Introdução às Finanças Corporativas. Na aula passada: A Administração Financeira e sua relação com: • Planejamento; • Orçamento; • Contabilidade; • Finanças;

  • View
    116

  • Download
    2

Embed Size (px)

Text of Introdução às Finanças Corporativas. Na aula passada: A Administração Financeira e sua...

  • Slide 1
  • Introduo s Finanas Corporativas
  • Slide 2
  • Na aula passada: A Administrao Financeira e sua relao com: Planejamento; Oramento; Contabilidade; Finanas; Economia. Assim como a ideia de Micro e Macro Finanas
  • Slide 3
  • A DINMICA DAS DECISES FINANCEIRAS A administrao financeira se envolve tanto com a problemtica da escassez de recursos quanto com a realidade operacional e prtica da gesto financeira das empresas Dentro destes dois contextos, pergunto, quais so essas funes operacionais e prticas da gesto financeira dentro das empresas?
  • Slide 4
  • Funes da Administrao Financeira TESOURARIA CONTROLADORIA
  • Slide 5
  • TESOURARIA CONTROLADORIA
  • Slide 6
  • TESOURARIA CONTROLADORIA Administrao de Caixa; Administrao de Custos e Preos; Administrao de Crdito e Cobrana; Administrao do Risco; Administrao de Cmbio; Deciso de Financiamento; Deciso de Investimento; Planejamento e Controle Financeiro; Proteo de Ativos; Relaes com Acionistas e Investidores; Relaes com Bancos Desenvolvimento e Acompanhamento de Informaes Financeiras. Auditoria Interna; Contabilidade; Patrimnio ; Planejamento Tributrio; Relatrios Gerenciais;
  • Slide 7
  • TESOURARIA CONTROLADORIA Administrao de Caixa; Administrao de Custos e Preos; Administrao de Crdito e Cobrana; Administrao do Risco; Administrao de Cmbio; Deciso de Financiamento; Deciso de Investimento; Planejamento e Controle Financeiro; Proteo de Ativos; Relaes com Acionistas e Investidores; Relaes com Bancos Desenvolvimento e Acompanhamento de Informaes Financeiras. Auditoria Interna; Contabilidade; Patrimnio ; Planejamento Tributrio; Relatrios Gerenciais;
  • Slide 8
  • Sistema Financeiro Nacional
  • Slide 9
  • Objetivo O Objetivo deste captulo apresentar, de forma resumida, quais os rgos e sistemas de operao que compes o Sistema Financeiro Nacional (SFN), identificando aqueles mais importantes para o sistema. Espero oportunizar a possibilidade de identificao dos rgos existentes em nosso sistema Financeiro, para posteriormente traarmos planos de investimentos, captao de crdito e movimentao cambial.
  • Slide 10
  • Panorama do cenrio brasileiro; Funes bsicas; rgos de Regulao, Fiscalizao e Auto- regulao; Principais Intermedirios; Outros Intermedirios; Sistemas de Liquidao e Custdia. O que veremos hoje
  • Slide 11
  • Ambiente econmico Turbulncia brasileira Ditadura militar, hiperinflao e inmeros planos econmicos. Momentos desenvolvimentista e outros extremamente protecionista Com mais ou menos intervenes, importante destacar que existem regras e, apesar de toda turbulncia essas regras foram se ajustando s condies do mercado De 2005 a 2008 houve um grande desenvolvimento econmico mundial, atravs do qual o Brasil, neste perodo, passou de uma posio de tomador de recursos (agente deficitrio), para a posio de investidor (agente superavitrio)
  • Slide 12
  • Qual a importncia para a Administrao Financeira de entender os cenrios econmicos? Cabe a(o) administrador(a) financeiro(a) entender como funciona os mercados, sua estrutura e os rendimentos de seus instrumentos financeiros e comportamentos esperados. A compreenso dos cenrios se faz fundamental para a gesto dos negcios.
  • Slide 13
  • Em razo de todas as peculiaridades, complexidades e inconstncias na rea econmica nacional e internacional, podemos admitir que o SFN amplamente verstil, adaptvel e competente. Mas e o que o SFN? Conjunto de Instituies que geram e trabalham para o funcionamento da poltica econmica do pas e faz parte da dinmica de movimentao de compra, venda ou troca de mercadorias ou de servios, onde haja uma operao de natureza monetria envolvendo algum intermedirio financeiro: um cheque a receber ou a depositar, uma duplicata para ser descontada, uma transferncia de dinheiro de uma conta para outra ou a operao de crdito para antecipar a realizao de um negcio.
  • Slide 14
  • Existem diversos Players no mercado financeiro, alguns com excesso de recursos (agentes superavitrios) e dispostos a investi-los, visando uma remunerao por seu capital, outro precisando de recursos (agentes deficitrios) visando atender suas necessidades de caixa. Diante desta relao existe as instituies financeiras que se realizam as operaes de intermediao financeira* no mercado. *Processo pelo qual tomadores e doadores de recursos encontram-se em um ambiente organizado, fiscalizado e controlado por vrios rgos, visando o perfeito funcionamento desta importante funo do SFN.
  • Slide 15
  • A instituio financeira visa conciliar o interesse dos agentes econmicos superavitrios em aplicar suas poupanas, e dos agentes deficitrios em tomar recursos emprestados. As instituies captam os recursos no mercado, pagando uma remunerao(juros) aos investidores, Com os recursos levantados, efetua operaes de emprstimos, cobrando uma taxa dos tomadores de crdito. A diferena entre a taxa do tomador para a do poupador chamada de Spread. O Spread deve cobrir todas as despesas e risco dos negcios realizados e remunerar a atividade de intermediao.
  • Slide 16
  • Personagens que voc deve conhecer
  • Slide 17
  • rgo de Regulao, Fiscalizao e Auto-regulao Conselho Monetrio Nacional o rgo responsvel por expandir as diretrizes gerais para o bom funcionamento do SFN. Funes: Estabelecer as diretrizes gerais das polticas monetrias, cambial e creditcia. Por exemplo, competncia do CMN definir a meta de inflao do pas e disciplinar todos os tipos de crdito; Regular as Condies de constituio, funcionamento e fiscalizao das instituies financeiras; Estabelecer medidas de preveno ou correo de desequilbrios econmicos; Disciplinar os instrumentos de poltica monetria e cambial. O CMN um rgo normativo. Ele no um rgo executor. Ex: ele regula o funcionamento e a fiscalizao das instituies financeiras. Mas quem fiscaliza, na prtica, o Banco Central. o CMN que define a meta de inflao anual
  • Slide 18
  • Slide 19
  • rgo de Regulao, Fiscalizao e Auto-regulao Banco Central do Brasil o principal executor das orientaes do CMN e responsvel por garantir o poder de compra da moeda nacional. Funes: Autorizar o funcionamento e fiscalizar as instituies financeiras; Executar a poltica monetria e cambial; Efetuar operaes de compra e venda de ttulos pblicos federais; Receber recolhimentos compulsrios das instituies financeiras; Realizar operaes de redesconto e emprstimos s instituies financeiras; Exercer o controle de crdito e da movimentao de capital estrangeiro; Emitir moeda. O Banco Central um rgo executor. Ex: Ele fiscaliza as instituies financeiras e cumpre a meta de inflao definida pelo CMN. O CMN manda e o Banco Central Executa.
  • Slide 20
  • Slide 21
  • COPOM Comit de Poltica Monetria Institudo com o objetivo de estabelecer as diretrizes da poltica monetria e definir a taxa de juros bsica. Objetivos: Implementar a poltica monetria; Definir a meta da taxa SELIC e seu eventual vis; Analisar o relatrio de Inflao. Define a taxa Selic meta; Cumpre a meta de inflao definida pelo CMN O Copom composto pelos oito membros da Diretoria Colegiada do Banco Central e presidido pelo presidente da autoridade monetria Tambm integram o grupo de discusses os chefes de departamentos, consultores, o secretrio-executivo da diretoria, o coordenador do grupo de comunicao institucional e o assessor de Imprensa.
  • Slide 22
  • Antes de Falar da CVM, vamos ver o que significa Valores Mobilirios Valores Mobilirios Investimento realizado em dinheiro, com o intuito de lucro, ofertado ao pblico e sobre o qual o investidor no possui controle direto. Os principais valores mobilirios so: Aes; Debntures e Nota Promissria; Swap; Cotas de Fundos de Investimentos.
  • Slide 23
  • rgo de Regulao, Fiscalizao e Auto-regulao Comisso de Valores Mobilirios responsvel por regulamentar, desenvolver, controlar e fiscalizar o mercado de valores mobilirios no pas, promovendo medidas incentivadoras para a canalizao da poupana de investimento ao mercado de capitais. competncia da CVM tudo o que diz respeito a valores mobilirios. A CVM regula e fiscaliza todos os fundos de investimentos.
  • Slide 24
  • Slide 25
  • Slide 26
  • rgo de Regulao, Fiscalizao e Auto-regulao ANBIMA A Associao Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (ANBIMA) representa as instituies do mercado de capitais brasileiro. Faz parte da ANBIMA bancos comerciais e mltiplos, bancos de investimento, gestores e administradores de fundos, corretoras e distribuidoras de valores mobilirios e gestores de patrimnio. Principais Cdigos de Auto-regulao: Auto-regulao das Ofertas Pblicas de Ttulos e Valores Mobilirios; Auto-regulao de Fundos de Investimentos; Auto-regulao para os servios Qualificados aos Mercados de Capitais; Auto-regulao do Programa de Certificao Continuada, Auto-regulao do Mercado de Private Bank Domstico A ANBIMA responsvel pela auto-regulao do mercado, o qual, depois de aprovado, deve ser seguido por todos os associados.
  • Slide 27
  • Slide 28
  • Principais Intermediadores Financeiros Banco Comercial Os bancos comerciais so instituies financeiras privadas ou pblicas que tm como objetivo principal proporcionar suprimento de recursos necessrios para financiar, a curto e a mdio prazos, o comrcio, a indstria, as empresas p