de vo ou natao. No entanto, os morcegos tambm possuem asas e as utilizam para voar. Os filhotes das aves desenvolvem-se em OVOS, entretanto as cobras, tartarugas e jacars, reproduzem-se da mesma maneira. Como vimos, apesar destas caractersticas serem mais comumente lembradas por todos, quando nos referimos s aves, elas no so, individualmente, as caractersticas que separam as aves dos outros grupos animais. A nica caracterstica que exclusiva das aves e, portanto, est presente em todas as espcies do grupo e ausente nos demais grupos animais, a PENA. Com funo de permitir o vo e promover isolamento trmico, as penas cobrem o corpo das aves e podem ser divididas em: Penas de contorno=> pequenas penas e penugens existentes que cobrem o corpo e tem como funo principal a proteo e o isolamento trmico. Penas de vo=> principais penas das asas e cauda, responsveis pelo vo. Penas de adorno=> penas modificadas com a funo de atrair 6 5. o parceiro na poca do acasalamento. Penas sonoras=> penas modificadas para a produo de sons. Utilizadas tambm na poca do acasalamento. Cerdas=> penas modificadas em forma de "pelos", semelhantes a bigodes em algumas espcies. Tm funo protetora e sensitiva, utilizadas para auxiliar a captura de insetos. - Diversidade estrutural das aves As diversas espcies de aves esto adaptadas para a sobrevivncia nos diversos ecossistemas existentes no Planeta. Por isso, ao longo de sua evoluo, desenvolveram diversos mecanismos de adaptao aos ambientes onde vivem. Algumas dessas adaptaes podem ser visualizadas nas vrias formas de bico, asas, caudas e ps das aves. Tipos de bicos Os tipos de bicos esto relacionados ao tipo de alimento que a ave consome e a maneira como esse obtido e aproveitado. Algumas aves podem apresentar bicos finos e pontudos para a captura de peixes, (martim-pescador, garas, aves marinhas), achatados e largos para filtrar a gua ou pastar no fundo dos rios e lagos, como as marrecas e patos. Os gavies e corujas apresentam bicos fortes, curvos e pontudos, utilizados para rasgar a carne de suas presas. Os beija-flores tm bicos finos e longos, curvos ou retos que so usados para alcanar o nctar no interior das flores Os papagaios, periquitos e araras possuem bicos fortes e curtos e podem quebrar frutos duros. Alguns passarinhos possuem bicos pequenos e finos, porm potentes no aproveitamento de gros, insetos e frutos. 7 Tipos de asas De acordo com o ambiente onde vivem, as aves apresentam asas que facilitem seu deslocamento em busca de alimentos, stios reprodutivos ou na defesa de seu territrio. As grandes aves que vivem em ambientes abertos e voam alto apresentam asas grandes e largas e desenvolvem vos batidos e pesados. Como exemplo podemos citar o urubu, o tuiui, a cegonha, a gara-branca-grande, o colhereiro, o flamingo, etc. As aves menores, que vivem em meio mata, em florestas densas, como a maioria dos passarinhos, geralmente, apresentam asas pequenas que do agilidade e rapide