Click here to load reader

INFORMATIVO - DEZEMBRO 2008

  • View
    219

  • Download
    2

Embed Size (px)

DESCRIPTION

INFORMATIVO - DEZEMBRO 2008

Text of INFORMATIVO - DEZEMBRO 2008

  • II SIMPSIO DE ODONTOLOGIA DO

    TRABALHO - SOMGE/AMOT

    A Associao Mineira de Odontologia do Trabalho - AMOT, com o apoio

    do Sindicato dos Odontologistas de Minas Gerais - SOMGE, Conselho Federal de

    Odontologia-CFO, Conselho Regional de Odontologia de Minas Gerais - CRO-

    MG, Federao Interestadual de Odontologistas - FIO e CREDICOM, fizeram

    realizar entre os dias 09 a 11/10/08 o II SIMPSIO DE ODONTOLOGIA DO

    TRABALHO SOMGE/AMOT, tendo como local o auditrio e as instalaes do

    SOMGE recentemente reformados .

    O evento contou com a participao de professores conferencistas e

    especialistas dos estados do Rio de Janeiro, So Paulo e Braslia. Os temas

    abordados abrangeram a sade bucal do trabalhador no contexto social das

    empresas, planejamento, levantamento epidemiolgico e gerenciamento em

    Odontologia do Trabalho bem como a importncia do pronturio em Odontologia do

    Trabalho e gerenciamento de riscos em Odontologia. Alm das conferncias, foram

    apresentados temas livres e painis que trataram de diversos assuntos importantes

    tais como: Histria da Odontologia do Trabalho, A importncia da

    Odontologia do Trabalho na empresa, Pesquisa das condies de sade bucal

    dos magistrados e servidores da justia federal do Paran e O nascer e o

    morrer no Distrito Sanitrio Nordeste de BH: um enfoque na questo tnica

    dentre outros.

    Estiveram presentes colegas de diversos estados do Brasil, que

    participaram ativamente, inclusive durante a mesa de debates relativa qualidade de

    ensino da Odontologia do Trabalho no Brasil. Ao final, os participantes puderam

    manifestar sua apreciao sobre o Simpsio, sua organizao e contedo, de forma

    livre e no identificada, atravs de preenchimento de questionrio: 81% dos

    participantes assinalaram

    que o evento foi timo e

    muito bom. 19% bom,

    sendo que haviam ainda no

    questionrio as opes de:

    satisfatrio, regular e

    ruim.

    Desta forma, animados

    pelo sucesso e repercusso

    posi t iva do evento, a

    A M O T , c o m o

    indispensvel apoio do

    SOMGE, j iniciou aes

    com vista ao III Simpsio,

    para o ano de 2009. Tambm

    dever disponibilizar em

    sub-link no site do SOMGE

    todas as conferncias

    havidas.

    Na oportunidade a

    Diretoria da AMOT agradece

    a, CFO, CRO-MG, FIO,

    CREDICOM e de forma

    muito especial ao SOMGE,

    sua Diretoria e Funcionrios,

    q u e e m p e n h a d o s n a

    construo do evento,

    tornaram possvel sua

    realizao.

    DIREITO E

    ODONTOLOGIA

    OBRIGAO DE MEIO E DE

    RESULTADO

    A responsabilidade civil do Cirurgio

    Dentista vem sendo vista, hoje, pelo nosso Direito,

    de formas diversas no que tange a obrigao ser de

    meio ou de resultado, dependendo para tal

    enquadramento, em regra geral, da especialidade

    odontolgica, assim como do ponto de vista de

    cada autor ou tribunal, no que ainda no se chegou

    a consenso.

    Diz-se haver obrigao de meio

    quando nada mais se exige do profissional que pura

    e simplesmente o emprego de determinados meios,

    sem se olhar o resultado. Em outras palavras, a

    obrigao em que o profissional se obriga a dedicar

    seus melhores esforos e se utilizar de todos os

    meios disponveis no sentido de obter o melhor

    para o seu paciente sem, contudo se comprometer

    na obteno da cura do mesmo, ou com

    determinado resultado especfico.

    No caso da obrigao de resultado, o

    profissional deve alcanar um determinado

    resultado, no o alcanando no ter cumprido sua

    obrigao, sobrevindo assim o dever de indenizar.

    No mbito da odontologia, da mesma

    forma que na medicina, determinadas

    especialidades tm sido consideradas como de

    obrigao de meio, como no caso da Cirurgia Buco

    Maxilo Facial, Prtese Buco Maxilo Facial e

    Periodontia. Nas demais especialidades, em geral,

    h entendimento de que devam ser consideradas

    como sendo de resultado. Contudo, no h

    consenso dos autores nem dos tribunais sobre quais

    especialidades devam responder pela obrigao de

    meio ou de resultado. Este entendimento bastante

    avesso realidade da cincia odontolgica, ainda

    tem sido muito adotado nas decises judiciais por

    todo Brasil, e tem resultado em muitas decises

    judiciais injustas. Critica-se o fato de que a

    imputao da obrigao de resultado ao Cirurgio

    Dentista, no considera as inmeras variveis

    envolvidas no tratamento odontolgico, que

    freqentemente esto fora do controle do Cirurgio

    Dentista, impedindo-o de ter em suas mos o pleno

    controle do resultado. Assim mais justo seria

    imputar ao cirurgio dentista a obrigao de meio.

    Por outro lado, no raro nos

    depararmos com situaes de demandas judiciais

    em que o Cirurgio Dentista prometeu resultado

    impossvel ou de difcil obteno na prtica, ou

    mesmo forneceu termo escrito de garantia do

    tratamento odontolgico por cinco anos ou mais.

    Nesses casos, mesmo quando o profissional deva

    responder pela obrigao de meio, responder

    pela obrigao de resultado por ele assumida,

    tornando sua defesa em juzo muito mais difcil e

    diminuindo suas chances de sucesso caso no

    tenha alcanado o resultado prometido.

    importante que o cirurgio dentista se mantenha

    bem informado sobre os aspectos jurdicos do

    exerccio da odontologia, agindo sempre de forma

    preventiva dos riscos legais envolvidos no

    exerccio profissional.

    Dr. Edwin Despinoy - Advogado e Cirurgio Dentista

    Diretor Jurdico do SOMGE [email protected]

    Dr. Luiz Eugnio Mazzilli / Dr. Jos Carrijo (FIO) / Dr. Marcos Santana

    Dr. Luciano Eloi Santos (SOMGE) / Dr. Ronaldo Radicchi (AMOT)

    Dr. Luiz Flvio (CRO-MG) / Dra. Licnia Maria Soares do Rio (ABO-MG)

    Dr. Ronaldo Radicchi, Dra. Paula Baptista, Dr. Luciano Eloi Santos

  • 2 DIRETORES ( SUPLENTES)

    2 Secretrio: Whevel Lima Barcelos

    2Diretor Financeiro: Marlia Soares Figueiredo

    2Diretor de Relaes Sindicais e Formao Poltica:

    Rafael Pascoal Esteves Lima

    2Diretor de Assuntos Jurdicos: Jlia Elisa Dures Alkmim

    2Diretor Cultural: Catharina Pinheiro Garrido 2Diretor

    Cientfico: Renato Cavalcanti Pinto

    2Diretor de Sade do Trabalhador: Ronaldo Radicchi

    2Diretor de Assuntos Previdencirios: Dayse de Castro

    Barra

    2Diretor de Comunicao Social e Marketing: Simone

    Campos de Aguiar

    2Diretor de Convnios e Credenciamentos: Marcos

    Carvalho Cambraia

    2Diretor de Sindicalizao: : Iracema Maria Ustch Braga

    2Diretor de Relaes Comerciais: No de Souza

    Figueiredo

    EFETIVOS:

    Presidente: Luciano Eloi Santos

    Secretrio : Ivana Fantine Duarte

    Diretor Financeiro: Marques da Silva Bernardo

    Diretor de Relaes Sindicais e Formao Poltica: Janine

    de Azevedo Machado

    Diretor de Assuntos Jurdicos: Edwin Fialho Despinoy

    Diretor Cultural: Maria Elizabeth Alves Rajo

    Diretor Cientfico Marcos Rogrio Rabelo

    Diretor de Sade do Trabalhador: Mnica Maria Fernandes

    Gonalves

    Diretor de Assuntos Previdencirios: Murilo Fres dos Reis

    Diretor de Comunicao Social e Marketing: Uyara

    Mendes da Cunha e Sousa

    Diretor de Convnios e Credenciamentos: Eduardo Carlos

    Gomide

    Diretor de Sindicalizao: Ione Alves Batista de Abreu

    Diretor de Relaes Comerciais: Dann Robert Jorge Saff

    CONSELHO FISCAL

    EFETIVOS

    Eucide Souza

    Mara Vasconcelos

    Antnio de Pdua Pedreira dos Santos

    SUPLENTES

    Carlos Roberto Martins

    Edgard de Carvalho Silva

    CONSELHO REPRESENTATIVO

    FEDERAL

    Luciano Eloi Santos

    Janine de Azevedo Machado

    Ana Maria Lage Naves

    Heloysa Lino Vaz Despinoy

    SADE PBLICA - SADE DA FAMLIA

    Incio: Fevereiro de 2009 - Durao 15 meses

    Periodicidade: quinzenal - Carga Horria: 360 horas

    Horrio das aulas: Sexta-feira de 18:00 s 22:30 e Sbado 08:00 s 18:00

    Pblico: Cirurgies-dentistas, mdicos, enfermeiros e demais

    profissionais que atuem ou queiram atuar na sade pblica.

    Local: Auditrio do SOMGE - Av. do Contorno, 8841 - Gutierrez

    Cirurgies-dentistas e Mdicos sindicalizados em dia com o SOMGE

    e SINMED R$ 250,00 - Outros: R$270,00

    Mensalidade:

    IES (0xx31)3284-4545

    www.iesposgraduacao.com.br

    SOMGE / 3275-4343 - www.somge.org.br

    Curso de Especializao:

    Conhea a Diretoria do SOMGE

    Evento ligado a inovaes tecnolgicas, onde

    profissionais da rea de engenharia e odontologia vo mostrar

    novas tcnicas e novos materiais na rea odontolgica

    envolvendo as reas como: Disfuno Tmporo-Mandibular

    Ortodontia, Implante, Prtese Dentstica, Esttica, Endodontia

    e materiais em todas as reas, Diagnsticos por imagem.

    Podero ser enviados trabalhos de pesquisa. Preos

    especiais para estudantes.

    Dias 26 e 27 de Junho de 2009

    Porto/Portugal

    Pases participantes: Portugal Espanha, Inglaterra Alemanha

    Frana Itlia Suia, Dinamarca, Rssia, Blgica, Brasil, Japo,

    USA,

    Instituies Acadmicas Participantes:

    Advanced Technology & Research Group, Cardiff University,

    Carnegie Mellon University, Graz University of Technology,

    Hamburg University of Applied Sciences, Instituto Politcnico

    de Bragana, Instituto Superior TcnicoPolitecnico di Milano,

    Tokyo Institute of Technology

    ,Universidade Catlica Portuguesa, Univ