JORNAL ACADêMICO 1ª parte alterado - uneb.br ?MICO-Nº-02.pdf · respeito, compreensão e um felicíssimo

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of JORNAL ACADêMICO 1ª parte alterado - uneb.br ?MICO-Nº-02.pdf · respeito, compreensão e um...

JORNAL ACADMICO Boletim Informativo do Campus XV da UNEB ANO 2 - N4 - Agosto de 2008/Fevereiro de 2009

UNEB-XV promove debate eleitoral pela primeira vez

Dr.Osvaldo (candidato), Carlos Eduardo (mediador)Cludio______________________) Queiroz (candidato a re-eleio).

Pela primeira vez em sua histria, o Campus XV da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), em Valena, promoveu um debate entre candidatos prefeitura do municpio (Pg.3)

O Departamento de Educao do Campus XV da UNEB conta com nova configurao de gesto (Pg.3)

Campus XV da UNEB realiza I Seminrio Educao e tica: A prtica do pensar o estgio nos espaos formais e no-formais (Pg.13)

CURTAS - (Pg. 14)

CULTURA & QUADRINHOS Poesia: A desintegrao da entrega

Suzana S.S. Andrade. (Pg.15) Caa Palavras e Humor (Pg.16)

Editorial Transformao e Mudana so as duas palavras que representam o que de fato ocorreu no nmero 4 do nosso jornal acadmico. (Pg.2) Artigos O desafio da avaliao na escolarizao Ricardo Japiassu (Pg.5) A herana das lnguas africanas no portugus do Brasil Joilene Nunes (Pg.7) Sou sem preconceito? - Patrcia Santana (Pg.9) Direito X Antidireito - Suzana S.S. Andrade (Pg.10) Ensino jurdico:em busca de prticas emancipatrias - Moacir Corts (Pg.11)

O Ensino de Nove Anos: Repensando Prticas Construindo Saberes e Formao de Educador Popular numa Perspectiva Freiriana. (Pg.13)

Marque a sua presena no Encontro dialgico na leitura da questo Afro-brasileira (Pg.14)

Seminrio Educao e tica: a prtica do pensar o Estgio nos Espaos Formais e No-Formais (Pg.16)

Entrevista com Paulo Jos Gonalves de Sousa, novo diretor de Departamento do Campus XV (Pg.17)

2

j

Editorial Nem s de retrica se faz um jornal. Nele vive tambm o sonho e a imaginao, em suma, o desejo de transformar.

Joo Teixeira Lopes (socilogo)

Transformao e Mudana so as duas palavras que representam o que de fato ocorreu no nmero 4 do nosso jornal acadmico. Primeiro, os idealizadores do projeto inicial do jornal se afastaram e assumiu a coordenao professora Maria Jos Etelvina dos Santos, que vem tentando junto com os colaboradores manter o mesmo nvel de produo e veiculao das informaes do campus. Segundo, a configurao gestora do departamento tambm mudou tendo o professor Paulo Jos Gonalves Souza como diretor, que com sua sensibilidade vem mantendo um clima de serenidade e harmonia no departamento, muda tambm a coordenao do colegiado de pedagogia, tendo a frente professora Cristiane Soares Mendes e no Colegiado de direito, o professor Srgio Augusto Herreira Atauichi, como tambm a coordenao do NUPEX com a professora Maria Jos Etelvina dos Santos, como coordenador de Informtica o tcnico Weskley Lopes Fonseca, no financeiro Patrcia de Cssia Lima Vieira, na Biblioteca Eliecy Francisca dos Santos, na secretaria da direo Lucinia Pereira Mota e na secretaria acadmica nosso querido Michel Charles da Anunciao que vm realizando um timo trabalho em suas respectivas reas. Enfim, ano novo e vida nova no departamento, com olhar diferenciado, aes delineadas por novas foras e energias operando em sintonia com o todo.

Inicialmente, fizemos uma pesquisa com o coletivo sobre o formato e a configurao do jornal e recebemos vrios e-mails e respostas positivas quanto permanncia da mesma configurao e formato, o que, levou-nos a permanncia do estilo inicial, acrescentando apenas uma pgina com poesias, piadas, caa-palavras e dicas gerais sobre a vida, as relaes humanas e o convvio social. Os projetos de extenso, os encontros, seminrios, fruns e entrevistas que ocorreram no campus durante o perodo de edio foram documentados e esto em destaque por todo o corpo do jornal, como tambm os artigos e textos enviados e demos prioridade queles textos que esto no aguardo desde a edio passada e no foram publicados por falta de espao no nmero anterior do jornal e esto sendo publicados agora nesta edio.

Enfim, sensibilidade, harmonia, bem-aventurana, solidariedade, coeso, relaes humanas melhoradas, prazer de ensinar e aprender, acolhimento, compaixo, respeito, compreenso e um felicssimo ano novo para todos que compem o coletivo do departamento de educao campus XV da Universidade do Estado da Bahia, o que deseja a coordenao e colaboradores do Jornal Acadmico Campus XV.

JORNAL ACADMICO DO Campus XV DA UNEB- Uma publicao do DEDCXV Rua Ceclia Meireles, S/N- Centro- Valena-Ba Tel.: (75) 3641-0599/ E-mail:jornalacademicoxv@hotmail.com

Reitor Coordenao do NUPEX Monitora Institucional Lourisvaldo Valentim da Silva Maria Jos Etelvina dos Santos Joice de Jesus Oliveira Pr-Reitor de Extenso Coordenao do Projeto Diagramao:Cristiano Vieira. Adriana Marmori Maria Jos Etelvina dos Santos Impresso: Laboratrio de Impresso- . UNEB Direo de Departamento Ano: 2 N:4 Paulo Jos Gonalves Tiragem: 1000

3

CONFIGURAO DA NOVA GESTO

Pela 1 vez a UNEB-XV PROMOVE UM DEBATE ELEITORAL

Direo de Departamento - Paulo Jose Gonalves de Souza. Colegiado de Pedagogia-Cristiane Soares Mendes. Colegiado de Direito-Sergio Herreira Atauichi. Coordenao do NUPEX-Maria Jose Etelvina dos Santos. Coordenao de Informtica - Wesckley L. Fonseca. Coordenao Financeira Patrcia de Cssia L. Vieira. Coordenao Acadmica Michel Charles da Anunciao.

O processo de transformao da antiga para nova Gesto se deu de forma sensata e responsvel, mantendo um clima de serenidade e harmonia no Departamento-Campus XV-Valena. Tal serenidade tambm foi observada durante todo processo de eleio e posse, e est sendo perceptvel na gesto, que tem uma caracterstica de Gesto Participativa.

O D.A de Pedagogia, juntamente com o D.A de

Direito promoveu um debate entre os candidatos

a prefeitura de Valena. Estavam concorrendo

quatro candidatos no qual. S

compareceu o Dr. Oswaldo (PT) e o prefeito, at

ento atual que luta pela re-eleio, Sr. Cludio

Queiroz. O debate realizou-se no auditrio do

Campus XV, e motivou muitas pessoas a se

deslocarem de suas casas para saber quais eram

as propostas de melhoria para a cidade de

Valena. Foi preciso a instalao de um telo na

parte externa do auditrio para melhor

comodidade dos convidados e pessoas que se

fizeram presente naquele ato de cidadania

poltica.

4

OPINIO

O Desafio da avaliao na escolarizao: o estado da arte na pesquisa ao nvel de graduao no DEDC Campus XV e uma proposta para a de(s)reitificao do conceito de prova

*Ricaro Japiassu Ms. Dr. em Educao e Artes Cnicas, professor do Departamento Campus XV da UNEB

A Herana das lnguas africanas no portugus do Brasil

* Joilene dos Santos Nunes discente do curso de Pedagogia, VIII SEM. do Departamento Campus XV-UNEB

SOU SEM PRECONCEITO?

* * Patrcia Santos Santana discente do IV sem. do Departamento Campus XV da UNEB.

*Suzana S. S. Andrade discente do curso de Direito V sem. Departamento Campus XV

DIREITO x ANTIDIREITO

ENSINO JURDICO: EM BUSCA DE PRTICAS EMANCIPATRIAS Moacir Corts Discente do curso de Direito V sem.Departamento Campus XV.

5

O DESAFIO DA AVALIAO NA ESCOLARIZAO: O ESTADO DA ARTE NA PESQUISA

AO NVEL DE GRADUAO NO DEDC XV E UMA PROPOSTA PARA A DE(s)REIFICAO DO CONCEITO DE PROVA

Por Ricardo Japiassu, Professor Titular da UNEB XV

Vou tentar expor aqui, dentro das limitaes impostas pelas recomendaes editoriais do Jornal Acadmico, alguns resultados que tenho obtido com a pesquisa da minha prpria prtica pedaggica numa perspectiva prtico-reflexiva (NVOA, PERRENOUD, SCHN). O processo de avaliao dos componentes pedaggicos (disciplinas) sob minha responsabilidade tem sido desenvolvido articulando-se as dimenses AUTNOMA e HETERNOMA na mensurao do desempenho e produtividade acadmicos dos cursistas. Isto : prope-se a participao dos alunos na definio dos ndices numricos que referem o seu desempenho e produtividade acadmicos. A este sistema de avaliao o tenho referido valendo-me da consigna AVALIAO COLABORATIVA ou AUTO-SCIO-AVALIAO. Trata-se de um processo avaliativo participativo que organizado com base na co-laborao de objetos de aprendizado relacionados aos assuntos de interesse do componente curricular tendo como eixo a pesquisa. Consiste portanto na operacionalizao de um sistema alternativo, mais democrtico, de avaliao do escolar, ao mesmo tempo em que busca atender s injunes do sistema educacional adotado pela UNEB e materializado (concretizado) pelo modelo bancrio (FREIRE) oficial, padroni