Click here to load reader

Introdução Trablho de Gestao Malulequeeee

  • View
    229

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Introdução Trablho de Gestao Malulequeeee

  • 7/26/2019 Introduo Trablho de Gestao Malulequeeee

    1/30

    ndice

    Introduo 2

    Objetivos....3

    Metodologia...4

    Regulamentao de projetos......5

    Breves onsidera!es........."

    #egislao .$

    %ormas e leis para oneo e e&euo de projetos'

    (i)erena entre normas e regulamentos..23

    *pliao de impostos.24

    +inaniamentos pr,prios e misto e)etuados pelo estado.....25

    -onlus!es...2

    Bibliogra)ia .....3/

  • 7/26/2019 Introduo Trablho de Gestao Malulequeeee

    2/30

    Introduo

    O presente trabal0o )ala da Regulamentao de projetos em Moambi1ue abordandoseem relao as normas e leis apliadas para sua e&euo normas e regulamentosapliados a entidades do estado e privados impostos apliados para servios de

    onsultoria empreiteiras por )im o )inaniamento pr,prio e misto e)etuado pelo estado.

    * regulamentao de projetos em moambi1ue visa prinipalmente estabeleer aintegridade )sia e )unional da olaborao entre as empreiteiras e os trabal0adores. *maior parte das grandes onstru!es em Moambi1ue esto dependentes dasonstruturas estrangeiras. 6or onseguinte a lasse empresarial ad1uiriu e&perienia noambiente instituional e aumulou reursos provenientes do jogo de in)lu7niasutili8ado por ve8es isto oorreu atrav9s da apropriao privada de patrim,nio dasempresas utili8ando os reursos mais variados em ondi!es e&tremamente )avor:veise a preos simb,lios. ;ma grande parte dos empres:rios permanee no setor in)ormale om atividades em ambos por ondiionalismo de diversa ordem basiamenteligados a uma grande )ragilidade de auto)inaniamento das suas atividades.

    Muitos projetos de onstruo em Moambi1ue areem de uma liena ambientalantes de poder ter inio de )ato 1ual1uer atividade 1ue pode a)etar o ambiente areede uma liena. * autori8ao baseiase na avaliao do potenial impato da atividade

    proposta para determinar a sua viabilidade ambiental e termina om a emisso duma#iena ambiental pelo Minist9rio para a -oordenao da *o *mbiental =*lgumas onstru!es 0abitaionais e as auto onstru!es muita das ve8es no seguem o

    parelamento urbano. @oje o setor de onstruo e de mat9rias movimenta oe1uivalente a $A do 6IB

  • 7/26/2019 Introduo Trablho de Gestao Malulequeeee

    3/30

    Objetivos

    Objetivos Geral

    (isponibili8ar ao leitor in)orma!es relaionadas om as regulamenta!es

    normas e leis de projetos em Moambi1ue.

    Objetivos Especficos

    +alar dos )inaniamentos pr,prios e mistos (i)erena das normas e regulamentos apliados por entidades do estado e

    privadas Impostos apli:veis %ormas e leis apliadas na oneo e e&euo dos projetos em moambi1ue.

  • 7/26/2019 Introduo Trablho de Gestao Malulequeeee

    4/30

    Metodologia

    * pes1uisa )oi obtida om base em in)orma!es relaionadas a engen0aria ivilatrav9s de livros e apontamentos publiados em pes1uisas de )orma eletr,nia.

    onstituda por um aptulo 1ue ser: apresentado por )orma )sia.

  • 7/26/2019 Introduo Trablho de Gestao Malulequeeee

    5/30

    Breves consideraes

    FII! a +ederao internaional de Cngen0eiros -onsultores. onstituda por membrosde assoia!es naionais de engen0aria. +undada em >>3 9 enarregada de promovere implementar os objetivos estrat9gios da ind?stria de onsultoria de engen0aria edi)undir in)orma!es e reursos de interesse para os seus membros. +I(I- na

    promoo dos seus objetivos publia )ormul:rios internaionais de ontratos paraobras e para lientes onsultores subonsultores juntamente om os materiaisrelaionados tais omo padro de pr91uali)iao de )ormas.

    +I(I- tamb9m publia doumentos pr:tios de neg,ios omo delara!es poltiasdoumentos de posio diretri8es manuais de treino e Dits de )ormao de reursosnas :reas de sistemas de gesto

  • 7/26/2019 Introduo Trablho de Gestao Malulequeeee

    6/30

    *s -ondi!es -ontratuais para -onstruo

  • 7/26/2019 Introduo Trablho de Gestao Malulequeeee

    7/30

    Moambi1ue possui uma das In)raestruturas de Jransportes menos desenvolvidas daregio da K)ria *ustral a densidade de estradas estimase em /./5 1uil,metros por1uil,metro 1uadrado. * rede vi:ria lassi)iada om era de 3//// Dm dos 1uaismenos de 2/A so alatroados

  • 7/26/2019 Introduo Trablho de Gestao Malulequeeee

    8/30

    Cm >5 riouse o Minist9rio de Obras 6?blias e @abitao

  • 7/26/2019 Introduo Trablho de Gestao Malulequeeee

    9/30

    *p,s a aprovao de um novo deretolei os empreiteiros de onstruo ivil 1ueoperem em Moambi1ue tero obriga!es mais rigorosas ao nvel do e1uipamento

    presente na obra )ae ao 1ue oorria no passado.Cstas obriga!es surgiram durante o an?nio da aprovao por parte do governomoambiano de um novo deretolei 1ue regulamenta a atividade de empreiteiro e deonsultor de onstruo ivil.%o passado bastava a apresentao de uma lista de pessoal para a obteno do alvar:algo 1ue )oi modi)iado om este deretolei obrigando os empreiteiros e osonsultores a possurem um determinado n?mero de e1uipamentos para a obteno doalvar: e respetivos trabal0os.

    !apitulo 0 do-

    esenvolvi,ento do projeto e e/ecuo da obra

    "E!%&O I1rojeto da obra

    #rtigo 2341rincpios gerais do projeto da obra5 + * )im de garantir a segurana e a proteo da sa?de de todos os intervenientes no

    estaleiro bem omo na utili8ao da obra e noutras interven!es posteriores o autordo projeto ou a e1uipa de projeto deve ter em onta os prinpios gerais de prevenode risos pro)issionais onsagrados no regime apli:vel em mat9ria de segurana0igiene e sa?de no trabal0o.0 +%a integrao dos prinpios gerais de preveno re)eridos no n?mero anterior

    devem ser tidos em onta designadamente os seguintes domniosEa) *s op!es ar1uitet,niasb) *s esol0as t9nias desenvolvidas no projeto inluindo as metodologias relativasaos proessos e m9todos onstrutivos bem omo os materiais e e1uipamentos a

    inorporar na edi)iaoc) *s de)ini!es relativas aos proessos de e&euo do projeto inluindo asrelativas estabilidade e s diversas espeialidades as ondi!es de implantao daedi)iao e os ondiionalismos envolventes da e&euo dos trabal0osd) *s solu!es organi8ativas 1ue se destinem a plani)iar os trabal0os ou as suas)ases bem omo a previso do pra8o da sua reali8aoe) Os risos espeiais para a segurana e sa?de enumerados no artigo $.P podendonestes asos o autor do projeto apresentar solu!es omplementares das de)ini!esonsagradas no projeto

    f) *s de)ini!es relativas utili8ao manuteno e onservao da edi)iao.

  • 7/26/2019 Introduo Trablho de Gestao Malulequeeee

    10/30

    #rtigo 6341lanificao da segurana e sa.de no trabal7o5 + O dono da obra deve elaborar ou mandar elaborar durante a )ase do projeto o

    plano de segurana e sa?de para garantir a segurana e a sa?de de todos osintervenientes no estaleiro.0 + Fe a elaborao do projeto se desenvolver em diversas )ases e em perodos

    suessivos o plano de segurana e sa?de deve ser re)ormulado em )uno daevoluo do projeto.8 + O plano de segurana e sa?de ser: posteriormente desenvolvido e espei)iado

    pela entidade e&eutante para a )ase da e&euo da obra.2 + O plano de segurana e sa?de 9 obrigat,rio em obras sujeitas a projeto e 1ue

    envolvam trabal0os 1ue impli1uem risos espeiais previstos no artigo $.P ou aomuniao pr9via da abertura do estaleiro.

    #rtigo 9341lano de segurana e sa.de e, projecto5 + O plano de segurana e sa?de em projeto deve ter omo suporte as de)ini!esdo projeto da obra e as demais ondi!es estabeleidas para a e&euo da obra 1uesejam relevantes para o planeamento da preveno dos risos pro)issionaisnomeadamenteEa) O tipo da edi)iao o uso previsto as op!es ar1uitet,nias as de)ini!esestruturais e das demais espeialidades as solu!es t9nias preoni8adas os

    produtos e materiais a utili8ar devendo ainda inluir as peas esritas e desen0adasdos projetos relevantes para a preveno de risos pro)issionaisb) *s araterstias geol,gias 0idrol,gias e geot9nias do terreno as redest9nias a9reas ou subterrLneas as atividades 1ue eventualmente deorram no loalou na sua pro&imidade e outros elementos envolventes 1ue possam ter implia!esna e&euo dos trabal0osc) *s espei)ia!es sobre a organi8ao e programao da e&euo da obra ainluir no onurso da empreitadad) *s espei)ia!es sobre o desenvolvimento do plano de segurana e sa?de 1uando

    v:rias entidades e&eutantes reali8am partes da obra.0 + O plano de segurana e sa?de deve onreti8ar os risos evideniados e asmedidas preventivas a adoptar tendo nomeadamente em onsiderao os seguintesaspetosEa) Os tipos de trabal0o a e&eutarb) * gesto da segurana e sa?de no estaleiro espei)iando os domnios daresponsabilidade de ada intervenientec) *s metodologias relativas aos proessos onstrutivos bem omo os materiais e

    produtos 1ue sejam de)inidos no projeto ou no aderno de enargosd) +ases da obra e programao da e&euo dos diversos trabal0os

    e) Risos espeiais para a segurana e sa?de dos trabal0adores re)eridos no artigo

  • 7/26/2019 Introduo Trablho de Gestao Malulequeeee

    11/30

    seguintef) *spetos a observar na gesto e organi8ao do estaleiro de apoio de aordo omo ane&o I.

    8 + * Inspeoeral do Jrabal0o pode determinar ao dono da obra a apresentaodo plano de segurana e sa?de em projeto.

    #rtigo :34)iscos especiaisO plano de segurana e sa?de deve ainda prever medidas ade1uadas a prevenir osrisos espeiais para a segurana e sa?de dos trabal0adores deorrentes de trabal0osEa) Que e&pon0am os trabal0adores a riso de soterramento de a)undamento ou de1ueda em altura partiularmente agravados pela nature8a da atividade ou dos meiosutili8ados ou do meio envolvente do posto ou da situao de trabal0o ou doestaleirob) Que e&pon0am os trabal0adores a risos 1umios ou biol,gios suseptveis deausar doenas pro)issionaisc) Que e&pon0am os trabal0adores