INFORMATIVO PAROQUIAL - SÃO BRÁS MADUREIRA - SETEMBRO/OUTUBRO 2014

  • View
    220

  • Download
    1

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Toda a programação da Paróquia São Brás, de Madureira, dos meses de setembro e outubro e o que temos vivido na comunidade paroquial

Text of INFORMATIVO PAROQUIAL - SÃO BRÁS MADUREIRA - SETEMBRO/OUTUBRO 2014

PARQUIA SO BRSARQUIDIOCESE DE SO SEBASTIO DO RIO DE JANEIROVICARIATO SUBURBANORua Andrade Figueira, 158 MADUREIRA CEP: 21360-230 TEL: 3390-3438SETEMBRO-OUTUBRO/2014

Carssimos, Paz!Inicio este informativo com um assunto que j deve ser sabido por muitos, at porque visivelmente quem entra na igreja pode reparar: DESMANCHEI O VELEIRO.

Domingo retrasado fui acordado e surpreendido com um grande incndio naquele local.Sinceramente nunca fui muito afeito a veleiros, mas respeito profundamente os irmos catlicos que, na sua devoo, no abrem mo desse seu costume religioso que aprovado pela igreja, (no tanto da forma como s vezes se v) que nos pede que deixemos na igreja o que j encontramos e que favorece algum tipo de devoo no fiel. Tanto respeito que nunca me meti com ele (o veleiro) sempre o deixando no lugar onde estava e da maneira como o encontrei quando aqui cheguei.O fato que fui surpreendido por este incndio na noite de domingo 24/08 por volta das 23h00m, e dos maiores, e que no foi o nico que presenciei aqui nos 4 anos em que com vocs estou, sendo que nas demais vezes no precisei chamar os bombeiros, como tivemos que chamar dessa vez, E S PRESSAS! E QUE SUSTO!!!

No quero (nem irei!) passar por esse constrangimento novamente nem muito menos colocar nossos vizinhos, to bons e respeitosos conosco, nesse apuro de serem acordados altas horas da noite num susto desses.O veleiro, embora tivesse uma forte camada extra de parede nos seus fundos, era encostado na parede dos vizinhos e o calor que se sentia nas suas casas era insuportvel dependendo do dia e da quantidade de velas que ali eram acesas. E isso definitivamente no justo no meu modo de pensar por vrios motivos, por mais que algum ainda insista em tentar encontrar razes... Eu no posso e nem irei permitir que isso se repita de forma alguma. Basta!Desmanchei o veleiro e vamos reconstru-lo de forma que jamais nos ponha em risco de forma alguma ou nos cause qualquer outro tipo de transtorno.SER REFEITO num tamanho bem menor que o que ali estava, de forma a ser mais fcil at sua manuteno e limpeza.

DEIXE-ME APROVEITAR A OCASIO ENTO PARA REFLETIR CONTIGO E ENSINAR SOBRE O ATO DE ACENDER VELAS E COM ELAS ACESAS REZAR, BASEADO NO QUE ENSINA A IGREJA!Serei repetitivo para deixar marcado o que quero dizer.Qualquer dvida, procure-me pessoalmente!

Voc sabe por que temos o costume de acender uma vela parapedir uma bnoou orar por um ente querido? Ou ainda para agradecer umagraa alcanada? Muitas vezes, estamos to condicionados ao ato que nos esquecemos de pensar ou ir atrs da sua essncia e origem e por isso que vamos falar sobre essa ao, que tem um significado e um sentido muito mais profundo e especial, do que o simples ato de acender uma vela.(todo o exposto abaixo vem como fruto de pesquisa em diversas fontes pela internet, pelas quais dirijo a Deus minha gratido sincera)

O fogo tem, por sua natureza, rico valor simblico. Sendo fonte de luz e calor, est intimamente ligado com a vida, e representa aptamente a alma humana dotada de inteligncia (luz) e amor (calor) naturais ou dotada de f e caridade sobrenaturais. Alm disto, o fogo, ardendo enquanto consome a matria, sinal da reverncia e homenagem que algum queira tributar a personagem muito estimado.Isto explica que o fogo, ardendo em crios ou velas, tenha sido utilizado desde a era pr-crist para exprimir o senso religioso do homem. Em particular, interessam-nos os testemunhos dessa praxe entre os romanos: Ccero, por exemplo, menciona o incenso e as velas que se acendiam no culto sagrado (De officiis III 80); o historiador romano Amiano Marcelino (+440 d.C.) refere que o filsofo Asclepades, em visita ao templo de Apoio em Dafnes, acendeu velas diante da esttua em sinal de venerao (Rer. gest. 1. XXII 14). Em dadas ocasies, velas acesas eram levadas processionalmente diante de dignitrios do Imprio Romano; a imagem do soberano era por vezes exposta sobre uma mesa quadrada, juntamente com quatro velas (julga-se que o uso de se levarem velas processionalmente diante do Santo Evangelho ou diante do Sumo Pontfice e de bispos provm desse costume romano).Entre os judeus, a Lei mosaica prescrevia solenemente que dia e noite ardesse uma lamparina de leo na tenda do Senhor (x 27,20s; Lev 24,2s). Estava igualmente em uso o candelabro de sete braos, confeccionado de ouro puro segundo o modelo indicado a Moiss sobre o monte, objeto de grande estima na piedade de Israel (x 20, 31-40; 39,37; Lev, 24,4; Num 8,4). No templo de Salomo havia o candelabro de ouro puro junto ao "Santo dos Santos" (cf. 3 Rs 7,49; 2 Crn 4,7). A Casa do Senhor restaurada aps o exlio (1 Mac 4,49) tinha, como outrora, o tradicional candelabro de sete braos. Por fim, so sete candelabros que So Joo no Apocalipse (note-se bem: temos aqui um texto do Novo Testamento) v em torno do Filho do homem, realando a Majestade do Senhor Jesus (Apc 1.12s).Instrudos por estes precedentes, os cristos no hesitaram, desde os incios da Igreja, em fazer uso de velas, lamparinas e candelabros para exprimir a f e o ardor de sua alma. Junto ao altar, principalmente por ocasio do S. Sacrifcio da Missa, as velas acesas atestam a adorao prestada a Deus. Quando se acendem diante de imagens de santos ou simplesmente em honra destes, as velas e lamparinas significam a atitude de alma congruente, ou seja, venerao (no adorao) aos amigos de Deus.

Acender velas um hbito entre as mais antigas religies conhecidas. E ns, catlicos, no fugimos regra. Voc sabia que a vela no serve de farol para as almas e nem tampouco serve de pagamento para um santoque atendeu os seus pedidos? Se no sabia, saiba agora: no essa a serventia da vela!Mas se no pra essas coisas que elas servem,ento para que servem?Nascelebraes, as velas so utilizadas em geral para iluminar e dar destaque a determinados objetos litrgicos, enfatizando a sua importncia, ou pararepresentar o prprio Cristo, j que ele a Luz que vence as trevas do nosso pecado (o Crio Pascal um bom exemplo desta ltima funo).As velas particulares tm um significado bem diferente do que normalmente imaginamos: elas representam um sacrifcio daqueles que as acendem. DEFINITIVAMENTE NO SO luz para guiar almas!!! Podem-se acender holofotes na porta da Parquia que as almas no vo se achar por causa dessa luz.Deus sempre aproveita os nossos sacrifcios (lembra? sacro/ofcio = trabalho santo) e os transforma em graas para ns e para toda a Igreja. No Antigo Testamento, o sacrifcio por excelncia envolvia imolar e queimar um animal, oferecendo-o a Deus. A fumaa que subia levava a Deus o sacrifcio feito, bem como os pecados, pedidos etc.As velas tm um significado semelhante. Voc as deixa l, se consumindo no fogo, enquanto a fumaa se eleva aos cus. De certa maneira, elas representam um sacrifcio que voc faz a Deus. E por meio deste sacrifcio possvel obter graas para voc e para as pessoas (vivas ou mortas) pelas quais voc dedica as intenes das suas oraes. Desta forma sim, possvel tentar ajudar algum fiel defunto mas no por causa da luz da vela: POR CAUSA DE SUA ORAO! E quando voc faz isso diante de um santo, no muda nada. Seu sacrifcio chegar a Deus por meio da intercesso deste santo, ou seja, no ser mais forte a sua orao se voc a fizer com uma vela acesa diante de alguma imagem.Deus sabe aproveitar as menores coisas que fazemos! Santa Terezinha santa por conta de suas pequenas ofertas!Bem, ainda temosas velas que acendemos em casa para rezar. Essas tm umsignificado semelhantes utilizadas nascelebraes litrgicas.Ou esto l para chamar ateno para a sacralidade de determinado objeto ou para representar a luz de Cristo. Em geral, quando rezamos, nos sentimos confortveis em direcionar nossos pensamentos para uma imagem ( humano precisamos de coisas bem concretas na nossa frente), e, nesses casos, uma vela acesa pode ser o smbolo de Deus que nos tira das trevas, olha por ns e salva as nossas almas.Por ltimo, importante entender queno devemos esperar nenhum tipo de resultado mgico por conta da vela!Mesmo que esteja abenoada! Uma vela benta uma representao mais fiel da luz de Cristo. Mas os milagres no vm dela!Volto a afirmar, ento, que as velas no so necessrias, mas o gesto de acend-las para rezar se tornou parte da cultura catlica.A vela pode ser considerada tambm como smbolo de orao, sacrifcio, doao, como j dissemos anteriormente: ao acender uma vela, simbolicamente oferecemos um holocausto, a vela se consome, se sacrifica, simbolizando nossa inteno de nos doar em orao pelo prximo. Ao acender a vela e rezarmos, deixamos perante o Senhor um smbolo contnuo de nossos pedidos: Sobre o candelabro de ouro puro conservar em ordem as lmpadas perante o Senhor continuamente. (Lv 24,4).Ainda aproveitando a ocasio, digo s pessoas que fazem promessas que saibam de algo muito importante: agora voc sabe que acendendo velas no est obrigando os(as) santos(as) a atend-lo(a) pois o santo ou a santa intercedem com ou sem o voto (promessa) feito a ele. A promessa (e deve ser entendida assim!) mais uma demonstrao de nosso afeto para com ele(a), de nossa devoo, do que um condicionamento para a ao do(a) intercessor(a) pois sua finalidade (da promessa) a nossa devoo e no um aumento da eficcia do santo(a). Ou seja: no acendendo velas ou fazendo qualquer outra coisa que vamos como que pressionar quem quer que seja nos cus a atender nossa splica, nossa orao.Enfim. Agora voc sabe que no est guiando almas com a luz da vela que voc acende para rezar pelos mortos.Carssimos(as): se o seu gesto de acender uma vela para rezar no estiver acompanhado dessa inteno que mencionei acima, no estiver revestido desse significado cristo catlico, qual a serventia do gesto?Aproveito para repetir o que sempre digo, especialmente no que diz respeito s oraes feitas por falecidos com o costume de se acender uma vela: a melhor e a maior das oraes que deve ser oferecida pelos falecidos A SANTA MISSA!! HABITUE-SE A PARTICIPAR DA MISSA E NELA DEPOSITA