Click here to load reader

Integrando2ªediçãomar abr2014

  • View
    217

  • Download
    2

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

Text of Integrando2ªediçãomar abr2014

  • Amoreiras IIConhea a histria do

    bairro que teve incio com a construo da

    BR-040. Pg. 6

    Entenda como esse tema faz parte da vida das pessoas e o que existe para que sejam cumpridos

    IntegrandoMaro-Abril 2014 | Ano 1 | Nmero 2

    Cada um faz sua parteAumento dos casos de dengue alerta para intensificar aes de preveno. Pg. 6

    Do cerrado para casa

    Os direitos humanos so aborda-dos praticamente todos os dias nos noticirios, especialmente quando associados a prticas de violncia, desrespeito ou discriminao.

    Saiba que h diversos documentos, aes promovidas pelos governos e mesmo da iniciativa privada que trabalham para garantir a promo-o e a proteo destes direitos.Pg. 4 e 5

    Cabaa vira peas decorativas e utilitrias nas mos da artes Delma. Pg. 7

    Direitos Humanos: iguais para todos

    Mais esporte e culturaQuadra esportiva leva nova opo de entretenimento a trs bairros da cidade. Pg. 8

  • 2 | Jornal Integrando

    NOSSA GENTE

    Em prol do esporte Engajada com a comunidadePara TONHO, como conhecido Antnio Ferreira Costa no bairro Bela Vista II, o esporte tem poder transformadorAos 74 anos, DONA CRISTINA ainda se mantm ativa nas aes junto comunidade do bairro So Domingos

    Ele nasceu em Uberaba, mas paracatuense de corao. Tonho uma figura ativa e querida no bairro Bela Vista

    II. Quando jovem, foi atleta de futebol amador em Uberaba e manteve o esporte como hobby at h pouco tempo. Hoje, aos 62 anos, dedica mais tempo pesca. Com a inaugurao da quadra poliesportiva no bairro, numa parceria entre a Prefei-tura, Kinross e Associao do Bairro, em sua opinio, a comu-nidade a maior beneficiada.

    Hoje, Cristina Coutrin dos Reis, a Dona Cristi-na, diz que est trabalhando menos no volun-tariado, embora ainda mantenha atividades na igreja e na associao de moradores do bairro. Mas j foi muito ativa nas aes em prol da comunidade e esteve frente de entidades como a Asso-ciao de Remanescentes de Escravos (hoje inativa) e da prpria associao de moradores. O importante, para ela, estar engajada e no meio do povo.

    O esporte tira as crianas da rua e transforma a vida das pessoas.

    Meu sonho que as pessoas se envolvam cada vez mais em causas para o bem comum.

    VOC VIU

    Nos meses de fevereiro e maro, alm do Carnaval, que levou alegria aos folies de Paracatu, vrios eventos promovidos pela Kinross e tambm na comunidade movimentaram a cidade. O Programa Integrar, da Kinross (fotos 1 e 2), que envolve a comunidade na busca de ferramentas que estimulem a capacitao, o empreendedorismo, a sustentabilidade e a gerao de renda j comeou suas atividades com fora total neste novo

    Educao, capacitao e cultura movimentam Paracatu

    6 7 8

    3

    1

    54

    2

    ciclo que se inicia. Foram realizadas reunies dos eixos Educao e Gerao de Trabalho e Renda (fotos 5 e 6). Neste perodo, a empresa tambm promoveu iniciativas de capacitao para seus fornecedores em diversas reas (fotos 3 e 4). E a comunidade do bairro So Domingos ganhou muita animao com a Folia de Reis (fotos 7 e 8).

  • Jornal Integrando | 3

    Tudo o que voc sempre quis saber de forma clara e objetiva.

    Saiba mais: www.kinross.com.br

    0800 038 1051

    Essa a Kinross. Esse o nosso jeito de fazer minerao responsvel.

    KINROSS MITOS & VERDADES

    A Kinross pensa sobre isso a cada instante e em tudo o que pode fazer para assegurar o bem-estar de seus empregados, vizinhos e toda a comunidade.

    Com respeito e transparncia, a empresa desenvolve suas atividades sempre em conformidade com a legislao e padres internacionais de segurana e qualidade.

    Continue lendo e voc vai descobrir como feito o desmonte de rocha na Mina do Morro do Ouro. Afinal, voc sabe o que um desmonte?

    VOC J PAROU PARA PENSAR EM QUE DIREO O VENTO SOPRA?

    GUA INDU

    STRIAL

    Equipamentos que sinalizam a direo do vento orientam o melhor momento da detonao, sempre com o vento na direo noroeste para oeste. Ou seja, na direo contrria cidade.

    BIRUTAS

    Escavao vertical cria uma barreira natural contra o rudo.

    APROFUNDAMENTO DE CAVA

    gua dos tanques da mina, armazenada no perodo de chuvas, borrifada na mina e vias de acesso.

    CAMINHES-PIPA COM CAPACIDADE TOTAL DE 225 MIL LITROS EM OPERAO 24 HORAS POR DIA.7

    POEIRA SOB CONTROLE

    GUA INDU

    STRIAL

    GUA INDU

    STRIAL

    O que seria uma grande detonao fracionado em mltiplas cargas com detonadores eletrnicos, que acionados em intervalos de milissegundos de diferena, promovem o desmonte com uma reduo significativa de vibrao, rudo e poeira.

    TEMPORIZAO

    Instalao de pilha de material estril, volume de terra aps a retirada do minrio (sem valor econmico), evitando a propagao dos rudos.

    BARREIRAS ACSTICAS

    DESMONTE o processo de fragmentao das rochas por meio de detonao, que possibilita o transporte do minrio at o local de beneficiamento.

    Na Kinross, o desmonte executado com tcnica, pessoal treinado e tecnologia de ltima gerao.

    Confira!

    Todas as detonaes so registradas por sismgrafos em 2 pontos na comunidade.

    MONITORAMENTO TRANSPARENTE

    0

    1

    5

    10

    15

    Vibrao e rudo bem abaixo dos limites recomendados pela legislao. 15

    LEGISLAOmm/s

    2KINROSS

    mm/s

    CONFORME ACORDO COM A COMUNIDADE

    Em casos de extrema necessidade, s 11h30 de sbado, sendo que a comunidade previamente avisada.

    15h de segunda a sexta.

    DETONAO PROGRAMADA

    Pessoas da comunidade acompanham e verificam o monitoramento da Kinross.

    MONITORES AMBIENTAIS TREINADOS AT 2014.

    204GRFICO DE VIBRAO

    KINROSS RESPONDE

  • 4 | Jornal Integrando

    COMUNIDADE

    Os direitos a que todos tm direitoO que significam, afinal, os Direitos Humanos, uma expresso to comentada e difundida, que est presente em praticamente todos os aspectos da vida pblica?

    Explicar o conceito de Direitos Humanos no uma tarefa simples e nem a inten-o do Integrando, nessa matria, trazer um tratado sobre o tema, mas propor uma reflexo, afinal, o assunto abordado com frequncia em reportagens nos jornais ou na TV, especialmente quando associado violncia, movimentos de luta e protestos.

    Para falar sobre o tema, buscamos a opi-nio de pessoas que lidam com os Direitos Humanos em suas atividades profissionais, como a secretria de Desenvolvimento e Ao Social de Paracatu, Ana Amlia Medei-ros, e o presidente da Comisso de Direitos

    Humanos da Ordem dos Advogados do Bra-sil (OAB) de Minas Gerais, William Santos.

    Os Direitos Humanos, como explica Ana Amlia, nomeiam e protegem valores e comportamentos, sem os quais homens e mulheres no poderiam viver de maneira digna. So universais, indivisveis e interde-pendentes, refora. Universais, segundo ela, porque so atribudos igualmente a todas as pessoas, sem qualquer distino. Indivisveis e interdependentes, como explica, porque s garantem que o princpio do respeito dignidade da pessoa seja realizado quando so aplicados integralmente.

    Garantia expressa

    O advogado William Santos lembra que, no Brasil, os Direi-tos Humanos esto garantidos em lei pela Constituio Fe-deral de 1988. A Constituio brasileira compilou os artigos da Declarao Universal dos Direitos Humanos e incorporou para si, explica.

    Outros documentos, em nvel internacional, como lembra Ana Amlia, tambm so respon-sveis pela promoo e defesa dos Direitos Humanos, como acordos, tratados, convenes, protocolos e pelo menos 13 declaraes da Organizao das Naes Unidas (ONU), que

    focalizam temas especfi-cos como o racis-

    mo, direitos da mulher, criana, trabalhadores, migrantes, tor-tura, desaparecimentos fora-dos, povos indgenas e pessoas com deficincia.

    Em todo o mundo, as pessoas seguem lutando para que estas promessas, expressas nos do-cumentos, se tornem realidade. Devemos o reconhecimento dos direitos humanos a todas as pessoas, movimentos, or-ganizaes e poderes pblicos

    que historicamente luta-ram e lutam pela valori-zao do ser humano, observa Ana Amlia.

    O papel dos governos

    Vrios rgos do governo, tanto em nvel federal, como estadual e municipal, so estru-turados para garantir a pro-moo e proteo aos direitos humanos.

    Em Paracatu, a Secretaria do Desenvolvimento e Ao Social, munida de programas, proje-tos, servios e benefcios, que se coloca como instrumento de defesa dos Direitos Humanos da populao do municpio. Na perspectiva de que os fatos se concretizem no municpio, trabalhamos na construo de redes de proteo, para a populao mais vulnervel, explica Ana Amlia.

    Assim como os governos devem garantir que todos os povos te-

    nham seus direitos humanos inviolados, os cidados tambm precisam ter conscincia de seus direitos e obrigaes e lutar para que sejam colocados em prtica. Ao exercer a cidadania, as pessoas usufruem dos direitos humanos e, tambm, podem cumprir seus deveres para o bem da socieda-de.

    So universais, indivisveis e interdependentes

  • Jornal Integrando | 5

    Direitos garantidos tambm na empresa

    Direitos Humanos

    As empresas tambm fazem sua parte para garantir a proteo dos direitos humanos para seus empregados e as comunidades onde esto inseridas. O conceito o mesmo. As empresas tambm precisam ter iniciativas que garantam a dignidade humana, o respeito aos outros, a convivncia saudvel e a prote-o ao meio ambiente para poderem operar,

    observa William Santos.

    Na Kinross, todas as ativi-dades so orientadas pela sua poltica de responsabilidade corporativa, que abrange direi-

    tos humanos, sade, segurana do trabalho, oportunidades locais de emprego, boas prticas trabalhistas, relaes com fornecedo-res, investimentos scioambientais, planos de fechamento da mina e outras aes.

    O trabalho da rea de Segurana