Instalação colectiva

  • View
    763

  • Download
    3

Embed Size (px)

Text of Instalação colectiva

Ministrio de Educao e Valorizao de Recursos Humanos

Introduo Como sugerido pelo professor o nosso trabalho incidir sobre o tema Instalaes Colectivas, respeitando todas as indicaes do professor e no fugindo ao assunto. Temos como objectivo dar a conhecer uma explicao coerente atravs de um leque de definies que facilitaro uma boa compreenso de modo que se possa adquirir mais conhecimento na rea de electricidade (muito importante para o nosso futuro profissional) e tambm na execuo de trabalhos que exigem um bom conhecimento em termos de soluccionar problemas em relao estabilizao de canalizaes, quadros, etc. Com os pontos que vo ser abordados, esperamos, que ns e os nossos colegas estaremos preparados para comear a por em prtica e resolver qualquer problema relaccionado com instalaes colectivas, sempre seguindo as normas estabelecidas internacionalmente.

Ano Lectivo 07/08

Ministrio de Educao e Valorizao de Recursos Humanos

Instalaes Colectivas de EdifciosDefine-se instalao colectiva como a instalao elctrica estabelecida, em regra, no interior de um edifcio com o fim de servir instalaes de utilizao exploradas por entidades diferentes, constituda por quadro de colunas, colunas e caixas de coluna, tendo incio numa ou mais portinholas ou no prprio quadro de colunas e fim na ltima caixa de coluna.

Constituio Quadro de colunas o quadro onde se concentram os aparelhos de proteco contra sobreintensidades de colunas ou de entradas e que pode ser servido por um ramal, uma chegada ou uma ou mais portinholas. Coluna principal ou, simplesmente, coluna a canalizao elctrica colectiva que tem incio num quadro de colunas. Coluna derivada a canalizao elctrica colectiva que tem incio numa caixa de coluna de outra coluna. Caixa de coluna o quadro existente numa coluna, principal ou derivada, para ligao de entradas ou de colunas derivadas e contendo ou no os respectivos aparelhos de proteco contra sobreintensidades. Entrada a canalizao elctrica de baixa tenso, geralmente compreendida entre uma caixa de coluna ou um quadro de colunas e a origem de uma instalao de utilizao. Chegada a canalizao elctrica estabelecida, sem atravessar a via pblica, ao longo de edifcios, paredes ou muros, que deriva duma canalizao principal, ramal ou troo comum de chegadas e termina numa portinhola ou quadro de colunas. Portinhola o quadro onde finda o ramal ou chegada, de que faz parte, e que, em regra, contm os aparelhos de proteco geral contra sobreintensidades das intensidades das instalaes colectivas ou entradas ligadas a jusante. Aparelhos de Utilizao Os aparelhos de utilizao so os receptores das instalaes. Os aparelhos de utilizao podem ser fixos, mveis por exemplo, as mquinas de lavar, roupa ou loia e portveis por exemplo, as lmpadas de mo e os ferros de engomar. Quanto ao seu emprego, os aparelhos de utilizao devem possuir caractersticas adequadas no s funo que vo desempenhar como tambm ao tipo de local, condies ambientais e s caractersticas elctricas da instalao onde vo ser ligados. Assim, as caractersticas que devero definir os aparelhos de utilizao quanto ao seu emprego so, de acordo com a regulamentao em vigor, as mesmas que para os demais aparelhos existentes nas instalaes elctricas. Todas as caractersticas, excepo das elctricas, podero ser conferidas por um invlucro constituinte do prprio aparelho ou por um invlucro suplementar adequado. semelhana do acontecido para com a diversa aparelhagem elctrica, a norma NP-999 fixa os trs tipos e respectivas classes de proteco asseguradas pelos invlucros dos aparelhos de utilizao. A mesma norma fixa tambm a forma como deve ser feita a codificao dos invlucros dos aparelhos de utilizao quanto aos trs tipos de proteco atrs referidos. Os aparelhos de utilizao devem possuir caractersticas elctricas adaptadas s da instalao a que vo ser ligados. Dessas caractersticas elctricas destacamos a tenso nominal, a intensidade nominal e a frequncia nominal (no caso da corrente alternada). Em regra, nas ligaes internas dos aparelhos no devero empregar-se condutores com seco nominal inferior a 0,5 mm2.

Ano Lectivo 07/08

Ministrio de Educao e Valorizao de Recursos Humanos Em regra, nos aparelhos de utilizao e com vista ao perfeito conhecimento das suas condies de construo e funcionamento, a chapa de caractersticas fixada ao aparelho dever reunir entre outras as seguintes indicaes: tenso nominal (UN); frequncia da corrente (f); potncia nomi nal (SN); factor de potncia ; intensidade nominal (IN), quando ela no resulte imediatamente dos valores precedentes; identificao do fabricante e classes de proteco. Para assegurar a proteco contra contactos indirectos, os aparelhos de utilizao podero pertencer a uma das seguintes classes: 0, 0I,I, II, III, de grau crescente de isolamento e proteco das pessoas. Todos os aparelhos de utilizao, excepo dos das classes 0 e II, devero ser dotados de um ligador de massa, ao qual sero ligados a sua massa e o condutor de proteco da instalao a que o aparelho for ligado.

ALGUMAS DISPOSIES REGULAMENTARES QUADRO DE COLUNAS A regulamentao em vigor determina que: - Em geral, cada edifcio dever ser dotado de um nico quadro de colunas. - O quadro de colunas ser estabelecido no interior do edifcio e, tanto quanto possvel, junto do seu acesso normal em local adequado e de fcil acesso e junto da respectiva portinhola ou portinholas quando existam. A norma NP-1271 fixa, para os quadros de coluna e relativamente sua instalao nas instalaes colectivas, os seguintes elementos e caractersticas: - O valor da tenso nominal l kV. - Os valores das intensidades nominais, em ampere, so os seguintes: 32,100,250,400,630, 800 e 1250. - Correspondentes s intensidades nominais da caixa de corte geral do quadro. - Os quadros de coluna devem ser trifsicos. -Os quadros de coluna so constitudos por: a) Uma caixa de corte geral; b) Caixas de barramentos; c) Caixas de proteco de sadas. - O invlucro das caixas deve ser de chapa metalizada, ferro fundido, alumnio ou liga de alumnio, polister ou outro material adequado, no higroscpio, resistente propagao da chama e para utilizao sob temperaturas entre -5C e +70C. - Os ligadores devem estar localizados de forma que seja fcil a colocao dos condutores e do seu aperto. - Os quadros de coluna devem ser previstos para entrada e sada de uma ou mais canalizaes. - As caixas de corte geral devem conter um interruptor de corte geral omnipolar. -As caixas de barramentos devem conter os elementos necessrios interligao da caixa de corte geral e das caixas de proteco de sadas, bem como o ligador de massa do circuito de proteco. -As entradas e as sadas das canalizaes devem, de preferncia, ficar situadas em faces horizontais opostas e devem ser dotadas de elementos de fixao e de vedao adequados s canalizaes a que se destinam. - As caixas dos quadros de colunas devem ser dotadas de portas que permita o fcil acesso ao seu interior. - As caixas de proteces de sadas devem conter os aparelhos de proteco contra sobreintensidades, constitudos por corta-circuitos fusveis de alto poder de corte. Ano Lectivo 07/08

Ministrio de Educao e Valorizao de Recursos Humanos - Os ligadores devem estar localizados de forma que seja fcil a colocao dos condutores e o seu aperto. -No interior das caixas constituintes dos quadros de colunas, o ligador destinado, exclusivamente, ao neutro deve ser identificado pelo smbolo N e o ligador de massa (terra) COLUNAS A regulamentao vigente estipula que: - As colunas devero ser estabelecidas nas zonas dos edifcios (escadas, patamares, corredores, etc.) para utilizao colectiva, em locais de fcil acesso do ponto de vista de explorao e conservao. - As colunas devero ser trifsicas e dotadas de condutor de proteco e no ter seco nominal inferior das entradas que dela derivam com o mnimo de 10 mm2. - Em regra, as colunas devero ter o mesmo nmero de condutores e a mesma seco nominal ao longo de todo o seu percurso. - Nas canalizaes, os tubos devero ser rgidos. - Aos condutores das colunas, de igual seco nominal, apenas permitido o corte do isolamento nas caixas de colunas, para efeito de efectuar derivaes. - Se as instalaes de utilizao dos servios comuns do edifcio apenas compreenderem instalaes para iluminao e outros usos de pequena potncia (telefones de porta, campainhas, trinco, etc.), aquelas podero ser aumentadas a partir da caixa de coluna do andar em que estiver o respectivo quadro, caso contrrio a alimentao dever ser feita directamente do quadro de colunas, quando afectam com perturbaes as outra instalaes de utilizao do edifcio. - Num edifcio poder haver uma ou mais colunas para aumentar as diversas instalaes de utilizao desse edifcio. Um dos casos em que convm subdividir a coluna em duas ou mais colunas o de edifcios nos quais grande a potncia que se prev vir a ser instalada. Deste modo as seces nominais das colunas sero menos elevadas, sendo mais econmico e de montagem mais fcil as respectivas montagens. CAIXAS DE COLUNA O regulamento em vigor determina que: - As caixas de coluna devero ser instaladas nos andares correspondentes s instalaes de utilizao servidas pelas entradas que delas derivam e sero dotadas de tampa com dispositivo de fecho que assegure a sua inviolabilidade. - As caixas de colunas devero ser previstas para a derivao de entradas trifsicas, mesmo que, quando do seu estabelecimento, delas sejam derivadas apenas entradas monofsicas. -Em regra, as caixas de coluna so instaladas entre 2 m e 2,80 m acima do pavimento, ficando facilmente acessveis ao pessoal do distribuidor de energia. A norma NP-1272 fixa, para as caixas de coluna, e relativamente sua instalao nas instalaes colectivas, os seguintes elementos e caractersticas: - O valor da tenso nominal l kV. -Os valores das imensidades nominais, em amperes, so os seguintes: 32 e 63 -As caixas de coluna so trifsicas. - O invlucro das caixas de coluna deve ser de chapa metalizada, fera fundido, alumnio ou liga de alumnio,