Indo para o Cinema

  • View
    222

  • Download
    3

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Indo para o cinema. Expressão que pode ter mais de um significado. Registra uma frase que repeti muitas vezes ao longo da vida. Mas, pode ser também indicadora de um caminho a explorar. Alguns já o fizeram. Outros gostariam de fazê-lo. Qualquer que seja o significado do título desse livro, o leitor escolherá aquele que lhe soar melhor. Mas, além do significado, o título aponta para um momento particular em minha vida. Escolhi registrá-lo nessa forma de livro de bolso.

Text of Indo para o Cinema

  • 1

  • 2 3

    Para Paloma e Fernanda

  • 4 5

    Indo para o cinema. Expresso que pode ter mais de um significado. Registra uma frase que repeti

    muitas vezes ao longo da vida. Mas, pode ser tambm indicadora de um caminho a explorar. Alguns j o

    fizeram. Outros gostariam de faz-lo.

    Qualquer que seja o significado do ttulo desse livro, o leitor escolher aquele que lhe soar melhor.

    Mas, alm do significado, o ttulo aponta para um momento particular em minha vida.

    Escolhi registr-lo nessa forma de livro de bolso.

    Curitiba, maio de 2013.

    Fernando Gimenez

  • 6 7

    No escurinho

    da sala de cinema

    mundo s meu.

  • 8 9

    SUMRIO

    Dez reais 09Solido e esperana em Medianeras de Gustavo Taretto 25

    O Sudoeste: Poesia em preto e branco/ branco e preto em poesia 31

    Haikais 35

    DEZ REAIS

    Agenor professor aposentado. Ensinava literatura brasileira no ensino mdio.

    Aos sessenta anos, mora sozinho em uma quitinete na Rua Riachuelo em Curitiba.

    Tem uma coleo de livros de bolso. Fregus assduo do pequeno comrcio

    em torno do Passeio Pblico, com s dez reais no bolso, quer gast-los bem.

    Quem ficar com os dez reais: o engraxate, o aougueiro, o livreiro ou o garom?

    Dalton quem sabe.

  • 10 11

    CENA 1 INTERIOR QUITINETE MANH

    10 HORAS

    Agenor toma caf com leite.

    Pequena mesa com dois banquinhos, ao lado de um sof velho com trs lugares. Travesseiro, lenol e coberta desfeitos sobre o sof. Criado mudo com luminria antiga e alguns livros esparramados. Um livro entreaberto no cho, perto de onde est o travesseiro. Som de televiso com noticirio local. No h porta-retratos. Paredes nuas, mas em uma delas h estantes com centenas de livros de bolsos.

    Travelling de 270 a partir de Agenor, mostrando mveis e paredes parando nas estantes dos livros. Zoom em livro de Dalton Trevisan: 111 ais. Ao lado placa de homenagem com os seguintes dizeres:

    Ao nosso professor de literatura brasileira, Agenor de Assis Machado, uma homenagem

    da turma 2010, Ensino Mdio, Colgio Estadual Olavo Bilac.

    Agenor coloca xcara, pires, garfo e faca na pia e margarina na geladeira. Caf solvel e adoante vo para pequeno mvel com uma gaveta e porta, branco, onde ficam mantimentos, ao lado de uma geladeira tipo frigobar, branca e amarelada do tempo. Em cima da geladeira, fruteira de vime com bananas, laranja e limes.

    Agenor sai de casa.

    CENA 2 INTERIOR FARMCIA DE DUAS PORTAS

    MEIO DIA

    Balana antiga com mostrador grande.

    Agenor sobe na balana. Confere seu peso. Desce. Vai at o balco. Moa com guarda-p branco, sorridente, atrs do balco, dirige a ele.

    FARMACUTICA Bom dia. Em que posso ajudar?

    AGENOR Bom dia. Tem genrico de Viagra?

    FARMACUTICA De 20 ou 50 miligramas?

    AGENOR 50. Caixa com quatro. D para um ms. Um por semana.

    Farmacutica sorri.

  • 12 13

    FARMACUTICA Vai pagar no dinheiro ou carto?

    AGENOR Com carto. Tem desconto para aposentado?

    FARMACUTICA No, mas posso parcelar em duas vezes.

    AGENOR T bom.

    Rudos de carros trafegando, buzinas e som de ambulncia distante. Reflexos dos pedestres, apressados, nas vitrines da farmcia, por trs de Agenor quando este fala.

    CENA 3 EXTERNA PORTA DE PEQUENA SAPATARIA

    13 HORAS

    Sapateiro sentado em banqueta na porta da sapataria, barrigudo, barbudo e cabeludo, tipo papai Noel, mas de cabelos ruivos, macaco cinza sujo de graxa, palito de dente na boca.

    Interior da sapataria com estante com vrios embrulhos. Placa informando: Servios no retirados em 30 dias sero doados para o Lar dos Velhinhos.

    AGENOR Tenho dois pares para engraxar. Quanto voc cobra?

    SAPATEIRO Cinco reais cada.

    AGENOR Puxa! T caro!

    SAPATEIRO T caro no. O senhor que ganha pouco.

  • 14 15

    CENA 4 EXTERNA PASSEIO PBLICO

    14h00

    AGENOR Quanto a pipoca?

    PIPOQUEIRO Quatro reais. Quer doce ou salgada?

    AGENOR Salgada. Sou diabtico.

    Agenor tira dinheiro do bolso da cala. Uma nota de dez e duas de dois reais. Pega saquinho de pipoca. D dinheiro para o pipoqueiro. Guarda os dez reais no bolso da camisa. Olha para a direita.

    Cmara subjetiva. Mulher de minissaia vermelha, botas pretas at os joelhos. Loura, batom vermelho forte, blusa branca de botes entreabertos. Seios fartos mostra em suti vermelho.

    Som de pedestres conversando, crianas brincando e das aves do passeio pblico

    CENA 5EXTERNA PASSEIO PBLICO

    14h10

    PROSTITUTA Vamos at a torre que fao oral em voc.

    AGENOR S uma chupeta?

    PROSTITUTA Por delo voc quer mais o que?

    AGENOR Com dez reais d pra engraxar dois pares de sapato.

    Agenor d as costas para a prostituta e sai andando devagar.

    Passa casal de jovens fazendo jogging.

    PROSTITUTA (off) Velho maluco.

  • 16 17

    CENA 6 INTERIOR AOUGUE

    15h00

    Grande espelho atrs do balco frigorfico, encostado na parede e pendurado no teto com leve inclinao. Manchas revelam que espelho j bem velho. Reflete carnes dentro do balco e parte da calada.

    OSVALDO Fala seu Agenor.

    AGENOR Tudo bem Osvaldo?

    OSVALDO Tranquilo. O que vai ser hoje?

    AGENOR Os trs bifes de sempre.

    OSVALDO Coxo mole ou patinho?

    AGENOR Patinho, n Osvaldo! Mais barato.

    Aougueiro amola faca. Corta os trs bifes. Cmara lenta e close no ltimo corte.

    OSVALDO Que mais?

    AGENOR Por hoje s.

    Osvaldo entrega o pacote

    OSVALDO Dez reais seu Agenor.

    Agenor pe a mo no bolso para pegar o dinheiro, mas hesita e se dirige a Osvaldo.

    AGENOR Osvaldo, posso pagar no sbado?

    OSVALDO Tudo bem. No sbado o senhor acerta.

  • 18 19

    CENA 7INTERIOR SEBO

    15h30

    CAPITU (Morena, pele clara, duas tranas, culos redondos, aro escuro, uniforme de colegial, meias trs-quartos brancas, saia plissada azul marinho at o joelho e camisa branca) Boa tarde professor.

    AGENOR Oi Capitu, tem alguma coisa para mim?

    CAPITU O Dalton que o senhor procurava.

    AGENOR A gorda do Tikri bar?

    CAPITU Esse mesmo, quase novo.

    AGENOR Quanto?

    CAPITU Dez reais tambm. Mesmo preo do ltimo.

    Agenor pe a mo no bolso para pegar o dinheiro, mas hesita. Olhando para Capitu.

    AGENOR Vou levar. Posso pagar depois?

    CAPITU Claro professor.

    Capitu se vira de costas e aproxima-se da estante. Pega livro que estava separado dos demais.

    Msica: Maria Bethnia cantando Roberto Carlos.

    Agenor olha para as pernas de Capitu.

    Capitu ser vira e entrega livro.

    Agenor se mostra meio envergonhado, sem jeito.

  • 20 21

    CENA 8INTERIOR TIKRI BAR

    16h00

    Agenor entra no Tikri bar. (Ambiente em penumbra, mas no muito escuro. Balco de lanchonete direita com cinco bancos altos. Luzes vermelhas ao fundo indicam a existncia de um espao de salo maior, mais escuro. Mesas e cadeiras de plstico no salo da frente. Esta parte iluminada por luz amarela um pouco fraca. Mulher negra, bem gorda, sentada em um dos bancos junto ao balco. Fuma. No h outros clientes. Acompanha em voz baixa bolero cantado por Alcione).

    Agenor senta-se em mesa perto da sada para a calada. H mais duas cadeiras alm da que ocupa. Coloca o livro sobre a mesa.

    AGENOR Uma cerveja Dorival. No esquece o amendoinzinho.

    Dorival se aproxima da mesa. Cerveja, poro de amendoim japons e um copo nas mos. Abre e serve.

    DORIVAL Dalton Trevisan de novo?

    Cmara mostra livro sobre a mesa

    AGENOR Acabei de comprar

    DORIVAL Ontem vi ele no Passeio Pblico.

    AGENOR Devia estar atrs de inspirao.

    Agenor pega caixa de remdios do bolso. Abre e tira um comprimido. Toma com um copo de cerveja. De um gole s. Enche o copo novamente. Comea a ler. Relgio marca 4 horas.

    Dorival e gorda conversam no balco. Ele do lado de dentro. No se ouve o que dizem.

    Msica: Alcione canta outro bolero.

    AGENOR (off) Dorival, traz mais uma.

    Cmara em Agenor. Continua lendo.

  • 22 23

    DORIVAL (off) T na mo.

    Dorival traz a cerveja e abre.

    Agenor olhando em direo bunda da mulher no balco.

    Close na bunda gorda que sobra no assento do banco. Imvel.

    AGENOR s vezes fico em dvida. Isso vida mesmo?

    Close na bunda da gorda que se movimenta ajeitando-a no banco.

    AGENOR (off) Ou s estamos na mente do escriba?

    DORIVAL No entendi seu Agenor.

    AGENOR (Cara de tdio) Deixa pra l.

    Mesa com duas garrafas vazias, copo com um dedo de cerveja, poucos amendoins no pratinho. Relgio marca cinco horas.

    Agenor fecha o livro.

    Dorival apresenta a conta.

    DORIVAL Dez reais. Vai pendurar?

    AGENOR Sim.

    DORIVAL Deixo anotado ento.

    AGENOR Estou s com dez reais e tenho que terminar um negcio no Passeio Pblico.

    DORIVAL Sem problemas. Outro dia o senhor paga.

    AGENOR J tomei o azulzinho hoje. O Dalton vai gostar.

  • 24 25

    DORIVAL (Cara de espanto) No entendi seu Agenor.

    AGENOR Deixa pra l. At mais ver.

    DORIVAL Int seu Agenor.

    Agenor caminha em direo calada. Vira direita.

    Cmara mostra Portal do Passeio Pblico em plano geral.

    Cmara sobe dos ps de Agenor at seu rosto. Em movimento, se afastando, enquanto Agenor caminha. Distncia relativa se mantm. Plano mdio de Agenor.

    Agenor sorri e pisca para a cmara.

    Fade out.

    SOLIDO E ESPERANA EM MEDIANERAS

    DE GUSTAVO TARETTO

    A WEB, alm de ser um avano tecnolgico do qual o cinema se apropria, tem sido tambm

    objeto presente na narrativa flmica, caracterizando uma tendncia do cinema contemporneo. As

    redes sociais e os diferentes mecanismos de interconectividade pe