Click here to load reader

Índice de Preços ao Consumidor - Brasília IPCA - INPC · PDF fileBrasil - Bacen (Tabela 1). ... acumuladas em 2016, dentre as 13 áreas geográficas ... Brasília Brasil Brasília

  • View
    215

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Índice de Preços ao Consumidor - Brasília IPCA - INPC · PDF fileBrasil -...

1

ndice de Preos ao Consumidor - Braslia IPCA - INPC

Dezembro de 2016

2

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL

Rodrigo Rollemberg Governador

Renato Santana Vice-Governador

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO, ORAMENTO E GESTO DO DISTRITO

FEDERAL SEPLAG

Leany Barreiro de Sousa Lemos Secretria

COMPANHIA DE PLANEJAMENTO DO DISTRITO FEDERAL CODEPLAN

Lucio Remuzat Renn Jnior Presidente

DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS SOCIOECONMICAS

Bruno de Oliveira Cruz Diretor

GERNCIA DE CONTAS E ESTUDOS SETORIAIS Jusanio Umbelino de Souza - Gerente

NCLEO DE ANLISE DE NDICES DE PREOS

Carlos Alberto Reis Luiz Rubens Cmara de Arajo Irene Pereira de Godoi Barbosa

3

I. NDICE DE PREOS AO CONSUMIDOR AMPLO IPCA/BRASLIA

Braslia registra inflao de 1,12% em dezembro e totaliza no ano 5,62%, a quarta

menor do Brasil.

A inflao medida pelo ndice de Preos ao Consumidor Amplo - IPCA, calculada pelo Instituto

Brasileiro de Geografia e Estatstica IBGE, registrou no ms de dezembro de 2016 variao de 1,12%

em Braslia, um aumento de 0.84 ponto percentual em relao variao contabilizada no ms anterior,

ficando acima da mdia Brasil em 0.82 p.p. que registrou variao de 0,30%. Com o resultado do ltimo

ms do ano, Braslia fechou o ano de 2016 com inflao anualizada em 5,62%, abaixo dos 6,29% da

mdia Brasil, que ficou abaixo do teto da meta para o ano, conforme estabelecido pelo Banco Central do

Brasil - Bacen (Tabela 1).

Em termos regionais Fortaleza (8,34%) e Campo Grande (7,52%) registraram as maiores taxas

acumuladas em 2016, dentre as 13 reas geogrficas pesquisadas.

Novembro Dezembro

Fortaleza 3,49 0,13 0,60 8,34

Campo Grande 1,51 0,43 0,70 7,52

Recife 5,05 0,60 0,43 7,10

Porto Alegre 8,40 0,37 -0,04 6,95

Belm 4,65 -0,14 0,20 6,77

Salvador 7,35 -0,05 0,32 6,72

Belo Horizonte 10,86 0,16 0,24 6,60

Rio de Janeiro 12,06 0,04 0,25 6,33

So Paulo 30,67 0,26 0,35 6,13

Braslia 2,80 0,28 1,12 5,62

Goinia 3,59 -0,31 0,05 5,25

Vitria 1,78 0,30 0,63 5,11

Curitiba 7,79 0,16 0,14 4,43

Brasil 100,00 0,18 0,30 6,29

TABELA 1 - NDICE DE PREOS AO CONSUMIDOR AMPLO - IPCA -

DEZEMBRO/2016 - VARIAES (%) REGIONAIS

Fonte: IBGE - Dados elaborados pela Codeplan/Dieps/Gecon

Peso

Regional (%)Regio

Variao mensal (%) Variao (%)

Acumulada no

Ano

4

A evoluo da inflao mdia em Braslia, quando comparada com a trajetria em nvel da nacional,

mostrada no Grfico 1, permite observar que de junho de 2015 a dezembro de 2016, houve sistemtico

distanciamento, para baixo, dos preos praticados em Braslia em comparao com a mdia do Pas, exceto

em dezembro ao convergir para cima.

O Box contido no Grfico 1 permite comparar o comportamento da inflao, ms a ms, em Braslia

nos anos de 2014, 2015 e 2016. Percebe-se que ao longo de todo o ano de 2016 o ndice mensal manteve

relativamente estvel, mas em dezembro cresceu acentuadamente, seguindo a mesma dinmica observada

em 2014 (1,30%) e 2015 (1,21%).

1. Resultados do IPCA/Braslia, em dezembro, por Grupo de Despesas

Os resultados da inflao do ms de dezembro em Braslia mostram elevao mais intensa de

preos em trs dos nove grupos que compem a estrutura de clculo do IPCA/Braslia. De forma mais

expressiva, o grupo Transportes, 3,38%, impactando o ndice geral em 0,64 p.p., Despesas Pessoais,

5

1,04%, impacto de 0.12 p.p. e, Artigos de Residncia, 0,83%, com impacto de 0.04 p.p. Alimentao e

Bebidas muito embora tenham registrado elevao de preos cujo ndice aponta 0,76%, portanto menor

do que o registrado pelos Artigos de Residncia 0,83%, o impacto dos preos dos alimentos no ndice foi

de 0,17 p.p. por conter produtos de maior peso na composio do ndice. Juntos os quatro grupos

responderam por 97% do ndice Mensal que foi de 1,12%.

Os demais grupos, Vesturio, 0,62%, Sade e Cuidados Pessoais, 0,42%, Habitao, 0,40%,

Comunicao 0,14% e Educao, impactaram o ndice de inflao no ms com apenas 3% (Tabela 2).

2. Resultados do IPCA/Braslia, em dezembro, por Categorias

Segundo a classificao do Bacen, ao desagregar o IPCA/Braslia nas trs categorias a seguir

descritas, observa-se que os preos Monitorados1 impactaram o ndice em 0,196 p.p.; os

Comercializveis2, em 0,172 p.p.; e, No Comercializveis 3, 0,752 p.p. impactaram o ndice

1 Monitorados: os que so regulados em nvel federal pelo governo federal ou por agncias reguladoras e os que so determinados por governos estaduais e distrital ou municipais; 2 Comercializveis: Alimentos industrializados e semielaborados, artigos de limpeza, higiene e beleza, mobilirio, utenslios domsticos, equipamentos eletroeletrnicos, aquisio de veculos, lcool combustvel, cama/mesa/banho, fumo e bebidas, vesturio e material escolar; 3No Comercializveis: Produtos in natura, alimentao fora do domiclio, aluguel, habitao-despesas operacionais, veculos-

seguro/reparos/lavagem/estacionamento, recreao e cultura, matrcula e mensalidade escolar, livros didticos, servios mdicos e servios pessoais.

Impacto

(p.p.)

out/16 nov/16 dez/16 dez/16

Alimentao e Bebidas -0,31 -0,53 0,76 7,27 0,17

Habitao 0,84 1,25 0,40 4,51 0,06

Artigos de Residncia -0,69 -1,35 0,83 2,33 0,04

Vesturio 0,90 1,09 0,62 2,67 0,04

Transportes 1,01 0,25 3,38 2,12 0,64

Sade e Cuidados Pessoais 0,61 0,64 0,42 10,55 0,04

Despesas Pessoais 0,24 0,78 1,04 9,12 0,12

Educao -0,01 -0,07 0,00 8,65 0,00

Comunicao -0,09 -0,09 0,14 1,34 0,01

ndice Geral 0,36 0,28 1,12 5,62 1,12

Variao (%)

acumulada

No Ano

TABELA 2 - INDICE DE PREOS AO CONSUMIDOR AMPLO - IPCA/BRASLIA - VARIAO

MENSAL E IMPACTO - SEGUNDO OS GRUPOS - DEZEMBRO/2016.

Fonte: IBGE - Dados elaborados pela Codeplan

GrupoVariao (%) Mensal

6

do ms como descrito.

Um olhar mais acurado sobre o comportamento dessas trs categorias no ms de dezembro/16,

no IPCA/Braslia, pode melhorar a compreenso dos efeitos da movimentao dos preos na economia

do DF (Grfico 2).

Esse olhar permite observar que, desde setembro de 2016, os preos dos produtos

Comercializveis iniciaram trajetria de subida de forma sistemtica e, em dezembro, mesmo

apresentando taxas positivas, perdem fora. Isto , cresceram a taxas decrescentes em comparao com

as observadas nos meses imediatamente anteriores.

Os preos Monitorados, por sua vez, comportaram-se ao longo de todo o ano em forma de

gangorra, verdadeiro sobe e desce, at encontrarem o ms de dezembro quando declinam de forma

abrupta.

J o mesmo no se pode dizer da categoria dos No Comercializveis, esses, os viles, em

termos de impacto no ndice Geral de preos em Braslia no ms de dezembro por terem disparados

levando quase verticalizao quando se observa o Grfico 2.

Assim, os preos dos produtos Comercializveis quando combinados com os No

Comercializveis empurraram o ndice Mensal para cima, elevando a inflao em Braslia para o topo do

ranking em comparao s regies onde se realiza a pesquisa de preos.

7

Em uma radiografia dos preos dos produtos comercializados em dezembro na Capital Federal,

por categorias, na Comercializvel v-se que os preos dos cigarros foram os que exerceram maior

presso de alta (0,039 p.p), seguidos pelos mveis para sala (0,022 p.p.), a alcatra (0,015 p.p.) e pelos

demais produtos (0,095 p.p.).

Na categoria dos Monitorados, a gasolina foi o produto que mais contribuiu para elevao do

ndice (0,146 p.p.), os preos das passagens de nibus interestaduais (0,046 p.p.), os planos de sade

(0,026 p.p.) enquanto que os preos dos demais itens que compem a categoria apresentaram deflao de

-0,022 p.p..

Os preos dos produtos enquadrados na categoria No Comercializveis, que apresentaram

maior participao no ndice Geral, em termos de impacto tiveram como expoente as passagens areas

(0,400 p.p.), aluguis residenciais (0,089 p.p.) e a banana prata (0,085 p.p). Todos os demais produtos

agrupados na categoria totalizaram 0,179 p.p..

Ao longo do ano, a categoria de produto No Comercializveis foi a que fechou o ano com

maior impacto no ndice de preos (3,091 p.p.). Os preos dos produtos Comercializveis perdem fora

8

logo no incio do ano e assim chega a dezembro com impacto no ndice (1,626 p.p) de forma mais amena.

Os produtos Monitorados, embora tenham iniciado o ano sob forte influncia de reajustamento dos

preos, esses desaceleram fortemente ao longo do ano e fecham o perodo com o menor impacto (0,824

p.p) dentre as trs categorias agrupadas (Grfico 3).

Ainda em termos anuais, percorrendo o rol de variao dos preos dos produtos/servios

pesquisados pelo IBGE, encontra-se o cigarro como o produto que maior fora exerceu para elevao

do ndice da categoria de produtos Comercializveis e que contribuiu para a elevao do ndice em 0,162

p. p.. O leite longa vida, por sua vez, fechou o ano em alta de 0,124 p.p. O arroz contribuiu para elevao

do ndice mas de forma mais comportada, 0,080 p.p. Os demais produtos da categoria, agrupados,

somaram ao n

Search related