IMPLICAÇÕES POLÍTICO-PEDAGÓGICAS NAS IMAGENS DE IMPLICAÇÕES POLÍTICO... · IMPLICAÇÕES POLÍTICO-PEDAGÓGICAS

  • View
    218

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of IMPLICAÇÕES POLÍTICO-PEDAGÓGICAS NAS IMAGENS DE IMPLICAÇÕES POLÍTICO... · IMPLICAÇÕES...

  • IMPLICAES POLTICO-PEDAGGICAS NAS IMAGENS DE CORPO EM

    LIVROS DIDTICOS DE CINCIAS: UMA RELEITURA

    Denise de Souza Destro

    (SME/JF; Faculdade Metodista Granbery JF/MG)

    Resumo

    Partir da experincia do aluno tem sido largamente difundido como princpio pedaggico,

    atualmente vinculado defesa de polticas curriculares e pedagogias com vis cultural. Neste

    contexto, o livro didtico torna-se um instrumento importante ao veicular diferentes ideias e

    concepes acerca das disciplinas escolares e, portanto, artefato educacional de suma

    importncia para diferentes estudos. Entendendo que o partir da experincia do aluno provm

    de sua vivncia enquanto ser histrico e que estabelece relaes com o outro a partir de sua

    corporeidade, buscamos analisar, em um momento anterior, os significados das imagens de

    corpo nos livros didticos de cincia das dcadas de 1980 e 1990, sendo que estas imagens

    (re) produziam esteretipos e estavam a servio de uma pedagogia cartesiana e racionalista,

    comprometendo, assim, o empoderamento dos alunos. Atualmente, entendendo que as

    polticas para o livro didtico sofreram mudanas, objetivou-se com este estudo, analisar as

    imagens de corpo veiculadas pelos atuais livros didticos de cincia para o oitavo ano do

    ensino fundamental, com o propsito de verificar quais significados estas imagens trazem e

    quais identidades elas suscitam. A partir da interpretao das imagens pela via dos Estudos

    Culturais (HALL, 2003), verificou-se nas anlises realizadas que houve mudanas

    significativas nas imagens de corpo veiculadas pelos livros didticos de cincia e que elas

    contribuem para o fortalecimento de uma pedagogia cultural, uma vez que as mesmas fazem

    circular diferentes identidades de grupos minoritrios na sociedade, contribuindo para uma

    viso de corpo em sua totalidade, para uma postura de alteridade e para uma viso ampla do

    social. Nesse sentido, entendemos que as imagens so de suma importncia nos processos

    pedaggicos porque viabilizam processos de significao, veiculando significados sociais e

    culturais, no podendo, portanto, ser entendidas como ilustraes despretensiosas de

    contedos sobre o corpo.

    Palavras-chave: Livro Didtico. Imagens. Corpo.

    Partir da experincia do aluno. Desde meados do sculo XX at os dias atuais, esta

    tem sido uma afirmativa bastante propagada como princpio pedaggico na histria do campo

    da didtica no Brasil. Em virtude das diversas perspectivas tericas deste campo, da

    complexidade das relaes sociais e de suas igualmente complexas implicaes para a

    Educao, os debates na pedagogia tornaram-se mltiplos e o partir da experincia do aluno

    se fez presente em polticas curriculares pblicas, caracterizando a defesa de pedagogias

    vinculadas s polticas culturais, no sentido da defesa de conhecimentos pertinentes ou

    Didtica e Prtica de Ensino na relao com a Sociedade

    EdUECE - Livro 302482

  • significativos para determinado grupo social, defesa esta vinculada a um saber que indica um

    pertencimento a uma identidade.

    Problematizamos essa questo em 2002, quando os estudos de Giroux (1999) e de

    Candau; Anhorn (2000) assinalavam para insatisfaes em relao s construes tericas e

    destacavam as prticas pedaggicas que assumiam o partir da experincia do aluno como

    princpio pedaggico. A partir de tal problema, empreendemos um estudo abrangendo as

    relaes entre experincia, corpo e livro didtico.

    Assim como Giroux (1999), vemos a possibilidade de avanar na superao da

    insatisfao com as construes tericas e prticas pedaggicas medida que situamos as

    pesquisas em uma poltica cultural, entendendo a nfase na experincia como princpio

    pedaggico, como caracterstica central de uma pedagogia cultural.

    Nessa perspectiva, a nfase na experincia no significa apenas uma motivao para a

    aprendizagem ou a pertinncia do conhecimento selecionado a um grupo identitrio, mas

    sim, uma preocupao em como se constroem os significados em sala de aula, de modo

    [...] estabelecer condies de aprendizagem que permitam aos alunos se localizarem na

    histria e interrogarem a adequao dessa localizao como uma questo ao mesmo tempo

    pedaggica e poltica (GIROUX, 1999, p. 213). Reafirmando essa premissa de modo ainda

    mais radical, atualmente compreendemos a experincia como,

    [...] uma posio autenticadora em qualquer anlise cultural. Em ltima anlise,

    trata-se de onde e como as pessoas experimentam as suas condies de vida, como

    as definem e a elas respondem. [...] Na experincia todas as prticas se

    entrecruzam; dentro da cultura todas as prticas interagem ainda que de forma

    desigual e mutuamente determinante (HALL, 2003, p. 142).

    Essa forma a que se refere Hall (2003) remete ao alerta disparado por Oliveira (2014,

    p. 266) ao se referir s contribuies de Williams para a compreenso da cultura e da

    experincia: [...] ela se estrutura em termos basicamente societrios, em relaes que muitas

    vezes escapam premissa de autonomia ou autodeterminao dos indivduos, pela prpria

    fora dos modos de seleo e transmisso da cultura.

    Tais aportes nos possibilitam situar a construo de significados pertinentes ao

    processo de escolarizao a partir da experincia, na cultura vivida. Assim compreendida, a

    experincia implica uma vivncia corprea, em que o corpo faz a mediao entre experincia

    Didtica e Prtica de Ensino na relao com a Sociedade

    EdUECE - Livro 302483

  • e pedagogia. Desse modo, o corpo ganha centralidade nos processos didticos e,

    consequentemente, na necessidade de o focalizarmos em nossas pesquisas.

    Em consequncia dessa compreenso, em 2002, fizemos uma pesquisa indagando

    sobre o lugar do corpo e sobre como ele estava sendo abordado nos processos de ensino.

    Diante do fato de os livros didticos serem um elemento central nesses processos,

    perguntamos, ainda, como o corpo estava sendo apresentado nestes instrumentos

    pedaggicos. No desenvolvimento da pesquisa, elegemos os documentos figurados como um

    modo privilegiado para entender a forma como o corpo vinha sendo exposto nos livros

    didticos e quais significados que ele comunicava nesses livros. Frente a esta opo,

    perguntamos: as imagens de corpo apresentadas nos livros didticos favorecem ou no a

    existncia de empoderamento no processo de ensino? Quais as relaes entre sujeito,

    conhecimento e poder proporcionadas por imagens de corpo em livros didticos?

    Em termos metodolgicos, entendemos os livros didticos como documentos de

    pesquisa, e as imagens que nele so contidas, como [...] textos imagticos [que] carregam

    significados simblicos (VEIGA-NETO, 2002, p. 56). Nesse sentido, salientamos que a

    leitura de imagens uma das muitas maneiras possveis de leituras, o que [...] implica

    aprender como apreciar, decodificar e interpretar imagens, analisando tanto a forma como

    elas so construdas e operam em nossas vidas, quanto o contedo que elas comunicam em

    situaes concretas (ibidem, 2002, p. 56).

    No estudo anterior, objetivvamos identificar relaes poltico-pedaggicas

    suscitadas pelas imagens de corpo em livros didticos de Cincias. Para tanto, selecionamos

    14 livros didticos de Cincias para a anlise, compreendidos entre a 5 a 8 sries do ensino

    fundamental, publicados por cinco diferentes editoras no decorrer das dcadas de 1980 e

    1990.

    Muito embora destacssemos as potencialidades do corpo para a efetivao do partir

    da experincia, encontramos uma diviso cartesiana e racionalista dos corpos, em que eles

    eram apresentados de forma mutilada: ora a cabea, ora as mos; ora o tronco, ora os

    membros. Estas (in) cises sugeriam uma racionalidade que divide corpo e mente, teoria e

    prtica, pensar e fazer.

    No que diz respeito aos significados relacionados identidade, encontramos a

    ausncia de imagens de corpo de pessoas idosas e a imagem estereotpica de famlia, do

    Didtica e Prtica de Ensino na relao com a Sociedade

    EdUECE - Livro 302484

  • gnero feminino e da populao negra. As imagens eram, respectivamente, de corpos jovens,

    no modelo heteronormativo, em trabalhos hierarquicamente inferiores aos dos homens e em

    situao de vulnerabilidade social. Assim, elas sugeriam uma despotencializao de quem

    no se enquadra na lgica da moderna racionalidade tcnica e de uma identidade masculina,

    branca, jovem e heterossexual.

    A pedagogia presente na representao de corpo nos livros didticos analisados

    encontrava-se configurada pela carncia, pela docilizao e pela disciplinarizao de corpos

    e mentes, em um movimento que direciona os sujeitos a no aceitao de si mesmos,

    sugerindo uma pedagogia racionalista.

    Passados onze anos desta pesquisa, mantendo-se a presena significativa dos livros

    didticos nos processos de ensino, a necessidade de superao terico-prtica da pedagogia

    cultural, bem como a constante redefinio de polticas editorias dos livros didticos,

    consideramos pertinente realizar uma releitura das imagens de corpo em livros de cincias

    atuais indagando: houve mudanas na imagens de corpo nos livros didticos de cincias na

    ltima dcada? Em que sentido elas ocorreram e a quais significados remetem? Ainda

    persiste a perspectiva racionalista de corpos e identidades?

    A anlise exposta neste texto uma interpretao de imagens sob a tica cultural,

    porque se inscreve nos Estudos Culturais (HALL, 2003), pretendendo ser um exerccio de

    ligao, de