Invagina§£o intestinal secundria a linfoma de Burkitt em c£o jovem. linfoma de c©lulas pode

  • View
    220

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Invagina§£o intestinal secundria a linfoma de Burkitt em c£o jovem. linfoma de...

  • Invaginao intestinal secundria a linfoma de Burkitt em co jovem. Alexandre, N.1,2,3; Martinho, A.1; Moreira J.4; Pestana, S.2; Caldeira, J.2; Branco, S.1,2,3.

    1Departamento de Medicina Veterinria, Escola de Cincias e Tecnologia, Universidade de vora, Plo da Mitra, 7000-094 vora, Portugal 2Hospital Veterinrio da Universidade de vora, Plo da Mitra, 7000-04 vora, Portugal

    3Instituto de Cincias Agrrias e Ambientais Mediterrnicas (ICAAM), Universidade de vora, Ncleo da Mitra, Apartado 94, 7006-554 vora, Portugal 4Triplusvet clinica veterinria (Reguengos de Monsaraz). Rua dos Mancebos, 3, Apartado 115,7200-999 Reguengos de Monsaraz, Portugal

    Autor correspondente: Nuno Miguel Loureno Alexandre, Departamento de Medicina Veterinria, Escola de Cincias e Tecnologia, Universidade de

    vora, Plo da Mitra, 7000-094 vora, Portugal; email: nmla@uevora.pt.

    Introduo

    O linfoma de Burkitt uma neoplasia de clulas B descrita como entidade clnica por Dennis Burkitt

    em 1958. um subtipo de linfoma no-hodgkin de rpido crescimento. Em medicina humana, o lin-

    foma de Burkitt pode apresentar-se frequentemente como uma leso maligna extranodal ou sob a

    forma de leucemia aguda(6). Esta neoplasia tem sido descrita raramente como causa de invagina-

    o intestinal quer na populao peditrica quer na populao adulta(6). Em medicina veterinria, o

    linfoma de clulas B pode ocorrer com localizao intestinal de ces e gatos mas nunca foi associa-

    do a invaginao intestinal(2). No entanto relativamente a outras espcies domsticas, o linfoma

    de clulas B foi apenas descrito at ao presente como causa de invaginao intestinal no cavalo(5).

    At ao momento, este caso constitui a primeira descrio de um caso de um linfoma de Burkitt com

    localizao intestinal no co.

    Relato do caso

    Foi presente consulta do hospital veterinrio da Universidade de vora, uma cadela de 11 me-

    ses de idade de raa indeterminada. Na histria pregressa verificou-se que existia a suspeita de in-

    gesto de corpo estranho (CE), vmito incoercvel com 24 horas de durao, dor abdominal e anore-

    xia parcial. Ao exame clnico, registaram-se diversas alteraes entre as quais a presena de mucosa

    oral congestionada, desidratao de 5% e ligeira hipotermia (37,8C) estando os restantes parme-

    tros dentro dos limites normais. Na palpao manual da cavidade abdominal detectou-se a presen-

    a de uma massa tubular no abdmen mdio. Tendo em conta os achados do exame clnico, o paci-

    ente foi admitido para exames complementares de diagnstico por suspeita de obstruo intestinal.

    Aps a obteno da histria pregressa e exame fsico realizaram-se diversos exames complemen-

    tares de diagnstico que incluram perfil bioqumico srico, hemograma, radiologia abdominal sim-

    ples com projeces latero-lateral e ventro-dorsal. Adicionalmente foi tambm realizada ecografia

    abdominal.

    Os achados radiolgicos evidenciaram a presena de um CE no linear radiopaco na regio do ab-

    dmen mdio e uma regio com radiopacidade de tecido mole com efeito de massa igualmente no

    abdmen mdio (Fig. 1). A ecografia abdominal confirmou a presena de obstruo intestinal pela

    presena de um CE associada a uma invaginao intestinal (Fig.2).

    Aps estabilizao pr-cirrgica, realizou-se uma laparatomia exploratria, procedimento no qual

    se confirmou a presena de um CE no linear (um aglomerado de fios de nylon de um esfrego) no

    jejuno e caudalmente a este uma invaginao jejuno-jejunal. Procedeu-se a desinvaginao e obser-

    vou-se num segmento da poro jejunal invaginada um espessamento da parede intestinal com es-

    tenose do lmen, com congesto e hemorragia da serosa. Em consequncia deste achado realizou-

    se uma enterectomia do segmento estenosado com uma margem de segurana de 4 cm, seguida de

    anastomose intestinal topo a topo com padro de sutura simples interrompida. O CE foi removido

    pela inciso da enterectomia devido sua proximidade. Explorou-se a cavidade abdominal e todo o

    tubo digestivo no se registando alteraes macroscpicas adicionais. A recuperao ps-operatria

    decorreu sem complicaes maiores tendo sido concedido alta ao paciente 4 dias aps a cirurgia.

    O segmento intestinal removido foi enviado para anlise histopatolgica e imunohistoquimica. O

    diagnstico histopatolgico determinou uma infiltrao de clulas neoplsicas linfides em toda a

    espessura da parede intestinal (Fig 5). A anlise imunohistoquimica revelou marcao positiva das

    referidas clulas linfides para os anticorpos PAX5 (clone 24- Cell Marque) (Fig. 4)e CD79 alpha-

    cy (clone HM57- Agilent Antibodies) (Fig. 3) e marcao negativa para CD3 (policlonal - Cell Mar-

    que) confirmando-se a presena de um linfoma de clulas B.

    Discusso

    A invaginao intestinal descrita como o deslizamento de um segmento proximal do intestino para

    o lmen do segmento adjacente. A incidncia desta afeco elevada em ces jovens sendo a prin-

    cipal causa de obstruo intestinal em animais com menos de 1 ano de idade(4).

    Os CE, as enterites vricas e parasitrias so causas frequentes de invaginao intestinal em pacien-

    tes jovens, no entanto as neoplasias intestinais so a principal causa de invaginao em animais ge-

    ritricos(3,7). No co e no gato, o linfoma intestinal de clulas T o mais frequente dos linfomas

    do tubo digestivo(1,8). A ocorrncia de neoplasia intestinal e especificamente o linfoma de Burkitt

    nunca foi descrita anteriormente como causa de invaginao intestinal em co jovem devendo ser

    considerado como nos diagnsticos diferencias desta afeco.

    Agradecimentos

    Os autores agradecem ao DNAtech (Estrada do Pao do Lumiar, 22, Departamento de Biotecno-

    logia - Edifcio E.1649-03 Lisboa) nas pessoas do Dr. Pedro Fasca e Dra. Ins Carvalho pela reali-

    zao das anlises imunohistoquimicas e pela cedncia das respectivas fotografias.

    Figura 3 -Marcao imunohistoqumica positiva para CD79alphacy (clone HM57-

    Agilent Antibodies; 400x)

    Figura 4 -Marcao imunohistoqumica positiva para PAX5 (clone 24- Cell Marque;

    400x)

    Figura 5 -clulas grandes, de morfologia linfide, com elevada relao N:C e exibindo inumeras figuras de mitose ( hematoxilina-eosina, 400x)

    Figura 1 - aspectos ecogrficos caractersticos do corpo estranho intestinal(A) e invaginap intestina jejuno-jejunal (B).

    A B

    Figura 2 Radiologia abdominal projeco latero-lateral (A) e ventro-dorsal (B) evidenciando um corpo estranho e uma massa com radiopacidade de tecido

    mole no abdmen mdio.

    A B

    Referncias bibliogrficas 1-Coyle, K. A. & Steinberg, H. (2004) Characterization of Lymphocytes in Canine Gastrointestinal Lymphoma Veterinary Pathology , 41(2):141 - 146.

    2-Frank., J.D., Reimer, S.B., Kass, P.H., Kiupel, M. (2007) Clinical Outcomes of 30 Cases (19972004) of Canine Gastrointestinal Lymphoma. Journal of the American Animal Hospital As-

    sociation, 43(6):13-321.

    3-Levien, A.S., Baines S.J., (2011). Histological examination of the intestine from dogs and cats with intussusception. Journal of Small Animal Practice, 52 (11):599-606.

    4-Levitt, L., & Bauer, M. S. (1992). Intussusception in dogs and cats: A review of 36 cases. The Canadian Veterinary Journal, 33(10): 660664.

    5- Matsuda, K., Shimada, T., Kawamura, Y., Sakaguchi, K., Tagami, M., Taniyama, H.(2013) Journal of Veterinary Medical Science, 2013;75(9):1253-6

    6-Radovanovi, Z., Slavkovi, A., Marjanovi, Z., ivanovi, D., Djordjevi, I. (2017). Burkitt lymphoma as a cause of intussusceptions The significance of positron emission tomo-

    graphy scan in the follow-up. Vojnosanit Pregl. 74(3): 294 297.

    7-Schwandt, C.S., (2008). Low-grade or benign intestinal tumours contribute to intussusception: a reporton one feline and two canine cases. Journal of Small Animal Practice, 49: 651

    654.

    8-Vezzali, E., Parodi, A. L., Marcato, P. S., Bettini, G. (2010), Histopathologic classification of 171 cases of canine and feline non-Hodgkin lymphoma according to the WHO. Veterinary

    and Comparative Oncology, 8: 3849.

    XIV congresso do hospital veterinrio Montenegro24 e 25 de Fevereiro de 2018, Santa Maria da Feira