Introdução Espectro de Freqüências Arquitetura Básica Tecnologias Modelo de Negócio Desenvolvimento Sugestão Conclusão Bibliografia

Embed Size (px)

Text of Introdução Espectro de Freqüências Arquitetura Básica Tecnologias Modelo de Negócio...

  • Slide 1
  • Slide 2
  • Introduo Espectro de Freqncias Arquitetura Bsica Tecnologias Modelo de Negcio Desenvolvimento Sugesto Concluso Bibliografia
  • Slide 3
  • Telefone Celular com TV Digital Telefone Celular com TV Digital Capacidade de receber sinais de rdio nas bandas de freqncia alocadas para os sinais de TV, alm das bandas alocadas para os dados e voz do telefone celular; 2002 Coria 2002 Coria telefones celulares com capacidade para receber sinais de TV j estavam disponveis; Sinais de TV eram transmitidos atravs de uma rede de telefonia celular padro, o que significava tarifas por minuto para assistir TV e contas telefnicas incrivelmente altas;
  • Slide 4
  • 2003 Samsung e Vodafone 2003 Samsung e Vodafone lanamento de telefones na Coria e no Japo que recebiam, gratuitamente, transmisses de TV analgicas locais. Problemas: vdeo entrecortado e alto consumo da bateria; Desafios enfrentados para fornecer TV Digital em um celular Desafios enfrentados para fornecer TV Digital em um celular Requer velocidades de transmisses rpidas: Velocidades de entrega de dados: 2G: 10 a 14 quilobits por segundo (Kbps); 2,5G: 30 a 100 Kbps; 3G: 144 Kbps a 2 megabits por segundo (Mbps);
  • Slide 5
  • Largura de banda: dados de televiso ocupam muito mais espao que voz e dados; Utilizao de Multicasting para economizar largura de banda; Consumo de bateria: Utilizao de tcnicas de fracionamento de tempo (time slice) para economizar bateria; EUA EUA empresas de TV Mvel Paga como MobiTV, SprintTV ou SmartVideo fornecem assinatura de um plano de servios.
  • Slide 6
  • Introduo Espectro de Freqncias Arquitetura Bsica Tecnologias Modelo de Negcio Desenvolvimento Sugesto Concluso Bibliografia
  • Slide 7
  • Servio Comercial no Japo. Terminais disponveis Servio Comercial na Itlia, Finlndia, frica do Sul, etc. Terminais disponveis. Servio Comercial na Coria. Terminais disponveis. Servio Comercial nos EUA. Terminais disponveis. Servio Comercial em vrios pases Terminais disponveis. Testes de Campo na Europa. No Existem terminais disponveis Norma Evolutiva do DVB-H para Banda Satelite. No existem Terminais Diponiveis. Fonte: Filipe Cabral Pinto, Mobile TV Workshop, 10/04/2008, PT Inovao
  • Slide 8
  • Introduo Espectro de Freqncias Arquitetura Bsica Tecnologias Modelo de Negcio Desenvolvimento Sugesto Concluso Bibliografia
  • Slide 9
  • Fonte: Melo et. al., TV Digital Mvel, 12/13/05, Revista WebMobile 06
  • Slide 10
  • Slide 11
  • DVB-H: Norma Europia; DVB-H baseado na especificao do DVB-T, adicionando-lhe um conjunto de caractersticas tendo em conta as especificaes dos terminais mveis; Vantagens para a Europa: Vantagens para a Europa: reutilizao da estrutura existente; sinais DVB-T e DVB-H so multiplexados e transmitidos juntos; Time Slicing: Time Slicing: Tcnica que permite reduzir o consumo de energia nos terminais em at 90%; O Stream de udio e vdeo agrupado e transmitido em rajadas dentro de um intervalo de tempo;
  • Slide 12
  • Modulao: Modulao: COFDM com 2k, 4k e 8k; udio: udio: MPEG-4 AAC, MPEG-4 HE AAC, MPEG HE AAC v2, AMR-WB+, AC3, Enhanced AC3; Vdeo: Vdeo: H.264/AVC, VC-1; Transporte: Transporte: MPEG 2 TS; Streams de udio e vdeo so encapsulados em pacotes IP (IPDC Internet Protocol Datacasting) e aps isso em pacotes MPEG 2;
  • Slide 13
  • Reutiliza as gamas espectrais atualmente atribudas para a difuso de TV analgica, VHF e UHF; A norma DVB-IPDC especifica um modelo de dados baseado em XML para um ESG (Electronic Service Guide) com vista descrio dos servios de TV mvel disponveis; O grupo MPEG desenvolveu uma norma para Rich Media em servios mveis LASeR - que permite adicionar interatividade a servios vdeo mveis, atravs do uso de SVG (Scalable Vector Graphics) e scripting.
  • Slide 14
  • Fonte: Filipe Cabral Pinto, Mobile TV Workshop, 10/04/2008, PT Inovao
  • Slide 15
  • Slide 16
  • Slide 17
  • Tipo de Receptor DVB Resoluo de VdeoTaxa de Transferncia Aplicaes Tpicas AQCIF Quarter Common Intermediate Format. 180 x 144 pixels 128 kbit/sCelulares 3G BCIF Common Intermediate Format. 360 x 288 pixels 384 kbit/sPDA, Celulares 3G CCIF Common Intermediate Format. 360 x 288 pixels 2 Mbit/sReceptor Porttil Fonte: Melo et. al., TV Digital Mvel, 12/13/05, Revista WebMobile 06
  • Slide 18
  • Fonte: Filipe Cabral Pinto, Mobile TV Workshop, 10/04/2008, PT Inovao
  • Slide 19
  • Slide 20
  • Originalmente desenvolvido pelo consrcio EUREKA; Padro adotado pela Coria do Sul e Alemanha; Baseado no Padro DAB (Digital Audio Broadcast); Vdeo: Vdeo: MPEG-4 AVC, H.264; Audio: Audio: MPEG-4 BSAC, MPEG-4 AAC, MPEG-4 HE; Modulao: Modulao: OFDM;
  • Slide 21
  • Resoluo Pixels CIF Common Intermediate Format 352 x 288 QCIF Quarter Common Intermediate Format 176 x 144 QVGA Quarter Video Graphics Adapter320 x 240 WDF Widescreen Format384 x 224 Fonte: DMB Digital Multimedia Broadcasting White Paper Samsung
  • Slide 22
  • Slide 23
  • Slide 24
  • Slide 25
  • Samsung B200 e B250 Samsung B100 Fonte: Samsung
  • Slide 26
  • Slide 27
  • Padro Adotado no Japo; 1Seg baseado no ISDB-T (Integrated Services Digital Broadcasting Terrestrial); O nome uma referncia ao fato de que o sistema de TV digital japons divide o sinal em 13 segmentos: 12 de alta definio e o 13 de baixa definio, para dispositivos portteis. (Um sinal similar ao thumbnail de fotografia.); A interatividade baseada em um conceito de tela separada (split screen);
  • Slide 28
  • 1Seg no Brasil usa MPEG4 para udio e vdeo: Lanado em SP em Dezembro de 2007; A parte de TV fornecida pelos operadores de TV e suportada pela publicidade; Audio: Audio: MPEG-2 AAC; Video: Video: MPEG-2 HDTV; Transporte: Transporte: MPEG-2; Modulao: Modulao: COFDM;
  • Slide 29
  • Fonte: Filipe Cabral Pinto, Mobile TV Workshop, 10/04/2008, PT Inovao
  • Slide 30
  • Slide 31
  • Slide 32
  • Sistema proprietrio desenvolvido pela empresa Qualcomm; Interatividade feita recorrendo a uma rede 3G; Transmisso em broadcast e ponto a ponto; Largura de banda: 450MHZ (50 a 100 canais de TV Mvel); Resoluo de Tela: Resoluo de Tela: QVGA ; Modulao: Modulao: OFDM; Vdeo: Vdeo: AVC/H.264; Audio: Audio: AAC+/HE-AAC;
  • Slide 33
  • NOC National Operation Center: faturamento, distribuio, gerenciamento de contedo gerenciamento de infra-estrutura para a rede. gerencia vrios elementos da rede serve como um ponto de acesso nacional e local para provedores de contedo distribuir contedo para uma vasta rea gerencia as assinaturas de servios de usurio, o fornecimento de acesso criptografia chaves fornece informaes de faturamento para operadoras celulares Fonte: The MediaFLO System Product Overview.
  • Slide 34
  • 3G Networks A rede 3G pertence ao operador wireless (ou operadoras) e suporta servios interativos para permitir que aparelhos mveis se comuniquem com o NOC. Fonte: The MediaFLO System Product Overview.
  • Slide 35
  • Slide 36
  • Slide 37
  • O MBMS (Multimedia Broadcast/Multicast Service) definido pelo 3GPP(3rd Generation Partnership Project) e tem como objetivo possibilitar a transmisso eficiente de dados de uma fonte para vrios usurios em simultneo atravs da rede mvel; 3GPP um projeto criado em dezembro de 1998 por cinco empresas de tecnologia mvel, a ETSI (Europa), ARIB/TTC (Japo), CCSA (China), ATIS (Amrica do Norte) e TTA (Coria do Sul) visando padronizar a criao, envio e reproduo de arquivos multimdia (vdeos) em telefones celulares e outros aparelhos wireless (sem fio) GSM.
  • Slide 38
  • Evoluo do WCDMA. MBMS estar disponvel tanto para GSM/EDGE quanto WCDMA; MBMS um tipo de servio baseado em IPDC que pode ser oferecido via redes GSM e UMTS;
  • Slide 39
  • Os servios utilizados tipicamente so os de streaming de vdeo e udio e download de arquivos; Modo Broadcast No necessita de subscrio, no necessita de autorizao, disponvel para todos na rea do servio; Modo Multicast Necessita de subscrio, necessita de autorizao, disponvel para grupos de usurios, informao codificada;
  • Slide 40
  • TV Mvel: TV ao vivo TV Interativa: Votao Comerciais Web 2.0 Blogs Vdeos Jogos Vdeo Conferncias Localizao: Informao turstica Publicidade, Alertas, Trnsito.
  • Slide 41
  • Fonte: Mobile broadcast/multicast in mobile networks Martin Bakhuizen and Uwe Horn Trs usurios esto assistindo trs canais diferentes (vermelho, verde e azul). O servidor fornece apenas um fluxo por canal. O fluxo de dados para cada canal no ncleo e na rede de radiotransmissao replicado somente quando necessario Neste exemplo o servidor de streaming deve tratar apenas trs fluxos simultaneamente. Os recursos da radiotranmisso na clula mais baixa s precisa ser atribudo a trs transmisses broadcast em paralelo.
  • Slide 42
  • GGSN: Gateway GPRS Support Node Um Gateway GPRS Support Node (GGSN) um n de rede que atua como um gateway entre uma rede GPRS DE dados sem fio e de outras redes como a Internet ou redes privadas. SGSN: Serving GPRS Support Node Um servio GPRS Support Node (SGSN) responsvel pela entreg