Haiti - Revolução Negra

  • View
    199

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

CEFETMG BH Prof. SANTIROCCHI

Situando geograficamente:20

Haiti Amrica Central

Nassau

So Domingos

Havana

Rep. Domicana (espanhola) Haiti (francesa)Port-au-Prince Kingston

I.Cayman(RU)

Belmopan

Tegucigalpa

Guatemala

Mangua

So Salvador

So Jos

HAITI

REVOLUO NEGRAA ilha onde se situa o Haiti foi descoberta por Colombo, na sua primeira viagem Amrica. Ele a denominou Hispaniola. Na ilha foi encontrado ouro, o que levou a escravizao dos ndios nativos. Eles acabaram completamente exterminados. Posteriormente a ilha foi denominada So Domingos e dividida entre franceses (1697 - lado esquerdo) e espanhis (lado direito).

REVOLUO NEGRAUma das colnias mais ricas do Ocidente.

Na ilha se produzia caf, anil, cacau, algodo, mas sobretudo ACAR. O acar de So Domingos era produzido com o mais eficiente sistema de produo e explorao da mo de obra escrava, que veio substituir os ndios dizimados. O acar de So Domingos era o mais competitivo.

REVOLUO NEGRA

Numa populao de 536 mil habitantes, 480 mil eram escravos. Os outros 56 mil eram brancos e mulatos livres (estes ltimos eram minoria).

REVOLUO NEGRA

Negros Brancos

Escravos Proprietrios

Mulatos Livres Discriminados pelos Brancos e no aceitavam serem comparados com o Negros.

REVOLUO NEGRAPara manter a alta produo de acar, que chegou a representar dois teros de todo o comrcio francs, os escravos eram mantidos em situaes degradantes.As longas jornadas de trabalho, juntamente com a fome e as doenas, marcavam as condies desumanas a que eram submetidos os escravos. O auto ndice de mortalidade alimentava o trfico constante.

Dos 480 mil escravos, no momento em que explode o levante, a maioria tinham chegado da frica nas ltimas dcadas (200mil nos ltimos 10 anos e 280 mil nos ltimos 30 anos. A frica ainda estava viva nesta populao.

REVOLUO NEGRAEsta situao criou um sentimento de dio e repugnncia aos brancos e seu sistema escravista mercantilista.Desejo De Vingana

Culmina Numa Revoluo Social

REVOLUO NEGRAREVOLUO FRANCESA Liberdade, Igualdade e Fraternidade para o BRANCOSIluminismo a razo se torna o melhor meio para se obter a liberdade e a autonomia. A revoluo Francesa venceu o absolutismo, guilhotinado o Rei e elaborando a Declarao dos Direitos do Homem e do Cidado. Os jacobinos declararam o fim da escravido nas colnias (4 de fevereiro de 1794, na Conveno Nacional). Estes acontecimento provocaram agitaes na Ilha de So Domingos. Os mulatos e negros livres achavam que essa era uma oportunidade nica de eliminar os preconceitos raciais. Porm, engana-se quem imagina que eles tambm queriam a liberdade dos escravos muitos deles eram proprietrios de escravos.

REVOLUO NEGRAVicent OgNegro liberto. Ele mantinha contato com os franceses revolucionrios e tambm com associaes contra o racismo no Haiti. Reivindicou os direitos dos homens livres negros e mulatos na colnia, mas no conseguiu alcanar seus objetivos. Organizou, ento, uma rebelio (17901791), juntamente com alguns escravos, mas foi derrotado. Foi condenado e punido com morte. Estava clara a situao de tenso na colnia.

REVOLUO NEGRAO Levante dos EscravosEm 1791, iniciam-se os levantes dos escravos. Eles abandonam as plantaes, destroem engenhos e agridem os brancos, matando vrios proprietrios. As rebelies no tm liderana definida estabelece uma situao catica na ilha. e

Somente 3 anos depois iria aparecer uma liderana que conseguiria aglutinar os rebeldes. Toussaint Brda, nome depois mudado para Toussaint LOuverture.

REVOLUO NEGRATOUSSAINT LOUVERTUREO pai de Toussaint era filho de um chefe tribal africano, transferido como escravo para So Domingos. Seu dono percebeu suas qualidades intelectuais e deu-lhe a condio de capataz de uma turma de trabalhadores e uma esposa.

REVOLUO NEGRAO senhor de escravos, percebendo que um dos filhos tambm tinha grande dotes intelectuais, conferiulhe certos privilgios. Aprendeu a ler e a escrever, a falar o francs culto, os princpios de geometria, desenho e rudimentos de latim. Foi empregado na administrao das posses do seu senhor. Suas leituras o incentivaram a buscar a liderana da rebelio dos escravos, mergulhou nas batalhas em 1794, com 45 anos de idade.

REVOLUO NEGRAEle era baixote e feio, mas forte, e excepcionalmente habilidoso na arte de cavalgar (GORENDER, J. 2004)Logo conquistou a liderana, organizou e disciplinou as tropas e derrotou os exrcitos dos franceses, dos espanhis (que queriam conquistar a parte francesa da ilha) e os ingleses (preocupados com a contaminao da rebelio nas suas colnias antilhanas). Seus grandes companheiros de luta e comando foram: Dessalines, Henri Christophe, Maurepas, Ption e Mose, seu sobrinho adotivo.

REVOLUO NEGRA

REVOLUO NEGRAAps ter vencido os exrcitos inimigos e ter dominado a ilha Toussaint tomou algumas decises que lhe iriam custar caro: Preocupou-se insistentemente em ganhar a confiana de Bonaparte, insistindo na fidelidade a Frana e no desejo de uma aliana entre os pases revolucionrios. Porm, Bonaparte tinha planos opostos aos dos ex-escravos no referente ao regime colonial. Toussaint no percebeu que a Revoluo Francesa tinha mudado de direo... A nvel local, decidiu manter a colnia como grande produtora de acar, obrigando os ex-escravos a retornar ao trabalho compulsrio nas fazendas, para cultivar a cana. Encarregou os brancos sobreviventes da direo e orientao da produo.

REVOLUO NEGRAOposies InternasOs mulatos fizeram tentativas de alcanar o domnio na colnia, mas no tiveram sucesso. A deciso de Toussaint fazer os negros voltarem ao trabalho compulsrio e colocar os brancos como administradores, causou descontentamento na ala mais a esquerda dos rebeldes. Mose, revolucionrio radical, organizou uma revolta contra seu tio. No teve sucesso, foi aprisionado e fuzilado sumariamente, sem julgamento algum.

REVOLUO NEGRAToussaint e Leclerc Em 1801, Napoleo decidiu intervir, pretendia debelar o levante dos

negros, recolonizar So Domingos e restabelecer a escravido. Enviou, ento, 25 mil homens comandados pelo seu cunhado, o general Leclerc. Ao contrrio da expectativa dos franceses, Leclerc se defrontou com uma guerra sem trguas. Nestas lutas se destacou Dessalines ex-escravo, analfabeto, revelou maestria de grande chefe militar. O pas sofre tremenda devastao, reduzido a cinzas pelos incndios colocados propositalmente por ambas as partes. Toussaint foi aprisionado em 1802, levado para um crcere nos Alpes e morreu em 1803. O imbatvel exercito (branco) francs de Napoleo, mesmo enviando um total de 34 mil homens, foi derrotado pelos negros e pela febre amarela em 1802.

REVOLUO NEGRARadicalismo francs... Seguis vossas instrues ao p da letra, e no momento e que vos tenhais liberado de Toussaint, Christophe, Dessalines e dos principais bandidos, e as massas de negros tenham sido desarmadas, enviai ao continente todos os negros e mulatos que tenham participado nas guerras civis (...). Livrai-nos destes africanos iluminados e j no teremos mais o que recear. Instrues de Napoleo Bonaparte ao General Leclerc, 1801.

REVOLUO NEGRAIndependnciaEm 29 de novembro de 1803 os revolucionrios divulgam uma declarao preliminar de independncia. Em 31 de dezembro, foi lida a Declarao de Independncia definitiva. O nome do territrio foi mudado para Haiti Dessalines se tornou o primeiro chefe de Estado e foi coroado Imperador em outubro de 1804. Os ex-escravos ficaram livres de qualquer trabalho compulsrio e passaram a se dedicar a agricultura de subsistncia, no estilo africano. O Haiti saiu do mercado mundial do acar e foi se pauperizando, isolada pelos pases americanos e potncias europias temerosos do seu exemplo.

REVOLUO NEGRARadicalismo haitiano: Nenhum branco, qualquer que seja sua nao, colocar os ps neste territrio com o ttulo de dono ou proprietrio; e no poder no futuro adquirir propriedade alguma. Art. XII, da Constituio de 1805. In: AQUINO, Rubim Santos Leo de. et al. "Histria das Sociedades Americanas". 7 ed. Rio de Janeiro: Record, 2000.

RELIGIO VODUMuito divulgada no mundo, principalmente atravs dos muitos filmes de terror, a religio Vodu vista sempre por um ngulo extremamente negativo, pois no cinema s utilizada como instrumento para o mal. A exemplo do candombl, a religio Vodu veio da frica atravs dos escravos, no caso da primeira foram escravos vindos da Nigria (Iorubas e Bantos) que vieram ao Brasil, e no caso do Vodu os escravos vieram de Daom (os Fons) para o Haiti. Em contato com Igreja Catlica, o Vodu sofreu um processo de sincretismo, misturando suas divindades e as divindades crists. A palavra vodu deriva do termo vodun, que significa Deus ou esprito no idioma dos fons. A religio Vodu no Haiti funcionava como um elemento unificador da raa, j que possui uma concepo de vida harmnica baseada em agrupamento de pessoas tidas como grandes famlias.

RELIGIO VODUA cerimnia mais importante do Vodu na histria do Haiti foi a cerimnia Bwa Kayiman, em agosto de 1791, quando, frente a uma manifestao de uma esprito familiar, todas as pessoas presentes comprometeram-se com a lutar pela liberdade.

1804 Independncia Mortos: 200.000 negros X 43.000 franceses.

Boicote Europeu e Americano ao Haiti. Acabou influenciando na gerao do pas mais pobre do continente

De 1838 a 1883 Haiti indeniza a Frana (90 milhes francos-ouro) para evitar possveis invases. 1913 invaso de fuzileiro navais americanos. Sem investimentos externos o pas mergulha na misria... 1957 Eleio de Franois Duvalier Papa Doc (mdico vodu) com apoio (e domnio) francs. Passa a exterminar opositores(EUA) e catlicos. 1971 Jean-Clude Duvalier Baby Doc, substitui o pai. Mas em 1986 Derrubado pela populao, acusado de corrupo.

1990 Eleio do padre esquerdista, Jean Bert