Ilustra§µes - FDC/Artigos DOM 25...  do que das startups cujo capital investido mant©m os custos

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Ilustra§µes - FDC/Artigos DOM 25...  do que das startups cujo capital investido...

  • Ilus

    tra

    es

    Thie

    mi

    Oka

    war

    a

    26 DOM

  • CAUSAS DA MORTALIDADE DAS STARTUPS BRASILEIRAS Como aumentar as chances de sobrevivncia no mercado

    POR VANESSA NOGUE IRA E CARLOS ARRUDA

    capa

    No h novidade no entendimento de que a empresa pea fundamental para o funcionamen-to e desenvolvimento do sistema capitalista, e o sucesso dela determina o impulso de uma econo-mia. Tambm no nova a percepo de que o empreendedorismo permite a criao de novos pro-dutos, mtodos de produo e modelos de negcio, abrindo novos mercados. Schumpeter postulou essas ideias na dcada de 40 e, ainda hoje, elas so uma das principais referncias sobre o tema.

    Nova, no entanto, a percepo de que temos hoje uma forma de empreender diferente das empresas estabelecidas at a dcada de 90. So as chamadas startups, com caractersticas bastan-te particulares, tanto no que diz respeito forma de criao e objetivos quanto ao contexto no qual so criadas e se desenvolvem.

    Para Eric Ries, a startup uma instituio desenhada para criar um novo produto ou servio, em condies de extrema incerteza, que tem na inovao (tecnolgica, de produto, servio, proces-so ou modelo de negcio) o centro de suas opera-es. Julie Meyer agrega a percepo de que elas normalmente comeam pequenas, mas pensam grande e, devido ao ao grande potencial inovador destas empresas, apresentam probabilidade de crescimento exponencial em pouco tempo.

    As startups podem mudar a curva de uma eco-nomia inteira, quando conseguem permanecer no mercado. Esse o grande desafio. Como assumem o risco de inovar desde a concepo do negcio, enfrentam desafios bastante particulares para se manterem no mercado e, de fato, atingir o cresci-mento exponencial do qual fala Julie Meyer.

    DOM 27

  • FIGURA 1 | TEMPO MDIO DE SOBREVIVNCIA DE STARTUPS NO BRASIL

    Nesse contexto, torna-se relevante compre-ender quais so os determinantes de sucesso e fracasso das startups, negcios que, por estarem inseridos num contexto to novo e possurem caractersticas to peculiares, pouco podem usu-fruir do conhecimento, at ento, produzido sobre o empreendedorismo tradicional.

    Este artigo se baseia em pesquisa realizada pela Fundao Dom Cabral sobre as causas da descontinuidade de startups brasileiras, visando a oferecer a essas empresas um subsdio terico para que se estabeleam com mais segurana e potencializem as chances de sobrevivncia. O objetivo gerar conhecimento a partir da anlise dos erros de quem j empreendeu e disponibilizar esses dados para startups do mercado e empreen-dedores em potencial.

    A PESQUISA Para desenvolver a pesquisa, coleta-mos dados quantitativos, por meio de um questio-nrio online, enviado a fundadores e cofundadores de startups brasileiras.

    O estudo considerou dois perfis de respon-dentes: fundadores de startups que tiveram suas empresas descontinuadas e criadores de startups que ainda atuam no mercado.

    A amostra dividida permitiu equipe de pes-quisadores comparar os dois perfis, para responder

    a perguntas como: existe, nas caractersticas do negcio ou do empreendedor que ainda est no mercado, um padro que no seguido pelas empresas que foram descontinuadas? Comparando-se os dois padres, conseguimos estabelecer dife-renas entre eles e encontrar determinantes do sucesso ou fracasso de uma startup?

    A pesquisa envolveu 355 empreendedores 171 com experincias em startups descontinuadas e 184 de empresas em operao. Como 37,7% (134 pessoas) deixaram de responder pouco mais da metade das questes (53,7%), trabalhamos somente com os questionrios totalmente respon-didos uma amostra de 221, sendo 130 deles de empresas ainda em operao e 91 de startups descontinuadas.

    PRINCIPAIS RESULTADOS

    Tempo mdio de sobrevivnciaPerguntamos aos entrevistados qual foi o per-

    odo de atuao da respectiva empresa no mercado ou h quanto tempo esto em operao, no caso das empresas que sobreviveram. Essa informao permitiu a anlise do tempo mdio de sobrevi-vncia de uma startup no Brasil. A proposta era verificar quantas empresas foram descontinuadas, considerando perodos de sobrevivncia distintos (Figura 1).

    A anlise mostra que no Brasil:

    Pelo menos

    25% das startups morrem com um tempo

    1 ano

    Pelo menos

    50% das startups morrem com um tempo

    4 anos

    Pelo menos

    75% das startups morrem com um tempo

    13 anos

    28 DOM

  • do que das startups cujo capital investido

    mantm os custos operacionais por apenas 1 ms

    do que das startups cujo capital investido

    mantm os custos operacionais por mais de 1 ano

    Aspectos que influenciam a mortalidade de startups

    Os resultados da pesquisa mostram trs aspec-tos capazes de influenciar significativamente a mortalidade de startups no Brasil.

    1. O nmero de scios envolvidos um fator de risco para a sobrevivncia da startup.

    Nossa premissa inicial era de que o envol-vimento de mais de um scio na concepo da empresa representava maior acmulo de habili-dades indispensveis para a gesto do negcio e gerava maior credibilidade diante de clientes e prospects, aumentando a probabilidade de suces-so. No entanto, os dados mostram que quando a startup composta desde o incio por mais de um scio, maiores so as chances de descontinuidade (Figura 2).

    Quando maior o nmero de scios trabalhan-do em tempo integral na empresa, no incio das operaes, a chance de descontinuidade da star-tup aumenta 1,24 vezes. H indcios de que esse insucesso esteja relacionado a problemas, como a menor capacidade de adaptao dos gestores s mudanas e necessidades do mercado, e a maior frequncia de problemas de relacionamento entre os scios.

    2. O volume de capital investido na startup, anterior ao incio das vendas, pode representar um risco sua sobrevivncia.

    Nossa premissa inicial era de que financiar um negcio com grande volume de capital de investi-dores diminui as chances de sucesso da startup. Os dados mostram que, independente da fonte do capital investido, quando a empresa possui, antes de sua primeira venda, um capital suficiente para manter seus custos operacionais pelo perodo de dois meses a um ano, as chances de descontinui-dade so significativamente maiores. Comparamos trs situaes distintas de startups, antes de comearem a faturar:

    Empresas que tinham capital suficiente para manter os custos operacionais por apenas um ms.

    Empresas com capital suficiente para manter esses custos pelo perodo de dois meses a um ano.

    Empresas que possuam capital suficiente para manter os custos por mais de um ano.

    O segundo cenrio o mais preocupante (Figura 3).

    interessante observar que existe, ainda, uma correlao positiva entre algumas fontes de financiamento e o volume de capital investido no empreendimento antes da primeira venda. Quanto maior o perodo em que o capital investido cobre os custos operacionais da empresa, menor a ocorrncia de financiamento por capital prprio e maior, a possibilidade de financiamento por investidores-anjo e fontes de fomento.

    3. O local de instalao da startup pode deter-minar as chances de sucesso

    Perguntamos aos dois grupos de empresas onde esto ou estavam (as descontinuadas) insta-ladas quando em operao. As respostas aponta-ram trs categorias de instalao:

    Home-office/coworking/escritrio virtual Aceleradora/incubadora/parque tecnolgico Escritrio prprio/loja ou sala alugada

    FIGURA 2 | CHANCES DE DESCONTINUIDADE DAS STARTUPS

    FIGURA 3 | CHANCES DE DESCONTINUIDADE DAS STARTUPS QUANDO O CAPITAL INVESTIDO COBRE OS CUSTOS OPERACIO-NAIS PELO PERODO DE DOIS MESES A UM ANO

    SCIO INTEGRAL

    Chance da descontinuidade da startup

    1,24x 1,24x

    3,2xmaior

    de2 a 2,5x

    maior

    DOM 29

  • QUADRO 1 | PERCEPO DAS STARTUPS FATORES MAIS IMPORTANTES

    STARTUPS EM OPERAOFatores mais importantes para a sobrevivncia

    STARTUPS DESCONTINUADASFatores mais importantes para a descontinuidade

    1. Aceitao do produto/tecnologia/servio comer-cializado pelo mercado

    1. Falta de comprometimento, em tempo integral, dos fundadores com a startup

    2. Sintonia entre os fundadores2. No alinhamento dos interesses pessoais e/ou

    profissionais dos fundadores

    3. Capacidade de adaptao dos gestores s necessi-dades/mudanas do mercado

    3. Falta de capital para investir no negcio

    QUADRO 2 | PERCEPO DAS STARTUPS FATORES MENOS IMPORTANTES

    STARTUPS EM OPERAOFatores menos importantes para a sobrevivncia

    STARTUPS DESCONTINUADASFatores menos importantes para a descontinuidade

    1. Facilidade na produo da tecnologia/produto inicialmente idealizado

    1. No aceitao do produto/tecnologia/servio comercializado pelo mercado

    2. Bom relacionamento e entendimento entre funda-dores e investidores

    2. Falta de identificao dos fundadores com o negcio

    3. Disponibilidade de capital para investir no negcio 3. Inviabilidade de produo da tecnologia do produto

    inicialmente idealizado

    5 PROVVEIS RAZES PARA A DESCONTINUIDADE DE STARTUPS COM MAIS DE UM SCIO

    1. No alinhamento dos interesses pessoais e/ou profissionais dos fundadores

    2. Desentendimento entre os fundadores

    3. Falta de identificao dos fundadores com o negcio

    4. Incapacidade de adapatao dos gestores s necessidades/mudanas do mercado

    5. Mau relacionamento e desentendimento entre fundadores e investidores

    FIGURA 4 | CINCO PROVVEIS RAZES PARA A DESCONTINUIDADE DE STARTUPS COM MAIS DE UM SCIO

    30 DOM

  • A anlise dos dados revelou que estar insta-lada em uma aceleradora, incubadora ou parque tecnolgico representa um fator de proteo para a sobrevivncia da startup a possibilidade de ser descontinuada 3,45 vezes menor do que a de uma empresa instalada e